Homenagem ou objetificação? Estátua da pioneira do feminismo Mary Wollstonecraft gera controvérsia por representá-la nua

A ‘mãe do feminismo’ britânico Mary Wollstonecraft foi homenageada com uma escultura no norte de Londres mais de 200 anos após sua morte, mas a estátua gerou controvérsia por retratar uma mulher nua
O Globo, com agências internacionais

A pensadora feminista Mary Wollstonecraft é homenageada em escultura feita pela artista britânica Maggi Hambling exposta na região norte de Londres Foto: Reuters

Considerada a “mãe do feminismo” europeu, a britânica Mary Wollstonecraft (1759-1797)foi homenageada com uma estátua em Londres, 200 anos depois da sua morte. Criado pela escultora Maggi Hambling, o monumento foi inaugurado na última terça-feira (10), mas tem sido alvo de críticas por representar a pensadora nua.

A escultura é fundida em bronze prateado e apresenta uma mulher nua emergindo com força de uma amálgama de outros corpos femininos, enquanto uma citação de Wollstonecraft é apresentada na base: “Não desejo que as mulheres tenham poder sobre os homens, mas sobre si mesmas.”

A campanha para colocar uma estátua na região de Newington Green, em Londres, onde Wollstonecraft abriu um internato para meninas quando ela tinha 25 anos, em pleno século XIII, estava em andamento há 10 anos.

No entanto, a obra de arte revoltou feministas e outros críticos, que disseram que a figura nua chama atenção para o corpo feminino, ao invés de homenagear as conquistas e a influência da intelectual do século XIII.

A autora e ativista Caroline Criado-Perez, que liderou pedidos bem-sucedidos para que Jane Austen fosse retratada na nota de 10libras, descreveu a estátua como “muito decepcionante”. “Tenho tentado morder a língua sobre isso, mas na verdade, não consigo … Que desperdício colossal. Tão decepcionante. Desculpe, não posso apoiar.”

A escritora Tracy King disse que a estátua era “maciçamente regressiva” e “uma chocante perda de oportunidade”. “Como as conquistas e legados das mulheres podem ser levados a sério quando estamos sendo distraídas por malditos peitos”, ela tuitou.

Alguns comentaristas acreditaram que a mulher nua seria a própria Wollstonecraft. Mas as ativistas responsáveis pela campanha afirmaram anteriormente que o objetivo do trabalho é representar todas as mulheres. Diziam: “A escultura combina formas femininas que se fundem e se erguem como se fossem uma, culminando na figura de uma mulher livre. Ela é toda mulher, sua própria pessoa, pronta para enfrentar o mundo.”

Um tema central da reação negativa foi que homens celebrados com monumentos costumam ser retratados vestidos. A criadora da escultura respondeu dizendo que quis se distanciar da tradição da “estatuaria masculina heroica” para criar algo atemporal, e não histórico.

Estátua em homenagem a Mary Wollstonecraft, da artista Maggi Hambling, é vista coberta por camiseta em Newington Green, Londres; escultura foi criticada por usar figura de mulher nua para celebrar pensadora considerada a mãe do feminismo europeu Foto: PAUL CHILDS / REUTERS
Estátua em homenagem a Mary Wollstonecraft, da artista Maggi Hambling, é vista coberta por camiseta em Newington Green, Londres; escultura foi criticada por usar figura de mulher nua para celebrar pensadora considerada a mãe do feminismo europeu Foto: PAUL CHILDS / REUTERS

“Ao contrário da estatuaria heróica masculina tradicional, a mulher independente evoluiu organicamente, com apoio e ela não esquece todos as suas antecessoras que defenderam, fizeram campanha e se sacrificaram pela emancipação das mulheres.”

Para Hambling, os críticos interpretaram mal seu trabalho: “Minha escultura, espero, celebra o espírito de Mary Wollstonecraft. Certamente não é uma semelhança histórica”, dizendo que aqueles que a criticaram “não estão lendo uma palavra importante, que está no pedestal muito claramente: ‘para’ Mary Wollstonecraft. Não é ‘de’ Mary Wollstonecraft.”

Depois de ser inaugurada, a estátua foi visitada e pessoas desconhecidas cobriram as  suas partes íntimas e colocaram duas máscaras do tipo usado para conter a disseminação da Covid-19 em seus ombros, como um manto. A imagem circulou nas redes sociais na noite de terça-feira. Na manhã de quarta-feira, os itens haviam sido retirados, mas um fotógrafo da Reuters viu duas mulheres cobrindo a figura com uma camiseta e colocando um cartaz perto da base.

O cartaz continha uma citação do trabalho revolucionário de Wollstonecraft de 1792, “Uma Justificação dos Direitos da Mulher”, dizendo: “Fortaleçam a mente feminina ampliando-a, e haverá um fim à obediência cega”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.