Maison Mesa | Spring Summer 2021 | Full Show

Maison Mesa | Spring Summer 2021 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – Mercedes-Benz Fashion Week Madrid/IFEMA)

Tom Quick – Ice Floe/Form /Old Strings

Taylor Swift mudou a data de Evermore para ajudar Paul McCartney

Originalmente, disco sairia no mesmo dia do novo projeto do cantor
GUILHERME MACHADO

A amizade do pop entre Taylor Swift e Paul McCartney segue firme e forte. Após posarem juntos para a capa da revista Rolling Stone, o cantor revelou que a colega mudou a data de seu novo álbum surpresa, Evermore, para que o lançamento não coincidisse com o disco McCartney III, que o ex-integrante dos Beatles lança nesta sexta-feira (18).

A Taylor me mandou um e-mail recentemente e disse: ‘Eu não ia contar a ninguém, mas eu tenho um outro álbum. Eu ia colocar no dia do meu aniversário. Mas eu descobri que você ia colocar o seu no dia 10. Então adiei ele para o dia 18“, contou o cantor durante o The Howard Stern Show.

Depois, ele ainda relatou que quando Taylor descobriu que o álbum de Paul, no fim das contas, sairia no dia 18, ela mudou a data novamente para o dia 10.

“É uma coisa bacana de se fazer”, disse ele.

Annakiki | Fall Winter 2020/2021 | Full Show

Annakiki | Fall Winter 2020/2021 by Ana Yang | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – MFW/Milan Fashion Week)

Darren Leigh Purkiss – Ice Cold Techno
Barrie Gledden – Are You Ready
George Georgia – Berlin Minimal

The Crown alcança topo da audiência do streaming nos EUA

Série superou O Gambito da Rainha, que ficou em segundo lugar
GUILHERME MACHADO

Depois de semana no topo do ranking de audiência de streaming nos EUA, O Gambito da Rainha cedeu espaço para outra produção da NetflixThe Crown alcançou a primeira posição nesta semana, com 3,3 bilhões de minutos assistidos, de acordo com a Nielsen, empresa que mede dados de audiência no pais.

Gambito da Rainha caiu para a segunda colocação, com 1,092 bilhão de minutos assistidos.

Ela foi seguida por The Office (1,067 bilhão de minutos) e The Mandalorian (939 milhões de minutos).

A 4ª temporada de The Crown trouxe figuras históricas como Margaret Thatcher (Gillian Anderson) e Diana (Emma Corrin), e acabou gerando controvérsia no Reino Unido por conta dessas representações.

‘Caipirinha’ alcança R$ 57,5 milhões e Tarsila já é a artista mais cara do Brasil

Quadro da pintora modernista, de 1923, teve a venda realizada em leilão para um colecionador brasileiro
Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

A tela ‘Caipirinha’, pintada por Tarsila do Amaral em 1923 Foto: Ding Musa

Tarsila do Amaral (1886-1973) já é a artista mais cara do Brasil. O leilão de sua tela modernista Caipirinhade 1923, cujo lance inicial era de R$ 47,5 milhões, fez sua cotação disparar na noite de quinta-feira, 17, no pregão da Bolsa de Arte comandado por Jones Bergamin. A tela, vendida para um colecionador brasileiro, foi disputada por três pessoas, teve 19 lances e alcançou o estratosférico valor de R$ 57,5 milhões, inferior ao seu recorde no exterior, o da tela A Lua (1928), vendida para o Museu de Arte Moderna de Nova York no ano passado por US$ 20 milhões (valor aproximado de R$ 100 milhões). Nunca uma obra de arte brasileira alcançou esse preço. Os maiores valores registrados até hoje foram de obras assinadas por Guignard e Lygia Clark. O primeiro alcançou R$ 5,7 milhões com Vaso de Flores, em 2015. Lygia Clark teve sua Superfície Modulada Nº 4, arrematada por R$ 5,3 milhões em 2013 (valores não corrigidos pela inflação).

Mais recentemente, uma tela menos conhecida de Tarsila, também do período modernista, foi colocada à venda por US$ 7 milhões (cerca de R$ 36 milhões), numa feira online internacional. Desde 1995 sua cotação no mercado não parou de subir. Naquele ano, o empresário argentino Eduardo Costantini comprou a mais conhecida tela de seu período antropofágico, Abaporu (1928), por US$ 1,3 milhão durante um leilão em Nova York. A pintura foi vista pela última vez no Brasil na exposição Tarsila Popular, no Masp, que recebeu 400 mil visitantes.

Depois de percalços jurídicos, o leilão de Caipirinha (um óleo de 60 cm x 81 cm) foi afinal realizado, mas não sem tumulto. A pintura é alvo de uma disputa judicial entre Carlos Eduardo Schahin, filho do empresário Salim Taufic Schahin, envolvido na operação Lava Jato, e os 12 bancos credores a quem seu pai deve. A venda do quadro ajudaria a pagar essa dívida. No entanto, Carlos Eduardo alega que a obra foi vendida a ele pelo pai em 2012, por R$ 240 mil. Os credores questionaram a legitimidade da operação, justificando que a obra nunca chegou a sair das mãos de seu pai.

O advogado de Carlos Eduardo Schahin, Márcio Casado, entrou com uma medida cautelar para impedir o leilão. O Superior Tribunal de Justiça ( STJ) rejeitou a liminar que pedia sua suspensão. Apesar de ter sido mantido o leilão, o ministro Moura Ribeiro estipulou duas condições para a sua realização: o valor obtido não irá imediatamente para os bancos credores, mas será guardado numa conta específica até o fim do processo judicial envolvendo a obra. O fato de o comprador ter de depositar o dinheiro um dia depois da compra afastou possíveis interessados estrangeiros a participar do leilão, segundo informou a assessoria da Bolsa de Arte.

A segunda condição: o comprador precisa ser notificado de que o julgamento final pode reverter o entendimento atual do Tribunal de Justiça de São Paulo de que o quadro pertence a Salim e, portanto, pode ser vendido para ajudar a quitar sua dívida com os bancos credores.

O advogado Márcio Casado entrou, no dia do leilão (17), com uma petição nos altos do processo, em São Paulo, argumentando que os bancos credores, cientes da decisão do STJ, não deram publicidade à medida do ministro Moura Ribeiro, o que é contestado pela Bolsa de Arte. “A petição é despropositada e ignora as condições fixadas pelo Poder Judiciário para a venda, inclusive recente decisão datada de 14 de dezembro que já havia rejeitado exatamente a mesma alegação do filho do devedor. Todas as condições exigidas pela lei e pelo Poder Judiciário, que reconheceu a validade do certame, foram respeitadas”, segundo a assessoria da Bolsa de Arte.

Sob a guarda inicial de dona Olívia Guedes Penteado, primeira proprietária da tela e mecenas dos modernistas, a pintura foi herdada por sua filha, Carolina Penteado da Silva Teles e, posteriormente, foi comprada pelo empresário Salim Taufic Schahin. Há poucas obras do período modernista de Tarsila disponíveis no mercado e poucos colecionadores têm uma tela da artista de importância histórica comparável à pintura, realizada em Paris um ano após a Semana de Arte Moderna de 1922. Registrado no catálogo raisonné de Tarsila do Amaral, é um quadro considerado pela artista uma de suas melhores pinturas do período modernista. Tarsila, em 1923, estudava pintura com os cubistas em Paris – e Caipirinha reafirma a influência de Léger na composição – quando escreveu uma carta aos pais comunicando sua intenção de registrar numa tela suas lembranças de infância na fazenda. “Quero, na arte, ser a caipirinha de São Bernardo, brincando com bonecas no mato, como no último quadro que estou pintando”.

Juan Carlos Pajares | Spring Summer 2021 | Full Show

Juan Carlos Pajares | Spring Summer 2021 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – Mercedes-Benz Fashion Week Madrid/IFEMA)

Julia Kontogruni | Milano Bridal Fashion Week 2020 | Full Show

Julia Kontogruni | Sì White Carpet by Sposaitalia Collezioni/Milano Bridal Fashion Week 2020 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video – Sì White Carpet by Sposaitalia Collezioni – Italia)

Paul Leary – Me And My Bae
Chris Dececio – Seconds Away From Love
Per Ljungqvist – Would You Like
Harry George Keyworth – Made A Star

Eddie Murphy retorna nas primeiras fotos de Um Príncipe em Nova York 2

A continuação de Um Príncipe em Nova York, filme clássico de John Landis, teve suas primeiras fotos divulgadas pelo Amazon Prime Video. As imagens trazem o retorno de Eddie Murphy como o príncipe Akeem e de Arsenio Hall como Semmi.

Na trama original, o personagem deixa seu país de origem na África e vai para o Queens, para fugir de um casamento arranjado e encontrar uma mulher que o ame independente do seu título.

Kenya Barris (Black-ish, Um Salão do Barulho 3) escreve o roteiro. O longa trará Akeem (Murphy) de volta aos EUA quando ele fica sabendo da existência de um filho, um improvável herdeiro do trono de Zamunda.

A estreia de Um Príncipe em Nova York 2 acontece no Amazon Prime Video em 5 de março de 2021.

Equipe do Google pede afastamento da vice-presidente Megan Kacholia após demissão de cientista de IA Timnit Gebru

Timnit Gebru saiu da companhia após enviar email a colegas manifestando frustração com a política de diversidade
Jeffrey Dastin e Paresh Dave

Timnit Gebru, que deu importantes contribuições ao campo de ética e inteligência artificial; ela foi demitida do Google neste mês
Timnit Gebru, que deu importantes contribuições ao campo de ética e inteligência artificial; ela foi demitida do Google neste mês – NYT

OAKLAND (CALIFÓRNIA) | REUTERS – A equipe de pesquisa Ethical AI, do Google, dedicada ao campo de ética e inteligência artificial, solicitou que a empresa afaste uma vice-presidente e se comprometa com uma maior liberdade acadêmica, intensificando um confronto com a administração da companhia após a demissão da cientista Timnit Gebru neste mês.

Os funcionários pediram, na quarta-feira (16), que a vice-presidente Megan Kacholia seja retirada da gestão da equipe depois de ela supostamente excluir o chefe de Gebru da decisão de demiti-la, de acordo com um documento interno visto pela Reuters.

Gebru foi demitida após questionar a exigência do Google para que ela removesse um artigo descrevendo os danos causados por tecnologia semelhante à da companhia, e a gigante de tecnologia respondeu dizendo que aceitava sua renúncia.

No início do mês, a cientista, que é negra, afirmou no Twitter que foi demitida após enviar um email a colegas manifestando frustração com a política de diversidade de gênero na unidade de IA do Google.

Ela também questionou se os chefes da empresa revisavam seu trabalho com mais rigor do que o de pessoas de outras origens.

1/Man there’s so much to pick apart. Let’s start with one thing. I want to ask if Jeff Dean has looked at the publication approval policy that he keeps on mentioning in his email. Like, for example, a simple look at the website? Let’s read.— Timnit Gebru (@timnitGebru) December 5, 2020

O documento desta quarta também exigia uma explicação sobre a demissão, transparência nas revisões dos artigos dos funcionários e uma investigação sobre como o Google lida com as reclamações dos empregados a respeito das condições de trabalho, como as levantadas por Gebru enquanto estava na empresa.

Gebru se destacou como cofundadora da organização sem fins lucrativos Black in AI (Negros em Inteligência Artificial), que visa aumentar a representação de negros nesse campo de estudos, e como coautora de um artigo marcante sobre o viés racial na tecnologia de reconhecimento facial.

Ela foi um das líderes da equipe Ethical AI, que o documento dizia ser essencial para informar o público sobre os impactos dos sistemas de inteligência artificial, mesmo quando isso significasse uma crítica construtiva ao Google.

O Google e Kacholia ainda não se posicionaram sobre o assunto. Não ficou claro quantas pessoas assinaram o documento, que seguiu uma petição anterior por liberdade acadêmica reunindo assinaturas de mais de 2.600 funcionários da empresa.