Luisa Beccaria | Fall Winter 2021/2022 | Embrace

Luisa Beccaria | Fall Winter 2021/2022 | Digital Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – MFW/Milan Fashion Week Women’s) #Embrace

La Métamorphose | Fall Winter 2021/2022 | Digital

La Métamorphose | Fall Winter 2021/2022 | Digital Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – PFW/Paris Fashion Week Women’s) Credit : Méphistophélès Productions

LANVIN FW21 – IF I WAS A RICH GIRL… FEAT. EVE

Lanvin Outono / Inverno 2021 – Joie de vivre, a elegância e frivolidade do passado e uma visão de futuro enraizada no otimismo. Para o outono / inverno 2021, o diretor criativo Bruno Sialelli olha para trás e para a frente – inspirando-se no passado, reinventado para o presente, calibrado para o futuro.

A mulher Lanvin é conhecida: ela é glamorosa e fabulosa, uma conexão com o DNA da Lanvin, com as raízes da Maison cem anos atrás, na energia dinâmica dos anos 1920. Estes se combinam com as próprias lembranças de Sialelli do início do milênio – incluindo suas memórias de Lanvin – para criar uma nova síntese, um equilíbrio entre o patrimônio da casa e as obsessões de nossos tempos.

O clima é positivo, otimista e bem vestido. Noite para todos os dias. Os tecidos são brilhantes, táteis e sensuais: cetim duchesse, tafetá, charmeuse de seda, crepe de seda, o glamour das peles artificiais com estampa animal. Vestidos e casacos fluem pelo corpo, costas delicadamente protegidas, emprestando cerimônia a cada gesto – um clima de alta-costura da maison mais antiga maison parisiense.

A coleção inteira é exibida por meio de uma ode irônica e humorística ao videoclipe da MTV. A trilha sonora é ‘Rich Girl’, de Gwen Stefani, com participação de Eve – a quem Lanvin e Bruno Sialelli agradecem por sua participação especial no filme, reprisando seu icônico solo de rap do original de 2004.

Edificante e alegre, brincalhão e espirituoso, luxuoso e refinado. Lanvin.

“Todas as riquezas, baby, não significarão nada …”

Creative direction: Bruno Sialelli
Film director: Helmi
Production: Division
Styling: Carlos Nazario
Consulting: Hédi El Chikh
Movement director: Nicolas Huchard
Hair: Jawara
Makeup: Christelle Cocquet
Casting Models: Rachel Chandler
Casting Dancers: Nicolas Huchard & Hybra

Special thanks:
Eve
Tom Mercier
Luv Resval

Models:
Paloma Elsesser
Sora Choi
He Cong
Mika Schneider
Quinn Mora
Alyda Grace
Vic Ishimwe
Lucas El Bali
Yura Nakano
Dame Lo
Dancers:
Hanabi
Audjyan
Janina
Thomas Gréaux
Patric Kuo

Venue: Shangri-La Paris

“Rich Girl” by Gwen Stefani featuring Eve
(Gwen Stefani, Eve Jeffers, Jerry Bock, Chantal Kreviazuk, Mark Batson, Kara Dio Guardi, Michael Elizondo, Sheldon Harnick, Andre Young aka Dr Dre)
Universal/MCA Music Publishing, Break Out My Cocoon & Bat Future/ Hignosis SFH I Ltd, WB Music Corp. (ASCAP)/Ain’t Nothing But Funkin’ Music, Sony ATV Tunes LLC, Music Of Windswept (ASCAP), Jerry Bock IP LLC. Appears Courtesy of Universal Music France, Warner Chappell Music France, Kobalt Music Publishing, Warner Chappell Music France, Sony Music Publishing France, BMG Rights Management France, Jerry Bock IP. (P) 2004 UMG Recordings, Inc.

Rosenquist: James Rosenquist & Artestar
“© 1963, 1966, 1977, James Rosenquist Foundation, Inc. / Licensed by Artestar. LLC. Used by permission. All rights reserved.
© 1981, 1987, 1989, 2004, James Rosenquist, Inc. / Licensed by Artestar. LLC. Used by permission. All rights reserved.”
Sugerido por UMG
Gwen Stefani – Let Me Reintroduce Myself (Official Video)

Ricaços do interior podem fazer Iguatemi valer R$ 500 milhões a mais, com altíssimo luxo em casa

Circe Bonatelli

Loja da Tiffany no Iguatemi: logística de produtos de altíssimo valor é estratégica / FOTO MARCIO FERNANDES/AE

Os ricaços espalhados pelo interior do Brasil não precisarão mais se deslocar até eixos como a Faria Lima ou a JK, na capital paulista, para comprar grifes nos shoppings da rede Iguatemi. A partir de abril, a companhia passará a fazer entregas para todo o País a partir do seu marketplace online, espécie de shopping virtual, o Iguatemi 365.

Comum para o varejo tradicional, o comércio eletrônico não acontece com tanta facilidade no setor de luxo, no qual as mercadorias em trânsito custam uma pequena fortuna. Imagine, por exemplo, a dor de cabeça com o extravio de uma bolsa Dolce & Gabbana de R$ 58 mil, como a anunciada no site? Aumentar a capilaridade é um passo delicado, mas estratégico na expansão do negócio, que tem um número limitado de concorrentes no Brasil.

“Não temos uma plataforma segmentada com abrangência no Brasil todo. Estamos muito animados. Vamos constantemente ampliar essa operação, que será uma fortaleza da Iguatemi”, afirmou o presidente do grupo, Carlos Jereissati Filho.

Iguatemi contratou ex-Amazon e Google para cuidar da área

Aparentemente, a animação não é só o olhar do dono. Analistas do Credit Suisse dizem que investidores podem não ter reparado direito no negócio e calculam que o Iguatemi 365 pode valer algo em torno dos R$ 500 milhões – cerca de 10% do valor de mercado da rede de shoppings mais famosa do Brasil. Nada mal para um negócio tão novo.

Recentemente, a Iguatemi contratou para assumir a estratégia digital o executivo Mario Meirelles, ex-Amazon, Google and Accenture. A ideia é melhorar o desempenho do marktplace e levantar insights que estavam fora do radar.

Iguatemi 365 surgiu no fim de 2019 e, até pouco tempo atrás, tinha entregas restritas a algumas capitais. Antes de serem despachadas, as embalagens são enroladas em papel de seda e levam uma borrifada do mesmo aromatizador usado nos shoppings.

Muitas marcas não têm lojas no Brasil

A aceleração do crescimento começou ainda no segundo semestre, chegando até 2 mil cidades neste trimestre. A plataforma conta com cerca de 400 marcas e mais de 18 mil itens listados. Entram aí grifes como Christian Louboutin, Jimmy Choo, Bulgari, Mont Blanc, Calvin Klein, entre outros.

Muitas dessas marcas são de lojistas já presentes nos shoppings, mas outras não têm pontos físicos na rede, nem em outros pontos comerciais do País. A companhia tem apostado nas vendas exclusivas de certas grifes, o que ajuda a atrair os amante de peças únicas.

O Iguatemi 365 oferece, principalmente, roupas, calçados e acessórios. Em 2021, há planos de aumentar a oferta de itens de casa, cozinha, bebidas e escritório. “Seria esperado ter no online a mesma participação de mercado que temos no luxo”, afirma a vice-presidente de finanças e relações com investidores, Cristina Betts, sem revelar números.

Comércio eletrônico de altíssimo luxo movimenta R$ 7 bi no Brasil

A própria companhia ainda divulga poucos dados concretos da operação, mas analistas de mercado estão atentos a seu potencial. O Credit Suisse estima que o Iguatemi 365 esteja rodando com um nível de vendas anualizado em torno de R$ 50 milhões a R$ 100 milhões, podendo chegar a R$ 200 milhões ou mesmo R$ 300 milhões, até o fim de 2022. Ainda é pouco perto dos R$ 9 bilhões em vendas físicas totais dos 14 shoppings e 2 outlets, mas mostra que o novo negócio está ganhando tração.

O comércio eletrônico de alto padrão, que engloba consumidores das classes, B, A e AAA movimenta cerca de R$ 7 bilhões por ano no Brasil, o que abre espaço para avanço da rede. A vantagem da Iguatemi está na visibilidade da marca, experiência de anos no trato com as varejistas de luxo e sinergia com o restante do seu negócio, o que permite um custo de aquisição proporcionalmente menor, afirmam Daniel Gasparete e Pedro Hajnal, em relatório do Credit Suisse.

Dior | Fall Winter 2021/2022 | Full Show

Christian Dior | Fall Winter 2021/2022 by Maria Grazia Churi | Digital Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – PFW/Paris Fashion Week Women’s)

Tom Quick – Ice Floe

Sisterhood – PorterEdit March 8th, 2021 – Haim By Olivia Malone

Sisterhood   —   PorterEdit March 8th, 2021   —   www.net-a-porter.com

Photography: Olivia Malone Model: Haim Styling: Sean Knight Hair: Lauren Palmer-Smith Make-Up: Edwin Sandoval Art Direction: Phil Buckingham

Meghan Markle revela que família real tinha preocupações sobre a cor da pele de seu filho com Harry

Em entrevista à apresentadora americana Oprah Winfrey, duquesa de Sussex também afirmou que teve pensamentos suicidas
Mark Landler, The New York Times

Príncipe Harry e Meghan Markle durante entrevista à apresentadora de Oprah Winfrey Foto: Joe PUGLIESE / HARPO PRODUCTIONS / AFP

Um ano depois de Meghan Markle se casar com o príncipe Harry em um matrimônio de conto de fadas, ela disse em uma entrevista transmitida na noite de domingo, 7, nos Estados Unidos, que sua vida como parte da família real britânica se tornou tão triste que pensou em suicídio.

Em outro momento, membros da família disseram a Harry e Meghan que não queriam que o filho ainda não nascido do casal, Archie, fosse um príncipe ou princesa, e expressaram preocupação sobre o quão escura a cor da pele do bebê seria. Durante a entrevista, Meghan falou sobre seus pensamentos suicidas: “Eu tinha vergonha de admitir isso para Harry. Eu sabia que se não dissesse, eu o faria. Eu só não queria mais estar viva.”

Meghan fez as revelações em uma entrevista à apresentadora Oprah Winfrey, na rede americana CBS, que foi ao ar nos EUA em horário nobre. Ao descrever uma vida real que começou como um conto de fadas, mas se tornou sufocante e cruel, as respostas de Meghan levantaram as questões sobre raça e privilégio no escalão mais alto da sociedade britânica.

Para o público americano, que absorveu a intriga palaciana retratada na popular série de TV The Crown, parecia mais um episódio explosivo – promovido em uma semana de acusações e contra-acusações sobre o papel que Meghan desempenhou na Casa de Windsor.

Para a família real, já preocupada com a hospitalização de seu patriarca, o príncipe Philip, foi ao mesmo tempo uma embaraçosa exposição de roupa suja e um doloroso lembrete, um ano depois de Harry e Meghan terem virado as costas para a vida real, que as feridas daquela ruptura ainda precisam ser curadas. 

Meghan disse que enquanto seu marido estava preocupado com sua fragilidade emocional, seus esforços para buscar ajuda médica foram rejeitados pelos funcionários do palácio, que se preocupavam com o impacto sobre a monarquia. Ela se descreveu como uma espécie de prisioneira no Palácio de Kensington. “Eu não podia simplesmente chamar um Uber ao palácio”, disse ela.

Mas o esforço do casal para relançar sua imagem pública não passou despercebido em casa. Nos dias que antecederam a transmissão, surgiram novas alegações de que Meghan havia intimidado membros de sua equipe, fazendo auxiliares chorarem e expulsando dois assistentes pessoais do palácio. Meghan rejeitou as alegações, chamando-as de “assassinato de reputação”, enquanto o Palácio de Buckingham disse que iria investigá-los.

Meghan não disse qual membro da família levantou questões sobre a cor da pele de seu bebê nem explicou por que a família real não planejou automaticamente conferir um título real, o que teria fornecido mais segurança para a criança. Por convenção, Archie assumiria um título real assim que seu avô, o príncipe Charles, ascendesse ao trono.

Ainda assim, a falta de clareza não roubou o momento da revelação: a referência de Meghan às preocupações sobre o tom de pele de seu filho provocou um “o quê?” de Oprah Winfrey. Em outras divulgações menos provocativas, Meghan corrigiu o registro de alguns negócios da família e revelou o sexo do próximo filho – uma menina. 

Foi sua cunhada, Kate, que a levou às lágrimas em um conflito sobre vestidos para as floristas, e não o contrário, como havia sido divulgado. Em outro encontro embaraçoso com um de seus próprios assessores, ela disse que o assessor lhe disse que ela não deveria sair para almoçar com amigos porque estava superexposta, embora tivesse saído de sua residência apenas duas vezes em quatro meses.

Meghan, com sua barriga claramente visível, falou com humor sobre seus primeiros encontros com seus futuros sogros. Ela descreveu ter aprendido a fazer uma reverência momentos antes de ser apresentada à rainha Elizabeth II, com quem ela disse que sempre teve um relacionamento caloroso, e insistiu que nada sabia sobre o que se esperava dela como uma realeza que trabalhava. “Não fiz nenhuma pesquisa sobre o que isso significaria”, disse ela. 

Harry, que se juntou a Meghan na segunda metade da entrevista, disse que o casal deixou a família real por falta de apoio ou compreensão de seus integrantes, especialmente sobre o racismo que ele disse que sua esposa enfrentou na cobertura da imprensa. “Ninguém da minha família disse nada nesses três anos”, disse Harry.

O príncipe, que continua sendo o sexto na linha de sucessão ao trono, descreveu o corte financeiro de sua família depois que ele e Meghan anunciaram planos de se retirar dos deveres reais. Ele disse que seu relacionamento com seu pai era – Charles parou de atender suas ligações em um ponto – porque “muita dor aconteceu.”

Repercussão

Esta foi a entrevista real mais esperada desde que a mãe de Harry, a princesa Diana, disse à BBC em 1995 que “éramos três neste casamento”, referindo-se ao marido dela, Charles, e seu relacionamento extraconjugal com Camilla Parker Bowles, com quem se casou mais tarde.

Como Meghan, Diana era uma “forasteira glamourosa” que trouxe uma chuva de “poeira estelar” para a Casa de Windsor quando se casou com Charles, mas se tornou infeliz dentro dos limites da vida real. Ao contrário de Meghan, seu casamento desmoronou em meio a alegações de infidelidade e, no momento em que ela falou com o jornalista da BBC, Martin Bashir, ela disse que o palácio a via como uma “ameaça de algum tipo”.

Um exemplo vivo de seus turbulentos anos na família real, a entrevista de Diana foi um momento da cultura pop que atraiu uma das maiores audiências da televisão britânica na história, transformou-se em paródias no “Saturday Night Live” e aprofundou o apetite da mídia por tudo envolvendo Diana. Dois anos depois, ela estava morta em Paris, vítima de um acidente de carro após uma perseguição em alta velocidade com fotógrafos.

Harry relembrou essa tragédia com Oprah Winfrey, mencionando os confrontos de sua esposa com os tabloides: “Minha maior preocupação era a história se repetir.” Ele há muito culpa os jornalistas pela morte de sua mãe e disse que uma das razões pelas quais o casal se mudou para a Califórnia foi para escapar da mídia.

E, no entanto, lá estava o casal sentado ao lado da apresentadora de televisão mais conhecida do país. A lista de entrevistas de celebridades de Winfrey inclui Michael Jackson, Barack Obama, Kim Kardashian e Donald Trump. Meghan, no entanto, aceitou a entrevista como uma chance de recuperar sua própria narrativa, após um período em que ela afirma que sua reputação foi distorcida.

Mesmo a escolha da roupa de Meghan parecia calculada para telegrafar a mensagem de um novo começo. Seu elegante vestido preto, desenhado por Giorgio Armani, apresentava um impressionante desenho de flor de lótus que sua equipe disse que simbolizava o renascimento e a vontade de viver. Ela também usava uma pulseira de diamantes que pertenceu a Diana.

“O que está acontecendo é uma luta significativa pelo controle da narrativa”, disse Peter Hunt, ex-correspondente real da BBC. “Qual é o nosso julgamento estabelecido sobre por que Harry e Meghan deixaram a família real? Aceitamos duas horas de Oprah ou acreditamos nessas acusações de bullying?”.

As primeiras manchetes dos tabloides britânicos sugeriam que as bombas de Meghan reverberarão por semanas. “Eu queria me matar”, disse uma manchete no site do Daily Mail

Meghan não sofre por falta de defensores. Patrick J. Adams, um ator que trabalhou com ela na série de televisão “Suits”, a descreveu no Twitter na semana passada como tendo “um profundo senso de moralidade e uma forte ética de trabalho”. 

Os críticos há muito detectaram racismo na forma como algumas pessoas reagem a Meghan. Embora extasiados em sua cobertura do casal, os tabloides britânicos se voltaram contra eles, publicando artigos nada lisonjeiros sobre como eles voavam em jatos particulares que lançavam carbono e restringiam o acesso a seu filho recém-nascido.

Alguns também apontam a hipocrisia do Palácio de Buckingham investigando denúncias de bullying contra Meghan quando o príncipe Andrew, o segundo filho da rainha e tio de Harry, recusou-se a falar com as autoridades americanas sobre as alegações de tráfico sexual de seu falecido amigo, Jeffrey Epstein, condenado por crimes sexuais.

Embora os jornais britânicos tenham coberto todos os ângulos imagináveis da entrevista, alguns deixaram claro que havia limites para o interesse que estava gerando. O Sunday Times of London noticiou que a própria rainha não tinha planos de assistir ao programa, o que é bastante previsível, uma vez que foi ao ar depois da meia-noite no horário de Londres. 

Outros na Grã-Bretanha tentaram minimizar a polêmica, apontando que há outras coisas mais importantes acontecendo no país: as escolas devem reabrir na segunda-feira, e o lançamento da vacina contra o coronavírus continua em alta velocidade.

Videoclipe da música ‘Qual teu sonho’ com Yzalú enaltece e ressignifica simbologias femininas

Qual teu sonho’ destaca importantes referências como Frida Kahlo, Tarsila do Amaral e Angela Davis e homenageia a luta das mulheres que sonham em viver de sua arte; Produção faz parte de ação especial da marca Hershey, criada pela BETC HAVAS

A cantora e rapper Yzalú é a protagonista do videoclipe da música ‘Qual teu sonho’. O vídeo foi um pedido da marca de chocolates Hershey, como parte de uma ação especial para o Dia Internacional da Mulher, criada pela agência BETC HAVAS. E para dar vida à composição, de autoria da própria Yzalú, o clipe presta uma homenagem e ressignifica diversas simbologias femininas sob a perspectiva dela e de outras artistas presentes na produção. Além disso, joga luz sobre o sonho e a luta constante de inúmeras mulheres em viverem de sua arte, enfrentando todas as adversidades.

Com uma batida dançante e um estilo urbano, inspirado no trabalho da rapper paulistana e que celebra o talento da periferia, o videoclipe destaca oito artistas, de diferentes expressões, com objetivo de dar voz e espaço para que elas possam mostrar sua arte e talento. Cada uma delas tem seu mundo retratado em portais que se misturam e celebram figuras femininas marcantes ao longo da história, entre elas Frida Kahlo, Tarsila do Amaral e Angela Davis.

Logo no início, é possível sentir a potência do que está por vir com a poetisa e atriz Luz Ribeiro representando uma rainha africana e recitando um trecho de um de seus poemas. Já ao começar a cantar, Yzalú entra num portal em forma de triangulo, em alusão ao simbolismo feminino, e encontra a cantora baiana Yndy Naíse, e elas cantam juntas até que a cena transita para Aline Constantino dançando afrobreak entre panos no varal. Em seguida, o universo da artesã Mitti Mendonça vem à tona, fazendo referência às ancestrais que influenciaram seu trabalho. Em um plano sequência, há um mergulho no mundo da grafiteira Regina Elias, a Ziza.

Assim, a obra segue entre vários portais, destacando o mundo de cada uma dessas artistas brasileiras. Ao final, todas se encontram em volta de uma mesa, como se estivessem numa celebração e comunhão de sentimentos e inspirações, numa cena emblemática que remete à Santa Ceia, porém, protagonizada somente por mulheres.

Com direção de Hanna Batista e André Inácio, e produzida pela Modernista, a equipe de produção contou com quadro quase 100% feminino, desde a criação até a concepção. As filmagens foram realizadas na cidade de São Paulo, obedecendo todas as normas de segurança e saúde indicadas pelos órgãos governamentais.

O movimento faz parte da parceria com a Hershey que, pelo segundo ano consecutivo, lança a campanha ‘HERSHE’ para o Dia Internacional da Mulher. Desta vez, com o tema “She Dreams” e “Her Dream” (em inglês, “Ela Sonha” e “O Sonho Dela”, respectivamente), a nova edição transforma as embalagens de suas tradicionais barras de chocolate ao leite em uma plataforma de exposição do trabalho artístico dessas oito mulheres, com um conjunto de ações repleto de tecnologia, inovação e empatia com o universo feminino. O programa também funciona como uma ferramenta de capacitação e oferece workshops para capacitar mulheres artistas, com o apoio da Plano Feminino.

Ficha Técnica #HERSHE

Cliente: Hershey’s

Campanha: HerShe 

Agência: BETC HAVAS

CCO: Erh Ray

General Manager: Daniel Jotta

Diretora Executiva de Criação: Andrea Siqueira

Diretor de Criação Associado: André Batista

Criação: André Batista, Rodrigo Casanovas, Fernanda Peka, Diego Canhisares, James Döring e Andrea Siqueira

Marcas & Negócios: Daniel Jotta, Fabiane Veiga, Fernanda Modena, Nathalia Del Moral, Izabel Petegrosso e Alexia Gomes.

Canais & Engajamento: Carla Gagliardi, Ariane Finavaro, Carlos Jordão, Dorilangio Souza e Lucas Gonçalves.

Estratégia: Agatha Kim, Bianca Brandão e Gabriel Lopes

Mídias Sociais: Daniela Lima, Danielle Maio e Rodrigo Yoshizumi

Produção: Anna Luisa Ferraz, Andrea Carmassi, Juliana Arantes, Luigi Dias e Tiago Hasegawa

Produção Gráfica: Gilmar Souza, Marcio Brusaferro, Plinio Alves e Carlos Valeriano

Tecnologia: Jeferson Rodrigues

Produtora: Modernista

Produtor Executivo: Marcelo Monteiro e Alexandre Lucas

Direção: Hanna Batista e André Inácio

Direção de Fotografia: Milena Seta e Vinicius Alves Bock

Direção de Arte: Karla Salvoni

Pós-Produção: Guilherme Carneiro

Diretor de Produção: Giba Pereira

Atendimento Produtora: Iara Demartini

Produção de Áudio Visual: Canja

Direção de Som: Lucas Sfair, Eduardo Karas e Filipe Resende

Produção Musical e Masterização: Levi Mynssen

Atendimento de Som: Guga Costa

Coordenação de Som: Matheus Brandão

Apoio e Mentoria: Vivi Duarte – Plano Feminino

Aprovação do Cliente: Marcel Sacco, Larissa Diniz, Rodrigo Campos e Larissa Loureiro

Spring Awakening – Grazia UK March 8th, 2021 – Kayla De Vaughan By Pelle Crépin

Spring Awakening   —   Grazia UK March 8th, 2021   —   www.grazia.co.uk

Photography: Pelle Crépin Model: Kayla De Vaughan Styling: Sophie Henderson Beauty Editor: Joely Walker  Hair: Kay Montano Make-Up: Charlotte Mensah Manicure: Robbie Tomkins