Per Florian Appelgren for Harper’s Bazaar Vietnam with Grace Epolo

Photographer: Per Florian Appelgren. Fashion Stylist: Nina Froehlich. Hair & Makeup: Kerstin Huesges. Model: Grace Epolo.

Um tour pelo escritório da Private Financial Company em Melbourne, Austrália

Uma equipe de designers da firma de arquitetura Gray Puksand  projetou recentemente um novo escritório para uma empresa financeira privada em Melbourne, Austrália.

130-londsdale-office-8
Café

“A intenção era oferecer um interior que exalasse uma sensação de calma e equilíbrio que funcionasse essencialmente como um yin para o yang dos negócios geralmente de alta intensidade. Para fazer isso, a equipe do projeto empregou os princípios do design biofílico, incorporando materiais naturais, cores neutras e padrões que lembram a natureza.

O conceito de condução do design é sustentado por temas de fluidez, crescimento e bases sólidas. Estas ideias interligadas expressam-se como fortes elementos espaciais e arquitetónicos, desde a entrada, com uma generosa área de recepção que acolhe os visitantes. Além de sua mesa de formato orgânico, fica a escada escultural que conecta os quatro níveis. Essa estrutura dramática ancora visualmente o ajuste, enquanto ao redor dele, diferentes configurações permitem que os funcionários escolham como desejam trabalhar, oferecendo zonas para colaboração ao lado de áreas íntimas para um retiro tranquilo.

A chave para o design geral é a Green House, um espaço de reunião informal que permite que os funcionários se reúnam em grupos pequenos a médios. Embora uma variedade de móveis modernos em azul pastel, verde pistache e ocre quente caracterizem esta área, ela é definida por um impressionante teto que lembra as águas ondulantes. É adjacente ao Wintergarden, que possui um espaço de pé-direito duplo e plantações abundantes. As vistas panorâmicas do norte da cidade ampliam ainda mais a conexão com a natureza, assim como o piso de pedra natural, os detalhes em madeira e as texturas sutis do estofamento em tecido.

Bordas suaves e curvas dominam o design, desde os caminhos de circulação não lineares que esculpem a planta de cada andar até a iluminação suspensa e tapetes de formato amorfo. Mesmo a sala de reuniões envidraçada, posicionada centralmente para simbolizar uma oportunidade de “encontrar-se no meio” ao resolver disputas, não tem cantos agudos. As formas e formatos do fit-out se unem para representar os fluxos e refluxos da natureza, que finalmente se estabeleceram para fornecer um local de trabalho confortável e descontraído ”, diz Gray Puksand.

  • Location: Melbourne, Australia
  • Date completed: 2020
  • Size: 86,111 square feet
  • Design: Gray Puksand
  • Photos: Shannon McGrath
130-londsdale-office-10
Reception
130-londsdale-office-1
Breakout space
130-londsdale-office-2
Corridor
130-londsdale-office-4
Breakout space
130-londsdale-office-5
Open-plan workspace
130-londsdale-office-6
Breakout space
130-londsdale-office-7
Café
130-londsdale-office-9
Café
130-londsdale-office-11
Breakout space
130-londsdale-office-12
Breakout space
130-londsdale-office-13
Meeting room
130-londsdale-office-17
Breakout space

Evento virtual gratuito Soul Design Summit reúne convidados nacionais e internacionais em palestras sobre arquitetura e design

Organizado Grupo A2 e promovido pela Club&Casa Design, o evento abordará temas como acessibilidade, liderança e design pelo mundo

Evento virtual gratuito reúne convidados nacionais e internacionais em palestras sobre arquitetura e design (Foto: Divulgação)

Grandes nomes nacionais e internacionais da arquitetura e do design se encontrarão em palestras e bate-papos gratuitos da Soul Design Summit, um hub de conteúdo da Expo Revestir 2021. Durante o evento, convidados como o designer italiano Matteo Cibic, o arquiteto Lula Gouveia, do Superlimão Studio, e o fotógrafo Paul Clemence falarão sobre acessibilidade, transformações na arquitetura, liderança e design pelo mundo. A programação começa na próxima segunda-feira (22) e vai até o dia 26 de março.

O evento, realizado pelo Grupo A2 e promovido pela Club&Casa Design, terá programações temáticas que se dividirão ao longo dos dias. A palestra Design pelo Mundo, que ocorrerá na próxima terça-feira (23), é um dos destaques do evento. A programação contará com a participação do artista e designer de luxo italiano Matteo Cibica fundadora da Grace Farms Foundation, Sharon Prince, e o fotógrafo brasileiro-americano Paul Clemence.

O hub de conteúdo contará ainda com uma palestra sobre transformação na arquitetura corporativa. O bate-papo, que ocorrerá quarta-feira (24), será mediado pelo arquiteto Márcio Mazza e terá a participação dos arquitetos Carlos Rossi, Lula Gouveia, Tânia Costa e Claudia Andrade, da neuro arquiteta Priscilla Bencke e do sócio-diretor da Buildings, Fernando Didziakas.

No último dia do evento, os fundadores do Grupo A2, Thiago Sodré e Fábio Ordones, e o editor-chefe da Forbes Brasil, José Vicente Bernardo, participarão de uma conversa sobre liderança, gestão e transformação no mercado de arquitetura. A conversa deve apresentar tendências e assuntos que podem chamar atenção de profissionais de arquitetura e do design nos dias de hoje.

As incrições para a Soul Design Summit são gratuitas e podem ser realizadas por meio do site do evento. No link, confira também a programação completa do hub de conteúdo.

3.1 Phillip Lim | Spring Summer 2019 | Full Show

3.1 Phillip Lim | Spring Summer 2019 by Phillip Lim | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – New York Fashion Week)

‘Framing Britney Spears’ só arranha a superfície da prisão em que a Princesa do Pop vive há 13 anos

Documentário disponível no Globoplay explora a tutela que impede uma das artistas mais conhecidas no mundo de ser dona da própria vida
João Ker, O Estado de S.Paulo

Disponível no Globoplay, o documentário ‘Framing Britney Spears’ explora o assédio midiático e a tutela sobre a Princesa do Pop Foto: FX / Reprodução

Depois de levantar um debate nacional nos Estados Unidos sobre as leis de tutela e reacender o interesse da mídia na Princesa do Pop, o documentário Framing Britney Spears chegou no último sábado, 19, ao catálogo do Globoplay. Em pouco mais de uma hora, o filme narra a ascensão meteórica de uma das artistas mais conhecidas mundialmente, culminando na conservadoria em que ela vive pelos últimos 13 anos e que garante ao seu pai, Jamie Spears, o poder legal de controlar sua vida e suas finanças. 

Produzido pelo The New York Times em parceria com Hulu FX, o documentário usa imagens de arquivo e entrevistas com pessoas próximas a Britney Spears para analisar como uma das principais estrelas pop dos últimos anos se tornou uma prisioneira de sua própria fama. Ao invés de trilhar o caminho fácil e ater-se ao sucesso profissional que ela alcançou em uma carreira consolidada ao longo dos últimos 23 anos, Framing explora o impacto da mídia e da imprensa na vida pessoal da artista, antes de mergulhar no movimento #FreeBritney.

Em 2021, no mundo pós-Me Too e com a existência de redes sociais ou apenas do bom senso coletivo, é inimaginável que jornalistas e apresentadores de TV perguntem a uma adolescente em rede nacional se ela é virgem ou se seus seios são reais. Porém, como fica claro no filme, esses foram apenas alguns dos muitos absurdos que Britney precisou suportar enquanto crescia sob as lentes da mídia e se tornava uma mulher adulta que explorava a própria sexualidade em músicas, videoclipes e ensaios fotográficos.

Imagens de Britney perseguida por dezenas de paparazzi, tendo sua capacidade materna questionada em capas de jornais e seu ex-namorado, Justin Timberlake, gabando-se publicamente de ter transado com ela são intercaladas com depoimentos em que a própria estrela se queixa dessas cobranças. Um dos momentos mais impactantes é também aquele em que a artista aparece mais vulnerável, quando, grávida do segundo filho, ela desaba durante uma entrevista e, entre lágrimas, diz que seu maior desejo é ser deixada em paz.  

Esse revisionismo sobre o escrutínio midiático ao qual Britney foi submetida ocupa metade do filme e não chega a ser exatamente uma novidade, exceto na forma com que a diretora Samantha Stark o condena. Mesmo assim, ele estabelece uma dimensão do quanto a figura da artista era lucrativa para tablóides, o quão desumano era o tratamento direcionado a ela e o quanto Britney tentou se desvencilhar dessa perseguição sem sucesso, até ser colocada sob uma tutela permanente. 

Em fevereiro de 2008, após duas internações em clínicas psiquiátricas e uma persona pública em ruínas, o tribunal da Califórnia declarou que Britney era incapaz de cuidar de si mesma e garantiu a Jamie Spears o papel de tutor permanente da filha, mantido até hoje. Na prática, é ele quem decide o que ela pode fazer com o próprio dinheiro e autoriza ou não todos os aspectos de sua vida, desde com quem ela se encontra e aonde vai até se ela pode ter filhos ou se casar. Aos 39 anos e com uma fortuna milionária no banco, a Princesa do Pop precisa pedir ao pai para comprar um café, viajar, dirigir, gravar uma música, receber amigos na sua mansão ou dar uma entrevista.

É ao entrar nesse terreno que Framing Britney Spears realmente decola e, para isso, conta com dois grandes trunfos: as entrevistas com Felicia Culotta, assistente e amiga pessoal da artista desde o início da sua carreira, e Adam Streisand, o advogado que ela tentou contratar em 2008 para defender seus interesses no caso. Ambas as figuras são cruciais para entender o episódio e a cantora, e ao mesmo tempo são pessoas notoriamente reservadas, sem nunca antes terem mencionado o assunto publicamente.

Enquanto Felicia conta pela primeira vez que foi cortada da vida de Britney logo que a tutela começou, Streisand atesta que a estrela tinha apenas uma demanda em relação à conservadoria: que Jamie não fosse o tutor. Em documentos oficiais entregues à corte de Los Angeles e reproduzidos no documentário, Britney afirma ter medo do pai e, mais tarde, pede que seu caso não seja tratado como um “segredo de família”. 

Uma peça fundamental dessa história é também a ausência mais sentida em Framing Britney Spears: a empresária Lou M. Taylor, creditada pelo movimento como a grande arquiteta por trás da tutela e uma de suas principais beneficiárias. 

Contratada por Jamie Spears para agenciar a filha, Lou é citada no livro Through The Storm: Uma verdadeira história da fama e da família no mundo do tablóide, lançado por Lynne Spears em 2008. Nele, a mãe de Britney diz que a ideia da tutela partiu da empresária, após ela ter convencido o pai da cantora que “Deus estava pedindo” para que ele tomasse o controle da situação. 

Talvez a maior vitória do filme seja a de chancelar o movimento #FreeBritney como mais do que mera teoria da conspiração e tratá-lo como uma defesa legitimada pela própria Princesa do Pop, a qual parece ter seus direitos civis violados há mais tempo do que o público sabe. O interesse no tema também aumentou: a Netflix e a BBC já anunciaram oficialmente a produção dos seus próprios documentários e alguns deputados dos EUA já começaram a discutir se não é hora de rever as leis sobre tutela no país. 

Mesmo assim, muitas perguntas, episódios e personagens continuam inexplorados e, para que essa história seja realmente contada de forma completa, continua faltando uma voz importante: a da protagonista.