Open banking inaugura nova era na relação dos clientes com os bancos

É o fim da exclusividade das instituições financeiras com seus correntistas
Por Camila Farani – O Estado de S. Paulo

O Banco Central é quem coordena a implementação do open banking
O Banco Central é quem coordena a implementação do open banking

E se de repente os players do mundo financeiro, desde os bancos incumbentes até as fintechs, passassem a estar em mais igualdade de condições de competição na criação de novos produtos e soluções?

Com início da segunda fase do open banking, os bancos participantes, com o consentimento dos clientes, poderão trocar dados de cadastros e transações dos usuários entre eles, como operações de crédito, empréstimos e financiamentos. 

É o fim da exclusividade destas instituições com os seus correntistas e o início de uma nova jornada. Com os dados mais acessíveis, quem entender e atender melhor as necessidades dos clientes, criando produtos customizados e inovadores, sairá na frente. Nós, clientes, teremos mais liberdade para entregar os nossos dados para quem puder nos oferecer a melhor oferta.

Estamos caminhando a passos largos para uma mudança drástica da forma de nos relacionarmos com os bancos – um dos setores tradicionais da economia que mais está sendo transformado. Nos primeiro semestre de 2020, o número de usuários de aplicativos ou produtos habilitados pelo open banking no Reino Unido dobrou de 1 milhão para 2 milhões e cresceu para mais de 3 milhões em fevereiro de 2021, aponta a consultoria McKinsey.

Nos EUA, quase um em cada dois consumidores usam uma solução de fintech. No Brasil, as startups do setor financeiro foram as que levantaram a maior fatia de investimentos neste ano, somando US$ 2,6 bilhões, segundo dados do Inside Venture Capital Report, da Distrito. 

É um cenário que representa uma grande pressão para essas instituições que, historicamente, sempre estiveram em uma posição confortável e que, de repente, estão diante do desafio de acelerar a digitalização. Não é fácil para uma companhia mudar enquanto ainda está alcançando altos volumes de faturamento e dominando o mercado. Porém, é preciso compreender que a mentalidade e o modelo de negócios que a trouxe até aqui não serão necessariamente os mesmos que a conduzirá ao futuro. 

Os números estão aí para provar essa mudança. Os bancos com foco digital têm se beneficiado em avaliações de mercado que, em média, eram 18% maiores do que seus pares menos digitalizados em 2019 e 27% maiores em 2020, aponta estudo da Accenture.

O open banking está começando a decolar no Brasil, e ao longo dos anos conseguiremos avaliar melhor os seus efeitos. Mas, quando falamos em modelos da nova economia, não há dúvidas do caminho a ser seguido: as empresas precisam ser cada vez mais digitais, centradas no consumidor e rápidas ao incorporar as novas tecnologias. 

*É INVESTIDORA-ANJO E PRESIDENTE DA BOUTIQUE DE INVESTIMENTOS G2 CAPITAL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.