Roberto Cavalli | Spring Summer 2019 | Full Show

Roberto Cavalli | Spring Summer 2019 by Paul Surridge | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/Multi-Camera/1080p – MFW/Milan Fashion Week)

Raithe Laurence – Play The Fool
Terry Devine-King – Goliath
Darren Leigh Purkiss – Nu Bot Groov

Étincelantes – Vogue Paris June/July 2021  – Birgit Kos By Vito Fernicola 

Étincelantes   —   Vogue Paris June/July 2021   —   www.vogue.fr

Photography: Vito Fernicola Model: Birgit Kos Styling: Morgane Bedel Hair: Kalle Eklund Make-Up: Karin Westerlund  Jewellery Styling: Emilie Zonino

Praia dos Fortes

Em um dos cenários mais paradisíacos do Brasil, a Praia do Forte, na Bahia, o beachwear brasileiro mostra toda a sua vitalidade e reenergiza a produção nacional, dentro e fora do mar

Em um dos cenários mais paradisíacos do Brasil, a Praia do Forte, na Bahia, o beachwear brasileiro mostra toda a sua vitalidade e reenergiza a produção nacional, dentro e fora do mar.

Direção Criativa: Fhits

Styling: Antônio Muller

Bianca Alves veste kaftan de seda, Gamboa, 

R$ 1.980; e pulseiras de ouro maciço e pedras diversas usadas como colar, Carlos Rodeiro Joalheiro (preço sob consulta) 

ctv-gcn-foto-1
Bianca Alves

Maiô de malha cirrê, Adriana Degreas, R$ 710; pulseiras de ouro maciço e pedras diversas, usadas como colar, e colar longo de prata com banho, ambos Carlos Rodeiro Joalheiro (preço sob consulta)

ctv-ypb-foto-2
Bianca Alves

Maiô de malha, 

R$ 264, e vestido de crochê, 

R$ 249, ambos Salsa; pulseiras de ouro maciço e pedras diversas, usadas como colar, e colar longo de prata com banho, ambos Carlos Rodeiro Joalheiro (preço sob consulta); e sandália rasteira, Paula Torres, R$ 434 

ctv-5qw-foto-3
Bianca Alves

Biquíni de malha cirrê com proteção UV FPU 50+, Água de Coco, R$ 179; top de crochê Led CD, R$ 388; pulseiras de ouro maciço e pedras diversas, usadas como colar, e colar longo de prata com banho, ambos Carlos Rodeiro Joalheiro (preço sob consulta)

ctv-vxk-foto-4
Bianca Alves

Top de malha cirrê, R$ 210, e calcinha de malha cirrê, R$ 210, ambos Tann Swim; camisa de linho, Handred, 

R$ 825; pulseiras de ouro maciço e pedras diversas, usadas como colar e colar, longo de prata com banho, ambos Carlos Rodeiro Joalheiro (preço sob consulta)

ctv-3nb-foto-5
Bianca Alves

Beleza: Ziel Moura

Assistente de moda: Júlia Viana 

Assistentes de foto: Jefferson Guimarães e Bruno Pereira

Assistente de beleza: Rodrigo Bernardo

Tratamento de imagem: Paulo Amaral

Novo escritório da organização sem fins lucrativos People Incorporated em Eagan, Minnesota

A organização sem fins lucrativos People Incorporated contratou recentemente a empresa de arquitetura e design de interiores Studio BV para projetar seu novo escritório em Eagan, Minnesota.

peopleinc_1
Reception

“O nascer do sol é um lindo símbolo de que cada dia é uma oportunidade para um novo começo. É o início de um novo dia e, portanto, uma chance de felicidade e melhoria.

Esta é uma metáfora perfeita para a missão da People Incorporated. Seu trabalho ajuda as pessoas a encontrar um novo começo e a vivenciar um despertar em sua saúde mental.

“Este conceito de design se concentra no otimismo e na cordialidade”, disse Courtney Lehmann, sócia do Studio BV. “A paleta de materiais fornece um gradiente de tons quentes e madeira clara, complementando as cores da marca People Incorporated. A saturação de cor é equilibrada por leveza e neutralidade, dando aos ocupantes momentos para sentar e apreciar a beleza e a cor que os rodeia. ”

  • Location: Eagan, Minnesota
  • Date completed: 2021
  • Size: 17,000 square feet
  • Design: Studio BV
  • Photos: Spacecrafting Photography
peopleinc_2
Breakout space
peopleinc_3
Breakout space
peopleinc_4
Coffee point
peopleinc_5
Coffee point
peopleinc_6
Breakout space
peopleinc_7
Breakout space
peopleinc_8
Meeting space
peopleinc_10
Rest room

Beats Studio Buds são lançados nos EUA por US$150; fones custarão R$1.800 no Brasil

Após muitas aparições — eles foram vistos com LeBron James e Naomi Osaka e num videoclipe do rapper Roddy Rich, para ficar em apenas alguns exemplos —, nós falamos que o lançamento dos Beats Studio Buds era iminente. Pois eles chegaram!

Os novos fones verdadeiramente sem fio da Beats foram lançados hoje nos Estados Unidos e estão disponíveis para compra lá por US$150. Os fones já estão listados também na Apple Store online brasileira e, quando desembarcarem por aqui, sairão por R$1.800; já em Portugal, eles custarão 145€.

Beats Studio Buds

Com a Beats, a música chega a você como o artista pensou. Os Beats Studio Buds foram desenvolvidos para oferecer um som potente e equilibrado em um formato compacto por meio de uma plataforma acústica exclusiva. Um driver tipo diafragma em camadas exclusivo fica dentro de uma carcaça de câmara dupla para proporcionar um som nítido e separação incrível do estéreo. Um processador digital avançado otimiza o desempenho do áudio para volume e nitidez sonora, assegurando simultaneamente um cancelamento de ruído efetivo. O resultado é um som imersivo de alta qualidade que leva a emoção do estúdio aos seus ouvidos e mantém sua inspiração em alta o dia todo.

Beats Studio Buds

Os Beats Studio Buds vêm com cancelamento ativo de ruído (para bloquear ruídos externos e proporcionar um som imersivo) e com modo ambiente (para que você ouça o mundo à sua volta). Eles também contam com o emparelhamento simples já tradicional com aparelhos da Apple e são são resistentes a suor e água, com classificação IPX4.

Os fones também contam com três tamanhos de pontas (pequenas, médias ou grandes), as quais oferecem um ajuste firme e confortável e criam uma vedação acústica; são até 8 horas de bateria por recarga, com o estojo oferecendo mais 24 horas de bateria — se o cancelamento ativo de ruídos ou o modo ambiente estiver ativado, a duração cai para 5 e 15 horas, respectivamente.

Eles contam ainda com suporte ao “E aí, Siri”, Bluetooth Class 1 (que oferece maior alcance e menos interrupções), recarga via USB-C e controles nos fones, os quais permitem gerenciar chamadas e controlar as músicas. Também é possível personalizar a função “Manter pressionado” para usá-la com o ANC ou com o recurso de assistente por voz.

Parecem ser ótimos fones, não é mesmo? Aparentemente, os únicos contras deles são a falta de suporte ao Compartilhamento de Áudio e à troca automática — muito provavelmente por conta da ausência do chip H1/W1, presente em basicamente todos os lançamentos de fones recentes da Maçã, como informou o MacRumors.

Os Beats Studio Buds já foram devidamente holomogados pela Anatel, então é questão de tempo até que sejam comercializados no Brasil. Eles serão oferecidos nas cores branca, preta ou vermelha. [MacMagazine]

Por que a Netflix triunfou com Sweet Tooth, mas fracassou com Legado de Júpiter

Plataforma soube manter essência de obra de Jeff Lemire, mas se perdeu na mensagem do gibi de Mark Millar
NICO GARÓFALO

Sweet Tooth

Dois dos principais lançamentos da Netflix nos meses de maio e junho, O Legado de Júpiter e Sweet Tooth tinham algumas coisas em comum, apesar das tramas e temas completamente opostas. Ambas as produções foram baseadas em trabalhos de quadrinistas renomados, publicadas por selos conhecidos por tratar de temas mais maduros e cujas histórias, no final das contas, traziam mensagens de esperança. Outra coincidência foi o quanto a plataforma de streaming alterou o material original, incluindo tramas e personagens inéditos, além de mudar a ordem de alguns acontecimentos. Os resultados, no entanto, não poderiam ter sido mais diferentes.

Enquanto grande parte da crítica elogiou Sweet Tooth por sua carga emocional e ótimas atuações, O Legado de Júpiter foi massacrada por seu ritmo, efeitos especiais e história mal desenvolvida e, apesar de ter sido relativamente bem recebida pelo público, foi cancelada pela Netflix no começo de junho. Mas, se as coincidências eram tantas, das origens às alterações na trama, por que os resultados foram tão diferentes?

Essencialmente, essa pergunta pode ser respondida com uma frase simples: respeito. Sim, Sweet Tooth mudou alguns elementos-chave do que foi criado por Jeff Lemire e, apesar de muitos fãs terem ficado apreensivos quando Robert Downey Jr. afirmou que deixaria a série mais acessível para todos os públicos, a essência do que o quadrinista criou estava lá. A relação de pai e filho que Jepperd e Gus têm foi capturada à perfeição por Nonso Anozie e Christian Convery, e o oportunismo de forças fascistas de usar momentos de crise para ascender ao poder e eliminar aqueles que julgam inferiores está presente como uma sombra tenebrosa em todos os episódios, assim como nas páginas. A série comandada por Jim Mickle e Beth Schwartz não traduz de forma literal o que Lemire fez na DC/Vertigo, mas é sem dúvida uma carta de amor à obra e a seus personagens.

O Legado de Júpiter, por outro lado, pareceu completamente perdida e sem saber o que fazer para surpreender fãs da HQ de Mark Millar ao mesmo tempo em que atrai novos leitores – o selo do quadrinista é, afinal, propriedade da Netflix. A alternativa foi deixar quase completamente de lado o debate sobre anti-heróis de métodos ultraviolentos e heróis clássicos de códigos morais inquebráveis para circular de forma repetitiva em volta de um drama familiar que nunca chega às vias de fato. Os produtores decidiram também resolver todos os mistérios propositalmente deixados pelo quadrinho. Mas o principal crime da adaptação, com certeza, é a completa distorção da mensagem de Millar. Inspirado em Reino do Amanhã, o roteirista questionou se os heróis não se tornam os próprios vilões quando decidem usar força letal para combater o crime. Já a versão da Netflix, que viveu ainda com problemas constantes de bastidores e de orçamento, parece tentar justificar, episódio por episódio, que sim, combatentes do crime devem ter liberdade plena para tirar uma vida.

A diferença básica, desde o primeiro episódio de cada uma das produções, é a compreensão que seus respectivos criadores tinham do material que lhes foi dado. Se Mickle e Schwartz já eram fãs de Sweet Tooth há anosSteven S. DeKnight aparentemente não entendeu sequer uma linha do diálogo dos gibis que recebeu. O problema de uma adaptação nunca será, necessariamente, mudar o material criado. O MCU vem fazendo isso há anos. Zack Snyder, cujo trabalho no DCEU é divisivo, criou com Jason Momoa uma versão cool do Aquaman que se tornou tão icônica que fez justamente o caminho contrário e transformou o herói nos quadrinhos. O pecado está em mudar tanto que um quadrinho conhecido por ter acontecimentos chocantes a cada duas páginas se torna uma história entediante e cuja única reviravolta está nos últimos cinco segundos.

Quando se trata de levar para as telas um material que já é conhecido e amado por fãs há anos, é necessário mostrar um mínimo de conhecimento e interpretação de texto do que se está adaptando. Qualquer estúdio com um orçamento decente pode recriar uniformes e visuais maneiros, mas apenas aqueles que realmente conseguiram se envolver com o que leram e com o que estavam criando são capazes de desenvolver algo realmente especial.

Novos iMacs coloridos, com chip M1, estão à venda no Brasil

No seu último evento especial, a Apple anunciou o retorno das cores à linha iMac com um novo modelo de 24 polegadas equipado com o seu chip M1.

Demorou um pouco, mas esse iMac, em todas as suas sete cores (azul, verde, rosa, prateada, amarela, laranja e roxa), está agora disponível para compra na Apple Store online brasileira e em breve também nas principais redes varejistas do nosso país.

Homologado pela Anatel em abril (o modelo com duas portas Thunderbolt) e em maio (com quatro portas USB4/Thunderbolt) — assim como seus novos teclados Magic Keyboard com Touch ID —, o novo iMac tem apenas 11,5mm de espessura e sua saída de 3,5mm para fones de ouvido fica, agora, na lateral esquerda.

O modelo de entrada parte de R$17.600 no Brasil, com CPU1 de 8 núcleos e GPU2 de 7 núcleos, 256GB de armazenamento, 8GB de memória unificada, duas portas traseiras e um Magic Keyboard simples. O topo-de-linha (sem personalização) custa R$22.600 e ganha uma GPU de 8 núcleos, 512GB de armazenamento, quatro portas traseiras, Gigabit Ethernet e Magic Keyboard com Touch ID.

iMacs de 24" à venda no Brasil

Os prazos de envio para todos os modelos estão agora em 3-4 semanas. Vale lembrar que a Apple ainda manteve alguns iMacs com chips Intel à venda.

Apple lança três novas cores de cases para iPhones 12

Os Beats Studio Buds não foram a única novidade do dia envolvendo o mundo Apple. Silenciosamente, a empresa aproveitou para lançar três novas cores de suas capas de silicone para a linha de iPhones 12.

As três novas cores são as seguintes: azul-nuvemlaranja elétrico e girassol. Com elas, agora são 15(!) opções de cores disponíveis para os modelos mais recentes de iPhones.

Apesar dessas novidades, não tivemos nenhuma alteração nas cores de capas de couro ou nas pulseiras para Apple Watches. A última atualização sazonal de acessórios da Apple havia ocorrido em abril, após o evento Spring Loaded.

As novas cores já estão disponíveis para compra no site da Apple e não tiveram alteração no valor, ou seja, seguem custando R$600 no Brasil e US$50 nos Estados Unidos. [MacMagazine]

Claudia’s Power Decade – Elle UK May 2020 – Claudia Schiffer By Sebastian Kim 

Claudia’s Power Decade   —   Elle UK May 2020   —   www.elle.com/uk

Photography: Sebastian Kim Model: Claudia Schiffer Styling: Aurelia Donaldson Hair: Ali Pirzadeh Make-Up: Kirstin Piggott Manicure: Sabrina Gayle