Episode 2: ‘At The Café’ | Featuring Arlo Parks | Ouverture Of Something That Never Ended

Neste segundo episódio dirigido por Gus Van Sant e Alessandro Michele, seguimos Silvia até o café do bairro, onde conhece um amigo interpretado por Arlo Parks, o músico e poeta londrino. Eles têm uma conversa sinuosa até perceber que estão cercados por outras pessoas em uma variedade de situações surreais. O companheiro de Silvia parte para uma viagem turística por Roma em um carro com alguns amigos. O retorno do misterioso passageiro dá início a uma jornada dentro de um mundo onde nem tudo é o que parece. #GucciOuverture #GucciFest

Music: ‘Forces at Work’
written by Million/Mercer
Licensed by Courtesy of the Domino Publishing and Recording Companies Ltd.
and courtesy of Bar None Records. Published by Stationary Music

‘SMALLTOWN BOY’
(S. Bronski / L. Steinbachek / J. Sommerville)
(P) 1984 London Music Stream LTD.
© 1984 Bronski Music Ltd / BMG Rights Management (UK) Limited
Courtesy of Warner Chappell Music Italiana S.r.l. and BMG Rights Management (Italy) srl

‘Within’’
‘El Cairum’’
Performed and produced by Jamison Baken

‘P-Machinery’
Written by Ralf Doerper Michael Mertens
(P) 1985 Universal Music Italia Srl
© Universal Music Publishing Ricordi Srl

‘Dive In!’
Performed and produced by Jamison Baken

S. Rachmaninov
‘Rhapsody on a Theme of Paganini, Op. 43: Var. 18 Andante Cantabile’
Mantovani Orchestra, Annunzio Mantovani (Conductor)
Courtesy of NAXOS Deutschland – http://www.naxos.de

‘Fifty Shades Of Green’
Written by Gordon, Kim A
Published by: Kobalt Music Publishing Worldwide Ltd obo Forgetful Songs [BMI]

Guillermina Baeza | Spring Summer 2021 | Full Show

Guillermina Baeza | Spring Summer 2021 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – Gran Canaria Swim Week by Moda Cálida)

Sarah Do Amaral Freire Oliveira Souza – Guy Like You/Honey
Andrea Rocha – Atencion

Minúsculos restaurantes de Tóquio fecham as portas em vez de aumentar preços

Negócios de lámen, que têm modelo de comida rápida e barata em que clientes sentam próximos uns dos outros, sofrem com regras da pandemia; de janeiro a agosto, 1.221 casas fecharam no Japão
Toru Fujioka, WP Bloomberg

lamen
Fachada do restaurante de lámen Kouraku Honpo em Shibuya, distrito de Tóquio.  Foto: Noriko Hayashi/Bloomberg

A covid-19 e as medidas de distanciamento social estão forçando alguns proprietários de minúsculos restaurantes de lámen do Japão a considerar aumentar seus preços ou fechar suas portas. A pandemia está derrubando um modelo de negócio perfeitamente equilibrado que depende de servir comida rápida e barata para clientes que comem bastante próximos uns dos outros.

Enquanto alguns proprietários estão finalmente aceitando a necessidade de serem criativos com os preços, há outros que preferem fechar as portas a forçar seus clientes regulares a engolir uma tigela mais cara de lámen.

Sua relutância contínua em repassar custos mais altos aos clientes reflete, em parte, a sensibilidade contínua aos aumentos de preços em um país que tem lutado para se livrar de sua longa experiência com a deflação. A pequena rede de lámen Kouraku Honpo é um das muitas proprietárias de restaurantes desse tipo de macarrão japonês que procura uma luz no fim do túnel da pandemia do coronavírus.

Por mais de duas décadas, ela tem servido esses noodles com um caldo de osso de porco picante em sua filial no distrito de Shimbashi, em Tóquio. Os negócios estavam funcionando bem no final do ano passado, com as porções diárias às vezes chegando a quase 500 neste restaurante de 26 lugares, segundo o funcionário Yoshihisa Saito, de 61 anos.

A covid-19 mudou essa dinâmica. O restaurante ficou aberto por menos horas durante um estado de emergência nacional que continuou na capital até o final de maio. O pagamento de Saito caiu até 40% para manter o restaurante em funcionamento, mas em nenhum momento o estabelecimento considerou aumentar os preços para dar conta do novo normal.

lamen
Tigela de lámen da Ippudo, uma das redes mais populares do Japão com lojas pelo mundo; na foto, unidade em Tóquio.  Foto: Noriko Hayashi/Bloomberg

“Um aumento de preço nunca foi uma opção porque transferir nosso fardo para os clientes seria totalmente injusto. Suas finanças também poderiam estar sob forte pressão por causa do vírus, mas eles ainda estão nos procurando”, disse Saito. Em 28 de agosto, a Kouraku Honpo fechou seu restaurante em Shimbashi definitivamente.

Empreendedores de pequenos restaurantes como o Kouraku Honpo e bares minúsculos estão entre os negócios mais afetados pela pandemia, enquanto lutam para incorporar o custo das limitações de distanciamento social e um aumento nos custos das medidas de resposta ao vírus. Os restaurantes que também enfrentam uma queda acentuada na demanda correm o maior risco de quebrar.

Os programas de empréstimos do Banco Central do Japão no valor de cerca de US$ 1 trilhão e a ajuda governamental em grande escala têm ajudado a reduzir o número geral de pedidos de falência na economia entre abril e setembro em relação ao ano anterior. Mas o número de restaurantes fechando continuou a aumentar, respondendo por cerca de 10% das falências, o maior entre todos os tipos de negócios, de acordo com o Teikoku Databank.

Do início do ano até agosto, 1.221 restaurantes fecharam as portas, de acordo com dados da Tokyo Shoko Research.

“A maioria dos negócios japoneses age com base na premissa de que se o preço da cerveja é de 100 ienes hoje, então amanhã também será de 100 ienes”, disse Tsutomu Watanabe, chefe do departamento de economia da Universidade de Tóquio. “Para continuar tornando isso uma realidade, as empresas continuam cortando custos. Elas apagarão algumas luzes e manterão o controle sobre os salários. Seu pensamento se torna progressivamente voltado para dentro.”

Para alguns donos de restaurantes de lámen, apenas um pequeno aumento nos preços seria suficiente para mantê-los funcionando especialmente se os clientes da vizinhança permanecerem fiéis.

Sua relutância em aumentar os preços demonstra uma aversão contínua que prevalece entre empresas e consumidores no Japão, apesar dos esforços do banco central para mudar essa mentalidade. E com os principais preços pagos pelo consumidor caindo novamente, a perspectiva de um retorno à deflação que enraizou essa atitude não pode ser descartada.

Ainda assim, alguns proprietários de restaurantes estão adotando uma nova abordagem. Kazuhisa Tanaka diz que uma lâmpada se acendeu em sua cabeça em uma noite sombria de maio, enquanto ele tentava descobrir como se manter em funcionamento e, ao mesmo tempo, reduzir o número de vagas em uso em seu restaurante de 12 lugares.

“Simplesmente cortar o número de clientes sem saber quando essa pandemia vai acabar é cometer um erro”, disse Tanaka. Ele decidiu aumentar o preço de um almoço para 1.500 ienes (US$ 14) de cerca de 1.000 ienes durante os horários de pico e baixar o preço para 800 ienes – pouco mais da metade – após 14:30.

“Ajustar os preços se tornou minha ferramenta para lidar com a crise e isso nunca teria acontecido sem a covid-19”, disse Tanaka.

lámen
Chef prepara receita de lámen em Tóquio; de janeiro a agosto, 1.221 restaurantes fecharam as portas no Japão.  Foto: Noriko Hayashi/Bloomberg

Entretanto, seus funcionários se opuseram à sua proposta dinâmica de preços, rotulando-a de desleal, e insistiram que ele colocasse um aviso do lado de fora do estabelecimento deixando claro que a ideia era dele, não deles.

Tanaka não está sozinho ao optar por preços dinâmicos, uma tendência emergente que oferece um vislumbre de esperança para os estrategistas que buscam um maior movimento de preços em um país onde a inflação está em zero ou abaixo de zero desde março.

A Chikaranomoto Holdings, proprietária da Ippudo, uma das cadeias de restaurante de macarrão mais populares do país com lojas pelo mundo, de Nova York a Londres, tem capacidade limitada a cerca de 60% como medida de prevenção contra o vírus.

Vendo que a receita ainda estava em torno da metade do nível do ano anterior após a reabertura, a rede decidiu aumentar o preço de alguns de seus menus no final de julho, enquanto oferecia pratos de lámen novos e mais baratos para clientes ultra sensíveis ao preço no mês seguinte, segundo Midori Nakamura, que trabalha no setor de relações públicas da empresa.

“Está se tornando muito difícil manter os preços inalterados com os custos crescentes e o impacto da covid-19”, disse Nakamura. “Portanto, o que fazemos é dar aos nossos clientes uma escolha.” / TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Um tour pelo novo escritório minimalista da Sunac em Taiyuan, China

O grupo imobiliário Sunac contratou a empresa de design de arquitetura W Studio para projetar seu novo escritório em Taiyuan, China.

sunac-china-office-1
Lobby

“Entrando no saguão do primeiro andar, a área de recepção vazia é aberta e iluminada. Na textura branca, longas e estreitas pedras pretas correm do topo ao solo, como uma cachoeira que desce da montanha. A mesa da recepção em pedra preta e branca é longa e simples, dando uma sensação de leveza sob o enorme espaço de fundo.

As linhas de luz penduradas no teto formam uma relação vertical e horizontal em camadas com as costuras da parede de pedra, e um clima confortável, aberto e estável surge a partir deste momento. Vire à esquerda da recepção para a área de sandboard no centro. Uma enorme caixa de luz se projeta do teto e pende sobre a mesa de areia na pedra. Sob o fundo de paredes pretas e brancas da direita e esquerda, todo o terreno comercial da Sunac está cheio de vitalidade.
A área da mesa de areia está voltada para a escada. Visto do primeiro andar, os corrimãos pretos se dobram e giram para baixo, e os últimos degraus brancos caem no chão, como uma entrada aberta, esperando os hóspedes entrarem em uma área misteriosa. Exceto pela escada, toda a escada é envolta em folheado de madeira preta. Parada sob a escada de outro ângulo e olhando para cima, a estrutura da escada é como uma montanha que se ergue e cresce no espaço.

A sala negra projetando-se no ar é como uma nave espacial pairando. As lâmpadas brancas penduradas e a arte planetária metálica, em conjunto, contam a possibilidade de vida futura. Instalações e pinturas artísticas abstraem símbolos naturais. A imaginação infinita começou a flutuar no universo preto e branco ilimitado, e o papel e a função do espaço deixaram de ser únicos.

Na área de negociação próxima à janela do primeiro andar, os materiais e cores são enriquecidos. O mármore com textura natural é inserido no solo a partir do teto, e a luz suave também incide, conciliando o preto e o branco. A adição de cinza e verde traz o ritmo da primavera. No tapete texturizado cinza, o sofá é macio, mas com bordas e cantos claros, como pedras no chão. As poltronas cinza-esverdeadas também mantêm esse estilo. Montanhas, terra e água são esfregados em materiais e móveis, e todos os ricos detalhes do arranjo também tornam a atmosfera da área de negociação relaxada e arbitrária.

Suba as escadas pretas e brancas até o segundo andar, o universo oscilante e a textura natural de crescimento livre são enfraquecidos e substituídos por uma área de descanso aberta com cores calmas. A grande área de cor de madeira no teto e no chão reveste o espaço com uma camada de base florestal, e os expositores com distribuição alta e baixa e combinação de virtual e sólido definem diferentes áreas. A exibição compacta de móveis, livros e obras de arte também traz os sentimentos das pessoas do infinito de volta para um ambiente mais específico.

A área de descanso infantil também é projetada neste espaço. No tapete circular branco-esverdeado, os móveis infantis macios e infantis são ricos e de cores suaves, repletas de requinte em contraste com o contorno da cidade fora da janela. O sofá confortável e macio e a lareira suspensa no centro visual criam um espaço de descanso seguro na selva urbana. Sentados ao redor da lareira sem incomodar uns aos outros, sentem-se aqui por um tempo e depois entre no showroom para completar a transição perfeita do espaço para o clima ”, diz W Studio.

  • Location: Taiyuan, China
  • Date completed: September 2020
  • Size: 10,763 square feet
  • Design: W Studio
sunac-china-office-2
Stairway
sunac-china-office-9
Lobby
sunac-china-office-10
Lobby
sunac-china-office-12
Stairway
sunac-china-office-14
Café
sunac-china-office-17
Seating area
sunac-china-office-19
Seating area
sunac-china-office-20
Seating area
sunac-china-office-25
Mezzanine level
sunac-china-office-26
Breakout space
sunac-china-office-27
Breakout space
sunac-china-office-30
Breakout space
sunac-china-office-31
Breakout space

Liza Koshy, Patricia Bright & Lilly Singh sobre ser você mesmo | No Filter with Naomi

Neste episódio, sento-me com três mulheres negras bem-sucedidas e que estão crescendo na plataforma do YouTube. Me sinto tão abençoada e honrada por falar com elas.

Michaela Coel – WSJ. Magazine November 2020 By Tyler Mitchell

Innovator’s Issue   —   WSJ. Magazine November 2020   —   www.wsj.com
Photography: Tyler Mitchell Model: Michaela Coel Styling: Lynsey Moore Hair: Cyndia Harvey Make-Up: Ammy Drammeh Manicure: Ama Quashie  Set Design: Andy Hillman

LAUT | Spring Summer 2021 | Full Show

LAUT | Spring Summer 2021 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – Gran Canaria Swim Week by Moda Cálida)

Cyril Giroux – Lacrima E Mare/Bello

Luminária minimalista gira 320º para ser ajustada de inúmeras maneiras

Design priorizou funcionalidade e elegância, além de interatividade
LUIZA QUEIROZ | FOTOS: DIVULGAÇÃO

Apostando no minimalismo, o designer alemão Robert Dabi criou a luminária “Poise” (“equilíbrio”, em tradução livre), que é capaz de ser ajustada de diversas maneiras para iluminar os ambientes em vários ângulos. Isso é possível graças a um sistema formado por uma base central fixa, uma haste com três juntas giratórias para ajustar a peça, e uma lâmpada em formato circular, encaixada ao fim da haste, que pode girar até 320º.

Luminária minimalista gira 320 º para ser ajustada de inúmeras maneiras (Foto: Divulgação)

Dessa forma, a lâmpada pode ser ajustada para a esquerda, direita, para baixo ou para cima. Equilíbrio, como sugere o nome da peça, é a chave do produto. “As três juntas giratórias da haste central permitem flexibilidade total da luminária. Já a base pesada e em formato de ‘T’ serve como contrapeso para o braço e o anel, muito estreitos e leves, permitindo que a lâmpada permaneça sempre em equilíbrio”, explica o designer. A lâmpada é tão flexível que pode até mesmo ser colocada em um prateleira e ajustada para iluminar o espaço abaixo. 

Luminária minimalista gira 320 º para ser ajustada de inúmeras maneiras (Foto: Divulgação)

Além de maior funcionalidade, Dabi desenvolveu seu produto com interatividade em mente. Como a luminária pode ser ajustada com toques leves, a ideia é estimular a curiosidade para que o cliente consiga testar várias opções de iluminação e ver qual é a melhor solução para aquele ambiente.

“Poise” tem sua base fixa e juntas feitas de latão. Já a haste e o anel com a lâmpada são feitos de alumínio. O produto ainda pode ser personalizado para ser compatível com modelos de iluminação smart, como a Alexa e o Philips Hue, que respondem a comandos de voz e podem ser configurados via app.

Luminária minimalista gira 320 º para ser ajustada de inúmeras maneiras (Foto: Divulgação)
Luminária minimalista gira 320 º para ser ajustada de inúmeras maneiras (Foto: Divulgação)
Luminária minimalista gira 320 º para ser ajustada de inúmeras maneiras (Foto: Divulgação)

Instagram libera ferramenta de Guias para todos os usuários

Lançada em maio em apenas oito países e disponível só para empresas e criadores de conteúdo, funcionalidade agora está disponível globalmente

A atualização ainda deve demorar alguns dias para chegar em todas as contas, mas já está disponível no Brasil

Instagram anuncia nesta terça-feira, 17, que liberou globalmente a ferramenta de Guias para todos usuários. Introduzida em maio pela rede social, a funcionalidade estava disponível apenas em oito países e para um grupo seleto de contas, restritos a empresas e criadores de conteúdo. 

Além do Brasil, a ferramenta estava disponível nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha, Índia, Indonésia e Austrália. 

Com a funcionalidade, usuários poderão organizar melhor informações e publicações dentro de seus perfis, com os temas que quiserem – de restaurantes favoritos até dicas para autocuidado. 

No Brasil, a função havia sido lançada em parceria com o Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio. Nas Guias do Instituto, é possível ver conteúdos relacionados à saúde mental e física, além de informações sobre a pandemia de coronavírus

A funcionalidade estará disponível tanto para iOS como para Android. O conteúdo estará presente no perfil dos usuários e também poderá ser compartilhado pelo Instagram Stories, publicamente, ou no Direct, em mensagens privadas. 

Guias que reunirem produtos também vão aparecer no Instagram Shop, a seção de compras do Instagram.