AMI Spring/Summer 2021 Campaign

Influenciada pelos códigos estéticos e visuais das imagens de Richard Avedon e Irving Penn, a Spring/Summer 2021 campaign marca a terceira colaboração da AMI com o fotógrafo Michael Bailey-Gates.

Constance Jablonksi – Harper’s Bazaar España February 2021 By Xavi Gordo

Soñar   —   Harper’s Bazaar España February 2021   —   www.harperbazaar.es
Photography: Xavi Gordo Model: Constance Jablonksi Styling: Beatriz Machado Hair & Make-Up: Yurema Villa Production: Bea Vera

Pix sexual: como o sistema começou a ser usado como ‘arma’ de paquera

Sistema digital de pagamentos virou rede de relacionamentos, mas especialistas alertam para golpes
Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

Sistema de pagamentos Pix passa a ser usado para paquerar Foto: Marcos Muller/Estadão

Quase ninguém mais sabe o que é um piropo. De origem castelhana, um piropo é uma palavra ou frase de elogio endereçado a outra pessoa. No melhor dos mundos, poetas, compositores e apaixonados escrevem versos (piropos) sobre quem se ama. No pior dos mundos, piropos são grosseiros e, ao cruzarem a linha do assédio moral ou sexual, transformam-se em casos de polícia. 

Toda essa ‘piropada’ do parágrafo acima é para falar da improvável nova plataforma utilizada para paqueras virtuais. Não, não são as já tradicionais redes sociais ou aplicativos, como Tinder e Inner Circle. Hoje, os piropos invadiram o Pix e criaram o Pix sexual

Pix, para quem ainda não foi apresentado, é um sistema de pagamento instantâneo lançado em meados de novembro pelo Banco Central. Basicamente, o usuário pode usar o seu número de CPF, telefone ou e-mail como chave (senha) do Pix. As transferências podem ser feitas com qualquer valor (inclusive 1 centavo), sem custos adicionais. Além disso, o usuário pode enviar uma mensagem no comprovante de pagamento. Normalmente, essa mensagem serviria para uma breve descrição dos motivos do pagamento, mas…

Mas o brasileiro na internet tem um humor todo peculiar e não demorou para aparecerem coisas como: “Coloquei uma chave pix aleatória na bio do meu Tinder e tem maluco me mandando dindin pelo meu número kkkkkkk” (@Manda_pedrosa). Ou ainda: “Não me mande flores, me mande um PIX. É assim que se paquera agora?”( @lillydearaujo). 

Nas redes sociais, a modalidade já foi apelidada de “pixtinder” e seus adeptos de @pixsexuais (pessoas que se sentem atraídas por quem faz transferências financeiras por Pix). A ideia é que, ao se identificar a pessoa do seu interesse, o indivíduo faça uma transferência bancária acompanhada por um galanteio (um convite para jantar, um elogio).

Ainda nas redes, nasceu uma tabela que relaciona valores financeiros ao nível de interesse da pessoa. Por exemplo, R$ 1 é igual um “adoro você”; R$ 2 vale um “te acho lindo” e um R$ 10 é um legítimo “quero um date”. Já um depósito de R$ 20 pode significar “te odeio, kkk”. 

“Eu vi uma reportagem sobre o assunto e pensei: ‘quero se paquerada assim também’”, brincou a assistente social e fotógrafa Liliane de Araújo, 39 anos. “Aí, mandei um Pix para um contatinho, um rolo eterno. Aí, recebi um Pix com uma mensagem e um depósito de 10 centavos. Postei nas redes sociais e me zoaram demais. Brinquei que essa paquera tirou minha conta do zero”, completou.

O economista Vagner Castro, 27 anos, experimentou o “pixtinder” e disse que funcionou. “Cheguei a mandar para um menina com quem estava saindo. Mandei um ‘oi’ com o meu telefone. Ela me chamou no WhatsApp, acho engraçado…”, contou. Mais do que usar o Pix para um flerte, Castro teve a ideia de abrir um perfil no Instagram para reunir histórias e prints desse tipo de abordagem. Trata-se do @pixloveers. 

Na página, prints com transferência de R$12 seguido da seguinte mensagem: “Tu vai terminar comigo por causa de um sonho, Ana?”. Ou pedidos de desculpas acompanhado por R$ 5: “Amor, na moral, foi só um beijinho, me desbloqueia”. Além de cantadas, as mensagens podem servir para explicar melhor pedidos feitos por delivery. Ao transferir o pagamento para uma pizzaria, a pessoa escreveu no Pix: “não põe cebola na pizza, obrigado”.

No aplicativo de paquera, Inner Circle, o uso da palavra “Pix” subiu 147% em um período de um mês. “Não temos acesso ao teor das conversas, portanto, não sabemos se as pessoas estão fornecendo os seus dados no aplicativo, mas é possível pesquisar por palavras e, realmente, a palavra ‘Pix’ teve um aumento considerável”, disse Ximena Buteler, gerente de marketing do Inner Circle. “Claro, é importante lembrar que o aplicativo não recomenda que as pessoas forneçam esse tipo de dado pessoal, como CPF, em suas conversas”, completou.

A brincadeira fugiu do controle, ganhou escala e levou o próprio Banco Central a se manifestar, dizendo que o “Pix é um meio de pagamento e não uma rede social”. Camila Mickievicz, especialista em direito e tecnologia, adverte para os perigos do chamado pixtinder. “O risco é acentuado. Entregar a chave do Pix para alguém pode significar disponibilizar o CPF. Com o CPF e o nome completo, alguém mal-intencionado pode fazer compras no seu nome. Se a chave é o telefone ou o e-mail, os problemas podem ser muito sérios também”, comentou.

“A gente precisa explicar para as pessoas a importância de proteção dos dados pessoais nesse ambiente digital. Já estão sendo aplicados golpes pelo Pix. O que começa com uma brincadeira, pode terminar com muito dor de cabeça”, finalizou Camila. 

Selena Gomez mostra imagens do Brasil no clipe de “Baila Conmigo”

Música é parceria com rapper Rauw Alejandro

Selena Gomez divulgou o clipe de sua mais nova canção, “Baila Conmigo”, que tem cenas gravadas no Ceará. A canção é uma parceria da cantora com o rapper Rauw Alejandro.

Este é o segundo single da cantora em espanhol após o lançamento de “De Una Vez” no começo desse mês.

Recentemente, a cantora também lançou uma parceria com o grupo de Kpop BLACKPINK, chamada “Ice Cream”.

Anisha Sandhu – DuJour Magazine Winter 2020 By Andrew Stinson

Neutral Territory  —   DuJour Magazine Winter 2020   —   www.dujour.com | www.andrewstinson.com
Photography: Andrew Stinson Model: Anisha Sandhu Styling: Paul Frederick Hair: Sirsa Ponciano Make-Up: Deanna Melluso

Estreia de Mulher-Maravilha 1984 foi produto mais visto do streaming

Filme foi visro por mais de 2 bilhões de minutos

Mulher-Maravilha 1984 (Imagem: Divulgação/Warner)

Mesmo tendo dividido opiniões, Mulher-Maravilha 1984 teve uma estreia de sucesso. De acordo com a Nielsen, empresa que mede audiência nos Estados Unidos, o longa foi o produto mais visto do streaming durante a semana de 21 a 27 de dezembro.

O filme foi visto por um total de 2,252 bilhões de minutos, superando em 35% o segundo colocado, Soul, que foi visto por1,669 bilhão de minutos, segundo a Variety.

A Nielsen estima que o longa foi visto um total de 14,9 milhões de vezes.

Mulher-Maravilha 1984 conta com o retorno da diretora Patty JenkinsGal Gadot Chris Pine, mas também inclui Pedro Pascal e Kristen Wiig como nova dupla de vilões.

O longa já está em cartaz nos cinemas brasileiros. Lá fora, o filme passa nas telonas e também no streaming HBO Max, ainda indisponível na América Latina.

Xiaomi apresenta tecnologia para carregar bateria à distância

Segundo a fabricante chinesa, o sistema Mi Air Charge consegue carregar vários dispositivos a 5W ao mesmo tempo

Ainda não há previsão para o sistema chegar ao mercado

Os fios estão cada vez mais perto de serem extintos. A Xiaomi apresentou nesta sexta-feira, 29, uma tecnologia capaz de carregar a bateria de aparelhos a metros de distância. Segundo a fabricante chinesa, o sistema, chamado de Mi Air Charge, consegue carregar vários dispositivos a 5W ao mesmo tempo – obstáculos físicos aparentemente não reduzem a eficiência de carregamento.

A empresa não especificou o limite de distância para o carregamento, mas disse que o sistema funciona em um “raio de vários metros”. 

A ideia é que o Mi Air Charge funcione tanto para celulares quanto para outros dispositivos tecnológicos, como relógios e pulseiras inteligentes. Uma das grandes apostas da Xiaomi nos últimos anos tem sido a casa conectada, e essa nova tecnologia parece uma ferramenta para integrar ainda mais diferentes aparelhos.  

O sistema funciona com antenas de cinco fases integradas, que conseguem indentificar onde está o dispositivo a ser carregado. Além disso, uma matriz de controle composta por 144 antenas transmite ondas milimétricas com a energia diretamente ao aparelho. 

A Xiaomi disse ao site The Verge que nenhum produto comercial com a tecnologia será lançado neste ano – não há previsão de quando o Mi Air Charge chegará ao mercado. 

Vetado pela Rainha Elizabeth, documentário ‘Royal Family’ da BBC sobre a família real vaza no Youtube

O filme foi excluído da plataforma digital após reclamações da emissora e do palácio de Buckingham

Trecho do documentário “Royal Family” Foto: Reprodução

Vetado pela Rainha Elizabeth em 1972, o documentário “Royal Family”, lançado pela BBC em 1969, nunca mais tinha sido exibido. No entanto, o tiro saiu pela culatra ao vazarem o filme no Youtube na última quinta-feira. Segundo informações do jornal The Sun, milhares de pessoas tiveram acesso. 

Diferentemente de “The Crown”, série produzida pela Netflix, o documentário apresentava ao mundo a intimidade nua e crua da família real britânica sem a presença de atores. A ideia do filme partiu da equipe de relações de públicas da realeza, que queria atender ao pedido da própria Rainha Elizabeth de mostrar aos súditos que ela também levava uma vida comum.

Considerado um sucesso pela equipe de relações públicas, o documentário foi vetado imediatamente pela Rainha Elizabeth, que até então tinha aprovado sua exibição. O motivo para o cancelamento foi o desconforto da família real ao serem vistos como “celebridades”. Robert Lacey, consultor da série The Crown, afirma que “eles perceberam que se continuassem a serem retratados deste modo, deixariam a magia da monarquia se perder”.

O documentário foi excluído do Youtube após reclamações da BBC e do palácio de Buckingham.

Após aporte de US$ 400 milhões, Nubank está avaliado em US$ 25 bilhões

Com nova rodada de investimentos, fintech já vale mais que o Banco do Brasil; empresa agora dá os primeiros passos para a abertura de capital, que pode acontecer nos EUA
Por Bruno Romani, Bruna Arimathea e Giovanna Wolf – O Estado de S. Paulo

Nubank está avaliada em US$ 25 bilhões 

Nubank anunciou ontem que recebeu um novo aporte de US$ 400 milhões, que fez a empresa atingir a avaliação de US$ 25 bilhões, segundo apurou o Estadão. Com o feito, a fintech se tornou a quarta instituição financeira mais valiosa da América Latina, ultrapassando grandes bancos listados na Bolsa brasileira, como o Banco do Brasil.

Esse investimento pode ser a última captação do Nubank: o Broadcast/Estadão apurou que a empresa começou a dar os primeiros passos para realizar a esperada oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). Fontes do mercado apostam que a empresa escolha os Estados Unidos para listar suas ações. 

A rodada anunciada ontem foi liderada pelo fundo GIC, de Singapura, e também teve participação de Whale Rock e Invesco. Além disso, participaram do aporte investidores que já apostaram no Nubank, como Tencent, Dragoneer, Ribbit Capital e Sequoia. A GIC tem em seu portfólio de investimentos empresas como a Locaweb e a Sankhya, fornecedora mineira de sistemas de gestão empresarial. Já a Whale Rock investiu em companhias como TeslaAmazon e Facebook.

Ao anunciar o aporte, o Nubank disse ainda que chegou ao número de 34 milhões de clientes, quase o triplo do que tinha em 2019, ano em que atingiu avaliação de US$ 10 bilhões. Agora, com os novos recursos, o plano é reforçar a expansão internacional — o Nubank já atua no México e na Colômbia.

“Não é apenas no Brasil que as pessoas sofrem com serviços financeiros burocráticos. Essa é uma dor compartilhada por todos os latino-americanos. Com esta nova rodada, seremos capazes de acelerar e escalar nossas operações no México e na Colômbia e liberar ainda mais pessoas das complexidades financeiras”, disse em nota David Vélez, fundador e presidente executivo do Nubank. 

No ano passado, a empresa levantou US$ 300 milhões — especulou-se de que se tratava de uma rodada de investimentos, mas a reportagem apurou que a movimentação foi na verdade uma operação de débito conversível. O Nubank fez isso para atravessar os estágios iniciais da pandemia, que traziam incertezas gerais para o mercado, de maneira capitalizada. Assim, a última rodada de investimentos da companhia foi a de junho de 2019, quando levantou outros US$ 400 milhões.

No topo

Com a nova a avaliação de US$ 25 bilhões (cerca de R$ 138 bilhões), o Nubank ultrapassou o valor de mercado do Banco do Brasil, que é listado na Bolsa e ontem valia R$ 99,1 bilhões. Agora, a empresa corre atrás do Santander Brasil (R$ 153,4 bilhões), Bradesco (R$ 210 bilhões) e Itaú (R$ 267 bilhões). A fintech também ultrapassou outras grandes empresas do setor financeiro como XP, Stone e BTG.

Para Gilberto Sarfati, professor da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), o avanço do Nubank é positivo para os clientes brasileiros. “O crescimento do Nubank traz ainda mais competição em um setor que até então era concentrado em grandes bancos. É um incentivo de inovação ao segmento financeiro como um todo e também um desafio para os bancos tradicionais”, afirma.

O novo aporte também reforça o aquecimento vivido pelas fintechs desde o ano passado. Em 2020, empresas do setor receberam investimentos que somaram US$ 1,9 bilhão, segundo dados do hub de inovação Distrito. Nos últimos 7 anos, o Nubank levantou ao todo US$ 1,2 bilhão em investimentos. 

Na visão de Guilherme Horn, conselheiro da ABFintechs, esta nova rodada de investimento no Nubank demonstra a confiança dos investidores no potencial do mercado brasileiro: “O setor financeiro no Brasil ainda apresenta muitas oportunidades, dadas as ineficiências presentes, principalmente na experiência do consumidor”.

Crescimento contínuo

Ao longo do último ano, o Nubank tem investido em uma série de aquisições para expandir seus negócios: a fintech comprou a consultoria Plataformatec, especializada em engenharia de software, a Cognitect, empresa de engenharia de software americana e a Easynvest, corretora com mais de 1,5 milhão de clientes. A quantidade de serviços também cresceu, com o lançamento de um cartão de débito virtual para compras online e de um seguro de vida com mensalidade média de R$ 9. 

Sarfati, da FGV, afirma que o Nubank tem como principal desafio pela frente apresentar um modelo de negócios sólido que consiga se rentabilizar sobre os clientes. E é no cliente também que estão as oportunidades: “O cliente jovem do Nubank está amadurecendo e nesse movimento há um espaço para sofisticação de serviços, como novos tipos de investimento”, diz o professor./COM ALINE BRONZATI E ANDRÉ ÍTALO ROCHA