Crítica I The Crown – 4ª temporada

Série brilha com a chegada de Diana e Thatcher e acerta ao não fazê-las superficiais
CAMILA SOUSA

The Crown (Fonte: Montagem – ScreenRant / Reprodução – Netflix)

É uma benção e um fardo contar uma história inspirada em fatos. Uma benção pelo interesse do público e a promessa do realismo do que é mostrado, e um fardo pela responsabilidade que isso carrega. Desde sua primeira temporada, The Crown está ciente de seu compromisso, mas isso atingiu um novo patamar em seu quarto ano. Com a evolução da linha temporal, chegou um dos momentos mais esperados pelos fãs: a estreia de Diana.

Curiosamente, da mesma forma que o público seguia todos os passos de Diana na vida real, nós seguimos seus passos desde a primeira cena na nova temporada. Interpretada por Emma Corrin, a Diana de The Crown tem um carisma magnético e um olhar enigmático que nos fazem imaginar o que ela está pensando. A série, aliás, responde a essa pergunta com cenas simples, mas cheias de significado. A representação da jovem Spencer é de uma garota que se afeiçoou a Charles desde o começo e queria, sim, o título de princesa e todas as belezas do status real, mas não pensou na parte negativa.

Ao fazer isso, The Crown não cai no erro de criar uma Diana com ares de santidade. Há camadas de defeitos na personagem e, como era de se esperar, isso só a torna ainda mais fascinante. A série lembra ainda que Diana aceitou o noivado com Charles quando ainda era muito nova e “inexperiente”. Dessa forma, fica difícil julgar seus sonhos com a realeza. Diana representa o povo e seus anseios de ascensão, é um pedaço de nós que entrou para a família real e por isso gera tanta identificação, mesmo anos após sua morte.

O futuro trágico de Diana e sua relação fracassada com Charles, aliás, são indicados desde o começo e encenados com delicadeza e bom gosto. Um diálogo esperançoso ou uma promessa de amor eterno são suficientes para trazer um gosto amargo para quem conhece o que o futuro reservava para aqueles dois jovens que estavam se casando. Sobre Diana, especificamente, a série vai ainda mais a fundo ao fazer um claro paralelo visual com sua chegada à realeza e um cervo que estava na mira da família real em uma de suas famosas caçadas. Essa associação é menos sutil e acontece várias vezes nos primeiros episódios: é como se Diana fosse um animal inocente, prestes a ir para o abate. E mesmo quando percebeu isso, não conseguiu se esquivar.

O cervo e a leoa

Ainda que exerça todo esse magnetismo, a participação de Diana não é tão grande quanto poderia ser. Isso porque divide a temporada com a estreia de outro nome importante: Margaret Thatcher, interpretada por ninguém menos do que Gillian Anderson. E se Diana rouba a cena quando está em tela, o mesmo acontece com a Dama de Ferro.

The Crown coloca em tela uma Thatcher com camadas e, talvez, contradições. Aquela que não se intimida diante de uma sala cheia de homens que lhe dizem o que fazer, mas que se derrete pelo seu filho preferido. É, novamente, onde o seriado se sobressai. Assim como na vida real, ninguém aqui é 100% mocinho ou 100% vilão, embora o público tenha uma tendência a pensar dessa forma.

As interações entre Thatcher e a Rainha Elizabeth de Olivia Colman eram as mais esperadas da temporada. Afinal, a relação entre a soberana e a primeira-ministra foi cheia de percalços e o seriado acerta ao mostrar isso aos poucos. Primeiro, a rainha gosta da ideia de uma mulher como primeira-ministra, mas logo percebe que Thatcher está longe de ser quem ela imaginava (o primeiro diálogo oficial das duas merece ser visto até mesmo por quem não acompanha a série). Embora eventualmente Elizabeth confronte Thatcher por suas políticas para o país, é nos detalhes que há o contraponto, muitas vezes pontuado na fotografia, nos ângulos de câmera, no figurino. Margareth Thatcher e Elizabeth II não poderiam ser mais diferentes e os desafios dessa relação estão em cada cena que elas dividem.

Com o fim já no horizonte, The Crown teve várias passagens de tempo nesta temporada, evidenciando mais uma vez o belo trabalho das equipes técnicas da série, que envelhecem Colman e Anderson com maquiagem e cabelo e recriam visuais conhecidos já usados por membros da monarquia. A parte técnica e visual de The Crown segue impecável e a série deve continuar ganhando troféus por isso até seu encerramento na sexta temporada.

Diana e Thatcher são os grandes destaques desta temporada de The Crown e é impossível chegar ao final dos episódios sem pensar o quanto a série evoluiu. Ao lembrar que começamos em 2016 conhecendo uma jovem Elizabeth, ainda longe do trono e preocupada em se casar com o homem que ama, e chegamos até eventos históricos importantes e igualmente dolorosos, fica claro o quanto a produção almeja a relevância.

The Crown não é somente um retrato da realeza britânica, mas também um retrato da humanidade, um espelhamento dos acertos e erros que tivemos como sociedade com o passar das décadas. Como diz a espirituosa Princesa Margareth interpretada por Helena Bonham Carter, “será que nunca vamos aprender com nossos erros?”. Olhando para a humanidade e para a realeza em 2020 (vide o recente afastamento de Harry e Meghan Markle), parece que ainda não.

NOTA DO CRÍTICO ***** Excelente!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.