Zuckerberg quis comprar Instagram para evitar competição, mostram documentos

Scroll down to content

Em troca de emails em 2012, o presidente executivo do Facebook mostrou preocupação com o crescimento da rede social rival
Por Giovanna Wolf e Bruno Capelas – O Estado de S. Paulo

Mark Zuckerberg, presidente executivo do Facebook

O presidente executivo do FacebookMark Zuckerberg,  teve a intenção de comprar o Instagram para se proteger de competição no mercado. É isso que revelam documentos apresentados nesta quarta-feira, 29, obtidos por uma investigação do Congresso dos Estados Unidos: durante uma troca de e-mails com o diretor financeiro da empresa, David Ebersman, em 2012, Zuckerberg chega a dizer que “se eles (o Instagram) crescerem em larga escala, pode ser muito prejudicial para o Facebook”. 

Os registros da conversa em questão foram revelados durante uma audiência no Congresso americano com a participação dos presidentes executivos das gigantes de tecnologia Facebook, Amazon, Alphabet (dona do Google) e Apple. O objetivo é analisar o poder de mercado das empresas e se elas abusaram dele promovendo concorrência desleal no setor, causando danos a consumidores e concorrentes. O martelo pesado de Washington investiga há um ano as empresas por seu poderio econômico, com direito a centenas de horas de entrevistas e mais de 1,3 milhões de documentos. 

“Esses negócios estão começando ainda mas as redes são estabelecidas e as marcas já são significativas”, disse Zuckerberg na troca de emails em 2012, em referência ao Instagram e também a outra rede social, chamada Path. “Já que nosso próprio valor é bastante agressivo e que somos vulneráveis ​​em dispositivos móveis, estou curioso para saber se devemos considerar ir atrás de um ou dois deles. O que você acha?”, questionou Zuckerberg em uma mensagem a Ebersman, diretor financeiro da empresa. 

Em resposta, Ebersman pediu para o presidente do Facebook explicar a motivação por trás dessas possíveis aquisições — ele listou quatro possíveis razões consideradas em geral para comprar empresas e pediu a Zuckerberg sua opinião para o caso em questão. Zuckerberg respondeu que tratava-se de uma combinação de evitar competição e melhorar o Facebook. “Há um efeito de rede em torno de produtos sociais e um número finito de diferentes mecanismos sociais para inventar. Quando alguém ganha em uma mecânica específica, é difícil para outros substituir sem fazer algo diferente. “

Discussões na audiência

Durante a audiência desta quarta, o deputado democrata Jerry Nadler, de Nova York, afirmou que a aquisição do Instagram pelo Facebook em 2012 desafiou leis antitruste. “Pelos documentos que temos, o Facebook via o Instagram como ameaça e, em vez de competir, o Facebook comprou a rede social. É uma aquisição do tipo que as leis de antitruste foram desenhadas para prevenir. É algo que não podia ter acontecido e não pode acontecer de novo”.  

No Congresso, Zuckerberg afirmou que o Facebook sempre viu o Instagram como competidor e como complemento aos seus serviços. “Naquela época, não era óbvio que o Instagram teria o tamanho que tem hoje. Havia grandes rivais, não tinha garantia de que o Instagram seria bem sucedido. A aquisição deu certo por conta do talento dos fundadores, mas também porque investimos nessa empresa”, afirmou. 

Zuckerberg também mencionou que a Comissão Federal do Comércio (FTC, na sigla em inglês) não se opôs à aquisição na época. Entretanto, atualmente, o cenário mudou: o órgão está hoje analisando ativamente aquisições feitas na área de tecnologia e ainda pode chegar a uma conclusão diferente. Esse cenário pode ser ainda mais diferente nos próximos meses após a eleição presidencial, uma vez que presidentes têm poder de apontar novos comissários – e tanto Donald Trump quanto Joe Biden já se mostraram a favor de regular o poder das gigantes de tecnologia. 

Aquisição do WhatsApp

Zuckerberg também disse perante o Congresso nesta quarta que o WhatsApp, comprado pelo Facebook em 2014, era “ao mesmo tempo um competidor e um serviço complementar”. “Eles competiram com o Facebook na área de mensagens, que é um espaço importante”, disse o presidente da rede social. 

Em publicação no Twitter, Tim Wu, professor da Universidade de Columbia e criador do conceito de neutralidade da rede, disse que “é uma violação da Lei Sherman comprar um concorrente direto para eliminá-lo como perigo e proteger um monopólio”, em referência a uma lei antitruste dos Estados Unidos. “Essa ideia parece não estar sendo bem entendida”, completou. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: