Vingança Sabor Cereja | Minissérie de terror da Netflix ganha trailer

Netflix vai lançar produção de terror com Rosa Salazar e Catherine Keener
CAIO COLETTI

Netflix/Divulgação

A Netflix liberou hoje (30) o trailer de Vingança Sabor Cereja, minissérie de terror estrelada por Rosa Salazar (Alita: Anjo de Combate) e Catherine Keener (Corra!). O lançamento ficou para 13 de agosto, uma sexta-feira 13.

Na trama, uma jovem cineasta (Salazar) vai a Hollywood no começo dos anos 1990 para tentar arrecadar fundos para seu primeiro filme. Por lá, no entanto, ela se envolve com uma mulher misteriosa (Keener) e entra em uma espiral de sexo, magia e vingança.

Criada por Nick Antosca (Channel Zero) e Lenore Zion (Billions), Brand New Cherry Flavor ainda conta com Manny Jacinto (The Good Place), Jeff Ward (Agents of SHIELD) e Eric Lange (Narcos) no elenco.

Tatler September 2021 – Cindy Crawford By Victor Demarchelier

Riding High   —   Tatler September 2021   —   www.tatler.com

Photography: Victor Demarchelier Model: Cindy Crawford Styling: Tracy Taylor Hair: Teddy Charles Make-Up: Lisa Storey

HOUSE OF GUCCI | Official Trailer

A legacy worth killing for. Watch the official #HouseOfGucci trailer now – only in theaters November 24.

Anne Hathaway celebra 20 anos de ‘O Diário da Princesa’

‘Conhecido como o filme que lançou centenas de noites do pijama’, legendou a atriz ao compartilhar uma série de fotos nostálgicas no Instagram

Anne Hathaway Foto: Reprodução/Instagram

Anne Hathaway usou seu Instagram, nesta quinta-feira (29), para celebrar os 20 anos do filme “O Diário da Princesa”,  o qual foi protagonista ao interpretar “Mia”.

“Milagres acontecem… Feliz 20 anos para O Diário da Princesa, também conhecido como o filme que lançou centenas de noites do pijama”, legendou a atriz.

Anne, que ganhou o Oscar de melhor atriz coadjuvante com “Os Miseráveis (2012), comparrtilhou uma série de fotos dos bastidores das cenas e produção do longa de 2001.

Nas imagens ela aparece ao lado de companheiros e companheiras de set, como Julie Andrews, que interpreta a avó e rainha de Genóvia, Heather Matarazzo, a melhor amiga de Mia; Mandy Moore, colega de escola, Sandra Oh, vice-diretora do colégio, e Garry Marshall, diretor do filme.

O Esquadrão Suicida reinicia franquia sob o olhar caótico de James Gunn

Sem economizar no sangue, longa traz ação típica de “filmes brucutu” para o DCEU e diverte com tripas e coração
NICO GARÓFALO

Ao longo da campanha de divulgação de O Esquadrão SuicidaJames Gunn definiu o filme como uma mistura de sequência e reboot do longa quase homônimo de 2016 que, apesar de lançar Margot Robbie como Arlequina, nunca caiu nas graças do público ou da crítica. Encarregado de revitalizar a franquia, o diretor de Guardiões da Galáxia conquistou controle criativo praticamente absoluto sobre o roteiro, incluindo quais personagens usar, o tamanho que teriam na trama e quantos morreriam – e quão ridículas seriam essas mortes.

Os primeiros 15 minutos de O Esquadrão Suicida não deixam dúvidas de que o longa é uma continuação da desventurada empreitada comandada por David Ayer (e picotada pelo estúdio) de cinco anos atrás. De maneira ágil, Amanda Waller (Viola Davis), Rick Flag (Joel Kinnaman), Capitão Bumerangue (Jai Courtney) e Arlequina são reintroduzidos ao público, mas partindo do princípio que o espectador já está ciente do que esses personagens passaram juntos. Ainda assim, quem pulou o longa de 2016 é rapidamente contextualizado à medida que Flag, líder do Esquadrão, explica a missão para Sábio, personagem de Michael Rooker, que se junta a um numeroso grupo de vilões para invadir Corto Maltese e destruir um experimento científico misterioso no país sulamericano.

Assim como fez no MCU, Gunn explorou o cânone da DC de maneira divertida para trazer o que a quinta categoria da editora tinha de pior. Blackguard (Pete Davidson), Doninha (Sean Gunn), Bolinha (David Dastmalchian), Sanguinário (Idris Elba), O.C.D. (Nathan Fillion) e mais chegam ao DCEU de forma hilária e sanguinolenta, tratados de forma descartável tanto por Waller quanto pelo diretor, que elimina quase todo seu elenco logo no primeiro ato. Sem cerimônia, o cineasta impala, incendeia, afoga, fatia e alveja alguns dos atores mais requisitados de Hollywood, que sofrem mortes criativas e exageradas, dignas dos filmes de ação “brucutu” que dominaram a indústria nos anos 1980.

Embora a história de O Esquadrão Suicida não possa ser considerada o ápice da criatividade em termos narrativos – até a franquia Mercenários já usou a trama “heróis improváveis derrubando regimes ditatoriais” -, Gunn compensa o lugar-comum com o coração típico de suas produções. Como tem sido padrão no DCEU desde 2018, o filme tem sua própria personalidade, reforçada pelas atuações de Elba, Robbie, Kinnaman, John Cena, Dastmalchian e Daniela Melchior. A portuguesa, aliás, rouba a cena quando está em tela e serve, curiosamente, tanto como bússola moral quanto emocional da nova formação do Esquadrão. Ao lado de seu rato, Sebastian, e do Tubarão Rei (Sylvester Stallone), a Caça-Ratos 2 ajuda a unir o grupo de forma natural, fugindo do clichê “amigos-que-viram-família” do primeiro filme.

Isso não quer dizer, porém, que os outros personagens sejam desperdiçados. Arlequina mantém aqui a evolução que mostrou em Aves de Rapina e Sanguinário e Pacificador (Cena) têm algumas das trocas mais hilárias – e violentas – da história do cinema de super-herói. Mesmo Flag, que nada mais era do que um soldado obedecendo ordens em 2016, desenvolve sua própria personalidade e mostra força o bastante para contrariar Waller sempre que acha necessário.

Com menos tempo de tela, os vilões variam um pouco mais na qualidade do desenvolvimento. Os ditadores genéricos de Corto Maltese caem um a um tão rápido que mal é possível decorar seus nomes ou patentes. Por outro lado, o Pensador de Peter Capaldi já mostra com poucos segundos de cena seu poder de manipulação e genialidade. Relembrando seus tempos de The Thick of It, o escocês provoca, xinga e desafia todos de maneira ameaçadora, apesar da caracterização bizarra. É por meio do Pensador que o gigantesco Starro é desenvolvido. Sem entrar em detalhes, é graças à falta de escrúpulos do cientista que o ódio do alienígena e suas ações no terceiro ato parecem críveis e até compreensíveis.

Existe obviamente a chance de O Esquadrão Suicida não agradar a todos, principalmente àqueles que preferem longas de herói mais reflexivos e questionadores. A Força Tarefa X de James Gunn, no entanto, cumpriu de maneira espetacular a missão que lhe foi dada: além de tirar o gosto amargo na boca deixado por seu predecessor, o novo filme pavimentou o caminho para o futuro da franquia, que tem tudo para ser uma das mais divertidas e rentáveis do DCEU. Sem grandes ambições, o longa faz rir e chorar na mesma medida, com o tom emocional certeiro que permeia os trabalhos de Gunn. Entre apresentações e despedidas, O Esquadrão Suicida é um recomeço otimista não só para a série, mas também para seus fãs.

Startup Boxabl que construiu casa ‘box’ de Elon Musk quer captar US$ 50 mi

A Boxabl está aproveitando o sucesso nas redes sociais da casa que construiu para Musk e já tem mais de 50 mil pedidos na lista de espera por uma unidade

O modelo de 36 metros quadrados, o mesmo de Musk, é o que chama a atenção dos novos clientes da Boxabl

A Boxabl, startup americana de casas modulares, quer aproveitar a ‘fama’ por fabricar a atual casa de Elon Musk para crescer no mercado. Com unidades de cerca de US$ 50 mil, a empresa vai em busca de uma captação de US$ 50 milhões para alavancar o negócio — e já tem clientes em fila de espera para comprar as caixinhas e montar sua própria casa. 

O efeito foi imediato: Elon Musk confirmou, em suas redes sociais, que estava morando em uma unidade fabricada da Boxabl e o interesse pela startup cresceu expressivamente. Com apenas três casas construídas até o momento, a proposta é oferecer facilidade para quem não quer se preocupar muito com imóvel. As unidades pré-prontas contam com sala, banheiro, quarto e cozinha já estruturados e ainda podem ter adições, como um segundo andar, por exemplo. 

Mesmo com a comodidade de poder construir o mais próximo possível de uma casa — e não uma quitinete, por exemplo — o modelo de 36 metros quadrados, o mesmo de Musk, é o que chama a atenção dos novos clientes da Boxabl. Já são mais de 50 mil pedidos na lista de espera para adquirir a ‘Casita’, modelo mais popular da empresa. 

Galiano Tiramani, fundador da Boxabl, afirmou que está aproveitando o holofote recebido pela empresa desde a publicação de Musk e que toda a visibilidade tem impactado no negócio que fundou em 2017, a ponto de poder escolher quem investe ou não na startup. 

“Estou falando com fundos de capital, mas não é algo que temos que fazer. Rejeitamos aportes onde eles [investidores] queriam assumir o controle da empresa”, disse Tiramani em entrevista ao site americano Business Insider. “A situação é melhor com os investidores individuais. Continuamos no controle total. Estamos dando as cartas”. 

Mirando em uma captação de US$ 50 milhões, a Boxabl agora quer crescer e começar a gerar lucro, algo que ainda não aconteceu. Com sede em Las Vegas, Tiramani espera a validação da fábrica para atingir escalas ambiciosas na produção a là Elon Musk. 

“Assim que a fábrica for validada, nós vamos entrar na produção em grande escala e na automação que você vê em uma fábrica de automóveis — robótica completa e extremamente rápida. A Ford produz um caminhão F-150 a cada 53 segundos. Não há razão para não estarmos no mesmo nível”, completou Tiramani, ao Business Insider.

Amazon recebe multa recorde de US$ 887 mi na Europa por violação de privacidade

Processo foi aberto em 2018 depois de reclamações de um grupo francês e rendeu a maior multa já aplicada a uma empresa na história da GDPR
Por Agências – Reuters

A gigante do comércio eletrônico disse no processo que não espera que a decisão do CNPD seja definitiva e vai recorrer da multa

Amazon foi multada em US$ 886,55 milhões pela União Europeia por violar a GDPR, lei de proteção de dados da região. É a maior multa já determinada pelos reguladores de privacidade do bloco. 

A Comissão Nacional de Proteção de Dados de Luxemburgo (CNPD) impôs a multa à companhia em uma decisão de 16 de julho, mas a sanção só foi divulgada nesta sexta em um relatório financeiro. A multa envolveu práticas de publicidade – não foi revelado, porém, quais diretrizes comerciais a Amazon terá de rever. 

A companhia vai recorrer da multa, segundo um porta-voz da gigante do comércio eletrônico. A Amazon disse no processo que não espera que a decisão da CNPD seja definitiva.

“Acreditamos que a decisão da CNPD não tenha mérito e pretendemos nos defender vigorosamente nesta questão. A decisão relativa à forma como mostramos publicidades relevantes aos clientes depende de interpretações subjetivas e não testadas da lei de privacidade europeia. A multa proposta é totalmente desproporcional até mesmo com essa interpretação”, afirmou a Amazon.

Em entrevista à agência de notícias Bloomberg, a empresa informou que a sentença não foi correta. “Não houve violação de dados e nenhum dado de cliente foi exposto a terceiros. Esses fatos são indiscutíveis. Discordamos veementemente da decisão da CNPD”, afirmou um porta-voz.

A GDPR está em vigor há três anos e exige que as empresas busquem o consentimento das pessoas antes de usarem seus dados pessoais sob pena de multas pesadas. A lei prevê multas às empresas de até 4% de receita anual. 

O processo foi gerado a partir de uma denúncia do La Quadrature du Net, um grupo francês que atua em causas a favor dos direitos de privacidade. A queixa foi registrada em 2018 e chegou a citar também outras empresas, como AppleFacebookGoogle Linkedin.

Até então, a maior multa da GDPR havia sido contra o Google, em 2019, no valor de € 50 milhões.

Globalmente, o escrutínio regulatório das gigantes de tecnologia tem aumentado após uma série de escândalos sobre privacidade e desinformação, bem como reclamações de que algumas empresas abusam de seu poder de mercado. As gigantes de tecnologia têm atraído constantemente audiências e processos relativos a assuntos de concorrência e privacidade na Europa. 

Paco Rabanne | Spring Summer 2019 | Full Show

Paco Rabanne | Spring Summer 2019 by Julien Dossena | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – PFW/Paris Fashion Week)

Prince: Ouça o álbum póstumo Welcome 2 America, gravado em 2010

Disco foi arquivado pelo popstar, que morreu em 2016, e conta com 12 faixas
CAIO COLETTI

O álbum Welcome 2 Americalançamento póstumo de Prince, finalmente está entre nós – ouça completo abaixo.

O disco foi originalmente composto egravado pelo músico em 2010, mas acabou ficando engavetado até a sua morte, em 2016. Agora, os administradores do legado de Prince resolveram revelar as canções para os fãs.

Com letras que refletem mazelas sociais, Welcome 2 America documenta as preocupações, esperanças e visões de Prince para uma sociedade em constante transformação, prevendo uma era de divisão política, desinformação e luta por justiça racial“, disse a equipe sobre o lançamento. 

Com 12 faixas ao todo, o álbum foi feito com a colaboração de parceiros de longa data de Prince, como as cantoras Liv Warfield, Shelby J e Elisa Fiorillo, do New Power Generation; e o baixista Tal Wilkenfield.

Desde a morte de Prince, este é o primeiro álbum de estúdio completo lançado pelos administradores do seu legado. Anteriormente, apenas demos inéditas foram liberadas, em coleções como Piano and a Microphone 1983 Originals.