A farra dos preços baixos no Uber e no Airbnb está próxima do fim

O preço de corridas e de aluguel de imóveis sobem à medida que as empresas miram o lucro
Por Kevin Roose – The New York Times

A média de custo de uma corrida de Uber e Lyft é 40% maior do que há um ano

Há alguns anos, durante uma viagem de trabalho em Los Angeles, peguei um Uber para cruzar a cidade durante a hora do rush. Sabia que seria um percurso longo, então me preparei para pagar algo entre US$ 60 e US$ 70.

Em vez disso, o aplicativo me mostrou um preço que fez meu queixo cair: US$ 16.

Experiências como essa eram comuns durante a era de ouro do “Subsídio para o Estilo de Vida dos Millennials”, que é como gosto de chamar aquele período de mais ou menos 2012 até o início de 2020, quando muitas das atividades diárias em uma metrópole para aqueles na casa dos 20-30 anos eram ditadas silenciosamente pelos capitalistas de risco do Vale do Silício.

Por anos, esses subsídios nos permitiram viver um estilo de vida luxuoso com orçamentos bem limitados. Coletivamente, pagamos milhões de viagens baratas de Uber e Lyft, circulando como a realeza da burguesia enquanto dividíamos a conta com os investidores dessas empresas. Levamos a MoviePass à falência tirando proveito de seu negócio de ingressos de cinema pelo modesto preço de US$ 9,95 por mês e fizemos tantas aulas subsidiadas de spinning que a ClassPass foi forçada a cancelar seu plano ilimitado de US$ 99 por mês. Enchemos cemitérios com carcaças de startups de entrega de comida – Maple, Sprig, SpoonRocket, Munchery – apenas por aceitar suas ofertas de refeições gourmet a preços baixos.

Os investidores dessas empresas não estavam a fim de bancar nossa decadência. Eles estavam tentando chamar atenção para as startups deles, todas elas precisavam atrair clientes rapidamente para estabelecer uma posição dominante no mercado, pressionando os concorrentes e justificando suas avaliações em alta. Então, eles inundaram essas empresas com dinheiro, que costumava ser repassado aos usuários na forma de preços artificialmente baixos e generosos incentivos.

Agora, os usuários estão percebendo pela primeira vez – talvez porque os subsídios desapareceram ou simplesmente devido a uma maior demanda no fim da pandemia – que seus hábitos de luxo, na verdade, têm preços de luxo.

“Hoje, minha corrida de Midtow ao JFK me custou tanto quanto meu voo do JFK para SFO”, tuitou recentemente Sunny Madra, vice-presidente da incubadora de empreendimentos da Ford, junto com a captura de tela do recibo que mostrava o valor pago de aproximadamente US$ 250 pelo trajeto para o aeroporto.

“O Airbnb também está custando os olhos da cara”, reclamou outro usuário do Twitter. “Ninguém vai continuar pagando US$ 500 para ficar em um apartamento por dois dias quando se pode pagar US$ 300 por uma estadia em um hotel com piscina, serviço de quarto, café da manhã incluso e serviço de limpeza diariamente. Acordem! hahahah.”

Algumas dessas empresas vêm apertando os cintos há anos. Mas a pandemia parece ter esvaziado o que ainda havia de “caixinha”. A média de custo de uma corrida de Uber e Lyft é 40% maior do que há um ano, de acordo com a Rakuten Intelligence, e os aplicativos de entrega de comida como o DoorDash e o Grubhub têm aumentado constantemente suas taxas de entrega no último ano. O valor médio de um dia de aluguel pelo Airbnb aumentou 35% no primeiro trimestre de 2021, em comparação com o mesmo período no ano anterior, segundo os registros financeiros da empresa. 

Parte do que está acontecendo é que, conforme a demanda por esses serviços aumenta, as empresas que outrora tinham que competir com eles por clientes agora estão lidando com a superabundância deles. Uber e Lyft têm tido dificuldades com a escassez de motoristas, as taxas do Airbnb refletem a demanda crescente por lugares para veranear e a pequena oferta de anúncios desse tipo no site.

No passado, empresas talvez tivessem oferecido promoções ou incentivos para evitar que os clientes ficassem chocados e consternados e isso os levasse a escolher outros serviços. Mas agora elas estão transferindo subsídios para o lado do provedor – a Uber, por exemplo, recentemente criou um fundo de “incentivo ao motorista” de US$ 250 milhões – ou acabando com eles por completo.

Confesso que participei alegremente dessa economia subsidiada durante anos. (Minha colega Kara Swisher chamou isso de forma memorável de “vida assistida para millennials”.) Mandei entregar minha roupa lavada pela Washio, minha casa foi limpa pela Homejoy e meu carro estacionado pelo manobrista da Luxe – todas eram startups que prometiam serviços sob demanda baratos e revolucionários, mas fecharam depois de não obter lucro. Até comprei um carro usado por meio de uma startup de capital de risco chamada Beepi, que oferecia serviço de entrega premium e preços misteriosamente baixos, e que me entregou o carro envolto em um laço gigante, como se vê nos comerciais de TV. (Como era de se esperar, a Beepi fechou em 2017, depois de gastar US$ 150 milhões de capital de risco.)

Esses subsídios nem sempre têm um final triste para os investidores. Algumas empresas apoiadas por capital de risco, como o Uber e a DoorDash, foram capazes de aguentar até conseguirem seus IPOs, cumprindo a promessa de que os investidores em algum momento veriam um retorno sobre seu dinheiro. Outras empresas foram adquiridas ou conseguiram aumentar seus preços de forma satisfatória sem assustar os clientes.

O Uber, que arrecadou cerca de US$ 20 bilhões em capital de risco antes de abrir o capital, talvez seja o exemplo mais conhecido de serviço subsidiado por investidores. Durante um período de 2015, a empresa estava gastando US$ 1 milhão por semana com incentivos para motoristas e passageiros apenas em São Francisco, de acordo com uma reportagem do BuzzFeed News.

E os patinetes?

Mas, o exemplo mais claro de mudança chocante de rentabilidade pode ser o dos patinetes elétricos.

Lembra deles? Antes da pandemia, você não podia andar pela calçada de uma metrópole americana sem ver um deles. Parte do motivo pelo qual eles tiveram sucesso tão rapidamente é que eram ridiculamente baratos. A Bird, a maior startup de patinetes elétricos, cobrava US$ 1 para iniciar um passeio e, depois, 15 centavos por minuto. Para trajetos curtos, alugar um patinete elétrico era muitas vezes mais barato do que pegar um ônibus.

Mas esses valores não chegam nem perto do verdadeiro custo de se usar um patinete da Bird. Os patinetes quebravam com frequência e precisavam ser substituídos constantemente. A empresa estava jogando dinheiro fora apenas por manter o serviço funcionando. Em 2019, a Bird estava perdendo US$ 9,66 por cada US$ 10 que arrecadava, de acordo com uma apresentação recente para investidores. Esse é um número chocante e o tipo de prejuízo contínuo que só é possível para uma startup do Vale do Silício com investidores extremamente pacientes. (Imagine uma lanchonete que cobrasse US$ 10 por um sanduíche cujos ingredientes custam US$ 19,66 e, depois, pense em quanto tempo essa lanchonete permaneceria funcionando.)

Os prejuízos relacionados à pandemia, juntamente com a pressão de torná-la lucrativa, forçaram a Bird a pisar no freio. Ela aumentou o valor de suas tarifas – a Bird atualmente cobra US$ 1 mais 42 centavos por minuto em algumas cidades – construiu patinetes mais duráveis e renovou seu sistema de gestão de frotas. Durante o segundo semestre de 2020, a empresa conseguiu US$ 1,43 de lucro a cada US$ 10 arrecadados.

Como um millennial urbano que gosta de uma boa pechincha, eu poderia – e frequentemente faço isso – lamentar o desaparecimento daqueles subsídios. E eu adoro ficar sabendo de pessoas que descobriram ofertas ainda melhores do que eu encontrei. (O artigo de Ranjan Roy “DoorDash and Pizza Arbitrage” que fala de quando ele percebeu que a DoorDash estava vendendo pizzas do restaurante de seu amigo por US$ 16, enquanto ele pagava ao restaurante US$ 24 por pizza e isso lhe levou a pedir dezenas de pizzas do restaurante enquanto embolsava a diferença de US$ 8, é um clássico do gênero.)

Mas é difícil culpar esses investidores por quererem que suas empresas tenham lucro. E, em um nível mais amplo, provavelmente é bom encontrar usos mais eficientes para o capital do que dar descontos para pequenos luxos urbanos.

Em 2018, escrevi que toda a economia estava começando a se parecer com o MoviePass, o serviço de assinatura cuja oferta irresistível e nada lucrativa de ingressos diários de cinema por uma taxa de assinatura fixa de US$ 9,95 abriu caminho para seu declínio. Empresas como a MoviePass, pensei, estavam tentando desafiar o que se conhecia com modelos de negócios que presumiam que, se atingissem uma escala enorme, seriam capazes de virar uma chave e começar a ganhar dinheiro em algum ponto. (Essa filosofia, que foi mais ou menos inventada pela Amazon, agora é conhecida nos círculos de tecnologia como “blitzscaling”.)

Ainda existe bastante irracionalidade no mercado, e algumas startups ainda gastam enormes pilhas de dinheiro em busca de crescimento. Mas, à medida que essas empresas amadurecem, elas parecem estar descobrindo os benefícios da disciplina financeira. O Uber perdeu apenas US$ 108 milhões no primeiro trimestre de 2021 – uma mudança parcialmente atribuível à venda de sua unidade de direção autônoma, e apresentou uma grande melhora, acredite ou não, em relação ao mesmo trimestre do ano passado, quando perdeu US$ 3 bilhões. Tanto a Uber quanto a Lyft se comprometeram a se tornar lucrativas em um cenário ajustado neste ano. A Lime, a principal concorrente de patinetes elétricos da Bird, teve seu primeiro lucro trimestral no ano passado, e a Bird – que recentemente abriu o capital por meio de uma SPAC com uma avaliação de US$ 2,3 bilhões – tem projetado uma economia melhor nos próximos anos.

Lucros são bons para os investidores, é claro. E embora seja doloroso pagar preços sem subsídios por nossas extravagâncias, há também uma certa justiça nisso. Contratar um motorista para dar uma volta por Los Angeles durante a hora do rush deveria custar mais do que US$ 16, se todos naquela transação forem compensados de modo justo. Ter alguém para limpar sua casa, lavar suas roupas e entregar seu jantar deveriam ser um luxo, se não há nenhuma exploração envolvida nisso. O fato de alguns serviços de ponta não serem mais facilmente pagáveis para os aspirantes a ricos pode parecer um resultado preocupante, mas talvez seja um sinal de avanço./ TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.