Seguradoras não querem bancar a viagem espacial de Jeff Bezos

Para muitas empresas, ainda não há uma legislação adequada para voos comerciais ao espaço por ser um turismo pouco comum — e elas não querem ser as primeiras a cobrir esse tipo de viagem
Por Agências – Reuters

A Blue Origin planeja que sua espaçonave de seis lugares decole em 20 de julho

Colocar em órbita um dos indivíduos mais ricos da Terra está  se provando ser um passo grande demais para as seguradoras, que não estão dispostas a determinar um preço pelo risco de perder Jeff Bezos ou seus companheiros de viagem espacial.

O presidente da Amazon, um entusiasta do espaço ao longo da vida, tem competido com Elon Musk e Richard Branson para se tornar o primeiro bilionário a voar além da atmosfera terrestre. E embora as seguradoras sejam bem conhecidas por oferecer cobertura até mesmo para os riscos mais estranhos – a seu preço – , os potenciais acidentes no espaço ainda não estão entre eles.

“O turismo espacial envolve um risco significativo, mas não é uma questão que as seguradoras de vida especificamente questionem ainda, porque é muito raro alguém viajar para o espaço”, disse o porta-voz do Insurance Information Institute Michael Barry.

Há um mercado de quase US $ 500 milhões para seguros de satélites, foguetes e voos espaciais não tripulados, mas nenhuma exigência legal para uma empresa como a Blue Origin, fundada por Bezos, para oferecer esses serviços aos passageiros em caso de ferimentos, ou seguro de vida em caso de morte para turistas espaciais, disseram corretores e seguradoras.

“Não temos conhecimento de um caso em que alguém tenha seguro contra responsabilidade de passageiros”, disse Neil Stevens, vice-presidente sênior de aviação e espaço da Marsh, a maior corretora de seguros do mundo, à agência de notícias Reuters.

Supondo que eles decolem conforme planejado no próximo mês, Bezos e os outros aspirantes a astronautas da nave New Shepard da Blue Origin não apenas passarão vários minutos a 100 km acima da terra em uma cápsula do tamanho de um caminhão, eles também terão que voltar.

O único grupo que já voou com humanos suborbitalmente é a Virgin Galactic, de Branson. Todos foram testes, com uma falha em 2014 resultando em morte. A Blue Origin fez 15 voos suborbitais não tripulados sem falhas, mostraram dados do Seradata SpaceTrak em 10 de junho.

Bezos, Blue Origin e Virgin Galactic não responderam aos pedidos de comentários da Reuters sobre seus planos de seguro e registros de voos.

Diferentes perfis de risco

Não ter seguro no espaço não é novidade. A NASA e os EUA, em geral, não compram cobertura de responsabilidade, com lançamentos governamentais com seguros pagos basicamente pelos contribuintes, disse Richard Parker, da Assure Space, unidade da seguradora AmTrust Financial que fornece esse tipo de serviço espacial.

Os astronautas da NASA são elegíveis para programas de seguro de vida do governo, disse um porta-voz da NASA em uma resposta por e-mail.

Charles Wetton, gerente de subscrição de políticas espaciais da seguradora Global Aerospace, disse que os astronautas em missões financiadas pelo governo são cuidadosamente selecionados por seus conhecimentos, habilidades e preparação física e treinam por vários anos antes de decolar. “Eles e suas famílias entendem os riscos do trabalho que fazem”, disse Wetton.

Mas os cadetes espaciais comerciais podem participar de apenas alguns dias de treinamento para um voo suborbital ou treinar por alguns meses, no caso de uma viagem até a Estação Espacial Internacional (ISS), disse Wetton, acrescentando: “Estes representam dois perfis de risco muito diferentes que as seguradoras levar em consideração”.

Em seu site, a Blue Origin afirma que os passageiros do voo espacial receberão treinamento um dia antes do lançamento, incluindo visão geral da missão e do veículo, instruções de segurança, simulação de missão e instruções sobre atividades de voo. A Virgin Galactic disse que os participantes tem três dias de treinamento e preparação antes do lançamento.

As seguradoras esperam renúncias rigorosas e contratos de empresas de viagens espaciais comerciais declarando que não vão arcar com nenhum fardo se um passageiro morrer durante um voo.

A NASA pediu respostas da indústria sobre os seus planos para uma estrutura de responsabilidade em missões de astronautas com financiamento privado para a ISS. Os planos da NASA incluem exigir que astronautas privados comprem seguro de vida.

Ainda é cedo, mas a cobertura para turistas espaciais pode ser o próximo passo, disse Tim Rush, vice-presidente sênior da corretora de seguros Gallagher, Tim Rush, acrescentando que o mercado de seguro de vida atualmente oferece cobertura individual de US$ 2-5 milhões para empresas privadas astronautas.

O único seguro obrigatório em vigor para os operadores espaciais comerciais é a responsabilidade de terceiros, principalmente para cobrir danos materiais em terra ou em uma aeronave em voo, disse Akiko Hama, chefe de cliente, espaço e subscrição aeroespacial da Global Aerospace.

A Blue Origin planeja que sua espaçonave de seis lugares decole em 20 de julho e voe por quatro minutos além da fronteira entre a atmosfera terrestre e o espaço sideral, onde os passageiros sentirão total ausência de peso.

Levantamento da segurança de voos espaciais com humanos
Levantamento da segurança de voos espaciais com humanos

Pergunta de um milhão de dólares

Uma questão chave para o desenvolvimento do setor é se os riscos relacionados ao turismo se enquadram nas linhas de seguro espacial ou de aviação, disseram seguradoras e corretores à Reuters.

O Tratado do Espaço Exterior da ONU e a Convenção de Responsabilidade de 1972 regem todas as atividades no espaço e muito poucos países têm uma estrutura legal para voos espaciais comerciais com tripulação, disseram eles.

A primeira apólice de seguro de aviação foi assinada pelo Lloyd’s de Londres, em 1911. Alguns anos depois, o mercado segurou Charles Lindbergh e seu avião monomotor por US $ 18 mil em seu voo direto dos Estados Unidos para a Europa.

As viagens espaciais são diferentes, disse Stevens, da Marsh, porque os passageiros estão voltando para o mesmo lugar em que saíram, tornando-se tecnicamente uma viagem doméstica na qual o seguro de aviação internacional não pode ser aplicado, o que significa que também não haverá limitação de responsabilidade.

“A aviação, o mercado de seguros de aeronaves e similares estão menos dispostos a assumir riscos que envolvem naves espaciais”, disse ele, acrescentando que a pergunta sobre se as viagens de turismo espacial caem no seguro de aviação ou do espaço é a “questão de um milhão de dólares”.

Embora as viagens aéreas sejam regidas por regras que estabelecem a responsabilidade da companhia aérea em caso de morte de passageiros, Stevens disse não ter conhecimento de planos para regras semelhantes para o turismo espacial. No entanto, Wetton disse que a Global Aerospace começou a receber consultas de empresas para missões suborbitais.

“Em 10 anos, talvez as duas linhas, aviação e voo espacial, sejam muito semelhantes”, disse Parker da Assure Space. “Algumas pessoas em algum lugar dirão: ‘olhe, agora temos gente voando nesses veículos de lançamento e precisamos protegê-los’”, acrescentou.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.