Atualizações de Charlize Theron baseadas em sua vida amorosa e na experiência pandêmica de sua família

Charlize Theron compartilha o que procura em um parceiro, e Drew mostra sua melhor impressão de Drew Barrymore.

Medo da opinião alheia, denominado FOPO, invade as redes sociais

Cultura do cancelamento amplifica sintoma, que já havia sido ‘classificado’ na vida real, e postar ou não postar se torna uma questão
Marcia Disitzer

Ambiente reativo provoca medo de postar Foto: Shutterstock

O termo que vem à baila lembra FOMO (sigla em inglês para o “medo de estar perdendo alguma coisa”), síndrome do mundo moderno antes da pandemia, em que todos estavam lindos e felizes em fotos fartamente distribuídas nas redes sociais. Agora outra sigla parecida ganha espaço por detectar um comportamento. Chama-se FOPO (“fear of other people’s opinion” ou medo das opiniões alheias). Foi cunhado pelo psicólogo americano Michael Gervais e se refere a um receio que pode virar uma “obsessão irracional”. O sintoma agora se expande, contagia as redes sociais e o postar ou não postar vira uma das principais questões contemporâneas. E não é para menos: estamos vivendo uma era, potencializada pela pandemia, em que atitudes individuais — como, por exemplo, a festa promovida pela influenciadora Gabriela Pugliesi em plena quarentena — podem ganhar imensa (e negativa) repercussão. O pavor de ser “cancelado” acaba comprometendo o discernimento e até o “correto”, sob a lente do medo, corre o risco de parecer equivocado.

André Carvalhal Foto: Chico Cerchiaro
André Carvalhal Foto: Chico Cerchiaro

O consultor de moda e escritor André Carvalhal vem questionando o assunto. “Vale se perguntar se a pessoa que deixa de fazer uma determinada publicação on-line, por não ter segurança ou para ser socialmente aceita, está, de fato, repensando suas ações no mundo real”, explica. “Por exemplo, tem um monte de gente indo a festas durante a pandemia. Elas não postam o que estão vivendo, como fariam em outros períodos, mas seguem na aglomeração, sem questionamento algum”, dispara Carvalhal. 

Luiza Brasil Foto: Leandro Tumenas
Luiza Brasil Foto: Leandro Tumenas

Segundo o consultor, o FOPO é resultado de tudo que a web intensificou. “Até pouco tempo, o ‘cancelamento’ vinha da imprensa, daqueles que eram chamados de formadores de opinião e faziam a curadoria do que era ou não válido. Hoje, a pirâmide se inverteu”, observa. “E aí entra o medo da opinião dos outros e o consequente receio de expressar a sua, já que todos podem fazer julgamentos a respeito”, continua. Para ele, a novíssima geração já emergiu sob esses novos códigos, e está mais preparada do que os “millennials antigos”.

De acordo com o psicanalista e professor da Universidade de São Paulo (USP) Christian Dunker, a reflexão a respeito das publicações na internet está em curso e é mais do que bem-vinda. “Estamos aprendendo a ocupar esse espaço”, analisa. “O indivíduo pensar antes de postar e investigar o significado do post para si e para os outros é sinal de que está desenvolvendo consciência crítica”, acredita.

Kika Gama Lobo Foto: Renan Oliveira
Kika Gama Lobo Foto: Renan Oliveira

Com 98 mil seguidores no Instagram no perfil @mequetrefismos, a influenciadora Luiza Brasil acredita que a pandemia da Covid-19 deixou as desigualdades sociais ainda mais latentes e transformou o sentido do verbo postar. Ela diz estar tendo ainda mais cuidado neste momento. “Por estarmos todos em casa, surgiu o questionamento do quanto da minha intimidade devo revelar. Percebi que também posso silenciar”, afirma. “Tudo isso está provocando uma mudança de mentalidade. Muitas vezes, eu me pergunto: ‘Preciso mesmo postar isso ou é melhor viver?’”, avalia. Antes da pandemia, existia a vangloriação do lifestyle. “Hoje o que conta é como você está conduzindo a sua vivência, ser mais educativa e empática”, emenda. Luiza acredita que esta reflexão deveria avançar mais algumas casinhas. “O tribunal vazio da internet faz com que as pessoas sintam medo, mas, na maioria das vezes, não altera a conduta nem o caráter do indivíduo. O papo deveria ser outro. São poucos os que investigam a origem do real problema simbolizado no receio de ser ‘cancelado’.”

Carvalhal — que no fim do mês vai lançar o livro “Como salvar o futuro” — diz que todo o processo de postar ou não postar deveria ser utilizado como ferramenta de autoconhecimento. “Procuro pensar no que a dúvida diz sobre mim e não sobre os possíveis comentários negativos”, explica.

Para a antropóloga Carol Delgado, o FOPO tem a ver com a evolução das redes. “Principalmente por causa do confinamento, o virtual tornou-se ainda mais parte do real”, analisa. Porém, ela não crê que este ‘sintoma’ mobilize a população brasileira, e destaca o poder das fakes news no país como prova disso. “A sociedade do Brasil é organizada para ser cara de pau. Não acho que exista uma orientação pautada pelo medo e, sim, pelo medo de passar vergonha”, ressalta.

Medo de passar vergonha é exatamente o que não tem a criadora de conteúdo digital Kika Gama Lobo. À frente do Atitude 50, ela conta que a vida inteira foi julgada pelas opiniões bélicas. “A minha voz sempre precisou sair e rapidamente entendi que pagaria um preço por isso”, observa Kika, que diz ter sido constantemente “patrulhada” no mundo e na web. Nos últimos tempos, ela — que criou, em 2009, a hashtag #riodemerda para chamar atenção para os problemas da cidade — confessa ter ficado mais atenta. “O FOPO não me inibe na hora de postar, mas passei a pensar com cuidados nas palavras que utilizo. Eu me preocupo em não ferir ninguém”, explica. “Continuo rebelde, mas penso mais no outro. Existe uma nova etiqueta e procuro encontrar um meio-termo”, admite. Mesmo assim, volta e meia, ela recebe mensagens de conhecidas falando para ela ser mais “cordata” para conseguir contratos. “Dizem que sou louca por misturar maturidade com boletos e política.”

O professor de Filosofia Renato Noguera aponta o debate pouco qualificado das redes sociais como uma das possíveis causas para o FOPO. “Muita gente prefere se manter reservada para não correr o risco de ser mal interpretada e virar alvo dos haters”, pondera. Ele acha que ainda é cedo para avaliar o fenômeno. “É preciso analisar caso a caso. Existe a influência do politicamente correto, que é a celebração da democracia, mas também pode revelar um moralismo ideológico. Há sim um grau de pressão, mas vamos ter que esperar um tempo para entender melhor.” A conferir.

Ozzy Osbourne lança animação comemorativa de “Crazy Train”

Direção do clipe foi feita por Tiny Concert, que já havia trabalhado com o Pearl Jam
FÁBIO GARCIA

A música “Crazy Train” e o álbum Blizzard of Ozz foram lançados há 40 anos e, para comemorar a data redonda, Ozzy Osbourne lançou uma nova versão do clipe, agora feito como uma animação.

A animação foi feita por Tiny Concert, que já havia feito o clipe de “Superblood Wolfmoon” para o Pearl Jam.

Ainda nas comemorações de aniversário, o álbum foi relançado nas plataformas digitais com alguns mimos, como faixas gravadas ao vivo de álbuns lançados na década de 1980. Confira o álbum abaixo:

Dwayne ‘The Rock’ Johnson arranca portão de casa sozinho: “Tinha que ir trabalhar”

Ator contou que casa ficou sem luz e não tinha tempo para esperar técnicos para o conserto

Dwayno Johnson arranca portão de casa (Foto: Reprodução/Instagram)

Dwayne ‘The Rock’ Johnson teve que tomar algumas medidas drásticas para sair de casa para trabalhar nesta sexta-feira (18). Em seu Instagram, ele postou uma foto do portão de sua casa jogado no chão e explicou que arrancou ele do lugar sozinho, já que ele não estava funcionando.

“A essa altura, eu tinha centenas de pessoas da equipe de produção esperando por mim para que pudéssemos começar o dia de trabalho”, cotninuou o ator, que irá dar vida ao herói Adão Negro nos cinemas. “Então eu fiz o que tinha que fazer. Eu empurrei, puxei e arranquei o portão completamente sozinho. Arranquei completamente dos tijolos, quebrei os metais hidráulicos e joguei na grama. Minha equipe de segurança encontrou com os técnicos uma hora mais tarde e aparentemente eles estavam “incrédulos e igualmente assustados” com a forma como eu o arranquei.”

“Não foi o meu melhor momento, mas eu tinha que ir trabalhar. Nós tivemos algumas quedas de energia por conta das chuvas fortes, fazendo com que o meu portão de entrada parasse de abrir. Eu tentei usar o sistema hidráulico manualmente para abrir, porque normalmente funciona quando estamos sem energia, mas não funcionou dessa vez”, começou ele na legenda.

O ator continuou explicando que ligou para algumas pessoas para ir consertá-lo, mas que “não tinha como esperar 45 minutos”

The Rock concluiu brincando: “Não foi o meu melhor momento, mas um homem tem que chegar no trabalho. Acho que posso dizer com tranquilidade que estou 100% pronto para ser o Adão Negro”.

Lançamentos da semana: 5 novidades de beleza para atualizar o nécessaire

Produtos recém-chegados ao mercado e que prometem conquistar um espacinho na sua bancada de beleza. Tem perfume, leave-in para tratar as pontas e dar aquela forcinha extra na hora de deixar crescer os fios, batom vermelho…
MARIE CLAIRE

Lançamentos da semana: 5 novidades de beleza para atualizar o nécessaire (Foto: Larissa Nara (@larinara))

Todos os dias algum produto de beleza novo chega às prateleiras e se você é do tipo que adora ficar por dentro das novidades, listamos abaixo alguns dos produtos que chegaram por aqui essa semana – e o melhor, todas já disponíveis nos e-commerces de beleza. De sérum facial a perfume, conheça produtos que prometem conquistar um espaço na sua bancada de beleza. Confira:

1. Liz Desodorante Colônia, O Boticário, R$ 109,90
Uma fragrância floral amadeirada intensa e marcante desenvolvida com a exclusiva Base de Laire Iris Nobre — uma fórmula secreta que traz a união do óleo da Íris Absoluta Francesa com o Vetiver de Madagascar. Ideal para quem gosta de aromas adocidados e que marcam presença. 

2. Sérum Facial Peptide-AHA, Vichy, R$ 199,90
A fórmula que combina ácido salicílico, ácido glicólico, ácido hialurônico, biopeptídeos, e, claro, a água vulcânica da marca, é o primeiro sérum antissinais desenvolvido especialmente para a pele brasileira, de acordo com a marca. Além de reduzir rugas e linhas finas, promete reduzir poros e oleosidade da pele. 

3. Leave-in Siàge Nutri Rose, Eudora, R$ 39,99
Enriquecido com o poderoso Elixir de Rosas e Argila Vermelha, é rico em vitaminas e antioxidantes que nutrem os fios e carregam poder de reparação profunda da raiz as pontas. A promessa: reduzir as pontas duplas e reparar o comprimento (evitando a necessidade de corte para quem quer deixar os fios crescerem), deixando o cabelo mais macio e brilhante.

4. Pó Compacto Phyto-Poudre Compact, Sisley, R$ 620
A fórmula enriquecida com manteigas de Cacau, Manga e Cupuaçu e Extrato de Flor de Hibisco faz desse pó um produto ultra-macio e cremoso que se adapta instantaneamente a pele deixando uma sensação calmante e aveludada. Promete desfocar linhas de expressão, ao mesmo tempo em que deixa a pele radiante e uniforme. Disponível em 3 tons transparentes, além de um tom de bronze para dar brilho e contorno.

5. Batom Matte Super Lustrous (Super Heroine), Revlon, R$ 44,90
Integrante na nova coleção de edição limitada Mulher Maravilha 84, apesar do efeito mate, possui fórmula hidratante desenvolvida com seda, aloe vera e vitaminas C e E para proporcionar um toque suave e confortável aos lábios. Cor intensa e textura delicada!

Magazine Luiza aceitará apenas negros em próximo programa de trainee

Iniciativa da gigante varejista é uma resposta aos movimentos por inclusão e diversidade; inscrições foram abertas hoje e aceitam candidatos de qualquer curso superior
Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

Atualmente, o Magalu tem em seu quadro de funcionários 53% de pretos e pardos. Foto: Felipe Rau/Estadão

No ano em que os movimentos por inclusão e diversidade ganharam importância inédita, o Magazine Luiza abriu as inscrições para seu programa de trainees de 2021 – e vai aceitar apenas candidatos negros. “O objetivo do Magalu com o programa é trazer mais diversidade racial para os cargos de liderança da companhia, recrutando universitários e recém-formados de todo Brasil, no início da vida profissional”, diz a empresa.

Para a consultora e professora de MBA na área de Recursos Humanos, Jorgete Lemos, a iniciativa vem em um momento no qual as diferenças sociais e raciais ficaram escancaradas, tanto em razão da pandemia, quanto em virtude das manifestações antirracistas americanas. Movimentos como o Black Lives Matter voltaram com força em todo o mundo este ano, após o assassinato do americano George Floyd.

Além de estar atenta ao movimento, o Luiza também terá ganhos na ponta do lápis, dizem especialistas. “As empresas favorecem seu próprio negócio quando reduzem a desigualdade”, afirma Jorgete. Vários estudos acadêmicos comprovam os ganhos financeiros quando o quadro de empregados é mais diverso. Além disso, para ela, o desenvolvimento econômico do País só virá quando a população negra for incluída economicamente. “Estamos falando de cerca de 57% da população”, diz.

A professora da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e pesquisadora em racismo e seus efeitos no Mercado de Trabalho, Alessandra Benedito, chama a atenção para o fato de que processos deste tipo procuram ajudar o crescimento profissional dos jovens contratados. “Não pode haver um teto de vidro para eles nas organizações”, diz.

Foi o que motivou a iniciativa da rede varejista. Atualmente, o Magalu tem em seu quadro de funcionários 53% de pretos e pardos. Mas apenas 16% deles ocupam cargos de liderança. “O alerta despertado por essa baixa participação fez com que o Magalu decidisse atuar, oferecendo oportunidades para quem ainda está começando a carreira”, diz a companhia.

Benedito diz que, mesmo com a mudança de cultura de muitas empresas, ainda há quem trabalhe contra ações do tipo. “A sociedade está polarizada. Há pessoas lutando pelo ‘direito de discriminar'”, diz. Para ela, ações afirmativas são, por natureza, temporárias, com o sentido de reduzir desigualdades históricas. “Ações afirmativas não são permanentes. Devem existir enquanto existe o processo de exclusão”, diz.

Processo seletivo
As inscrições para o programa de trainee do Magalu serão abertas hoje e aceitarão candidatos formados entre dezembro de 2017 e dezembro 2020, em qualquer curso superior. O conhecimento em língua inglesa e experiência profissional anterior não fazem parte dos pré-requisitos para a seleção. Candidatos de todo o Brasil podem participar, desde que tenham disponibilidade para se mudar para São Paulo. Caso o selecionado seja de fora da cidade, receberá um auxílio mudança.

O processo seletivo será dividido em seis etapas. A seleção começará com testes online, em seguida, eles passarão pela etapa que consiste na gravação de um vídeo de apresentação profissional e por entrevistas com o departamento de recursos humanos. Aqueles que seguirem no processo, serão entrevistados por diretores de área e, depois, pela Diretoria Executiva. Os finalistas participarão de uma conversa com o CEO da empresa, Frederico Trajano.

O programa de trainees 2021 foi desenvolvido em parceria com as consultorias Indique Uma Preta e Goldenberg, Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), Faculdade Zumbi dos Palmares e Comitê de Igualdade Racial do Mulheres do Brasil.

Veja abaixo os benefícios do programa de trainee 2021 do Magazine Luiza:
Salário: R$ 6.600,00 + Bônus de contratação de 1 salário
PLR
VR ou VA
VT
Plano médico e odontológico
Gympass
Desconto em produtos
Home office híbrido
Frutas no escritório
Liberdade pra se vestir como quiser
Previdência privada
Bolsa inglês, além de uma grade de desenvolvimento exclusiva para aceleração de carreira do trainee com Job Rotation e de sessões Mentoria

Surface Duo – Available Now to Do One Better

O novo Surface Duo. Existe uma nova maneira de fazer as coisas. #DoOneBetter

Cientista Gretchen Goldman compartilha bastidores de entrevista à rede CNN e mostra a quarentena real das mães em home office

Gretchen Goldman tinha imagem imaculada na TV, mas no Twitter ela mostrou a realidade da sobrecarga das mulheres: estava de camiseta e calcinhas em um quarto com brinquedos espalhados pelo chão

Gretchen Goldman en entrevista à rede americana CNN Foto: Reprodução/Twitter
Gretchen Goldman em entrevista à rede americana CNN Foto: Reprodução/Twitter

A cientista e engenheira ambiental Gretchen Goldman publicou um post para lá de honesto no Twitter, com uma mensagem que toda mãe que está em home office durante a pandemia vai entender.

Goldman deu uma entrevista para a rede de TV americana CNN, na qual vemos uma profissional arrumada e, ao fundo, detalhes da casa aparentemente em ordem. Mas, no Twitter, a cientista postou a cena real: enquanto dava a entrevista, ela estava de camiseta e calcinha, e o chão do quarto estava repleto de brinquedos.

Na TV, Goldman discutiu a escolha pelo presidente americano Donald Trump de um negacionista da crise climática para um posição-chave na agência dos EUA dedicada ao clima. Diretora de pesquisa do Centro para Ciência e Democracia, ela tem feito sucesso no Twitter com o post sincero.

Na terça (15), Goldman publicou as duas imagens lado a lado: seu rosto e o cenário imaculados na TV e, de outro ângulo, a cena da vida real, com o quarto completamente bagunçado. O post veio acompanhado da legenda: “Estou sendo honesta”.

Dois momentos da cientista Gretchen Goldman durante entrevista à rede CNN: à esquerda, sua imagem no canal; à direita, a cena real, de camiseta e calcinha, com o laptop sobre uma cadeira e brinquedos dos filhos espalhados pelo quarto Foto: reprodução/Twitter

Com o sucesso do post, que foi compartilhado mais de 39 mil vezes e tem mais de 300 mil curtidas, Goldman repostou a imagem no dia seguinte, dessa vez com uma nova legenda, ainda mais sincera:

“Isso está viralizando porque é cômico. Mas eu quero deixar claro que mães e pais estão sendo colocados em uma possível impossível agora, e isso vai tirar carreiras do trilho, especialmente para as mães”, escreveu.

O post de Gretchen Goldman gerou inúmeros comentários, especialmente de mulheres que se identificaram com as imagens.

Realidade: de outro ângulo, a cientista Gretchen Goldman enquanto dava entrevista à rede americana CNN Foto: Reprodução/Twitter
Realidade: de outro ângulo, a cientista Gretchen Goldman enquanto dava entrevista à rede americana CNN Foto: Reprodução/Twitter

Desde o início da pandemia, especialistas em saúde mental e em questões de gênero têm alertado que as mulheres vão sofrer particularmente os impactos da pandemia. Como, além de suas vidas profissionais, é delas a maior parte do trabalho de cuidado, a sobrecarga é inevitável atrapalha o seu desenvolvimento profissional. Hoje, esses especialistas dão à dupla jornada de mães que trabalham fora um outro nome: jornada contínua.

A arquiteta Eliza Blair cria uma luz aconchegante para a casa eduardiana em Melbourne

A designer de interiores Eliza Blair , baseada em Melbourne, concluiu recentemente a adição de dois andares a uma casa eduardiana de madeira para uma jovem família que mora em Melbourne.

malvern-house-melbourne-eliza-blair21
Living room

“Aninhado na parte de trás do quarteirão, esta adição de dois andares a uma casa eduardiana feita de madeira foi planejada em torno de uma adega subterrânea existente. Projetado para a vida familiar, um design prático foi procurado para abraçar a energia de 3 meninos, garantindo flexibilidade suficiente para as necessidades de mudança da família. Os pais não queriam se sentir muito separados de seus filhos, nem queriam que a sala principal parecesse que estava fora dos limites para a família. O briefing também pedia tetos altos, muita luz natural e uma escada aberta que levava ao retiro definitivo dos pais no primeiro andar. Observando os muitos itens práticos listados no briefing funcional do cliente, o ralo da lavanderia era o item número 2 (depois da luz natural, felizmente!). Trabalhando com uma sobreposição de herança, o acréscimo precisava ser colocado o mais longe possível da rua, para permitir que o telhado inclinado de ardósia existente fosse lido como um todo. A pegada interna também precisava incluir a adega subterrânea existente, que não estava no local mais conveniente, mas seria uma oportunidade perdida de não ser reutilizada. A área de estar extra larga fica na entrada da adega (embaixo do sofá) e oferece a oportunidade de um grande assento de janela voltado para o norte ser centralizado na piscina. Com portas de correr envidraçadas que se encaixam nos pilares de tijolo quando abertas, a casa pode efetivamente fundir-se com o ar livre no verão, enquanto no inverno, a família pode sentar-se perto do fogo, ou desfrutar do calor do sol que entra pela janela de vidros duplos. Ao empurrar o primeiro andar para a parte de trás do bloco, o espaço do telhado existente pôde ser usado como um escritório e área de armazenamento, criando um espaço tranquilo para trabalhar em casa ”, explica Eliza Blair

malvern-house-melbourne-eliza-blair14
Kitchen
malvern-house-melbourne-eliza-blair12
Dining room
malvern-house-melbourne-eliza-blair22
Powder room
malvern-house-melbourne-eliza-blair16
malvern-house-melbourne-eliza-blair13
malvern-house-melbourne-eliza-blair4
Stairs
malvern-house-melbourne-eliza-blair1
Bathrooms
malvern-house-melbourne-eliza-blair3
malvern-house-melbourne-eliza-blair2
malvern-house-melbourne-eliza-blair20
malvern-house-melbourne-eliza-blair18
malvern-house-melbourne-eliza-blair17
Study & bedroom
malvern-house-melbourne-eliza-blair11