Senadoras republicanas são contra indicação à Suprema Corte antes da eleição

Democrata Joe Biden disse que nomeação agora seria ‘exercício de poder político puro’

A senadora pelo Alasca, a republicana Lisa Murkowski
A republicana Lisa Murkowski, senadora pelo Alasca – Greg Nash – 9.set.20/AFP

Após o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciar que pretende nomear uma mulher ainda nesta semana para a vaga de Ruth Bader Ginsburg na Suprema Corte, duas senadoras republicanas se manifestaram contra uma indicação antes da eleição de 3 de novembro.

Neste domingo (20), Lisa Murkowski, representante do Alasca no Senado americano, afirmou em comunicado que deve ser adotado o mesmo padrão de 2016, quando a Casa se recusou a aceitar indicação do então presidente, Barack Obama, a dez meses do pleito.

“Estamos agora ainda mais perto da eleição de 2020 —a menos de dois meses—, e acredito que o mesmo padrão deve ser adotado.”

No sábado, outra republicana, Susan Collins, senadora pelo Maine, também havia se posicionado contra uma nomeação neste momento. O líder da maioria da Casa, Mitch McConnell, porém, afirmou em comunicado que levaria adiante uma indicação de Trump, mantendo a promessa de “apoiar sua [do presidente] agenda, em especial suas excepcionais nomeações para o Judiciário federal”.

Outros senadores republicanos, que rejeitaram a nomeação de Obama há quatro anos, têm rebatido as acusações de hipocrisia.

“O que estamos propondo é completamente consistente com o precedente”, afirmou John Barrasso, eleito por Wyoming, à emissora de TV NBC. Já Tom Cotton, do Arkansas, disse à Fox News que “a maioria do Senado está cumprindo nosso dever constitucional e o mandato que os eleitores nos deram em 2016 e 2018”.

No cenário atual, os democratas têm poucas chances de bloquear a escolha de Trump, pois são minoria no Senado (45 das 100 cadeiras).

O rival do republicano na disputa presidencial, o democrata Joe Biden, fez um apelo aos republicanos neste domingo e pediu para que não realizassem nenhuma votação antes de novembro. O ex-vice de Obama também atacou a intenção de Trump, de realizar a indicação o quanto antes, chamando-a “exercício de poder político puro”.

“Os eleitores deste país deveriam ser ouvidos. São eles que esta Constituição prevê que devem decidir quem tem o poder de fazer essa nomeação”, afirmou Biden, na Filadélfia. O democrata disse ainda que, se eleito, ele deveria ter a chance de fazer a indicação à Suprema Corte.

Segundo uma pesquisa realizada por Reuters e Ipsos neste sábado e domingo, 62% dos americanos concordavam que a indicação deveria ser feita pelo vencedor da eleição presidencial, enquanto 23% disseram ser contra.

Ginsburg morreu na noite de sexta-feira (18), aos 87 anos, de complicações de câncer pancreático após atuar por 27 anos no tribunal.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.