Fashion news: fique por dentro das novidades mais quentes da moda

Entre elas a nova coleção de pijamas unissex da PatBO

Michi Provensi e Gabriel Burger posam com pijamas da linha unissex da PatBo (Foto: Isabela Gaby)

PatBO lança coleção de pijamas unissex
Com o boom do loungewear durante o período de isolamento social em casa, muitas marcas lançaram pijamas fashionistas. Entre elas a PatBO, que agora apresenta conjuntos unissex, com modelagens amplas e confortáveis, que integram a sua linha Home. São três conjuntos, nas versões longa e curta, com estamparia inspirada na bossa tropical vintage que se contrasta com arabescos e grafismos. Criar uma coleção unissex já era um desejo antigo da marca. “A essência da PatBO é ter um lifestyle que transita em todas as ocasiões e trazer isso também para o universo masculino é mais uma realização”, diz a diretora criativa Patricia Bonaldi. São pijamas que, de tão lindos, podem ser facilmente usados nas ruas. 

BriZZa Arezzo (Foto: Divulgação)
Chinelo com estampa exclusiva da BriZZa Arezzo em homenagem à Trancoso (Foto: Divulgação)

BriZZa Arezzo abre pop up em Trancoso
BriZZa, nova linha da Arezzo dedicada a chinelos, sandálias, sliders, bolsas e acessórios (competindo no mesmo segmento de marcas como Havaianas e Ipanema), abre nesta quarta-feira (23.12) uma pop up de verão em Trancoso, na Bahia. Para celebrar a novidade, foi criada uma estampa exclusiva e supercolorida para um chinelo em homenagem à charmosa vila. 

Coleção Vida de Carolina Neves (Foto: Divulgação)
Coleção “Vida” de Carolina Neves (Foto: Divulgação)

Joalheira Carolina Neves lança coleção Vida
A designer de joias Carolina Neves fez uma reflexão sobre valores importante e os traduziu na coleção “Vida”. A linha conta com colares e pingentes em ouro com palavras positivas, como fé, amor, proteção, luz e felicidade. Seguindo o DNA da marca, as joias reúnem pedras coloridas como citrino, ametista, esmeralda, rubi, entre outras. “O que realmente importa na vida é nunca perder a fé. Amar e distribuir amor. Ser luz e iluminar. Viver intensamente!”, diz Carolina. A coleção está disponível nas duas lojas em Vitória, sua cidade natal, e no e-commerce próprio. 

O Gambito da Rainha ganha colecionáveis da Funko!

Série de sucesso da NetflixO Gambito da Rainha ganhou colecionáveis da Funko! (via Comic Book). Ao todo são três peças, que estão disponíveis para compra na Amazon:

Com a primeira temporada disponível na Netflix, a série conta a história de uma garota prodígio do xadrez (Anya Taylor-Joy), que luta contra o vício em uma jornada improvável para se tornar a número 1 do mundo.

A trajetória e lutas de Erika Hilton, estrela da capa digital da Vogue em dezembro

Primeira mulher negra e trans eleita vereadora em São Paulo e a mais votada do Brasil, Erika Hilton quer dar protagonismo aos mais vulneráveis e lutar por uma cidade menos violenta e desigual
CLAUDIA LIMA

Erika Hilton para Vogue Brasil veste vestido Teodora Oshima R$2.426,00, colar Bottega Veneta R$27.950 e anel Brennheisen R$860 (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos Fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)

A primeira vez que vi Erika Hilton foi em setembro de 2019, em um painel do Festival Agora É Que São Elas, plataforma que discute o papel das mulheres na política, nas artes e na cultura. Ao lado de lideranças como a ex-prefeita de São Paulo Luiza Erundina, a ex-ministra do meio ambiente Marina Silva e a ativista indígena e Sonia Guajajara, lá estava Erika, expondo suas ideias sobre mulheres e poder. De cara, me chamaram a atenção as colocações assertivas e sem rodeios daquela mulher esguia e de personalidade fortíssima, àquela altura ainda não muito conhecida do grande público.

Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges)
Erika Hilton veste camisa R$630 e calça R$550 Koia, colar DabDab R$630, Anel Sauer R$4.060,00 calçado Framed R$1.180,00 (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)

Corta para 2020. Um ano depois, aos 28 anos, Erika Hilton foi a primeira mulher transgênero eleita vereadora em São Paulo e a mulher mais votada do Brasil, com 50.508 votos. Um feito e tanto – ainda mais em se tratando do País que mais mata LGBTQ+s no mundo – numa disputa que elegeu o maior número de mulheres negras e trans da história. Antes, em 2018, ela já havia sido eleita como codeputada junto com a Bancada Ativista, primeira candidatura coletiva do Estado de São Paulo.

Criada em uma família matriarcal – mãe, tias e avó – Erika Hilton nasceu em Franco da Rocha, na região metropolitana de São Paulo. “Minha mãe trabalhou muito para que eu não passasse necessidades como ela passou e como eu passei quando muito bebê”, conta. “Apesar disso, fui muito privilegiada no sentido de ter tudo do bom e do melhor e de, desde cedo, poder exercer minha feminilidade sem sofrer nenhum tipo de repressão”, conta Erika, que adorava imitar Paola Bracho, a heroína da novela mexicana A Usurpadora. O cenário mudou quando a família se converteu ao cristianismo. “Elas foram convencidas de que minha identidade era uma coisa demoníaca”, lembra. Expulsa de casa, foi mandada para a casa dos tios super-rígidos em Itu, com a esperança de que ela seria “curada”. Erika chegou a se batizar, mas acabou deixando a congregação e, adolescente, caiu na prostituição. “Fui uma criança muito amada na infância. Perder tudo me colocou em um lugar de desumanização”, conta. Depois de seis anos, foi resgatada pela mãe. “Foi um processo muito doloroso tanto para mim quanto para ela, que acabou sendo acusada de não ter me dado limites. Hoje temos uma ótima relação, mas ambas fomos vítimas da transfobia”, afirma.

Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges)
Erika Hilton veste Bottega Veneta, R$17.360 (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)

Foi a partir daí que Erika começou a moldar sua personalidade: com o apoio da mãe, voltou à escola, concluiu o ensino médio e ingressou na universidade, onde estudou pedaogia e começou a militar no movimento estudantil. A entrada na política, de fato, se deu ao brigar pelo reconhecimento do uso do nome social na carteirinha de transporte escolar. Com a repercussão do caso na mídia, acabou chamando a atenção do PSOL, que a convidou para fazer parte da Bancada Ativista, onde foi eleita pela primeira vez como codeputada. Erika teve um mandato tenso e chegou a sofrer ameaça de morte. “Naquele momento, o medo me paralisou. Mesmo já tendo vivido nas ruas e correndo risco, nunca havia sido abertamente ameaçada”, revela. Desde então, ela vem fazendo um trabalho psicológico e físico para se proteger: não lê comentários de matérias, não abre a caixa de e-mails e, em seu Instagram, responde apenas mensagens positivas. “Também me protejo com uma escolta e muita coragem. Sei que estou na mira, mas não há muito o que fazer.”

Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges)
Erika Hilton veste vestido Aluf R$4.882, calçado Pége R$980, brincos Adriana Valente + Helena Pontes R$590 e adornos Framed R$764il (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)

Nós nos encontramos para esta reportagem em 8 de dezembro passado, um dia antes de a vereadora eleita completar 28 anos. Erika adentrou o estúdio lembrando os mil dias da morte de Marielle Franco, um assassinato que até hoje segue sem respostas. “É um dia triste e revoltante para nós que somos mulheres, negras, LGBTQIA+, mas é também dia de pedir justiça e garantir que nenhuma outra parlamentar seja executada ou ameaçada”, reflete.

Para ela, o resultado das urnas mostra o início de uma organização maior em prol dos direitos humanos. “Acho que o fascismo tem crescido e ganhado força, mas ainda não tomou conta do Brasil. Ainda somos um País de mulheres, indígenas, negros e negras, pessoas que lutam pelos seus direitos, mas que foram seduzidas pela ideia de que somos minoria, quando na verdade é o oposto”, pondera. “Este paradoxo mostra que estamos nos organizando. Quando eu, uma mulher negra e trans sou a mais votada do País, ninguém – nenhum homem ou mulher branco e cisgênero – perde o seu lugar. Ao contrário, só há ganhos, e todo mundo avança.”

Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges)
Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)

Em seu mandato, Erika quer dar protagonismo a grupos mais vulneráveis e discutir maneiras de fazer da cidade um lugar menos violento e desigual. “Fui eleita como uma trabalhadora do povo e tenho uma entrega a fazer. Quero que as pessoas olhem para a Câmara Municipal e pensem: ‘Eu me vejo no corpo dessa mulher que é negra e travesti, mas que fala de orçamento, cultura, esporte e educação e que tem um projeto para a cidade.”

Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges)
Erika Hilton veste conjunto Apartamento 03 blazer R$1.320,00 e calça R$934, brinco R$320 colar R$680 e pulseiras R$600 lado esquerdo R$580 lado direito Dabdab, calçado Eurico R$269,90  (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)

Com essa curta, porém promissora trajetória, Erika diz que a mãe a enxerga com orgulho. “Graças ao amparo e ao amor que eu tive na infância e à sua tomada de consciência, me tornei a mulher que sou hoje.”

Ela, por sua vez, se vê como um reflexo de sua ancestralidade. “Me sinto vingada, honrada e grata, pois entro no parlamento pela porta da frente. Mas sei que muita gente veio antes abrindo caminho para que eu pudesse chegar até aqui. Gente como Zumbi dos Palmares, Dandara, Luiza Mahin, a própria Marielle, que lutaram para romper os estigmas do preconceito e ocupar lugares que nos foram negados. Agora, quero abrir espaço para que outras venham depois de mim. Me sinto pronta.”

Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges)
Erika Hilton veste blusa R$940 e calça R$874 Helena Pontes, anel Sauer R$4.060,00, brinco R$650, colar R$960 e anel grande R$1.300 e menores R$480 cada de Brennheisen, calçado Pége R$980 (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)
Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges)
Erika Hilton veste vestido Normando R$ 985, brinco R$ 835 e pulseira R$1.160,00 Adriana Valente + Helena Pontes, anéis Brennheisen R$1.500,00 cada, calçado Pége R$860 (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)
Erika Hilton para Vogue Brasil (Foto: Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges)
Erika Hilton para Vogue Brasil veste vestido Teodora Oshima R$2.426,00, colar Bottega Veneta R$27.950 e anel Brennheisen R$860 (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)
Erika Hilton (Foto: Vogue Brasil)
Erika Hilton veste Bottega Veneta, R$17.360 (Foto: Cai Ramalho; Direção de arte: Felipa Damasco; Direção de conteúdo: Paula Merlo; Direção de moda: Pedro Sales; Direção criativa: Júlia Filgueiras; Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin; Reportagem: Claudia Lima; Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias; Edição de moda: Neco Blangata; Equipe de moda: Juliana Yoshie; Beleza: Angel Moraes com produtos @fenty e L’Oréal; Equipe de arte: Cássio Vicente; Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar; Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge; Tratamento: Vall Lloveras; Agradecimento: Afetive Food)

Foto: Cai Ramalho
Direção de arte: Felipa Damasco
Direção de conteúdo: Paula Merlo
Direção de moda: Pedro Sales
ireção criativa: Júlia Filgueiras
Coordenação: Renata Garcia e Lais Franklin
Reportagem: Claudia Lima
Produção executiva: Monica Borges e Chris Malaquias
Edição de moda: Neco Blangata
Equipe de moda: Juliana Yoshie
Beleza: Angel Moraes com produtos Fenty Beauty e L’Oréal
Equipe de arte: Cássio Vicente
Assistentes de foto: Karla Brights e Ressumbrar
Pintura: “pele branca,mãos vermelhas”, de Pegge
Tratamento: Vall Lloveras
Agradecimento: Afetive Food

Autor de A Maldição da Mansão Bly diz que não há planos para 3ª temporada

Mike Flanagan disse, no entanto, que “nunca diga nunca”
CAMILA SOUSA

Mike Flanagan, criador de A Maldição da Residência Hill e a A Maldição da Mansão Bly, afirmou nas redes sociais que não há planos para uma terceira parte da história na Netflix:

“No momento não há planos para mais capítulos. Nunca diga nunca, é claro, mas agora estamos totalmente focados em outros projetos da Intrepid Pictures para 2021 e além. Se algo mudar, com certeza vamos avisar a todos”.

A segunda temporada, inspirada no livro A Volta do Parafuso, de Henry James, conta a história de uma governanta que precisa tomar conta de dois órfãos em uma velha mansão. Victoria Pedretti vive a governanta, e o elenco ainda conta com Henry ThomasOliver Jackson-CohenKate SiegelT’Nia MillerRahul KohliBenjamin Evan AinsworthAmelie Smith Amelia Eve.

A Maldição da Residência Hill A Maldição da Mansão Bly estão disponíveis na Netflix.

‘Sex and the city’: possível nova versão não terá Kim Cattrall

Atriz britânica, que já declarou publicamente inimizade com Sarah Jessica Parker, diz que não voltará a atuar na franquia

“Sex and the City” está animada com o retorno à HBO Max estrelando Sarah Jessica Parker, Kristin Davis e Cynthia Nixon – mas não Kim Cattrall.

A atriz Kim Cattrall, de 64 anos, não quer mais atuar em uma possível nova versão de “Sex and the city”. Em entrevista ao “Page Six”, a britânica, que interpretou Samantha, revelou não estar interessar em participar do retorno.

Um dos possíveis motivos seriam os desentendimentos entre ela e a protagonista da série, Sarah Jessica Parker. Kim já acusou publicamente a atriz americana de ter sido cruel com ela nos bastidores e fora da produção. “O seu empenho contínuo em entrar em contato é uma lembrança dolorosa de como foi e continua a ser cruel comigo. Deixe-me ser muito clara (se já não fui),  você não é minha família. Você não é minha amiga”, escreveu Kim numa rede social, em 2018, ao rejeitar as condolências da mulher de Matthew Broderick na ocasião da morte de seu irmão.

Sarah Jessica Parker, Kristin Davis, Cynthia Nixon and Kim Cattrall Foto: Kevork Djansezian
Sarah Jessica Parker, Kristin Davis, Cynthia Nixon and Kim Cattrall Foto: Kevork Djansezian

Essa discussão veio novamente à tona pelo fato de a HBO Max estar analisando uma possível nova versão de “Sex and the city”. A série original foi exibida de 1998 a 2004. Na sequência vieram dois filmes, em 2008 e 2010. Além de Kim, como Samantha, e Sarah Jessica, como Carrie, o elenco era formado por Cynthia Nixon, na pele de Miranda, e Kristin Davis, a Charlotte.

Beyoncé doa 500 mil dólares para abater dívidas hipotecárias de americanos

Estrela fez a doação por meio de sua fundação, BeyGood: ‘Muitas famílias foram afetadas pela pandemia’, diz nota da organização

Estrela é estrela. A cantora Beyoncé está doando, por meio de sua fundação BeyGood, 500 mil dólares para famílias que estão ameaçadas de perderem suas casas. “Muitas famílias foram afetadas pela pandemia. Beyoncé está doando subsídios no valor de cinco mil dólares para indivíduos e famílias que enfrentam execuções hipotecárias ou despejos”, diz parte da nota divulgada pela organização. É possível se inscrever até o dia 7 de janeiro e serão contempladas cem famílias.

Em abril, a cantora doou 6 milhões de dólares para combater a pandemia da Covid-19. O dinheiro foi destinado a instituições dos Estados Unidos voltadas à saúde mental e também ao fornecimento de produtos de necessidades básicas. 

Mais ousados e criativos, lavabos ganham destaque em projetos

Com estampas, luzes e revestimentos inovadores, cômodo com destino de coadjuvante vem crescendo rumo ao estrelato
Isabela Caban

Estampa liberty no projeto da Escala Foto: Divulgação

Um lugar de medidas enxutas, onde se passa pouco tempo na casa. Com esse argumento, a ordem, portanto, é ousar! Arquitetos e moradores têm feito verdadeiros experimentos no lavabo, cobrindo o ambiente de estampas, cores ou luzes fortes.

E o resultado é que esse cômodo com destino de coadjuvante vem crescendo rumo ao estrelato. Na casa da arquiteta Patricia Landau, da Escala Arquitetura, o ambiente tem até um certo ar de camarim, com chapéus pendurados e acesos, que, na verdade, são arandelas. Iluminam o papel de parede liberty, que reveste paredes até o teto, totalmente estampado em tons corais e cinza, sobre um fundo preto. “O papel traz uma atmosfera romântica, misturado com o chapéu peruano. Como amo artesanato, minha ideia foi usar esses itens femininos na decoração de forma divertida. O espelho meio marroquino, eu trouxe de viagem”, conta Patricia.

Lavabo de Isabela Capeto assinado pela Ouriço Arquitetura e Design Foto: Divulgação
Lavabo de Isabela Capeto assinado pela Ouriço Arquitetura e Design Foto: Divulgação

Misturar já é um verbo que a estilista Isabela Capeto conjuga com a maior facilidade — e harmonia. E em seu apartamento, no Flamengo, com reforma comandada pelo arquiteto Beto Figueiredo, da Ouriço Arquitetura e Design, o lavabo “causa”. Uma das paredes traz grandes folhas “costela de adão”, em tons de verde. A porta do lavabo é de madeira com vidro no meio, e ganhou uma outra estampa, em azul e amarelo. “É um mix de restos de tecidos meus, sempre trabalho com o que sobra, vou colocando em casa”, explica Isabela. Para completar, ela ainda pendurou quadrinhos com desenhos de insetos e uma foto p&b emoldurada, do casal icônico “je t’aime, moi non plus” Serge Gainsbourg e Jane Birkin — presente de uma amiga.

Em um apartamento de Ipanema, assinado pela Migs Arquitetura, o lavabo parece coberto por azulejos azuis, estilo português. Mas não é. Trata-se de um papel de parede. A dica é escolher uma estampa e colocar em todas as paredes. “As pessoas acham que é ao contrário, mas chama menos atenção o ambiente inteiro igual do que quando usamos em uma só. E o efeito visual fica mais interessante, sem pesar”, sugere Adriana Valle.

Estrelas na proposta da Manga Rosa Foto: Divulgação
Estrelas na proposta da Manga Rosa Foto: Divulgação

O efeito de estrelinhas brilhantes que o escritório Manga Rosa alcançou em um lavabo foi graças a um revestimento único — um monolítico, que é um granilite sob medida. “Ele é feito de uma vez só, mistura a massa e fica pronto na hora, mais artesanal”, explica uma das “mangas”, Marcela Olveira, que concorda em número, gênero e grau sobre apostar em uma estampa única pro espaço: elas revestiram até o piso e investiram em uma iluminação para chegar ao céu estrelado. “Deu uma potência visual muito grande.”

Para um casal apaixonado por obras de arte, a arquiteta Gisele Taranto preparou um charmoso banheirinho-mini galeria de arte. O cômodo seguiu a cara do apartamento, de estilo industrial, com uma luminária metálica e vaso sanitário preto. Para otimizar o espaço, Gisele lançou mão de um grande espelho e, no lugar de uma bancada convencional, escolheu fixá-la numa altura mais baixa e deixou a cuba mais alta, como um elemento decorativo. Nas paredes, claro, a coleção do casal pendurada.

Vale até bolar um projeto de luz especialmente para um lavabo. Em uma cobertura no Leblon, o cômodo ganhou atenção especial do arquiteto Maurício Nóbrega, que convidou o ligh designer Maneco Quinderé para dar aquele tchan. O ambiente pode ter cores diferentes, mudadas por um controle remoto. “O lavabo fica azul ou verde ou amarelo… Em diversas tonalidades. Uma grande brincadeira!”, conta Mauricio.

Stella Tennant, a icônica supermodelo britânica, morre aos 50 anos

Notícia foi dada pela família da top, que pediu também para que o público respeitasse sua privacidade neste momento difícil. A causa da morte ainda é desconhecida.

Stella Tennant na Vogue Italia de 2002 (Foto: Steven Meisel)

 Stella Tennant, uma das supermodelos dos anos 90, morreu aos 50 anos. “É com grande tristeza que anunciamos a morte repentina de Stella no dia 22 de dezembro de 2020”, disse hoje a família, incluindo seu marido, o fotógrafo francês David Lasnet e seus quatro filhos, Marcel, Cecily, Jasmine e Iris, em comunicado, pedindo por privacidade e sem dar mais detalhes. “Stella foi uma mulher maravilhosa e uma inspiração para todos nós. Ela fará muita falta.”

Stella Tennant (Foto: Steven Meisel)
Stella Tennant (Foto: Steven Meisel)

Descoberta por Isabella Blow, a britânica estreou na carreira de modelo em 1993 com um trabalho para a Vogue inglesa. Apesar de ter anunciado aposentadoria em 1998, até hoje volta e meia podia ser vista em passarelas e capas de Vogue mundo afora.

Em recente entrevista, Stella disse: “Algumas das minhas melhores lembranças são de ter trabalhado com a Vogue britânica ao longo dos anos. Por exemplo, a minha história de capa com Corinne Day, logo depois de dar à luz minha filha – quando trouxe minha babá de infância da Escócia comigo para cuidar do bebê. Lembro também da sessão de fotos com minha avó Debo, a Duquesa de Devonshire, em Chatsworth, o melhor retrato de família, e a capa da Fashion’s Force de janeiro de 2002 – uma espécie de anuário para o mundo da moda na época. (Uma confissão tardia: minha agenda estava tão agitada naquele ponto que perdi o dia em si e tive que fazer o Photoshop mais tarde.)”. 

Stella Tennant (Foto: Steven Meisel)
Stella Tennant (Foto: Steven Meisel)


Stella Tennant começou sua carreira de modelo “quase por acidente”, como ela mesma disse, em 1993. Tendo acabado de se formar em escultura na Winchester School of Art, seu primeiro trabalho de modelo foi aos 22 anos, na edição de dezembro de 1993 da Vogue britânica. “Acontece que um amigo meu conhecia Plum Sykes, então assistente da revista, e Plum estava trabalhando com Isabella Blow em um portfólio de rosas inglesas com um toque especial”, ela lembrou.

Tal ensaio fotográfico, feito por Steven Meisel, lançou sua carreira. “Naquela época, eu não tinha ideia de quem era Steven”, disse ela. Uma semana depois, ela estava posando para uma campanha da Versace em Paris – e sua carreira explodiu. “Eu apareci e encontrei Linda Evangelista, Shalom Harlow e Kristen McMenamy no estúdio. Eu não posso te dizer o quão intimidante foi! Steven me fotografou parado ali enquanto Linda e Kristen dançavam ao meu redor porque eu estava muito nervosa para me mover”, disse. Essas imagens então se tornaram as opções de capa da Vogue italiana . “E minha vida mudou da noite para o dia.”

Stella Tennant (Foto: Contour by Getty Images)
Stella Tennant (Foto: Contour by Getty Images)

Ela também se tornou a favorita de alguns dos fotógrafos de moda mais influentes da década de 1990, incluindo Mario Testino, David Sims e Mark Borthwick, incorporando o estilo “despreocupado” e andrógeno que serviram como algumas das características definidoras das imagens de moda ao longo daquela década. Nas passarelas, Tennant fez aparições regulares com Karl Lagerfeld na Chanel, ao lado de nomes como Jean-Paul Gaultier e Versace. Ela também se tornou um pilar dos espetáculos de passarela de Alexander McQueen, caminhando para alguns de seus shows mais icônicos, incluindo “The Hunger” na primavera de 1996 e “La Poupée” na primavera de 1997.

Stella Tennant (Foto: Contour by Getty Images)
Stella Tennant (Foto: Contour by Getty Images)

Em 1998, após anunciar sua primeira gravidez com o namorado fotógrafo David Lasnet, Tennant se aposentou da indústria. O casal se casaria mais tarde naquele ano, com Tennant usando um vestido Helmut Lang memoravelmente minimalista em seu casamento na Escócia. Pouco depois do nascimento de seu terceiro filho em 2002, ela voltou a ser modelo em uma campanha para a Burberry fotografada por Mario Testino, que foi parcialmente creditado por revitalizar as fortunas da marca e devolvê-la ao seu status agora global de líder da moda.

Outro momento memorável ocorreu na cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Londres de 2012, na qual Tennant apareceu com as modelos britânicas Kate Moss e Naomi Campbell durante um tributo à indústria da moda do país.

Tennant sempre manteve um interesse vitalício pela escultura, estabelecendo um estúdio em sua casa em Berwickshire, onde trabalhou com sua irmã Issy em uma marca de artigos para a casa de luxo chamada Tennant & Tennant. Na última década, Tennant também cresceu e se tornou uma defensora de causas ambientais, aparecendo em uma série de campanhas para a organização sem fins lucrativos Global Cool, aumentando a conscientização sobre as mudanças climáticas e unindo forças com a Oxfam para o mês de setembro.

Embora o anúncio divulgada por sua família no início de hoje marque o fim de uma carreira extraordinária como uma das personalidades mais queridas e icônicas da moda, o legado de Stella Tennant como uma figura inovadora na história do estilo britânico, bem como uma defensora apaixonada de causas próximas a seu coração, vai viver.