Matt Solomon Exclusively for Fashion Editorials with Zoe von Stieglitz

Model: Zoe von Stieglitz  at IMG Models

Photographer & Stylist​: Matt Solomon. Hair & Makeup: Claire Melhuish.
Model: Zoe von Stieglitz  at IMG Models

Top and Skirt Subu Hat Fallen Broken Street Boots Therapy
Shirt Grace Willow Pants Saroka Bolo Tie Angela Clark Boots Beau Coops Cowboy Hat Bailey
Jacket Ryder Shirt Rocky Rafaela Belt M.N.G Pants Bul Clothing Cowboy Hat Bailey Boots Therapy
Blouse Bul Clothing Skirt Caznic Cowboy Hat Bailey
Shirt Caznic Tie Angela Clark Skirt Torannce Loafers Zoe Kratzmann
Top and Skirt Subo Blouse Simonett Boots Jagger The Label Bolo Tie Angela Clark

Conheça o “Safety Cut”, corte de cabelo que funciona como medida de segurança para a covid-19

A tendência capilar está dando o que falar nos salões do Hemisfério norte
HANNAH COATES

400Corte de cabelo contra a Covid-19(Foto: Reprodução)

Agora que os salões de beleza estão reabrindo e a clientela não vê a hora de conseguir um horário na agenda para cortar seus fios indisciplinados, nos resta uma pergunta: qual estilo usar? Enquanto muitos optam por uma mudança drástica – uma nova cor ou uma franja, por exemplo, para compensar os últimos longos e entediantes meses – outros preferem continuar em terreno já conhecido. Mas mesmo os freguêses que gostam de apostar no mesmo bê-á-bá de sempre estão mudando seus pedidos aos cabeleireiros, agora eles pedem por um “corte de segurança” ou “safety cut”.

“O que é um corte de segurança?” você pode perguntar. É um termo inventado especificamente para esse momento, em meio à incerteza constante do Covid-19, para descrever cortes de cabelo menores do que o de costume que mulheres estão optando fazer para se sentirem mais seguras.

A nova tendência tem feito a cabeça de muita gente. “Mais alguns centímetros, por favor”, tornou-se um pedido comum em cadeiras de salões na Inglaterra, e não apenas porque estamos sedentos por um corte de cabelo. A diretora de beleza da Vogue britânica, Jessica Diner, por exemplo, é a pessoa com a menor probabilidade de errar quando vai ao seu salão, mas na primeira visita após a quarentena para ver seu cabeleireiro, George Northwood, as coisas mudaram pouco.

Black Lives Matter Berlin x HÖR Fundraising – Juliana Huxtable / June 28 / 9pm-10pm

Este fluxo especial de seis horas é uma colaboração com o Black Lives Matter Berlin e todas as doações necessárias vão para o Espaço Internacional da Mulher.

‘Um ano completamente sóbria’, comemora Lily Allen

Cantora contou estar ‘muito grata’ por sua ‘saúde e felicidade’ em postagem no Instagram

A cantora Lily Allen usou seu Instagram para comemorar seu ‘aniversário’ de sobriedade nesta terça-feira, 28.

“Um ano completamente sóbria! Muito grata pela minha saúde e felicidade”, escreveu.

No passado, Lily Allen já revelou ter recebido conselhos de amigos como Chris Martin, do Coldplay, e Gwyneth Paltrow por conta de seu problema com drogas. Em uma festa de Halloween em 2014, a cantora chegou a ficar inconsciente.

Questão racial domina Emmy em que Netflix bate recorde absoluto

Plataforma de streaming recebeu 25% das nomeações sozinha; HBO fica em segundo
Luciana Coelho

Série Watchmen
‘Watchmen’ lidera as indicações ao Emmy 2020, concorrendo em 26 categorias  Foto: Divulgação| HBO

Foi uma lavada. No ano marcado pela pandemia do coronavírus e pela exacerbação dos conflitos raciais nos EUA, a Netflix arrebatou 160 indicações ao prêmio Emmy —um recorde— e deixou para trás a arquirrival HBO, a ascendente Amazon Video e a promissora Apple TV somadas (107, 30 e 18 indicações, respectivamente).

A precursora das plataformas de streaming levou, sozinha, 25% de todas indicações da premiação mais importante da TV americana, cujos troféus serão entregues em 19 de setembro.

Ano passado, a Netflix teve 118 indicações e a HBO, 137; a primeira saiu da premiação com 27 troféus, e a segunda, com 34, efeito do final de “Game of Thrones”.

Mas é novamente da HBO a série que concorre mais vezes neste ano, “Watchmen”, com 26 indicações, incluindo melhor atriz (Regina King) e melhor ator (Jeremy Irons) em minissérie, além de roteiro e direção.

A produção de Damon Lindelof (“The Leftovers”) inspirada nos quadrinhos homônimos de Alan Moore aborda um episódio tétrico da história americana. Em 1921, uma turba de brancos atacou e matou ao menos cem negros em Tulsa, além de deixar centenas de feridos e casas e negócios destruídos. Até hoje a cidade do estado americano de Oklahoma procura seus mortos, em um sinal de que, um século depois, as feridas raciais do país continua expostas.

Na sequência em indicações, vêm a comédia “A Maravilhosa Sra. Maisel” (da Amazon Video, com 20) e os dramas “Ozark” (Netflix) e “Sucession” (HBO), ambas com 18. “The Mandalorian”, aventura sci-fi que foi a aposta de estreia da Disney, recebeu 15, e “The Morning Show”, o drama sobre assédio que serviu de vitrine ao lançamento da Apple TV, 8.

A categoria em que concorre “Watchmen” condensa o melhor da produção do ano, na qual, além dos temas raciais, primam séries de cores feministas. Estão neste páreo a brilhante “Little Fires Everywhere” (também da HBO), “Ms. America” (FX), “Ubeliavable” e “Unorthodox”, ambas da Netflix.

Mais sem graça é o rol de melhores comédias: “Segura a Onda” (HBO), pérola de Larry David que teve um bom retorno após anos de hiato; a recém-encerrada “The Good Place” (NBC, aqui pela Netflix), Sra. Maisel; “Disque Amiga para Matar” e “Método Kominsky” (ambas da Netflix); “Isecure” (HBO); a canadense “Schitt’s Creek” (aqui pela Amazon) e a vampiresca “What We Do In The Shadows”. Maisel e David já têm seus prêmios. “The Good Place” mereceria levar pela inventividade de um roteiro que fala com graça de filosofia.

Entre os dramas, a disputa deve ficar entre as famílias pouco convencionais de “Ozark” (um clã que lava dinheiro) e “Sucession” (magnatas da mídia), duas séries que se provaram melhores em suas segunda e terceira temporada —o oposto de “Better Call Saul” (AMC/Netflix), “The Handmaids Tale” (Hulu/Paramount/Globoplay) e “Stranger Things” (Netflix), que também concorrem.

Completam a lista “The Crown” (Netflix); “Killing Eve” (BBC/Globoplay) e “The Mandalorian”. Com exceção desta última, em sua temporada de estreia, apenas Saul nunca levou um Emmy —mas a série da qual ela derivou, “Breaking Bad”, levou 16 em sete anos.

Nas categorias de atuação, chama a atenção um inédito equilíbrio entre intérpretes negros e brancos, mérito do esforço liderado pela própria Netflix, e sua aspiração por um público global, para diversificar elencos, seguido, também, por outras plataformas.

Jason Bateman (“Ozark”), Sterling K. Brown (“This Is Us”), Steve Carell (“The Morning Show”) Billy Porter (“Pose”) e Brian Cox e Jeremy Strong (“Sucession”) concorrem a protagonista dramático. Como Brown e Porter já ganharam, o prêmio poderia contemplar Carell, um ator cômico por excelência que sempre surpreende nos raros papéis dramáticos que recebe.

Uma competição de veteranos se dá na categoria de comédia, com Anthony Anderson (black-ish), Don Cheadle (“Black Monday”, da Showtime), Ted Danson (“The Good Place”), Michael Douglas (Kominsky) e Eugene Levy (“Schitt’s Creek”) concorrendo com Ramy Youssef, que levou no ano passado pela autorreferente “Ramy”. Danson e Cheadle parecem ter a dianteira.

Entre as atrizes cômicas, Issa Rae, desponta. Ela concorre com Christina Applegate e a surpreendente Linda Cardellini por “Disque Amiga para Matar”; Rachel Brosnahan com sua sra. Maisel, e as veteranas Catherine O’Hara (“Schitt’s Creek”, e a eterna mãe de “Esqueceram de Mim”) e Tracee Ellis Ross (black-ish).

O confronto mais difícil se dá entre as atrizes dramáticas: Jennifer Aniston (“The Morning Show“), Laura Linney (“Ozark”); Zendaya (“Euphoria”, HBO), Olivia Colman (“The Crown”) e Jodie Comer e Sandra Oh (ambas de “Killing Eve”) brilham. Linney coleciona quatro Emmys, e um quinto seria merecidíssimo pelo papel da cínica Wendy Byrde. Zendaya surpreende.

Faltou aí Janelle Monáe, por “Homecoming”, série da Amazon inexplicavelmente desdenhada pelo Emmy.

Veja a lista dos principais indicados ao Emmy:

Melhor ator em série de comédia

  • Michael Douglas, “Método Kominski”
  • Anthony Anderson, “Black-ish”
  • Ted Danson, “The Good Place”
  • Don Cheadle, “Black Monday”
  • Eugene Levy, “Schitt’s Creek”
  • Ramy Youssef, “Ramy”

Melhor atriz em série de comédia

  • Christina Applegate, “Dead to Me”
  • Rachel Brosnahan, “The Marvelous Mrs. Maisel”
  • Linda Cardellini, “Dead to Me”
  • Catherine O’Hara, “Schitt’s Creek”
  • Issa Rae, “Insecure”
  • Tracee Eliss Ross, “Black-ish”

Melhor ator em série de drama

  • Jason Bateman, “Ozark”
  • Sterling K. Brown, “This Is Us”
  • Steve Carrell, “The Morning Show”
  • Brian Cox, “Succession”
  • Billy Porter, “Pose”
  • Jeremy Strong, “Succession”

Melhor atriz em série de drama

  • Jennifer Aniston, “The Morning Show”
  • Olivia Colman, “The Crown”
  • Jodie Comer, “Killing Eve”
  • Laura Linney, “Ozark”
  • Sandra Oh, “Killing Eve”
  • Zendaya, “Euphoria”

Melhor atriz em minissérie ou filme para TV

  • Kerry Washington, “Little Fires Everywhere”
  • Cate Blanchett, “Mrs. America”
  • Shira Haas, “Unorthodox”
  • Regina King, “Watchmen”
  • Octavia Spencer, “Self Made”

Melhor ator em minissérie ou filme para TV

  • Jeremy Irons, “Watchmen”
  • Hugh Jackman, “Bad Education”
  • Paul Mescal,  “Normal People”
  • Jeremy Pope, “Hollywood”
  • Mark Ruffalo, “I Know This Much Is True”

Melhor minissérie

  • “Little Fires Everywhere” 
  • “Mrs. America”
  • “Unbelievable” 
  • “Unorthodox” 
  • “Watchmen”

Melhor série de drama

  • “Better Call Saul”
  • “The Crown”
  • “O Conto da aia”
  • “Killing Eve”
  • “The Mandalorian”
  • “Ozark”
  • “Stranger Things”
  • “Succession”

Melhor série de comédia

  • “Curb Your Enthusiasm”
  • “Dead to Me”
  • “The Good Place”
  • “Insecure”
  • “The Kominsky Method”
  • “The Marvelous Mrs. Maisel”
  • “Schitt’s Creek”
  • “What We Do In The Shadows”

Melhor reality show de competição

  • “The Masked Singer”
  • “Nailed It!”
  • “RuPaul Drag Race”
  • “Top Chef”
  • “The Voice”

Melhor programa de variedades

  • “The Daily Show with Trevor Noah”
  • “Full Frontal with Samantha Bee”
  • “Jimmy Kimmel Live!”
  • “Last Week Tonight with John Oliver”
  • “The Late Show with Stephen Colbert”

Melhor filme para TV

  • “American Son”
  • “Bad Education”
  • “Dolly Parton’s Heartstrings: These Old Bones”
  • “El Camino: A Breaking Bad Movie”
  • “Unbreakable Kimmy Schmidt: Kimmy vs. The Reverend”

Korg Kronos 2 88-key Titanium Limited Edition Workstation with Italian Grand Demo

Carregado com sons incríveis, ferramentas de desempenho poderosas e tudo que você precisa para criar faixas de qualidade master, não há dúvidas de que a segunda edição do Korg Kronos é a estação de trabalho de teclado escolhida por artistas da lista A como Jordan Rudess e Derek Sherinian. Entre seus nove mecanismos de som de qualidade profissional, você encontrará de tudo, desde modelos de piano premium, EPs e órgãos clássicos e uma infinidade de sintetizadores cultivados ao longo de décadas de desenvolvimento.

KIMHEKIM | Spring Summer 2020 | Full Show

KIMHEKIM | Spring Summer 2020 by Kiminte Kimhekim | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – PFW/Paris Fashion Week)

Miss Monique – MiMo Weekly Podcast 019 [Progressive House / Melodic Techno DJ Mix]

Miss Monique presents new Progressive House / Melodic Techno DJ Mix in new MiMo Weekly Podcast 019 (July 2020)

Adam Stanley Exclusively for Fashion Editorials with Izzy House

Photographer: Adam Stanley. Fashion Stylist: Mary Franz Lawas. Model: Isabella House at The Models.