Organize sua casa em 4 etapas e chegue a 2021 livre de tralhas

Especialistas dão dicas práticas para redenção de bagunceiros e acumuladores
Danae Stephan

Catarina Pignato

Organizar a casa para começar o ano novo com o pé direito já virou tradição. Com a pandemia e o isolamento, a necessidade de “destralhar” ambientes e tornar o lar mais amigável e prático ficou ainda mais premente.

“Essa organização periódica tem muita relação com a cultura de renovação, definição de metas e encerramento de ciclo”, diz a personal organizer Talita Melo, da Kiiro – Organiza e Simplifica, de São Paulo. “O calendário de folgas entre o Natal e o Ano-Novo também ajuda a reforçar essa cultura.”

Mas arrumar e organizar são coisas diferentes, de acordo com os especialistas. “Quando você arruma, o ambiente fica estético e funciona para você. Já a organização é mais estrutural, e serve para você e para todos que convivem na casa”, afirma Talita.

Como o feriado coincide com a chegada do verão, também é um bom momento para limpar peças que exigem lavagem anual ou semestral, como cortinas, lustres e tapetes, lembra a organizadora Nina Braz, de São Paulo.

Os métodos de organização variam, mas há uma regra comum: não tente fazer tudo de uma vez. A depender do tamanho da casa —e da bagunça—, pode ser necessária até uma semana.

Nina Braz sugere começar do fundo para a frente da casa. “No caminho, você vai levando as coisas que não têm um lugar certo. Se chegar à entrada sem encontrar um local adequado para guardar os itens acumulados, é preciso avaliar se eles são mesmo necessários”, diz.

Já as organizadoras Talita Melo e Melissa Rodrigues, de São Paulo, sugerem começar pelo ambiente que mais incomoda os moradores. “A sensação de recompensa ao terminar a arrumação do cômodo mais difícil dá ânimo para ir até o final”, afirma Talita. “Também é um jeito de pegar o ritmo, e os outros cômodos vão parecer bem mais fáceis”, diz Melissa.

Ainda assim, é preciso ir por partes. “Quando um profissional vai organizar um guarda-roupas, por exemplo, ele tira tudo, separa, cataloga e arruma. Mas, para quem vai fazer sozinho, recomendamos organizar uma gaveta por vez, depois o armário, e assim por diante”, diz Melissa.

Depois de decidir por onde começar, siga o roteiro sugerido pelas organizadoras:

1. Cada um na sua

Tire tudo do armário, gaveta ou prateleira e separe as peças por categoria. No guarda-roupas, junte calça com calça, regata com regata, camisa com camisa etc. Divida por estação e, por fim, por uso.

Na cozinha, tire todos os jogos de pratos, talheres, copos, taças, toalhas e jogos americanos, inclusive os que estão fora de uso. Separe por categoria, dividindo os de uso diário e os reservados para ocasiões especiais. É importante deixar tudo à vista, para ter uma ideia do volume.

Aproveite esse momento para limpar bem tanto a parte interna dos móveis como os cantos do ambiente, lustres, tapetes e cortinas.

2. Hora do desapego

Com todos os itens à sua frente, é hora de desapegar. “Geralmente tiramos cerca de dez sacos de 200 litros das casas que organizamos. Em média, isso representa cerca de 20% do volume total. Esse é um bom número para se ter em mente”, diz Talita.

Pegue três caixas de cores diferentes, sacos ou cestos (vale usar etiquetas coloridas), e nomeie com verbos como “resolver”, “arrumar” e “doar”. Evite criar muitas categorias, para facilitar a tomada de decisões. “Na Kiiro, definimos os verbos ‘vender’, ‘resolver’ e ‘doar’. Não usamos mais o verbo ‘ficar’, porque percebemos que as pessoas tendem a manter mais itens quando usam essa categoria”, afirma Talita.

Na categoria “resolver” entram tanto peças que irão para algum parente ou amigo quanto itens que precisam de conserto ou manutenção.

Para as categorias “vender” e “doar”, comece a sessão de desapego por itens que não tenham muito valor afetivo. “Assim, quando chegar nos objetos pelos quais você tem apego, já vai estar no ritmo, o que facilita o processo”, diz Nina.

Na dúvida do que ainda vai ou não usar, vale o truque de guardar em uma caixa ou mala de viagem. Anote a data em uma etiqueta e se programe para dar uma olhada depois de um ano. “Se você nem olhou para esse item no ano todo que passou, é pouco provável que vá usá-lo novamente”, diz Melissa. “Isso vale para tudo, mas principalmente para roupas e sapatos.”

3. Tudo no lugar

É preciso encontrar um lugar para cada item, de acordo com seu uso. Se um objeto não tem um local adequado, deve ir para uma das caixas de triagem. E nada de criar uma caixa genérica para deixar os cacarecos. “Tralha não se organiza”, diz Melissa.

Roupas do dia a dia e de trabalho devem ficar mais acessíveis, e todas agrupadas de acordo com sua subcategoria: regatas com regatas, calças com calças etc. Roupas e sapatos de festa podem ir para o maleiro ou box da cama.

Já na cozinha, lavanderia ou banheiro, separe os itens por uso. Coloque as coisas do café da manhã juntas, em uma parte do armário ou em uma bandeja. Talita sugere dividir mentalmente os espaços da cozinha em áreas de “servir”, “cozinhar” e “embalar”.

Utensílios, louças e eletrodomésticos menos utilizados podem ir para o alto dos armários. Jogos de prato, copos e talheres restritos a festas e ocasiões especiais podem ir para caixas, se não houver espaço suficiente nos armários. Coloque etiquetas nas caixas, para facilitar sua localização.

Na lavanderia, acondicione os produtos de uso frequente, como álcool, água sanitária e limpador multiúso, em um balde próprio para isso. Os produtos de limpeza pesada podem ficar mais ao fundo da lavanderia ou despensa. Sabão em pó e amaciante de roupas devem ficar em um lugar fixo na lavanderia, de preferência em um cesto.

Aproveite para conferir datas de vencimento e necessidade dos produtos menos usados. O mesmo vale para banheiros, nécessaire de maquiagens e caixa de remédios.

Na hora de arrumar os brinquedos das crianças, é fundamental que elas façam parte do processo, para ajudar na triagem e também na manutenção da arrumação do quarto. Separe os brinquedos por tamanho e por uso: bicicletas e patinetes devem ficar fora do quarto, em uma área externa. Jogos, quebra-cabeças e brinquedos que exijam acompanhamento de um adulto podem ficar em locais menos acessíveis.

4. Doar e vender

Com as caixas separadas, é hora de decidir o que irá para doação ou ser vendido.

Hoje é muito fácil encontrar grupos de troca ou venda nas redes sociais e no WhatsApp, o que estimula a abrir mão de peças que normalmente não doaríamos. “Quando começamos a propor a venda, percebemos um aumento considerável no volume de desapego dos clientes”, diz Talita Melo, que inclui o serviço de venda em seus pacotes.

Há ainda aplicativos específicos para isso, como o Popsy, que oferece da criação do anúncio à entrega do produto. Gratuito, atende atualmente a 21 cidades brasileiras.

Esse mercado vem ganhando força com a onda do consumo consciente, e deve crescer 69% até 2021, segundo relatório da ThredUP, uma das maiores lojas online de roupas usadas do mundo, e da GlobalData, de análise de varejo.

OS CAMPEÕES DA BAGUNÇA

Coleções e bibelôs
Os itens mais complicados de organizar são aqueles sem função, como lembrancinhas, bibelôs e coleções de bonecos ou miniaturas, de acordo com Nina Braz. Ela sugere usar uma bandeja para reunir os objetos e facilitar a limpeza. Estantes ou nichos protegidos por vidro também são boas opções

Potes plásticos
Sempre que for comprar potes tipo Tupperware, dê preferência a peças de mesmo formato, que possam ser encaixadas umas nas outras. ”As pessoas compram potes de formatos diferentes, ganham de brinde e dificilmente se desfazem dos que estão feios, tortos, manchados…”, afirma Nina. Descarte os recipientes tortos, manchados e sem tampa e encaixe um dentro do outro, da melhor forma possível. Coloque as tampas em uma caixa separada, da maior para a menor

Livros e revistas
O ideal é organizar em estantes fechadas, para evitar o acúmulo de pó. Na falta delas, é preciso tirar o pó a cada dois meses e folhear cada volume pelo menos uma vez ao ano. Se for armazenar em caixas, prefira as de plástico e coloque junto um antimofo

Papéis
Evite o acúmulo de contas, notas fiscais e boletos; opte por recebê-los por email sempre que possível. Guarde apenas notas fiscais de produtos que estejam dentro da garantia e manuais importantes


Pecinhas de brinquedo
Reúna as peças de cada jogo, e separe os blocos de montar por tamanho ou kit. Coloque etiqueta nos cestos ou caixas usados para reunir os brinquedos por tema ou idade, caso tenha mais de uma criança

EMBALAGENS SALVA-ESPAÇO

Sacos a vácuo
Eles diminuem o volume de edredons, travesseiros, cobertores e roupas de inverno. Para que as peças brancas não fiquem amareladas, embrulhe-as em um papel celofane azul

Colmeias
Queridinhas das organizadoras, são ideais para guardar peças pequenas em gavetas ou prateleiras de closet. Calcinhas, meias, cuecas, sutiãs e até roupas de ginástica ficam mais organizadas e acessíveis

Cestos
Podem organizar desde produtos de higiene no banheiro até alimentos abertos na despensa. Para roupas e produtos volumosos, dê preferência aos modelos quadrados, que têm melhor aproveitamento de espaço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.