Alfonso Anton Cornelis for Style Hong Kong Magazine with Itu Nuola

Photographer: Alfonso Anton Cornelis. Video: Aron Ross. Creative Direction & Styling: Enrique Cherubini. Hair & Make-up Artist: Katharina Nitzpon. Production: Muse Industry Hong Kong. Model: Itu Nuola at Sight Management.

Destaque no red carpet de Cannes, Chiara Ferragni brilha em vestido sustentável

Inspirada em conceito sustentável alertando sobre a reutilização de materiais recicláveis, influenciadora chama atenção no red carpet com vestido Haute Couture assinado pelo estilista italiano Giambattista Valli – feito com matéria prima usada em cápsulas de café
MARIE CLAIRE

Chiara Ferragni esbajna beleza em vestido sustentável no red carpet do Festival de Cinema de Cannes de 2021 (Foto: Dilvugação)

Ao utilizar a arte e a moda como instrumento de transformação sustentável, a empresária e influenciadora digital Chiara Ferragni, chamou atenção no red carpet do Festival de Cinema de Cannes de 2021 com uma proposta inusitada: um modelo completamente sustentável no melhor estilo upcycling – feito a partir de material 100% reciclável com matéria prima usada nas cápsulas de café Nespresso. Mais do que um manifesto em prol da sustentabilidade, a criação une os dois universos ao destacar a importância de conceder segunda vida a resíduos recicláveis.

O vestido longo é criação assinada do renomado estilista Giambattista Valli, famoso por suas coleções em Haute Couture, que exigem alto rigor técnico e trabalho tailor-made, somente em Paris. Desenvolvido em técnica Moulage – esculpido no corpo de Chiara – o vestido celebra o design consciente usando apenas materiais reciclados e de origem responsável.

O vestido é adornado com flores de alumínio 80% reciclado, o mesmo material utilizado nas cápsulas de café Nespresso, e têxteis com certificação Global Organic Textile Standard (GOTS). 

Chiara Ferragni esbajna beleza em vestido sustentável em Cannes 2021 (Foto: Divulgação )
Chiara Ferragni esbajna beleza em vestido sustentável em Cannes 2021 (Foto: Divulgação )

Sobre Giambattista Valli

Considerado um dos expoentes da moda internacional em ascensão, o estilista italiano Giambattista Valli apresenta uma nova abordagem e significado para o luxo que atrai uma geração jovem e moderna de mulheres sofisticadas e reconhecidas ao redor do mundo, sendo elogiado amplamente por celebridades e amantes da alta costura.

As peças em Haute Couture desenvolvidas pelo artista italiano exigem alto rigor técnico, são feitas à mão, sob medida, e exibidas semestralmente durante a Paris Fashion Week, a vitrine fashion do mundo. Dentre as celebridades que Giambattista Valli já vestiu estão Rihanna, Amal Clooney, Ariana Grande e Kendall Jenner. Suas criações também foram usados por atrizes, modelos e membros da realeza, incluindo Sarah Jessica Parker, Naomi Campbell, Princesa Clotilde Courau, Reese Witherspoon e diversas outras personalidades. Valli é um dos poucos designers não franceses a quem foi concedida a posição de membro do histórico Chambre Syndicale de la Haute Couture.

Chiara Ferragni se destaca em Cannes com vestido feito a partir de matéria prima de cápsulas Nespresso. Chiara, figura ao lado de nomes consagrados como George Clooney e a ativista sudanesa Emi Mahmoud, na campanha da marca “Com Todo o Cuidado” em prol do meio ambiente (Foto: Divulgação )
Chiara Ferragni se destaca em Cannes com vestido feito a partir de matéria prima de cápsulas Nespresso. Chiara, figura ao lado de nomes consagrados como George Clooney e a ativista sudanesa Emi Mahmoud na campanha da marca “Com Todo o Cuidado” em prol do meio ambiente (Foto: Divulgação )

Maquiador Brett Freedman explica como alcançou visual ‘menos é mais’ de Jodie Foster para Cannes

Brett Freedman trabalha a beleza da atriz e diretora há quatro anos
O Globo

Jodie Foster na cerimônia de abertura do Festival de Cinema de Cannes 2021. Foto: Daniele Venturelli / WireImage

Quando se prepara para maquiar, Jodie Foster coloca toda sua confiança no maquiador Brett Freedman, com quem já trabalha há quatro anos. Para a 74ª edição do Festival de Cinema de Cannes, que entrou hoje (08) em seu terceiro dia, o especialista optou por dar à atriz e diretora um visual leve e natural. Em entrevista à Revista People, Freeman explicou como alcançou a beleza ‘menos é mais’.

“Ontem, antes do tapete vermelho, ela saiu e disse: ‘Eu nunca olho, mas dessa vez olhei. A maquiagem dos olhos está linda!’ E eu fiquei tipo, ‘muito obrigado!’ ” diz Freedman à People.

A atriz, que recebeu a Palma de Ouro honorária do festival, gosta de incorporar uma estética natural. “Com a Jodie, menos é mais. Ela é uma daquelas mulheres que fica melhor com menos maquiagem. Ela tem um estilo tão casual. Tudo é transparente. Para este evento, eu queria fazer um look noturno fresco e de verão com olhos neutros e lábios suculentos , ” revela o maquiador.

O maquiador concentrou-se na preparação e hidratação da pele para dar a Foster cobertura total sem correr o risco de endurecer as linhas de expressão da base.”Você pode personalizar uma base fosca, como a que usei em Jodie, para torná-la mais seca e madura. As pessoas não percebem isso”, explica. “Eu misturei um pouco do Charlotte Tilbury Magic Cream e algumas gotas do Charlotte Tilbury Wonderglow Face Primer. Assim você obtém cobertura, poder de permanência e luminosidade.”

Em seguida, ele deu à pele da atriz um pouco de cor bronzeada com o Charlotte Tilbury Cheek to Chic in Ecstasy. “Queríamos que a pele estalasse um pouco, já que é verão e ela estava de branco”, afirma.

Para os olhos, há um detalhe que a atriz diz a Freedman nunca fazer: “Ela conta que o delineador sob os olhos dá a impressão de que não dormiu.” Logo, o maquiador usou a paleta de olhos instantânea cheia de tons quentes foscos e brilhantes para misturar um pouco de “champanhe e damasco dourado” nas pálpebras.

Embora Freedman goste de experimentar tons claros ou escuros para os lábios, eles “não são o que ela gosta”, disse. Ao invés, “fizemos uma divertida festa dos olhos e mantivemos os lábios em nude”, completa.

Por dentro do novo escritório do Conselho de Turismo de Cingapura

O Conselho de Turismo de Cingapura contratou a empresa de design de interiores SCA Design para projetar seu novo escritório em Cingapura.

singapore-tourism-board-office-6
Reception

“Inspirando-se no apelido de Cingapura de Cidade Jardim, a sinalização e os interiores do Tcube oferecem uma combinação de designs biofílicos e centrados no digital. As várias salas dentro do Tcube são temáticas com cores diferentes, incluindo verde, representando crescimento, rosa refletindo o desabrochar de novas ideias e, finalmente, amarelo para significar fruição. Isso é justaposto à tipografia futurista e aos ícones em todas as sinalizações.

Como o Tcube foi feito para hospedar eventos e reuniões, haverá uma movimentação maior em comparação com um escritório convencional. Isso amplifica a importância do wayfinding para este espaço. O desafio foi identificar e reforçar os diferentes espaços dentro de uma área relativamente pequena e incorporar os nomes fornecidos pelo cliente. Isso resultou em placas penduradas ou adesivos de painel de vidro ecoando as linhas curvas e angulares dos espaços internos.

Interior do local de trabalho

Dada a natureza do Tcube, a filosofia de design do Workplace Interior foi baseada na criação de um ambiente dinâmico e seguro onde os usuários seriam inspirados a explorar, compartilhar e descobrir. Com a palavra-chave “digital” sempre presente no espaço, também era fundamental criar um equilíbrio no design, de modo a não sobrecarregar os visitantes com mais processos que poderiam inibir a experimentação.

Um grande desafio era que seu layout se ramifica em dois becos sem saída. Isso dificultou a introdução de um fluxo que incentive a inovação, mas ao mesmo tempo forneça o equilíbrio de espaços variados que se adaptam a cada grupo de usuários, ao mesmo tempo que oferece suporte à conectividade, tanto planejada quanto orgânica. Por meio de uma parceria com a empresa de design thinking, Thinkplace, foram realizadas pesquisas para entender a cultura e os objetivos da indústria do turismo. O resultado foi um layout que contou com corredores altamente maleáveis ​​e passarelas comuns, que podem ser facilmente adaptados às necessidades únicas de cada usuário. Essa versatilidade também torna mais fácil testar diferentes protótipos dentro do espaço.

Além do planejamento espacial, as ativações sensoriais também foram incorporadas ao Tcube para equilibrar as intervenções digitais. Um design de teto perfurado permite um efeito de foco salpicado em passagens comuns, criando uma experiência mais envolvente que envolve os usuários conforme eles se movem pelo Tcube. Isso também serve como uma transição meditativa, cutucando-os sutilmente para sair de sua zona de conforto para inovar. ”

  • Location: Singapore, Singapore
  • Date completed: March 2021
  • Size: 4,500 square feet
  • Design: SCA Design
singapore-tourism-board-office-3
Elevator lobby
singapore-tourism-board-office-7
Reception
singapore-tourism-board-office-1
Breakout space
singapore-tourism-board-office-2
Breakout space
singapore-tourism-board-office-9
Collaborative space
singapore-tourism-board-office-10
Collaborative space
singapore-tourism-board-office-11
Meeting spaces
singapore-tourism-board-office-14
Workstation
singapore-tourism-board-office-15
Breakout space
singapore-tourism-board-office-16
Breakout space
singapore-tourism-board-office-18
Breakout space
singapore-tourism-board-office-20
Lounge
singapore-tourism-board-office-21
Lounge
singapore-tourism-board-office-19
Corridor

Agnes Nunes empresta sua voz em nova campanha de moda em prol da sustentabilidade

A cantora, nascida na Bahia e criada na Paraíba, fala sobre como busca alteranativas sustentáveis na hora de consumir moda

Agnes Nunes empresta sua voz em nova campanha de moda em prol da sustentabilidade (Foto: Hick Duarte/Divulgação)

Após conquistar o Brasil com seu sotaque gostoso e voz doce e potende, Agnes Nunes empresta seu rosto para uma nova campanha de moda – e com perfume sustentável. A cantora se une a Silva, Gaby Amarantos, Alice Caymmi, Duda Beat e Majur em um shoting que faz uma releitura da campanha emblemática “Com que roupa eu vou?”, da Hering, veiculada em 1997.

Tudo para chamar a atenção para a responsabilidade ambiental de cada um: nas cenas, os artistas fazem uma provocação com o mote “Com que roupa eu vou construir esse novo mundo?”. Todos veste a camiseta World – peça ícone da marca: em parceria com a MOSS, uma das maiores plataformas globais de crédito de carbono, a grife passa a compensar o dobro da emissão de CO2e de seu ciclo de vida. A iniciativa tem como objetivo a conservação da Amazônia, com mais de 4,4 milhões de árvores preservadas somente em 2021.

A seguir, confira um papo com Agnes sobre moda e sustentabilidade. 

Como é a sua relação com a moda?

Eu amo esse universo, sempre amei e procuro inventar a minha própria moda, não seguir padrões e estar feliz com o que visto . Acho que a moda é a gente que inventa.

O que é básico para você?
O básico pra mim é sentir-se confortável, o que é maravilhoso.

Como foi receber esse convite da Hering para participar de uma campanha totalmente ligada à sustentabilidade?
Receber o convite para participar dessa campanha totalmente ligada à sustentabilidade foi incrível. Me senti muito honrada e feliz em passar a imagem necessária. Poder me juntar a pilares tão importantes como a sustentabilidade e a preservação ambiental me deixou muito feliz.

Como você enxerga o papel da moda como agente transformador na sociedade e no âmbito da preservação ambiental e social?
Acredito  que a moda procura ser cada vez mais sustentável. Eu sempre busco consumir  marcas sustentáveis, que ajudam o planeta, produzindo produtos de qualidade, que duram por muito tempo.

Um dos pilares da Hering é a música, expressão máxima da cultura brasileira. Como é estar presente em uma iniciativa que une a música e a moda, duas vertentes artísticas?
Participar de  uma iniciativa que une música e moda é incrível, porque são dois universos que ganham ainda mais força quando estão juntos. Participar dessa campanha cantando com Hering está sendo uma das experiências mais incríveis.

Como você tem passado esse período de pandemia e quais os planos de carreira para o futuro?
Eu tenho construído muitas composições e estou desenvolvendo  meu álbum que será lançado em breve. A música é o pilar que tem me guiado nessa pandemia e entendo que sou privilegiada por poder trabalhar, mesmo em um cenário como esse.  Estou vivendo um momento de ressignificar cada detalhe da minha rotina e tenho aprendido a me reerguer, porque cada dia é uma batalha diferente. A pandemia está sendo difícil sim, mas tento me reerguer e me reinventar através da arte, da música e da moda.

Práticas sustentáveis já fazem parte da sua rotina? Se sim, pode citar alguns exemplos?
Sim! Como falei, prezo por marcas de moda sustentáveis e esses dias substitui o copo de plástico pelo copinho reutilizável de papel. Agora ando com ele para cima e para baixo e acho incrível usar o mesmo copo no lugar de usar cinco, seis. Também optei pelo  canudo reutilizável, estou sempre com ele na bolsa e a esponjinha para lavar. Tenho buscado soluções nesse sentido e minha consciência fica muito mais tranquila  ao saber que eu estou ajudando o meio ambiente.

Complete a frase: cuidar da Floresta Amazônica para mim é…
é ter amor e cuidado em cada coisa que se faz.

Você é uma das promessas da MPB, como vê essa projeção na sua carreira?
Eu estou muito feliz em ser considerada umas das promessas da MPB. O meu álbum já está pronto,vamos lançá-lo para o mundo e espero que a música me leve muito longe. Acredito que a arte seja a solução para quase todas as coisas, se não, para todas as coisas.

Como conseguir criar uma imagem bacana nas redes sociais? O Instagram foi essencial para alavancar sua carreira?
Tomo muito cuidado com tudo o que posto e compartilho na internet, pois ela  se tornou um ambiente delicado. Mas, busco  compartilhar coisas boas: músicas que tenho ouvido, faço covers e canto a minha versão para as pessoas ouvirem. Tento deixar o dia a dia dos meus seguidores  mais leve, sempre colocar música. Sem o Instagram eu não estaria onde estou, já que ele me proporcionou uma visibilidade enorme – vários artistas que admiro começaram a me mandar mensagens contando  como me admiravam também. Então, sem o Instagram, acredito que as coisas demorariam mais para acontecer.

 De que forma você busca empoderar mulheres negras com o seu poder de fala?
Eu sempre busco empoderar as mulheres negras com o meu poder de fala. Já que eu tenho visibilidade no Instagram, tento  incentivar as mulheres de todas as formas possíveis, seja através da música ou da publicidade. As mulheres negras são o público que busco enaltecer, porque faço parte desse grupo, enquanto negra e nordestina. Sei  da importância que é dar voz a essas mulheres e representá-las – sempre que houver oportunidade, eu estarei aqui, empoderando por meio de músicas, letras e fotos, ninguém solta a mão de ninguém.

Seoul Community Radio Presents: Patch Notes – Salamanda

“The first time we got involved with Seoul Community Radio was in 2019 when we joined their mix series,” explain Yetsuby and Uman Therma, a leftfield ambient and DJ duo who perform and make music together as Salamanda. “SCR has been a major outlet for Seoul-based underground DJs and producers for a long time,” they continue, “so we both knew about the station before we started Salamanda. SCR has always been very supportive towards the electronic music scene in Seoul and has hosted many great events, so either as Uman, Yetsuby or as Salamanda, we love being on their shows.” Influenced greatly by 20th century minimalism, the duo use an assortment of modular synths, effects pedals, carefully selected samples and their own voices to craft diaphanous ambient compositions that drift between the organic and the cosmic, more often than not accompanied by nostalgic pixel art. Back in January the duo released Allez on cult tape label Good Morning Tapes, a beautiful, psychedelic collection of tracks that serves as deep dive into the world of Salamanda.

For their contribution to the Seoul Community Radio Residency, the duo decamped to Unlooked For Blessing, a plant shop and café owned by local DJ Jjongho, to gently guide us through a gauzy performance using a variety of synths, sequencers, pedals and software. Using Ableton Live to control looping in real time, the duo used an Akai APC 40 Mk2 alongside a TC Helicon Vocal Box Duplicate, as well as a Korg Minilogue connected to the Boss Reverb pedal for sequencing and controlling delay time, feedback, resonance and envelope generation.“The electronic music scene in Seoul is small but big, harmonized while being diverse, and has order within disorder,” explains the duo. “Due to the COVID-19 and the pre-existing vulnerabilities of the arts and culture sector, our favorite local venues have temporarily or permanently closed. Accordingly, we’ve been doing more online-based activities and recording mixes for radio broadcasts to reach out to listeners. While doing so, we tried (and are still trying) to find what would be the most interesting way for the audiences who are now watching and listening to us at home.” While Salamanda are sorely missing their local spots, one of the more positive effects of the COVID-19 pandemic in Seoul has been a greater focus on localized scenes, as well as how best to present these smaller communities to the world, an experience echoed by Seoul Community Radio’s Rich Price. “During those quieter times when there was a curfew we’ve really focused on the music,” he says. “Whereas before we’d have a lot of visiting guests, it’s been 100% locals really, with a smattering of contributions online from from people abroad.”

For more information about Salamanda and their music you can follow them on Instagram and check out their Bandcamp and SoundCloud. Tune into Seoul Community Radio via their website and YouTube and for more information follow the station on Instagram.

“A primeira vez que nos envolvemos com a Seoul Community Radio foi em 2019, quando nos juntamos à série de mixagem deles”, explicam Yetsuby e Uman Therma, uma dupla de DJs e ambientes esquerdistas que tocam e fazem música juntos como Salamanda. “SCR tem sido um grande veículo para DJs e produtores undergrounds de Seul por um longo tempo”, eles continuam, “então nós dois sabíamos sobre a estação antes de começarmos a Salamanda. A SCR sempre apoiou muito a cena da música eletrônica em Seul e já hospedou muitos grandes eventos, então, como Uman, Yetsuby ou Salamanda, nós amamos estar em seus shows ”. Muito influenciada pelo minimalismo do século 20, a dupla usa uma variedade de sintetizadores modulares, pedais de efeitos, samples cuidadosamente selecionados e suas próprias vozes para criar composições ambientais diáfanas que oscilam entre o orgânico e o cósmico, na maioria das vezes acompanhadas por pixel art nostálgico. Em janeiro, a dupla lançou Allez no selo cult Good Morning Tapes, uma bela e psicodélica coleção de faixas que serve como um mergulho profundo no mundo de Salamanda.

Por sua contribuição para a Residência da Seoul Community Radio, a dupla mudou para Unlooked For Blessing, uma loja de plantas e café de propriedade do DJ local Jjongho, para nos guiar gentilmente por uma performance delicada usando uma variedade de sintetizadores, sequenciadores, pedais e software. Usando o Ableton Live para controlar o loop em tempo real, a dupla usou um Akai APC 40 Mk2 junto com um TC Helicon Vocal Box Duplicate, bem como um Korg Minilogue conectado ao pedal Boss Reverb para sequenciar e controlar o tempo de atraso, feedback, ressonância e envelope “A cena da música eletrônica em Seul é pequena, mas grande, harmonizada ao mesmo tempo em que é diversa e tem ordem dentro da desordem”, explica a dupla. “Devido ao COVID-19 e às vulnerabilidades pré-existentes do setor das artes e cultura, nossos locais favoritos foram temporariamente ou permanentemente fechados. Conseqüentemente, temos feito mais atividades on-line e mixagens de gravação para transmissões de rádio para alcançar os ouvintes. Enquanto fazíamos isso, tentamos (e ainda estamos tentando) descobrir qual seria a maneira mais interessante para o público que agora está nos assistindo e ouvindo em casa ”. Embora Salamanda esteja sentindo muita falta de seus pontos locais, um dos efeitos mais positivos da pandemia COVID-19 em Seul tem sido um maior foco em cenas localizadas, bem como a melhor forma de apresentar essas comunidades menores ao mundo, uma experiência ecoada por Rich Price da Rádio Comunitária de Seul. “Durante aqueles momentos mais calmos, quando havia toque de recolher, nós realmente nos concentramos na música”, diz ele. “Considerando que antes tínhamos muitos visitantes visitantes, eram 100% locais, na verdade, com um punhado de contribuições on-line de pessoas no exterior.”

Para mais informações sobre o Salamanda e sua música, você pode segui-los no Instagram e conferir seu Bandcamp e SoundCloud. Sintonize a Rádio Comunitária de Seul por meio de seu site e do YouTube e, para obter mais informações, siga a estação no Instagram.

Bach – Concerto in D minor Marcello BWV 974 – Ayrton | Netherlands Bach Society

Bach arranged quite a lot of music by his Italian contemporaries. The concerto in D minor, originally written for oboe and strings by Alessandro Marcello (1673-1747), is one such arrangement. Alessandro was the elder brother of Benedetto, who was also a composer. The two brothers came from a noble Venetian family. Alessandro was an all-rounder. He drew and painted, made globes, wrote poems and played several instruments. Following a visit to Italy in 1729, the French philosopher Montesquieu wrote disparagingly that Marcello was “a kind of madman” and “a jack-of-all-trades for the semi-talented”. Talented or not, Marcello’s oboe concerto was also in circulation in Northern Europe. The Duke of Saxe-Weimar may have taken a manuscript of the work back to Weimar from the Low Countries in 1713.

Bach’s keyboard arrangement, here performed by Patrick Ayrton for All of Bach, turns a concerto that was already modest in stature into real living room music. But, as Ayrton says, Bach’s approach to these arrangements was always to make them more interesting than the original. Nevertheless, the Italian character remains unmistakeable, making it one of the numerous examples of Italian-German symbiosis in Bach’s work. Back home in France, Ayrton also stands up for Marcello, in defiance of Montesquieu.

Recorded for the project All of Bach on 16th April 2018 at Culles-les-Roches, France. If you want to help us complete All of Bach, please subscribe to our channel http://bit.ly/2vhCeFB
and consider donating http://bit.ly/2uZuMj5
.

For the interview with harpsichordist Patrick Ayrton on Concerto in D minor ‘Marcello’ BWV 974 go to https://youtu.be/OndWnKJ8wC4
For more information on BWV 974 and this production go to http://allofbach.com/en/bwv/bwv-974/

All of Bach is a project of the Netherlands Bach Society / Nederlandse Bachvereniging, offering high-quality film recordings of the works by Johann Sebastian Bach, performed by the Netherlands Bach Society and its guest musicians. Visit our free online treasury for more videos and background material https://www.bachvereniging.nl/en/allo…
. For concert dates and further information go to https://www.bachvereniging.nl/nederla…
.

Patrick Ayrton, harpsichord

0:00 Andante
3:30 Adagio
7:04 Presto

Bach arranjou muitas músicas de seus contemporâneos italianos. O concerto em Ré menor, originalmente escrito para oboé e cordas por Alessandro Marcello (1673-1747), é um desses arranjos. Alessandro era o irmão mais velho de Benedetto, que também era compositor. Os dois irmãos vieram de uma família nobre veneziana. Alessandro era versátil. Ele desenhou e pintou, fez globos, escreveu poemas e tocou vários instrumentos. Após uma visita à Itália em 1729, o filósofo francês Montesquieu escreveu depreciativamente que Marcello era “uma espécie de louco” e “um pau para toda obra para os semitalentosos”. Talentoso ou não, o concerto de oboé de Marcello também estava em circulação no norte da Europa. O duque de Saxe-Weimar pode ter levado um manuscrito da obra dos Países Baixos para Weimar em 1713.

O arranjo de teclado de Bach, aqui executado por Patrick Ayrton para All of Bach, transforma um concerto que já era modesto em estatura em música de sala de estar real. Mas, como diz Ayrton, a abordagem de Bach para esses arranjos sempre foi para torná-los mais interessantes do que o original. No entanto, o caráter italiano permanece inconfundível, tornando-o um dos numerosos exemplos de simbiose ítalo-alemã na obra de Bach. De volta à França, Ayrton também defende Marcello, desafiando Montesquieu.

Gravado para o projeto All of Bach em 16 de abril de 2018 em Culles-les-Roches, França. Se você quiser nos ajudar a completar All of Bach, inscreva-se em nosso canal http://bit.ly/2vhCeFB
e considere doar http://bit.ly/2uZuMj5
.

Para a entrevista com o cravista Patrick Ayrton no Concerto em Ré menor ‘Marcello’ BWV 974, acesse https://youtu.be/OndWnKJ8wC4
Para obter mais informações sobre o BWV 974 e esta produção, acesse http://allofbach.com/en/bwv/bwv-974/

All of Bach é um projeto da Netherlands Bach Society / Nederlandse Bachvereniging, oferecendo gravações de filmes de alta qualidade das obras de Johann Sebastian Bach, executadas pela Netherlands Bach Society e seus músicos convidados. Visite nosso tesouro online gratuito para mais vídeos e material de apoio https: //www.bachvereniging.nl/en/allo …
. Para datas de shows e mais informações, acesse https: //www.bachvereniging.nl/nederla …
.

Patrick Ayrton, cravo

0:00 Andante
3:30 Adagio
7:04 Presto

Vogue UK August & Vogue US August 2021 – Adut Akech By Zoë Ghertner 

Earth Song   —   Vogue UK August & Vogue US August 2021   —   www.vogue.com

Photography: Zoë Ghertner Model: Adut Akech Styling: Camilla Nickerson Make-Up: Ana G de V Set Design: Emma Viviana González Clothing: Chloé

24 Hours With PIANO COLORS | Native Instruments

PIANO COLORS reimagina as capacidades sonoras de um piano de cauda combinando uma biblioteca selecionada de samples, gravados com uma variedade de técnicas de execução estendidas, com recursos de modulação verdadeiramente de última geração.

Para demonstrar como ele pode ser usado como uma ferramenta criativa em vários gêneros, colocamos Jared Hines, Kaan Bulak, Lisa Morgenstern e Yaffra juntos no histórico Theatre im Delphi de Berlim. O quarteto produziu uma performance impressionante que mistura acordes de jazz, orquestração clássica, texturas eletroacústicas e energia da pista de dança para mostrar a rica versatilidade e poder criativo do instrumento.

Confira este vídeo de apresentação junto com algumas imagens dos bastidores de 24 horas incríveis com as inspiradoras CORES DE PIANO.

PIANO COLORS reimagines the sonic capabilities of a grand piano by combining a curated library of samples, recorded with a range of extended playing techniques, with truly state-of-the-art modulation features.

To demonstrate how it can be used as a creative tool across multiple genres, we put Jared Hines, Kaan Bulak, Lisa Morgenstern, and Yaffra together in Berlin’s historic Theater im Delphi. The quartet produced a stunning performance that mixes jazz chords, classical orchestration, electroacoustic textures, and dancefloor energy to showcase the instrument’s rich versatility and creative power.

Check out this performance video along with some behind-the-scenes footage from an amazing 24 hours with the inspiring PIANO COLORS.