SpaceX lança voo orbital com civis e leva turismo espacial a novas alturas

Empresa de Elon Musk é a terceira companhia privada a levar pessoas comuns ao espaço neste ano, sem a presença de astronautas e pilotos; voos de Jeff Bezos e Richard Branson, realizados em julho, não chegaram a entrar em órbita
Por Giovanna Wolf e Bruno Romani – O Estado de S. Paulo

Reprodução/Inspiration

Pela terceira vez neste ano, uma empresa privada leva pessoas para “turistar” no espaço – e desta vez, o salto foi ainda mais alto. Nesta quarta-feira, 15, a SpaceX, empresa de exploração espacial do bilionário Elon Musk, lançou uma tripulação com quatro civis em uma viagem na órbita da Terra. Com o feito, o fundador da Tesla leva o turismo espacial a outro patamar: os voos da Blue Origin, de Jeff Bezos, e da Virgin Galactic, de Richard Branson, realizados em julho, ficaram em altitudes mais baixas e não chegaram a entrar em órbita. 

A missão, chamada de Inspiration4, é a primeira da história a lançar pessoas comuns em órbita terrestre. Até então, a SpaceX só havia enviado uma tripulação de astronautas para esse tipo de viagem espacial no ano passado, o que também foi um feito inédito para uma companhia privada. A decolagem do foguete Falcon 9 ocorreu com sucesso às 21h03 (horário de Brasília). 

A sequência a seguir foi muito rápida: às 21h04, a nave atingiu velocidade supersônica, às 21h06, o primeiro estágio se separou, às 21h08, a nave atingiu 10 mil km/h, às 21h11, a nave atingiu 20 mil km/h. Na sequência, vieram eventos fundamentais: às 21h12, a nave atingiu velocidade máxima (27,3 km/h) enquanto ao mesmo tempo o primeiro estágio pousava na Terra. Às 21h13, a nave entrou em órbita e, às 21h15, o segundo estágio se separou. Nesse momento, a nave estava a 200 km de altitude e seguiu viagem em direção a altitude máxima (575 km).  

Em três minutos, às 21h06, a nave já havia superado a altitude dos voos de Bezos e Branson, cruzando a marca de 100 km de altitude. 

Reveja a transmissão abaixo:

Ao contrário de Bezos e Branson, Elon Musk não embarcou na aventura. A nave foi lançada com quatro passageiros: Jared Isaacman (bilionário de 38 anos, fundador da empresa de pagamentos Shift4 Payments), Hayley Arceneaux (médica de 29 anos que sobreviveu a um câncer ósseo), Chris Sembroski (veterano da força aérea dos Estados Unidos de 42 anos) e Sian Proctor (geologista de 51 anos). 

Isaacman pagou por todos os assentos no voo – o valor desembolsado não foi revelado. O plano é usar a viagem para arrecadar fundos para um hospital americano de tratamento de câncer infantil. Entre as cargas da Inspiration4, estarão um conjunto de experimentos relacionados à saúde, e os objetos usados serão leiloados. A missão pretende arrecadar US$ 200 milhões para o hospital de pesquisa – Isaacman doará outros US$ 100 milhões. 

A nave atingiu velocidade máxima de 27,3 mil km/h e chegará a uma altitude de 575 quilômetros – bem acima da posição da Estação Espacial Internacional, que está em órbita a 408 km de distância da Terra. A tripulação viajará em órbita por cerca de três dias e depois reentrará na atmosfera. O pouso final será um mergulho na Costa do Golfo ou na Costa Atlântica da Flórida.

Tripulação da Inspiration4: Chris Sembroski, Sian Proctor, Jared Isaacman e Hayley Arceneaux
Tripulação da Inspiration4: Chris Sembroski, Sian Proctor, Jared Isaacman e Hayley Arceneaux

Fora de órbita

O voo da SpaceX é diferente das viagens realizadas pela Blue Origin e pela Virgin Galactic em julho. A nave com Jeff Bezos, fundador da Amazon, atingiu a altitude de 107 km e viajou por 10 minutos, enquanto o planador com Richard Branson chegou a 80,5 km em um voo de 90 minutos. Nenhum dos dois veículos chegaram a entrar em órbita, e eles passaram longe da localização da Estação Espacial Internacional. 

“A viagem da Inspiration4 é de outra ordem de grandeza. Nos voos suborbitais, basicamente você lança um míssil que sobe até acabar o combustível e depois cai de volta para a Terra. As iniciativas da Virgin Galactic e da Blue Origin foram apenas passeios, enquanto a SpaceX concluiu uma missão espacial de verdade”, afirma Cassio Leandro Dal Ri Barbosa, astrônomo e professor do Centro Universitário FEI. 

Dentro disso, há um aumento de custo. Como a viagem é prevista para durar três dias, é necessário que técnicos em Terra monitorem com cautela o voo. A tripulação também precisa passar por simulações e treinamentos mais detalhados – Isaacman e os outros três viajantes treinaram com a SpaceX desde fevereiro.

Para Alexandre Zabot, professor de Engenharia Aeroespacial da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o voo da SpaceX consolida uma nova era no setor. 

“Esse tipo de viagem exige foguetes com uma capacidade de lançamento de carga para o espaço muito diferenciada. Até então, víamos algumas aventuras pontuais relacionadas ao turismo espacial. Agora, já vemos três empresas mostrando tecnologias maduras e fazendo voos inaugurais com civis”, diz Zabot. “Estão abertas as portas para um turismo espacial permanente, gerenciado por companhias privadas”. 

É também um novo capítulo da rinha entre Elon Musk e Jeff Bezos na corrida espacial. Há algum tempo, o fundador da Tesla celebra o pioneirismo da SpaceX e zomba do rival. Em 2019, ao apresentar o novo protótipo do Starship, foguete da empresa, Musk chegou a dizer que tem “muito respeito por qualquer pessoa que tenha lançado um foguete em órbita”. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.