‘The Girlfriend Experience’ discute inteligência artificial e desejo humano em nova temporada

Terceira temporada da série da Starzplay se passa em Londres e tem como protagonista Julia Goldani Telles, filha de mãe brasileira
Mariane Morisawa, Estadão

Cena da série The Girlfriend Experience
Cena da série The Girlfriend Experience Foto: Starzplay

Mais de três anos após o fim da segunda temporada de The Girlfriend Experience, a série em formato de antologia está de volta para sua terceira leva de episódios, todos os domingos, na Starzplay. Entre as mudanças, estão a entrada da alemã Anja Marquardt (Ela Perdeu o Controle, de 2014) no lugar dos roteiristas e diretores Lodge Kerrigan e Amy Seimetz, e a transferência de cenário dos Estados Unidos para Londres. 

“Como houve um bom tempo de distância da segunda temporada, eu tive muita liberdade e pude chegar com minha visão e meu ponto de vista”, disse Marquardt em entrevista ao Estadão, por videoconferência. 

Anja, que estava desenvolvendo projetos falando de tecnologia e ciência, acabou incorporando esses elementos à “experiência de namorada” do título. The Girlfriend Experience, a série, é um spin-off de Confissões de uma Garota de Programa (2009), filme dirigido por Steven Soderbergh, sobre uma prostituta de luxo em Manhattan durante a eleição presidencial de 2008. 

Soderbergh é produtor executivo da série, que a cada temporada foca em uma história diferente. Na primeira, uma estudante de Direito (Riley Keough) entrava para o mundo das namoradas de aluguel – garotas contratadas por uma empresa para oferecer companhia, consolo, conversa, sexo.

A segunda se passava no ambiente de arrecadação de fundos para o Partido Republicano e envolvia chantagem e uma ‘namorada’ entrando no serviço de proteção à testemunha. No elenco, Anna Friel, Louisa Krause e Carmen Ejogo. 

Nesta terceira temporada, Iris (a filha de brasileira Julia Goldani Telles, de The Affair) é uma estudante de neurociências que se muda dos Estados Unidos para Londres para trabalhar numa startup que estuda o comportamento humano e descobre que ser uma namorada lhe oferece vantagens nesse mundo – e vice-versa. 

“Ela tem essa vida científica, mas também entende, assim como a série, que ser uma ‘namorada’ é uma experiência que não trata apenas de sexo”, disse Telles em entrevista ao Estadão. “É uma experiência de conexão, de estar num relacionamento com uma pessoa, entender a pessoa. E essa é a parte que a Iris prefere. Ela gosta desse lado porque ela sente que pode traduzir esses componentes emocionais e variáveis para a sua vida científica e para ajudar na sua carreira.” 

Para Iris, as relações são transações. “Todas as relações íntimas têm uma troca, seja sexo, seja dinheiro, qualquer coisa. E ela sabe que essa é uma oportunidade única de colecionar dados como cientista para depois traduzir em algo que pode ajudar seu público na tecnologia”, contou a atriz. “Claro, ela tem um interesse pessoal nisso, que a gente não entende bem no início da série, mas que fica mais claro depois.”

Para Anja Marquardt, o tema da série é a questão do livre arbítrio versus o determinismo. “Mas desta vez também há um outro cruzamento, entre realidade e simulação, e é aí que eu encontro meus interesses. Em cada interação que nossa protagonista tem com um cliente, há um grau de simulação. Porque ela entra no lugar e decide rapidamente qual é a persona que vai usar para aquela pessoa especificamente. Mas, por ser humana, há um limite para a compartimentação dessa simulação.” 

Anja estava interessada em debater como as máquinas estão aprendendo muito mais rapidamente do que nós estamos como espécie. “E elas estão se tornando cada vez melhores na simulação do que nós somos ou no espelhamento do que nós somos em relação ao que somos capazes de aprender sobre o que somos”, afirmou. “E isso é interessante, fascinante e aterrorizante. Mas eu gosto de abordar questões sombrias no meu trabalho.”

Em muitos momentos, Iris parece estar fora de si. “Ela é muito corajosa, quase num nível sobre-humano”, disse a diretora e roteirista. “Mas depois vamos descobrindo melhor suas razões. E essa é a justaposição em que eu estava interessada.” De um lado, a experiência da namorada é de intimidade emocional e física. De outro, a neurociência pelo ângulo da inteligência artificial é algo um tanto distanciado, porque são máquinas e dados. 

Quando a pandemia foi declarada, os produtores e a equipe tiveram de discutir se isso ia afetar a história – sem dúvida, houve impacto na produção da série, que teve de seguir protocolos rígidos para poder acontecer e deixar todo o mundo seguro, num set em que a proximidade dos atores por vezes era inevitável. 

“Mas, no fim, vimos que não afetaria em nada a trama”, disse Anja. “Quando estava escrevendo, pensei que essa era a direção em que estávamos seguindo. E a pandemia só acelerou isso. Estamos todos nessa experiência gigantesca de viver virtualmente. Só estamos aqui vendo o rosto uma da outra por causa da tecnologia. Se não fosse por ela, estaríamos conversando por telefone. Então, quem sabe, haja algo de bom nisso tudo. Depende de como vamos usar a tecnologia seguindo adiante, acho.”

‘The Girlfriend Experience’ fala de desejos humanos

Julia Goldani Telles, tem 26 anos, é filha de brasileira e morou em Campinas e no Rio de Janeiro quando era pequena, antes de voltar a seu país natal, os Estados Unidos. De uma família de acadêmicos, começou sua carreira como atriz na adolescência, na série Bunheads, de Lamar Damon e Amy Sherman-Palladino, que durou apenas uma temporada. Seu papel mais famoso antes de Iris foi como a filha mais velha do casal Solloway em The Affair. Ela falou ao Estadão meio em inglês e meio em português.

Como vê a questão da tecnologia nos relacionamentos pessoais dos seres humanos?

Pessoalmente, eu tive de aprender muito para fazer essa personagem. Eu não sabia muito sobre a relação entre os desejos humanos e a tecnologia. Tem muitas coisas que ainda não entendemos sobre tecnologia. Mas estava mais preocupada com o que a motiva e por que ela escolheu esse campo em particular, por que faz o que faz. 

Quando percebeu que queria ser atriz?

Sempre quis, no fundo. Eu gostava de ver filmes e fingir ser outras pessoas. E era uma criança sensível. Quando eu estava na segunda série, a mãe da minha amiga escreveu a peça que a classe ia apresentar e me deixou ser a estrela, porque ela sabia que eu queria ser atriz. Mas essa foi toda a minha experiência de atuação até fazer a série Bunheads e começar minha carreira, já adolescente.

Seus pais são acadêmicos, um dos seus irmãos é físico e o outro, engenheiro. Você mesma fez sociologia. Acha que isso influencia suas escolhas como atriz?

Acho que sim. O Steven Soderbergh, que é o produtor executivo da série, é um dos diretores que mais lida com temas sociológicos. The Girlfriend Experience pareceu a interseção lógica entre meu interesse em sociologia e meu interesse em cinema e televisão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.