Fendi Spring/Summer 2021

Fendi Spring Summer 2021 Full Womenswear and Menswear Runway Fashion Show Collection by Silvia Venturini Fendi

Instagram atualiza Reels para deixá-lo ainda mais parecido com o TikTok

Jéssica Nakamura

Instagram atualizou Reels para deixá-lo mais parecido com o TikTok

O Instagram anunciou nesta quarta (23) algumas atualizações no Reels, ferramenta que permite gravar e editar vídeos curtos com áudio, efeitos e outros recursos criativos. A partir de agora, é possível gravar vídeos de até 30 segundos –até então, o tempo máximo era de 15 segundos. Além disso, o temporizador, que antes permitia contagens regressivas de apenas três segundos até a gravação, agora também tem a opção de 10 segundos. Para completar, a rede social também passou a possibilitar ao usuário cortar e excluir qualquer trecho do vídeo, tornando o processo de edição mais fácil.

Embora o argumento da empresa seja de que as mudanças foram feitas atendendo a pedidos de sua comunidade, as novidades deixam o Reels ainda mais parecido com o TikTok, aplicativo chinês do qual é considerado um clone. Lançada oficialmente em agosto deste ano, a ferramenta do Instagram é uma investida clara de Mark Zuckerberg na tentativa de frear o avanço do aplicativo chinês, cuja presença nos Estados Unidos tentou barrar aliando-se ao presidente Donald Trump.

Não é a primeira vez que Zuckerberg copia descaradamente um concorrente com o objetivo de neutralizá-lo. O Instagram Stories, recurso que imita o Snapchat, foi lançado após os criadores do aplicativo de vídeos que desaparecem em 24 horas recusarem uma tentativa de compra do fundador do Facebook. As ações da Snap, empresa que controla o aplicativo, chegaram a cair após o anúncio do crescimento dos Stories. O próprio Instagram foi comprado em 2012 pela empresa de Zuckerberg, que também adquiriu em 2014 o WhatsApp –o qual, por sinal, acaba de lançar um recurso que é uma cópia do Telegram e do Snapchat.

São tantas as investidas que a Comissão Federal do Comércio (FTC) dos Estados Unidos chegou a abrir uma investigação para determinar se o gigante das mídias sociais conduziu uma campanha para tomar o controle de potenciais rivais antes que pudessem se tornar uma ameaça.

Mas, mesmo com as atualizações recém-anunciadas, o Instagram Reels ainda está longe de alcançar o TikTok. Além de aceitar vídeos de até um minuto –o dobro do tempo total agora permitido pelo Instagram–, o aplicativo chinês também conta com um algoritmo movido a inteligência artificial para recomendar conteúdo customizado aos usuários sem que eles precisem seguir seus criadores.

Resta aguardar os próximos capítulos dessa batalha de redes sociais.

Diretora Maïmouna Doucouré de ‘Cuties’ defende o filme: ‘Cenas difíceis de assistir, mas não menos verdadeiras’

Maïmouna Doucouré reforça argumento de que não há nudez infantil no longa e lamenta que debate levantado não seja o que ela pretendia

Maïmouna Doucouré, diretora de ‘Cuties’, diz que sua intenção foi levantar debate sobre sexualização de crianças

Nome por trás do filme “Lindinhas” (“Cuties”), acusado de sexualizar crianças e alvo da fúria da ministra Damares Alves, a diretora francesa Maïmouna Doucouré contou que o longa iniciou um debate, embora não seja o debate que ela pretendia.

Em artigo escrito para o “Washington Post”, Doucouré conta que, certo dia, estava em um evento comunitário em Paris quando um grupo de garotas entrou no palco vestidas e dançando de uma forma muito sensual.

Chocada com a cena, a diretora iniciou uma pesquisa de campo, entrevistando mais de 100 meninas de 10 e 11 anos. Em sua investigação, ela percebeu que as garotas observavam que a popularidade de uma mulher no Instagram ou no Tik Tok estava intrinsicamente ligada a postagens sensuais. Quanto mais sexy, mais curtidas. Assim sendo, estas meninas estariam reproduzindo tal comportamento.

“O problema, claro, é que elas ainda não são mulheres e não percebem o que estão fazendo. Elas constroem sua autoestima com base nas curtidas nas redes sociais e no número de seguidores que possuem”, diz a cineasta em seu texto.

Cena de 'Lindinhas': apresentação em evento comunitário instigou diretora a pesquisar sobre comportamento de crianças Foto: Divulgação Netflix
Cena de ‘Lindinhas’: apresentação em evento comunitário instigou diretora a pesquisar sobre comportamento de crianças Foto: Divulgação Netflix

Em outro trecho, Doucouré reforça o fato de que não há nudez de crianças em “Lindinhas”. Ela ressalta que o único momento do filme em que aparece uma pessoa nua é quando as protagonistas assistem a um vídeo num celular, que mostra os seios de uma atriz maior de 18 anos.

“Eu queria que os adultos passassem 96 minutos vendo o mundo pelos olhos de uma menina de 11 anos, que vive 24 horas por dia. Essas cenas podem ser difíceis de assistir, mas não são menos verdadeiras como resultado”, argumenta a diretora.

Para Doucouré, as cenas apontadas como desconfortáveis assim devem ser, pois representam “o quão desconfortável é conversar com uma garota de 11 anos”. Ela também reforça que as filmagens foram acompanhadas por uma espécie de conselheiro tutelar e o longa teve autorização por parte de todas as instâncias do governo da França.

De origem senegalesa, mas radicada em Paris, a diretora tem uma trajetória particular parecida com a de Amy, protagonista de “Lindinhas” interpretada pela talentosa Fathia Youssouf. Assim como a personagem, Doucouré teve de se equilibrar em meio ao choque de culturas vivenciado ainda muito jovem. E que também afirma ter tentado levar para a tela, em seu filme.

Fathia Youssouf vive Amy, protagonista de 'Lindinhas': história que se cruza com a da diretora do filme Foto: Divulgação Netflix
Fathia Youssouf vive Amy, protagonista de ‘Lindinhas’: história que se cruza com a da diretora do filme Foto: Divulgação Netflix

“Este filme é minha própria história. Durante toda a minha vida, fiz malabarismos com duas culturas: a senegalesa e a francesa. Como resultado, as pessoas frequentemente me perguntam sobre a opressão das mulheres nas sociedades mais tradicionais. E eu sempre devolvo: mas a objetificação dos corpos das mulheres na Europa Ocidental e nos Estados Unidos não é outro tipo de opressão? Quando as meninas se sentem tão julgadas em uma idade tão jovem, quanta liberdade elas realmente terão na vida?”, provoca a diretora em seu artigo.

Ao fim de seu texto, Maïmouna Doucouré ratifica sua intenção de levantar um debate sobre a sexualização precoce de crianças: “Espero sinceramente que essa conversa não se torne tão difícil a ponto de também ficar presa na atual cultura do cancelamento”.

N°21 Spring/Summer 2021

N°21 Spring Summer 2021 Full Womenswear and Menswear Runway Fashion Show Collection by Alessandro Dell’Acqua

Photographer Andreas Ortner for the Latest Stylebop Campaign

Campaign: STYLEBOP. Photographer: Andreas Ortner. Film by: Björn Baasner. Fashion Stylist: Elke Dostal. Hair Stylist: Anna Neugebauer. Makeup Artist: Denise Grundmann. Production by: Luminosa. Models: Julian Schnyder, Edge Brendaly Emiliana, Eugenie Lee and Ulrikke Bo.

MWC 2021 é adiada para junho por causa da pandemia

Principal evento de telefonia celular do mundo, a MWC estava prevista para acontecer em março em Barcelona

A MWC tradicionalmente apresenta alguns dos principais lançamentos de smartphones do ano

Mobile World Congress (MWC), principal evento de telefonia celular do mundo, será adiada mais uma vez por conta da pandemia do novo coronavírus. A GSMA, que organiza a feira, anunciou nesta quarta-feira, 23, que a edição 2021, prevista para acontecer em março em Barcelona, na Espanha, ficará para junho. 

“A mudança da edição da MWC de 2021, ​​inicialmente agendada para a primeira semana de março, permite que a GSMA enfrente circunstâncias externas relacionadas à covid-19”, disse a organização da feira em um comunicado à imprensa. “A GSMA está comprometida e investindo para que a MWC 2021 Barcelona possa seguir em frente com segurança”. 

Segundo a organização, o evento acontecerá entre os dias 28 de junho e 1 de julho. 

Em fevereiro deste ano, a edição de 2020 da MWC Barcelona foi cancelada 12 dias antes de seu início, por causa da pandemia. 

A feira tradicionalmente apresenta alguns dos principais lançamentos de smartphones do ano, bem como discussões importantes na área de telecomunicações. A GSMA estima que o evento gere US$ 500 milhões à economia espanhola, bem como 14 mil empregos temporários. 

23 projetos incríveis com portas mimetizadas

Num esconde-esconde cheio de graça, elas fazem bonito camufladas em paredes e painéis
POR LARA MUNIZ

Brincar com a geometria foi escolha do escritório Concretize Interiores (Foto: Lufe Gomes/Divulgação)

Se antes as portas eram meros elementos sem graça, disfarçar as passagens se tornou um dos truques mais divertidos no design de interiores. Escondidas em painéis, pintadas de cores marcantes ou até cobertas com revestimentos geométricos, as portas mimetizadas chegaram para ficar. Selecionamos 23 projetos descolados para inspirar você.

Esconderijo no pínus

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Thiago Travesso/Divulgação)
(Foto: Thiago Travesso/Divulgação)

O volume de pínus delimita a área de serviço neste apartamento paulistano reformado pelo escritório Figa Arquitetura. Ali na frente, sala de TV e móvel bar; escondidinha, a passagem para a lavanderia. 

Cozinha no recuo

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Juliano Colodeti/MCA Estúdio/Divulgação)
(Foto: Juliano Colodeti/MCA Estúdio/Divulgação)

São seis as folhas móveis que se desdobram para abrir a passagem para a cozinha reformada pela arquiteta Janaína Sthel. A marcenaria executada pela Lacca tem ainda puxadores embutidos do tipo cava, que disfarçam ainda mais o painel.

Canto de leitura

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Divulgação)
(Foto: Evelyn Müller/Divulgação)

Coube ao escritório paulista ACF Arquitetura reformar a sala de leitura mantendo a linguagem integrada com o ambiente vizinho. Para isso, a porta ganhou revestimento no mesmo tom do painel ripado da estante. A poltrona de Alfio Lisi (Dpot) completa o ambiente.

Dupla função

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Luis Gomes/Divulgação)
(Foto: Luis Gomes/Divulgação)

Quando fechado, o painel ripado esconde a passagem para o quarto. Com o lado direito aberto (como na foto acima), vê-se o guarda-roupa, que fica na sala do apê no bairro paulistano do Ipiranga. Bela sacada do arquiteto Bruno Moraes para ganhar espaço. 

Tom sobre tom

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Luis Gomes/Divulgação)
(Foto: Luis Gomes/Divulgação)

Duas tonalidades de azul – Energia Vital e Azul Informática, ambas da Sherwin-Williams – trazem graça e profundidade ao projeto assinado pela arquiteta Pati Cillo. Porta e guarnições que dão acesso à área íntima seguiram a paleta e se dissolvem no décor.

Entrada com arte

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Zé Gabriel Lindoso/Divulgação)
(Foto: Zé Gabriel Lindoso/Divulgação)

Até mesmo o puxador da porta pivotante da entrada ganhou cobertura de carvalho europeu nori, mimetizando a sua presença. A solução trouxe graça ao apartamento de 220 m² no Jardim Paulistano assinado pela arquiteta Helô Marques. Na parede, tapeçaria artesanal da By Kamy homenageia Tarsila do Amaral.

Presença marcante

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Adriano Escanhuela/ Produção Mayra Navarro/Divulgação)
23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Adriano Escanhuela/ Produção Mayra Navarro/Divulgação)

Laca azul cobre a generosa porta-camarão que ora esconde, ora revela, a área de churrasqueira deste apartamento paulistano de 120 m². Quem assina a ideia é a arquiteta Beatriz Quinelato.

Ripas secretas

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Raiana Medina/Divulgação)
(Foto: Raiana Medina/Divulgação)

Só com muita atenção para enxergar a porta de acesso à área de serviço do apartamento no bairro de Moema, São Paulo, encondida em meio ao painel ripado. Cadé Marino, Michelle Wilkinson e Thiago Morsch, os nomes da Up3 Arquitetura, escolheram o freijó para a marcenaria, fornecida pela Todeschini Niterói.

Branco no branco

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)
(Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)

Mimetizar a porta branca de laca no painel da mesma cor foi ideia da arquiteta Bianca da Hora para camuflar a ligação entre a área social e a de serviço neste apartamento no bairro carioca do Jardim Botânico. Execução da Marcenaria Gênova.

Versão kids

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Lilia Mendel/Divulgação)
(Foto: Lilia Mendel/Divulgação)

A arquiteta Marina Romeiro escolheu cinza claro e ripas largas para o painel deste quarto infantil que fica no bairro Icaraí, em Niterói, RJ. Na lateral esquerda, a porta estreita dá acesso ao banheiro. Execução da Marcenaria Iglesias

Acesso refletido

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Rafael Pinheiro/Divulgação)
(Foto: Rafael Pinheiro/Divulgação)

A arquiteta Amanda Miranda assina este projeto na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. A parede espelhada (execução da vidraçaria Instalavidros) liga a varanda coberta a um ambiente que funciona como depósito do endereço.

Caixa de entrada

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)
(Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)

Para ficar mais acolhedor, o hall de entrada deste apartamento na Praia de Ipanema, no Rio de Janeiro, foi todo revestido com o painel de louro preto (execução da Serpa Marcenaria). Em meio ao volume, uma portinha muito bem disfarçada se abre para o lavabo. Trabalho do escritório Bezamat Arquitetura.

Integração opcional

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)
(Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)
23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)
(Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)

Quatro portas deslizantes mimetizadas no painel de madeira tauari são as responsáveis por abrir – ou não – a cozinha deste apartamento para a área social. A criação do arquiteto Gustavo Passalini fica no Leblon, na zona sul carioca.

Geometria em alta

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Lufe Gomes/Divulgação)
(Foto: Lufe Gomes/Divulgação)

Neste projeto paulistano, os arquitetos do escritório Concretize Interiores brincaram com a paleta de azul e branco para esconder a porta que leva para a área íntima do apartamento. O truque é simples, mas exige perfeição na execução: basta cobrir a porta com o mesmo revestimento da parede. Aqui, o eleito veio da Portobello.

Madeira nobre

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Mariana Orsi/Divulgação)
(Foto: Mariana Orsi/Divulgação)

A equipe do escritório MAB3 Arquitetura soube tirar o melhor da geometria para transformar a madeira laqueada no principal elemento deste projeto paulistano. A porta pivotante dispensa bandeiras e vai do piso ao teto, o que a transforma em um grande e discreto painel quando a folha está fechada.

Vista transparente

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)
(Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)

A proposta da arquiteta Patricia Martinez para a entrada desta casa em São Paulo era não identificar exatamente onde ficava a porta. Para isso, ela optou por criar um ripado de cumaru central com dois panos de vidro laterais. A folha central, de madeira, é pivotante.

Três armários e uma passagem

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Rafael Renzo/Divulgação)
(Foto: Rafael Renzo/Divulgação)

A arquiteta Carina dal Fabbro caprichou na camuflagem deste projeto paulistano. As três portas do lado esquerdo são louceiros com fecho toque. Já a porta mais à direita, de giro comum, é a passagem para a cozinha. O painel executado pela SCA Jardim Europa usou lâmina OAK no acabamento.

Lateral livre

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Maura Mello/Divulgação)
(Foto: Maura Mello/Divulgação)

À primeira vista, parece tudo fechado. Um olhar mais atento revela a cavilha na porta à esquerda, que se abre para o lavabo e a ala íntima do apartamento em São Paulo. Quem assina é a dupla Danielle Dantas e Paula Passos, do escritório Dantas & Passos Arquitetura.

Suíte discreta

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)
(Foto: Denilson Machado/MCA Estúdio/Divulgação)

Seguindo a mesma laminação de madeira disposta na cabeceira da cama, a porta do banheiro da suíte quase não é vista neste trabalho da designer de interiores Roberta Devisate no Rio de Janeiro. Abrir mão de maçanetas em troca de uma cavilha revestida no mesmo material cria o efeito de camuflagem.

Brilho do vidro

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Sidney Doll/Divulgação)
(Foto: Sidney Doll/Divulgação)
23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Sidney Doll/Divulgação)
(Foto: Sidney Doll/Divulgação)

Leveza é o ponto alto deste apartamento reformado pela arquiteta Carol Manuchakian em São Paulo. A paleta clean se reforça com o painel de vidro que preenche a parede lateral – e inclui a porta para a cozinha e para o lavabo, cobertas pelo mesmo material (Cinex).

Verde vivo

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Júlia Ribeiro/Divulgação)
(Foto: Júlia Ribeiro/Divulgação)

Era pra ser um destaque colorir o volume na entrada no apê de 34 m² de uma cor forte. Ao pintar porta e guarnição no mesmo tom, no entanto, ficou tudo muito mais interessante. Trabalho do arquiteto piauiense radicado em São Paulo Antônio Armando Araújo.

Texturas em destaque

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Mariana Orsi/Divulgação)
(Foto: Mariana Orsi/Divulgação)

Pode reparar: o ripado da porta avança do painel e se repete também no rack de TV. O mix de textura fica ainda mais rico e divertido com o revestimento da parede, que muda de estilo, mas mantém a uniformidade por conta da cor. Projeto assinado por Bianchi & Lima em São Paulo.

Paleta clean

23 projetos incríveis com portas mimetizadas (Foto: Eder Bruscagin/Divulgação)
(Foto: Eder Bruscagin/Divulgação)

O painel ripado de MDF cria uma unidade com a paleta de cores e suaviza a passagem para a cozinha. A obra assinada pela arquiteta Michelle Machado fica em São Paulo.

Estilista londrina Bianca Saunders fala sobre “O Homem Ideal”

Estilista londrina Bianca Saunders

Para a Spring/Summer 2021, a estilista londrina Bianca Saunders aborda “O homem ideal”, mas isso é apenas parte de seu diálogo contínuo, mudando a maneira como os homens se vestem. Temos acompanhado o trabalho desde que ela entrou em cena fazendo sua estreia na London Fashion Week Men em junho de 2018. Parece que foi há muito tempo, tanto quanto mudou desde então, mas Saunders tem sido uma das vozes fortes na mudança . Dois anos depois, a igualdade ainda está em risco. Observando o trabalho de Saunders, vejo que não podemos abordar grandes assuntos por temporada, mas precisamos implementá-los em quem somos e no que lançamos. No entanto, Saunders faz isso de uma maneira tão bela, romântica e masculina sem esforço. É uma beleza masculina, livre de tóxicos.

Nesta temporada da London Fashion Week, Saunders apresentou um filme que divide seu “homem ideal” em cinco categorias, usando a linguagem da cultura de salão: Homem que vai para seu primeiro baile de salto; Gangsta fingindo ser corporativo: Super Nerd no Dancehall Concert; Formado pela faculdade com um diploma e a Rainha de Gully em sua festa de noivado. O filme foi dirigido por Daniel Sannwald, com consultoria de styling e criação de Karen Binns. O movimento foi coreografado pelo amigo e colaborador de longa data de Bianca, Saul Nash.

Tivemos a chance de alcançar Saunders e o momento parecia certo, mas mudou apenas nos últimos dois anos e eu estaria mentindo se não dissesse que ela traz algum conforto novo no mundo da moda, quando tantos nós estamos nos sentindo instáveis.

Como você acha que seu trabalho evoluiu nas últimas temporadas?
Sempre tentei permanecer fiel à minha estética básica, pois é tão pessoal para mim. Com a colaboração, fiquei mais forte, trabalhei de perto com Karen Binns desde que mostrei minha coleção FW20 e ela realmente me ajudou a destilar a essência da marca em sua forma mais pura e a me tornar mais experiente comercialmente.

A situação política do Brexit ao BLM influencia o seu trabalho de alguma forma?
O ativismo é uma constante no meu trabalho, ao invés de uma reação a um momento da história. A identidade negra é um tema central no meu trabalho, é o que eu sei, minhas influências – é o meu mundo.

E como, em geral, a comunidade artística se sente em relação ao estado atual do país?
Não posso falar em nome da comunidade artística como um todo – com certeza tem sido um desafio, mas é apenas mais um obstáculo a ser superado. Ser criativo e ter uma saída é sempre difícil, nunca é o caminho mais simples.

Você ainda está em contato com algum assunto do seu book-zine que lançou no verão?
Sim! Jess Cole e Joshua Woods são amigos íntimos meus e este trabalho foi um produto disso. A maioria dos meus projetos colaborativos nasce de relacionamentos de longa data com amigos que pensam como eu na indústria.

Sou um admirador de Joshua Woods há anos e fiquei muito animado para descobrir Jess Cole! Você tem uma estética bastante específica. O que te influencia e principalmente nesta coleção?
O trabalho de Hans Eijkelboom de 1978, “The Ideal Man”, foi uma das manchetes que inspirei para o SS21. Nessa peça, ele pediu às mulheres que descrevessem seu homem ideal, então ele se vestiu como esses ideais para uma série de retratos. Isso me levou a me perguntar: qual é a minha ideia de “ideal” em um homem? E foi assim que começou a explorar as fronteiras de gênero, explorando o “meio-termo” – não abertamente masculino nem super feminino, mas explorando a beleza de ambos os lados. Também influenciou na minha cultura jamaicana a partir das categorias tocadas no filme.

Quão importante é a autenticidade para seus projetos de fotografia?
Muito. Tudo o que faço é explorar a identidade. É por isso que eles estão sempre explorando temas que são de relevância pessoal e cultural para mim.

Qual é a sua visão da sociedade no momento?
Só posso comentar sobre o canto da sociedade em que habito – arte, moda, criatividade. As pessoas sempre aspirarão fazer parte de outro mundo e precisamos disso agora mais do que nunca. As pessoas querem se sentir especiais, glamorosas e confiantes – as roupas podem fazer isso.

A confiança é uma visão forte da sociedade, ela anda de mãos dadas com o empoderamento e a autoestima. Voltando ao seu livro-zine, o que torna a fotografia de uma pessoa interessante?
Isso realmente depende do assunto, mas para este projeto, tratou-se de olhar para a identidade de gênero e comunidade, conceitos que sempre foram centrais para o meu trabalho, em um momento em que as pessoas estão tão divididas que eu queria me aprofundar mais nas semelhanças entre nos.

Muitas pessoas argumentam que parte do apelo de ser designer é a ideia de deixar um legado. Você concorda e se sim, o que você acha que seu trabalho diz sobre você até agora?
Minha ambição é me tornar um nome familiar, não apenas na moda, mas também em interiores, móveis … Quero criar meu próprio mundo no qual as pessoas possam entrar.

Você acha que precisa arriscar para ter sucesso na Moda?
Não necessariamente arrisca por causa disso, mas certamente, para ser notado, você precisa fazer algo verdadeiramente único. A razão pela qual acho que as pessoas responderam de forma positiva ao meu trabalho é porque tento ultrapassar os limites e quebrar regras e tradições dentro da moda masculina, seja na construção de minhas roupas ou na forma como apresento meu trabalho na semana de moda.

Qual é o maior risco que você correu até agora?
Optar por me tornar um designer independente foi minha decisão que mais mudou minha vida, eu acho, mas foi um risco que eu alegremente correria repetidas vezes.

Você sente alguma responsabilidade social ou o dever de comentar nossos tempos?
Não é tanto uma responsabilidade, no sentido de que sinto que é algo que faço de qualquer maneira. Como eu disse, o ativismo sempre fez parte do meu trabalho, ao invés de criar algo que seja uma reação a um determinado momento no tempo.

Qual foi sua coleção mais memorável e por quê?
SS21. Cada temporada eu tento refinar minha estética e empurrar as coisas para a frente, me desafio – mas esta temporada tem sido ainda mais desafiadora, com tudo o que estamos enfrentando na indústria. Eu sinto que é minha melhor coleção até agora e apresentá-la via filme significa que eu poderia realmente ultrapassar os limites criativamente de uma forma que não poderia com um programa tradicional.

Gwyneth Paltrow guarda seus looks mais icônicos para a filha Apple Martin usar em tapetes vermelhos

Segundo a atriz, Apple, de 16 anos, é muito glamourosa

Gwyneth Paltrow e Apple Martin Foto: Instagram

Quando Apple, filha de 16 anos de Gwyneth Paltrow, finalmente começar a frequentar tapetes vermelhos, não vai ter roupa nova, não. Em entrevista à revista “People”, a atriz contou que guarda todos os seus vestidos mais famosos para que a filha possa usar no futuro.

“Ela é muito glamourosa, de um jeito que eu não sou. É muito ligada em maquiagem, algo que não sou. Ela sabe fazer um delineado gatinho perfeitamente. Ela tem unhas de acrílico. É uma rainha da beleza”, disse a atriz, de 47 anos.”Ela adora brincar no meu closet. Eu tenho guardado tudo para ela há 15 anos. Não tudo, mas toda roupa de tapete vermelho eu guardo para ela.”

Apple Martin
Foto: Instagram Gwyneth Paltrow
Apple Martin Foto: Instagram Gwyneth Paltrow

Apple é filha da atriz com o vocalista do Coldplay Chris Martin, de quem Gwyneth é separada desde meados de 2014. Desde 2019, está casada com o produtor Brad Falchuk.

Apple tem um Instagram privado, mas, de vez em quando, aparece nas postagens da mãe.