Netflix revela trailer de musical Uma Invenção de Natal

Musical com Forest Whitaker chega ao streaming em novembro
NICOLAOS GARÓFALO

Aventura musical da NetflixUma Invenção de Natal teve seu primeiro trailer revelado neste domingo (4). Na prévia, a jovem Journey (Madalen Mills) tenta encontrar uma invenção de seu avô, vivido pelo vencedor do Oscar Forest Whitaker, que foi roubada por um inventor rival, interpretado por Keegan-Michael Key – veja acima.

Uma Invenção de Natal é escrito e dirigido por David E. Talbert e chega ao catálogo do streaming em 13 de novembro.

Eiko Ai | Spring Summer 2021 | Digital

Eiko Ai | Spring Summer 2021 | Digital (Widescreen – Exclusive Video/1080p – 080 Barcelona Digital Fashion Edition) #FFLiked

Joe Henson – Take Sanctuary
Paul Ressel – It’s Your Mouth

Photographer David Roemer for DuJour Magazine with Alicia Burke

Photographer: David Roemer at Atelier Management. Fashion Stylist: Paul Frederick at See Management. Makeup Artist: Georgi Sandev at Forward Artists. Manicure: Maki Sakamoto at The Wall Group Model: Alicia Burke at Elite NYC.

Hilary Swank diz que ator trans seria mais adequado para papel que lhe rendeu Oscar

Atriz considera injusto que pessoas com o perfil sequer puderam competir pelo personagem

Em 1999, Hillary Swank, 46, protagonizou o longa “Meninos Não Choram”, um filme independente baseado na história real do homem transexual Brandon Teena. Embora o trabalho tenha rendido a ela seu primeiro Oscar de Melhor Atriz, a estrela considera injusto que transexuais não puderam sequer competir pelo papel.

“Naquela época, as pessoas trans não andavam pelo mundo dizendo, ‘ei, eu sou trans’. Mas vinte e um anos depois, felizmente, eles estão visíveis e podem viver suas vidas sem ninguém os apontar. Embora ainda tenhamos um longo caminho a percorrer na sua segurança e inclusão”, disse Swank em entrevista à Vanity Fair. “No momento há um grupo de atores trans que obviamente seria muito mais adequado para o papel e que deveria ter tido a oportunidade de fazer um teste para aquele filme”, pontuou.

Para a atriz, a indústria cinematográfica vem apresentando mudanças significativas. Um bom exemplo disso são as novas regras publicadas há algumas semanas pela Hollywood Film Academy. Elas determinam que a partir de 2024, os longas indicados ao Oscar de Melhor Filme terão que contar com grupos minoritários na equipe.

“Para criar mudanças e fazer as pessoas contarem histórias que representem o mundo em que vivemos, que é um mundo colorido e cheio de diferentes tipos de pessoas, é necessário estabelecer regras como essa”, diz ela, argumentando que em sua carreira quase todos os filmes contavam a história do ponto de vista de um homem branco heterosexual.

“Isso é algo que faz muito mal às pessoas que vivem neste mundo, porque elas não conseguem se ver representadas na tela de forma que se sintam vistas e ouvidas”, defendeu Swank. “No final das contas é sobre não tirar privilégios de alguns, mas expandi-los para aqueles que os reivindicam há décadas”, concluiu a atriz.

Swank começou a carreira artística aos nove anos ao participar de uma peça teatral. O primeiro longa que protagonizou no cinema foi “Karatê Kid – Uma Nova Aventura”. Desde então atuou em filmes de diversos gêneros como “P.S. Eu Te Amo”, “A Colheita do Mal” e “Menina de Ouro”, pelo qual venceu pela segunda vez o Oscar de Melhor Atriz. O trabalho mais recente da artista é na série “Away”, que estreou na Netflix em setembro.

Michelle e Barack Obama completam 28 anos de casamento e pedem que americanos votem

Há anos, o casal faz campanha durante as eleições para incentivar a população a se registrar como votante, uma vez que o voto não é obrigatório nos Estados Unidos
LUDIMILA HONORATO – O ESTADO DE S.PAULO

Michelle e Barack Obama se casaram em 1992. Foto: Lim Huey Teng/Reuters

Michelle Barack Obama completaram 28 anos de casamento neste sábado, 3, e ao compartilharem mensagem de amor e carinho em rede social, eles fizeram um pedido: que os americanos se registrem para votar nas eleições presidenciais nos Estados Unidos. Há anos, o casal faz campanha durante o período eleitoral para encorajar a população do país, onde o voto não é obrigatório.

“28 anos com esse aqui. Eu amo Barack pelo seu sorriso, seu caráter e sua compaixão. Tão grata por tê-lo como parceiro em meio a tudo que a vida atirou contra nós. E este ano, nós temos um pedido para vocês: escolha uma pessoa na sua vida que pode não votar e garanta que ela vai (…) Essa é uma mensagem de aniversário do melhor tipo. Amo você, Barack”, escreveu Michelle ao publicar uma foto dos dois.

O ex-presidente dos EUA também compartilhou uma foto do casal e fez o mesmo apelo. “Mesmo com tudo que está acontecendo, eu queria tirar um momento para dizer feliz aniversário para o amor da minha vida. Cada dia com Michelle me faz um marido melhor, um pai melhor e um ser humano melhor. Este ano, enquanto apreciamos todos os seus votos de felicidade, o que realmente adoraríamos é que cada um de vocês estenda a mão para uma pessoa em sua vida que pode não votar. Ajude-as a se registrarem. Ajude-as a fazer um plano para votar”, disse Obama.

Uma vez que o voto não é obrigatório no país, quem deseja exercer esse ato precisa se registrar como votante. A carreira de Barack Obama é marcada pela atuação nas comunidades, incentivando as pessoas a fazerem o registro e votar. Antes mesmo de ser senador e presidente dos EUA, ele participava do Projeto VOTE!, que em 1992 tinha a meta de “registrar novos eleitores de Illinois a um ritmo alucinante de 10 mil pessoas por semana”, conta Michelle no livro de memórias Minha História.

Como Michelle e Barack se conheceram

Antes de se tornar uma Obama, Michelle era Robinson e trabalhava como advogada associada júnior em um escritório de advocacia em Chicago, o Sidley & Austin. Ela foi designada para ser mentora de um jovem Barack, estudante do primeiro ano de direito, que passaria uma temporada de verão no local.

Na autobiografia, Michelle conta que ele chegou atrasado no primeiro dia, atitude que a deixava “louca”, como descreve, pois “considerava sinal de pura arrogância”. O histórico estudantil de Barack era exemplar, mas a advogada “estava cética”.

“Somente depois de mais de dez minutos que ele chegou à recepção do nosso andar, saí para encontrá-lo sentado em um sofá – o tal Barack Obama, vestindo um terno escuro ainda um pouco úmido pela chuva. Ele sorriu timidamente e pediu desculpas pelo atraso quando apertou minha mão. Tinha um sorriso largo e era mais alto e magro do que eu imaginava – um homem que claramente não era de comer muito e também parecia não ter o costume de usar roupas formais”, ela relata no livro.

Os dois eram os poucos, talvez os únicos, afro-americanos no escritório e, para Michelle, seria estranho que os dois se envolvessem amorosamente, porque traria muitos estereótipos. Além disso, um era o oposto do outro, até mesmo pela criação que cada um teve: enquanto ela vinha de uma família estruturada, ele cresceu sem a presença do pai, teve um padrasto, morou com os avós e passou por diferentes países. Enquanto ela tinha um espírito mais contido, ele era aventureiro.

Apesar das diferentes visões de mundo, inclusive sobre casamento – Michelle achava importante, mas Barack não via necessidade, os dois começaram a namorar, se casaram em 1992 e tiveram duas filhas, Malia e Sasha. A convivência fez com que eles aprendessem a lidar com as diferenças, mas não de forma romantizada. Em um momento da vida deles, chagaram a consultar um terapeuta de casal. Atualmente, os dois atuam em diferentes projetos e valorizam o poder das relações pessoais e das comunidades.

Estilista Kenzo Takada morre vítima de Covid-19, aos 81 anos

Ele foi o primeiro designer japonês a se estabelecer em Paris
O Globo

Estilista Kenzo Takada morre aos 81 anos, vítima de coronavírus

Morreu neste domingo, aos 81 anos, o estilista Kenzo Takada, vítima do novo coronavírus. Ele estava internado no American Hospital, em Paris. Kenzo foi o primeiro designer japonês a fazer sucesso em Paris.

Nascido em Himeiji, o estilista começou a ter interesse por moda muito jovem ao ler as revistas de sua irmã. Aos 18 anos, chegou a frequentar a Universidade de Kobe para estudar literatura. Contrariando os pais, deixou o curso para trás e foi estudar na Bunka Fashion College, em Tóquio. De acordo com a “Vogue” inglesa, foi um  dos primeiros alunos do sexo masculino a ser admitido.

Depois de ganhar o prestigioso prêmio Soen, da própria universidade, em 1960, foi trabalhar na loja de departamentos Sanai como estilista de moda feminina, criando até 40 looks por mês. Em 1964, Kenzo trocou o Oriente pelo Ocidente, estabelecendo-se em Paris. Na capital francesa, a moda revolucionária de André Courrèges foi sua inspiração para criar cerca de 30 peças, e cinco foram aceitas pelo estilista francês Louis Feraud (1920-1999).

Após passar por outras lojas de departamentos, o designer abriu sua primeira loja, em 1970, a Jungle Jap, na Gallerie Vivienne, onde aconteceu também seu primeiro desfile. No ano seguinte, seu trabalho apareceu nas páginas da “Vogue” americana. Um marco. Em 1976, criou sua marca homônima. Em 1983, ele lançou a primeira coleção masculina. Em 1988, ele colocou no mercado sua linha de perfumes femininos – a primeira fragrância para homens veio só em 1991. Hoje, o carro-chefe é a Flower by Kenzo, lançada em 2000.

Em 1993, o japonês vendeu sua marca para o conglemerado LVMH, o mesmo que controle as poderosas Louis Vuitton e Dior. Em 1999, anunciou sua aposentadoria, deixando a direção da grife para seus assistentes. Na sequência, o italiano Antonio Marras ocupou a direção criativa da etiqueta, sendo substituído mais tarde pela dupla Humberto Leon e Carol Lim. “Kenzo, como marca, tem uma história tão rica e fascinante que pode ser difícil determinar o que exatamente mudamos. Com nossas novas coleções, esperamos ter injetado na marca um espírito jovem e um senso de diversão e atrevimento”, disse Leon certa vez à “Vogue” britânica.

Apple reabre lojas em São Paulo e no Rio de Janeiro

Estabelecimentos da empresa em São Paulo e no Rio de Janeiro só poderão receber visitantes com hora marcada, seja para fazer compras ou retirar itens

Apple fechou lojas no Brasil por causa do coronavírus  

Apple anuncia neste domingo, 4, que vai reabrir suas lojas no Brasil. Os estabelecimentos estavam fechados desde março, quando as medidas de distanciamento social começaram a ser adotadas no País. A reabertura já começa neste domingo, nas duas lojas que a empresa tem por aqui – em São Paulo (Shopping Morumbi) e no Rio de Janeiro (Village Mall). 

“Estamos ansiosos para começar a receber visitantes de volta às nossas lojas no Brasil esta semana. Sentimos falta de nossos clientes brasileiros e estamos ansiosos para oferecer nosso suporte”, declarou a empresa, em comunicado enviado ao Estadão

O retorno às atividades, porém, terá diversas regras: segundo a empresa, os visitantes só poderão ir às lojas com hora marcada, seja para fazer compras, consultar a assistência técnica ou retirar itens em conserto. Quem for à loja sem marcar hora pelo site da empresa não poderá entrar. 

Além disso, a empresa vai adotar medidas de saúde e segurança, obrigando o uso de máscaras, verificação de temperatura e praticando o distanciamento social entre funcionários e clientes. Haverá também limitação da quantidade de pessoas permitidas dentro da loja a qualquer momento. As informações completas podem ser conferidas no site oficial da empresa. 

No que diz respeito aos escritórios da Apple no Brasil, os funcionários da companhia seguem trabalhando em regime de home office. 

Paco Rabanne | Spring Summer 2021 | Full Show

Paco Rabanne | Spring Summer 2021 by Julien Dossena | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – PFW/Paris Fashion Week) #FFLikedalot

Gabriela Hearst | Spring Summer 2021 | Full Show

Gabriela Hearst | Spring Summer 2021 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – PFW/Paris Fashion Week)