Jeff Bezos deixa a Amazon nesta segunda, mas comando da empresa já passava por mudanças

Dezenas de executivos de cargos superiores da Amazon partiram nos últimos 18 meses
Por Karen Weise – The New York Times

Jeff Bezos anunciou em fevereiro sua saída do comando da Amazon

SEATTLE – Andy Jassy  torna-se nesta segunda, 5, presidente-executivo da Amazon, assumindo as rédeas de seu fundador, Jeff Bezos – essa é uma das transições executivas mais observadas dos últimos anos. Mas uma mudança muito menos alardeada – embora profundamente significativa – já está em andamento na empresa. Dezenas de executivos de cargos superiores da Amazon partiram nos últimos 18 meses, muitos depois de trabalharem lá por mais de uma década.

É um nível incomum de disrupção dentro da empresa. Os executivos que estão saindo não representam uma grande fatia dos altos escalões, que agora tem centenas de vice-presidentes. Mas, durante anos, os líderes da Amazon foram considerados sobreviventes. Muitos estavam lá desde os primeiros dias da empresa. Eram leais à Amazon, cujo aumento no preço das ações muitas vezes os deixou ricos.

Bezos sintetizava esse relacionamento, assim como Jeff Wilke, que liderou o negócio de consumo global, e Steve Kessel, que administrou suas lojas físicas, e outros que introduziram e executaram programas importantes, como Alexa, entrega gratuita e grande parte de seus negócios em nuvem. Agora esses líderes se foram.

As saídas tão próximas de Wilke e Bezos equivalem a “mudanças épicas e tectônicas”, disse David Glick, ex-vice-presidente da Amazon que agora é o diretor de tecnologia da Flexe, uma startup de logística.

Wilke e Kessel se aposentaram, mas muitos vice-presidentes estão saindo para cargos importantes em empresas de capital aberto ou startups de crescimento rápido. Teresa Carlson, que por mais de uma década construiu o negócio de nuvem governamental da Amazon, em abril se tornou a diretora de crescimento da Splunk, que fornece software de dados. Greg Hart, que acompanhou Bezos de perto por um ano e depois lançou a Alexa e o Echo, agora é o diretor de produtos da imobiliária Compass. Maria Renz, outra executiva muito próxima a Bezos e que começou na Amazon em 1999, agora é executiva sênior da SoFi, uma empresa de finanças pessoais.

“A Amazon fez um trabalho melhor do que qualquer outra empresa na história do mundo em ficar mais tempo no Dia 1”, disse Glick, referindo-se a uma expressão que Bezos costumava usar para encorajar os funcionários a agirem como se estivessem em uma startup. “Mas você chega a um ponto em que é tão grande que fica difícil fazer as coisas. As pessoas querem se divertir um pouco mais”.

Ele fala “todos os dias”, disse Glick, com os líderes da Amazon que estão pensando se devem sair ou não.

“Você tem esse conjunto de pessoas que chegaram a VP e aí pensam: ‘OK, o que vou fazer agora?’”, disse ele.

A Amazon está enfrentando uma mudança que as gerações anteriores de empresas de tecnologia experimentaram à medida que cresciam e seus fortes fundadores se afastavam, disse David Yoffie, professor da Harvard Business School que atuou no conselho da Intel por 29 anos. A força de trabalho geral da Amazon dobrou no ano passado, para mais de 1,3 milhão.

“Intel, Microsoft, Oracle – você vê esse mesmo padrão”, disse ele.

Mesmo antes da saída do fundador, os executivos sentem que a empresa está se aproximando de uma nova era, disse ele.

“As pessoas ficam com a ideia de que Jeff vai fazer a transição, e isso as leva a começarem a pensar em outras opções”, disse ele, acrescentando que, à medida que as empresas crescem, os executivos geralmente encontram menos burocracia e mais vantagens financeiras para sair.

“Tivemos e continuamos a ter níveis notáveis de retenção e continuidade de liderança na empresa”, disse Chris Oster, porta-voz da Amazon. A média de mandato é de 10 anos para vice-presidentes e mais de 17 para vice-presidentes seniores, acrescentou.

Há muito tempo Bezos enfatiza a longevidade dos executivos. Em um fórum no ano de 2017, um funcionário perguntou a ele sobre a falta de diversidade em sua equipe sênior, conhecida como S-Team, que era quase exclusivamente branca e masculina. Bezos disse que era um benefício o fato de seus principais executivos estarem ao seu lado por anos.

Andy Jassy assume como presidente executivo da Amazon
Andy Jassy assume como presidente executivo da Amazon

Qualquer transição na equipe, disse ele, “acontece de forma muito incremental, ao longo de um vasto período de tempo”.

Nos últimos anos, Bezos se afastou de grande parte dos negócios do dia-a-dia da Amazon, concentrando-se em projetos estratégicos e empreendimentos externos, como sua startup espacial, a Blue Origin, dando ainda mais autonomia a seus executivos.

Bezos, 57 anos, voltou a se ocupar dos assuntos cotidianos no início da pandemia. Mas em fevereiro, ele anunciou que planejava deixar o comando Amazon e se tornar o presidente-executivo do conselho da empresa. Em 20 de julho, deve embarcar no primeiro voo espacial tripulado de sua empresa de foguetes.

O gesto de Bezos veio não muito depois de Wilke, há muito visto como um potencial sucessor, anunciar sua saída.

“Então, por que ir embora?”, Wilke escreveu em um e-mail para a equipe, em agosto, noticiando seu plano de se aposentar. “Chegou a hora”. Seu último dia foi 1º de março.

Bezos indicou Jassy, 53 anos, vice-presidente de longa data que construiu e dirigiu a divisão de computação em nuvem, para assumir o cargo de presidente-executivo. Jassy trabalhava tão intimamente com Bezos que era visto como um “dublê de cérebro”, ajudando a conceber e divulgar muitos dos mecanismos e cultura interna da empresa.

As mudanças no topo começaram uma reação em cadeia. Com a ascensão de Jassy, a Amazon Web Services precisava de um novo executivo-chefe. A divisão contratou Adam Selipsky, que dirigia a Tableau, uma empresa de visualização de dados que a Salesforce adquiriu em 2019. Selipsky havia trabalhado na AWS até 2016, quando o negócio de nuvem tinha menos de um terço do tamanho que tem agora.

Dave Clark, que comandava as operações de logística e armazenamento da Amazon, foi promovido à função anterior de Wilke, comandando todo o negócio de consumo da empresa. Ele já havia assumido a responsabilidade pelas lojas físicas da Amazon depois que Kessel, um membro da equipe S que começara na Amazon em 1999, se aposentou no início do ano passado.

E também estão se abrindo muitas outras vagas. Em abril, o site de notícias de negócios Insider registrou pelo menos 45 vice-presidentes e outros executivos que deixaram a Amazon desde o início de 2020 e, de lá para cá, partiram pelo menos outros seis.

Yoffie, o ex-membro do conselho da Intel, disse esperar mais mudanças nos próximos meses, à medida que Jassy começar a fazer mudanças como presidente-executivo.

“Eles querem imprimir sua marca”, disse Yoffie. “Eles sempre fazem isso”.

Este artigo foi originalmente publicado no New York Times. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.