Ann Demeulemeester | Spring Summer 2022 | Full Show

Ann Demeulemeester | Spring Summer 2022 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – PFW/Paris Fashion Week) #Anndemeulemeester #PFW #SS22

Jessica Chastain usou 11 perucas e muito rímel para virar estrela evangélica em ‘The Eyes of Tammy Faye’

Atriz está em ‘The Eyes of Tammy Faye’ ao lado de Andrew Garfield
DAVE ITZKOFF

Cenas do filme “The Eyes of Tammy Faye” Divulgação

THE NEW YORK TIMES – Jessica Chastain passou anos batalhando pela oportunidade de interpretar Tammy Faye Messner, a infatigável estrela evangélica de TV e rádio. Mais conhecida de milhões de telespectadores pelo nome Tammy Faye Bakker, ela e Jim Bakker, na época seu marido, comandavam o programa religioso televisivo PTL, até terminarem derrubados por escândalos sexuais e financeiros no final da década de 1980.

Por isso, quando Chastain enfim conseguiu o papel, em “The Eyes of Tammy Faye”, uma nova cinebiografia na qual Andrew Garfield interpreta Jim Bakker, sob a direção de Michael Showalter, ela estava determinada a ter a aparência exata da personagem.

Como disse a atriz sobre a mulher que ela interpreta, “Tammy Faye jamais fez qualquer coisa pela metade. Nela não havia qualquer traço de esforço para ser cool, ou distante. Para interpretá-la, eu não podia passar nem perto de distanciamento, de frieza. Tinha de mergulhar da maneira mais louca e mais extrema. Porque é dessa maneira que ela vivia cada momento”.

Chastain pesquisou intensamente para o filme, lançado recentemente pela Searchlight Pictures. Ela procurou artigos de revista sobre Messner, que morreu em 2007, bem como velhas fotos e imagens televisivas.

Mas fazer a transformação exigiu uma equipe inteira de maquiadores, figurinistas e cabeleireiros. Alguns deles já tinham colaborado com Chastain no passado, e sabiam o que ela esperava de seu trabalho. “Basicamente, ela diz com muita clareza o que quer”, disse a cabeleireira Stephanie Ingram. “E depois disso cabe a você fazer que aconteça”.

Abaixo, Chastain e diversos dos artistas que trabalharam com ela em “The Eyes of Tammy Faye” falam sob ntejoulas e acrílicos).



PRÓTESES

Justin Raleigh, que criou as próteses de cena usadas no filme, e sua equipe tinham dois desafios. Primeiro, criar próteses (peças de silicone com preenchimento por gel que simulam pele) para encontrar o ponto de equilíbrio necessário entre a figura retratada e a atriz.

“Jessica queria se perder completamente no papel, e realmente personificar Tammy Faye, mas sem se obliterar completamente”, disse Raleigh. “Nós tivemos de dançar cuidadosamente em torno da quantidade de próteses que usaríamos, ou não”. Em segundo lugar, era preciso criar looks compatíveis, que conduzissem aos poucos à imagem de Bakker em suas eras mais reconhecíveis.

“Trabalhando em reverso, assim que estabelecemos o look que ela teria nas décadas de 1980 e 1990, a única maneira de fazer o restante do trabalho seria acrescentar próteses para lhe dar uma aparência mais jovem”, disse Raleigh.

“Tivemos de manter esse nível de continuidade, em termos anatômicos, por todo o filme”. Para caracterizar a personagem nas décadas de 1960 e 1970, Chastain usou próteses nas bochechas, no queixo (para cobrir uma covinha), e fita adesiva para erguer a ponta de seu nariz.

Nas cenas passadas na década de 1980, ela acrescentou um traje anatômico completo, uma prótese de pescoço e uma prótese no lábio superior. Para a década de 1990, ela acrescentou bolsões escuros sob os olhos. Mas em todo o trabalho, disse Raleigh, “as bochechas eram o elemento definitivo, que ela teve de manter por todo o processo”.

MAQUIAGEM

Apesar de todos os cosméticos que Messner usava –e ela costumava ser muito ridicularizada por isso–, os membros da equipe de maquiagem disseram que seu objetivo era tentar evitar qualquer zombaria. “O importante de verdade era garantir que nada comprometesse a autenticidade de quem ela era, e que jamais cruzássemos a linha que nos levaria à caricatura”, disse a maquiadora Linda Dowds, que trabalhou com Chastain em 15 filmes, começando em “Mama”, um filme de terror de 2013.

Dowds, que comandou o departamento de maquiagem de “The Eyes of Tammy Faye”, disse que era sempre necessário haver um “elemento de beleza” na maneira pela qual a personagem usava maquiagem. “Ela amava maquiagem, totalmente, e amava ter a aparência que tinha quando maquiada. E foi se tornando cada vez mais ousada em seu uso”.

Rosa era a cor predominante na palheta da juventude de Tammy Faye, mas, com a passagem do tempo, o colorido foi se tornando mais escuro, e ela recorreu a tatuagens para acentuar os olhos, as sobrancelhas e os lábios (recriadas com o uso de maquiagem em Chastain).

“Também tínhamos muito mais cílios com que lidar –fomos de uma camada de rímel para quatro ou cinco”, disse Dowds. “Ela dizia coisas em entrevistas como ‘quem falou que uma pessoa não pode usar rímel ou cílios postiços? De onde vem essas regras? Ninguém precisa ser sem graça para ser cristão”.

FIGURINO

Para criar o guarda-roupa da Tammy Faye das telas, o designer de figurino do filme, Mitchell Travers, também teve de compreender a personagem. “Na verdade, eu fui às compras, como ela ia”, disse Travers. “Ela costumava dizer que fazer compras era sua forma favorita de exercício. E amava caçar produtos”.

Ele foi a leilões de produtos usados e a mercadinhos de troca, e procurou peças no Etsy e no T.J. Maxx, em busca de roupas para uma mulher que queria parecer poderosa mesmo antes que tivesse dinheiro para isso, e que mais tarde teve acesso a dinheiro, e o perdeu.

“Eu pude contar a história de qual era a sensação de se sentir confortável com ter dinheiro e quase esquecer que as coisas tinham preço”, disse Travers. “E também pude contar a história do que foi ter perdido tudo, e da pressão que surge quando você precisa manter a persona que criou mas não tem mais o dinheiro para isso”.

Em seu ápice, na década de 1980, as roupas da personagem pareciam novas, e tudo era grande: ombreiras, brincos, as estampas dos vestidos. E para a vida de Tammy Faye depois do PTL, disse Travers, ele buscou reutilizar looks que já tinha montado, “para que o espectador tenha a sensação de que aquela é uma mulher que está tentando preservar alguma coisa que costumava estar ali, mas que agora já não vem com tamanha facilidade”.

CABELO

Fazer com que o cabelo de Chastain se parecesse com as memoráveis madeixas de Tammy Faye exigiu não menos de 11 perucas: castanhas para sua juventude, loiras e volumosas para seu apogeu na década de 1980, e ruivas para seus anos posteriores –e até mesmo uma peruca removível com uma faixa embutida, que Chastain pudesse tirar para exibir os cabelos curtos e emaranhados da personagem (na verdade, mais uma peruca).

E não pense que Ingram, que comandou a equipe de cabeleireiros do filme e é outra veterana de muitos projetos de Chastain, simplesmente encontrou essas perucas em uma loja. “É divertido porque as pessoas comentam que é só tirá-las de uma caixa e colocá-las no ator”, disse Ingram. “E eu respondo que não, certamente não é só isso”.

Algumas das perucas foram coloridas e preparadas de acordo com as especificações de Chastain, e outras foram criadas especialmente para ela. Um dia comum de filmagem podia exigir que a equipe de entre cinco e 10 cabeleireiros criasse penteados de época para todo o elenco do filme.

Perto do final da filmagem, quando Tammy Faye pede o divórcio de seu marido, Ingram disse que “eu simplesmente desmontei. Meu corpo parecia estar dizendo que ‘oh, meu Deus, enfim estamos chegando ao final’”.

INTERPRETAÇÃO

Interpretar um papel com tantas camadas de perucas, roupas, maquiagem e silicone foi essencialmente um processo novo para Chastain. Ela disse que sua experiência anterior mais próxima tinha sido interpretar a heroína pudica de “A Herdeira”, na Broadway, uma produção na qual ela não tinha o benefício de uma equipe tão grande de colaboradores. “Eu tinha uma prótese de nariz, e a colocava sozinha”, ela disse.

“Por isso, tenho o maior respeito pelo trabalho deles. Porque é realmente muito difícil”. A transformação dela em Tammy Faye requeria entre cinco e sete horas de maquiagem, em muitos dias, antes que qualquer cena pudesse ser rodada, mas Chastain disse que a preparação longa pelo menos lhe oferecia tempo adicional para se conectar com a personagem.

“Ficar tanto tempo sentada em uma cadeira pode ser cansativo”, disse Chastain. “Mas eu assistia a vídeos dela, ouvia sua voz, o tempo todo. Usava aquele tempo como pista de decolagem. Às vezes, quando está interpretando um papel, você passa 30 minutos na pista de decolagem e aí decola e começa a filmar. No caso dela, a pista de decolagem era bem mais longa”.

Traduzido originalmente do inglês por Paulo Migliacci

Molly Chiang – Harper’s Bazaar Hong Kong October 2021

Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (2).jpg

Molly Chiang has built great fame as a Taiwanese actor and influencer. Of unique note, Chiang was the presented of the TEDx talk “I Am Molly, This Is My Core Value”.. Bazz Huang styles Chiang for ‘The True Beauty’, lensed by Johnny Lu [IG] for Harper’s Bazaar Hong Kong October 2021./ Makeup by Sting Hsieh; hair by Miley Shen

Molly Chiang construiu grande fama como atriz e influenciadora taiwanêsa. De nota única, Chiang foi o apresentadora da palestra TEDx “Eu sou Molly, este é meu valor central”. Bazz Huang estiliza Chiang para ‘A verdadeira beleza’, filmado por Johnny Lu [IG] para Harper’s Bazaar Hong Kong outubro de 2021 ./ Maquiagem por Sting Hsieh; cabelo por Miley Shen

Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (10).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (8).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (1).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (3).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (6).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (5).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (11).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (4).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (12).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (7).jpg
Molly-Chiang-Johnny-Lu-Harpers'Bazaar=Hong-Kong (9).jpg

Givenchy | Spring Summer 2022 | Full Show

Givenchy | Spring Summer 2022 by Matthew Williams | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – PFW/Paris Fashion Week) #Givenchy #PFW #SS22 #FFLikedalot

Joe Milburn – Take This/My Goldmine/Swear To God

Givenchy Women’s and Men’s Spring Summer 22 Collection show

Watch live the Women’s and Men’s Spring Summer 2022 Collection show by Matthew M. Williams.

Man About Town A/W 2021 Covers

Man About Town A/W 2021 Covers

Source: manabouttown.tv
Published: 10/01/2021

In this picture: Marlon Teixeira
Credits for this picture: Bartek Szmigulski (Photographer), Mickael Jauneau (Hair Stylist)

All people in this work:

Bartek Szmigulski – Photographer Menelik Puryear – Photographer Simon Eeles – Photographer Avo Yermagyan – Fashion Editor/Stylist Joseph Kocharian – Fashion Editor/Stylist Kieran Fenney – Fashion Editor/Stylist Marti Arcucci – Fashion Editor/Stylist Amy Komorowski – Hair Stylist Brady Lea – Hair Stylist Mickael Jauneau – Hair Stylist Marissa Machado – Groomer Adam de Cruz – Makeup Artist Emma White Turle – Makeup Artist Marcos Fecchino – Producer Antoni Porowski – Actor Hero Fiennes Tiffin – Actor Cody Simpson – Entertainer Ben Bowers – Model Dean Perona – Model Elliott Reeder – Model Ibrahim Vandenberg – Model Jon Kortajarena – Model Marlon Teixeira – Model Shawn Golomingi – Model Tyler Forbes – Model

In this picture: Dean PeronaElliott ReederIbrahim VandenbergShawn GolomingiTyler Forbes
Credits for this picture: Bartek Szmigulski (Photographer), Joseph Kocharian (Fashion Editor/Stylist), Brady Lea (Hair Stylist), Adam de Cruz (Makeup Artist)
In this picture: Antoni Porowski
Credits for this picture: Menelik Puryear (Photographer), Marti Arcucci (Fashion Editor/Stylist), Amy Komorowski (Hair Stylist), Marcos Fecchino (Producer)
In this picture: Hero Fiennes Tiffin
Credits for this picture: Bartek Szmigulski (Photographer)
In this picture: Jon Kortajarena
Credits for this picture: Bartek Szmigulski (Photographer), Kieran Fenney (Fashion Editor/Stylist)
In this picture: Ben Bowers
Credits for this picture: Bartek Szmigulski (Photographer)

Racismo é tema central na inusitada história de amadurecimento de Black as Night

Com ​​direção de Maritte Lee Go, longa cativa público e o faz torcer por mocinhos e vilões
JÚLIA TIBIRIÇÁ

Os dois primeiros lançamentos da edição de 2021 da coletânea Welcome to the Blumhouse, já de início, oferecem ao público enredos atentos ao protagonismo de grupos marginalizados e garantem uma combinação balanceada de gore e boas risadas. Em comparação com seu parceiro de lançamento, Bingo HellNegra Como a Noite (Black as Night, no original) peca por excesso de cautela, mas não deixa de prender a atenção do espectador desde a sequência de abertura dos créditos, que explora alarmantes manchetes em torno da questão do racismo e da segregação nos Estados Unidos, dos impactos do furacão Katrina e das marchas do Black Lives Matter, em 2020.

Com ​​direção de Maritte Lee Go, o pseudo-terror teen é narrado por Shawna (Asjha Cooper), uma adolescente de 15 anos que se vê entre problemas com sua mãe (Kenneisha Thompson), dependente química que carrega as cicatrizes das famílias profundamente afetadas com a passagem do furacão, desentendimentos com seu irmão e uma tremenda insegurança em relação a si mesma, sua aparência e sua cor.

Impactada pelas visitas que faz à mãe no último e decrépito conjunto habitacional que restou na cidade, Shawna, de início, é caracterizada por sua ingenuidade e seu esforço em passar silenciosa e despercebida por aquele verão que, como ela mesma anuncia, mudaria toda a sua vida. Pedro (Fabrizio Guido), seu melhor amigo, gay e mexicano, cumpre o papel de equilibrar a personalidade introvertida da protagonista, enquanto descreve fatos históricos do passado de Nova Orleans que, por mais interessantes que sejam, são desperdiçados pelo roteiro, incapaz de criar um gancho real para aproveitá-los.

O enredo finalmente deslancha quando Shawna, ao voltar para casa sozinha de uma festa se depara com um indigente sendo atacado por duas figuras obscuras. Ao tentar interferir, porém, ela se vê atacada pelo que então percebe ser um vampiro sem teto. Passado o pânico inicial de ter pensado que se transformaria em vampira, Shawna consegue convencer Pedro do bizarro episódio ao descobrirem que sua mãe, tal como muitos dos moradores do conjunto habitacional, tinham também sido vítimas de ataques, que tinham como alvo mendigos e viciados dos quais ninguém mais parece sentir falta. É assim que, ao lado de uma nova amiga e entusiasmada fã da literatura vampiresca e de seu crush da escola, Shawna e Pedro partem em uma cruzada contra o clã de vampiros que planeja converter um exército de excluídos da sociedade.

Trazendo um elenco quase inteiramente negro, Negra Como a Noite não lida de fato com vilões, tendo como vampiro-chefe do perigoso clã um líder centenário comprometido em vingar as injustiças históricas cometidas contra os afrodescendentes no sul do país desde a época da escravidão.

Com recursos de humor e animação, o longa apresenta elementos importantes da luta antirracista norte-americana e atualiza uma discussão de autodescoberta e empoderamento, na relação de Shawna com sua própria negritude. O filme, de fato, traz muitos elementos de crítica social que, por vezes, parecem forçadamente incluídos em diálogos randômicos e exagerados, mas que não interferem no aproveitamento geral do enredo. Optando por respostas pouco radicais aos muitos dilemas apresentados ao longo da história, a trama perde fôlego ao se aproximar do fim e se apoia em amarrações fracas e incompatíveis com o clima alucinante que percorre boa parte do filme.

O saldo, contudo, é positivo. O longa diverte e cativa o público — afinal, leva todo mundo a torcer tanto pelos vilões, quanto pelos mocinhos –, tendo por pano de fundo o real terror da história, na forma dos cadáveres produzidos pela segregação racial e pela marginalização da população negra que perduram nos Estados Unidos até hoje.

Negra Como a Noite (Black as Night)

ANO: 2021

PAÍS: Estados Unidos

DURAÇÃO: 87 min

DIREÇÃO: Maritte Lee Go

ROTEIRO: Sherman Payne

ELENCO: Fabrizio Guido, Asjha Cooper, Mason Beauchamp, Nicole Barre

NOTA DO CRÍTICO *** Bom

O futuro do look do dia é digital

Produzir amostras físicas é caro e demorado. Saiba como algumas grifes estão lançando coleções com renderizações realistas em 3D
MAGHAN MACDOWELL
VOGUE BUSINESS

Look digital da Khaite desenvolvido para a Farfetch (Foto: Reprodução/Instagram/ @dressx)

A agência de criação da Vice, a Virtue, lançou a ideia de moda digital para marcas emergentes em 2019, depois de criar uma coleção digital esgotada na rede varejista escandinava Carlings. “As grifes estavam interessadas”, diz Mortan Grubak, diretor executivo de criação da Virtue, “mas não necessariamente ávidas para vender roupas digitais em si. Elas foram atraídas pela capacidade de trabalhar com influenciadores sem precisar dar mercadorias reais de graça. As marcas pequenas foram atraídas pela economia de dinheiro e recursos com o envio de presentes para influenciadores.” 

“Há um problema em termos sustentabilidade quando se trata de produzir os influenciadores”, diz Thinh Petrus Nguyen, diretor de arte sênior da marca dinamarquesa Han Kjøbenhavn, que participou das primeiras conversas com a Virtue. Embora a Han Kjøbenhavn ainda não tenha dado presentes digitais, a grife usou filtros de realidade aumentada para promover seu lançamento de joias. “Foi um sucesso”, diz Nguyen, “porque já havia interesse nas peças seis meses antes de os itens serem vendidos.” SAIBA MAIS

Este mês, a Farfetch se tornou uma das primeiras grandes varejistas a testar a prática de “amostragem digital” como estratégia para promover o lançamento da nova ferramenta de pré-encomenda entre influenciadores.

Os looks digitais têm uma aplicação tangível e atual em modelos de negócios de marcas de moda. Eles reduzem parte da pegada ambiental do envio de produtos e aceleram esse processo. “O desafio é entrar no processo de criação em 3D, porque ainda não é algo que está no fluxo”, diz Nguyen. Ele observa que, com os gigantes da tecnologia tornando os ativos 3D mais acessíveis – entre eles Facebook, Snapchat e Shopify – as marcas ganharam força extra para fazer isso acontecer.

“É uma ferramenta de uso para o aqui e o agora”, diz Carol Hilsum, diretora sênior de inovação de produtos da Farfetch. “Sem esse elemento da moda digital, estaríamos enviando as peças físicas para fotografar. Quando você está tentando ‘vender’ a ideia de pré-encomenda, na qual a disponibilidade de peças é limitada, é normal que exista uma escassez de looks. Sem as opções digitais, poderia não ter sido viável montarmos essa estratégia de lançamento.” 

Como funciona 
A Farfetch trabalhou com a plataforma de moda digital DressX para digitalizar as roupas, e o criador 3D Threedium para os acessórios. Depois de cada influenciador ter selecionado seu look preferido, a grife forneceu várias imagens para serem personalizadas digitalmente pela equipe da DressX. Em seguida, os influenciadores receberam orientações sobre como tirar suas fotos e posar para vestirem-se digitalmente. Por fim, a Farfetch, a DressX e o influenciador revisaram as imagens para fazer as alterações necessárias.

“Os influenciadores ainda são bastante resistentes. O que se vê é um trabalho mais criativo impulsionado pelas agências”, afirma Gonçalo Cruz, cofundador e CEO da Platform E, que ajuda marcas de moda de luxo a criar e utilizar renderizações em 3D. “Não tenho dúvidas de que fazer a inserção digital de produtos dentro de conteúdos é melhor porque há menos logística e envolvimento humano. E o 3D atingiu maturidade suficiente para tal.” 

Off-White (Foto: Reprodução )
As gêmeas Qjin e Qwon Han do Instagram @q2han foram algumas das personalidades a serem presenteadas com itens digitais para o lançamento da nova ferramente de pré-encomenda da Farfetch. Aqui, elas usam Off-White (à esquerda), com a foto original à direita (Foto: Divulgação)

Outros obstáculos incluem fazer com que os influenciadores trabalhem com produtos que não viram ou tocaram”, diz Chloé Watts, fundadora e CEO da Chloédigital, que fornece suporte técnico para influenciadores. A Farfetch focou em 10 influenciadores e criadores globais que tinham afinidade com a moda digital, um toque futurista e estavam alinhados com a identidade da marca Farfetch.

Twins Qjin and Qwon Han of Instagram account @q2han were some of the global social media personalities to be gifted digital items from the Farfetch pre-order launch and dressed by DressX. Here, they are wearing Off-White (left), with the original photo at right.

Hilsum diz que as marcas cujos produtos foram digitalizados para pré-encomenda estavam “muito interessadas” em ver como funcionava e, claro, no resultado disso. “Como a Farfetch gerenciava boa parte do processo, as marcas confiaram na qualidade e na forma em como os produtos seriam apresentados”, diz Hilsum. Daqui para frente, ela sugere, é possível que a Farfetch continue a trabalhar dessa maneira. “Não temos a tendência de fazer testes pontuais”, diz ela. “É uma forma de evoluir.” 

“Nosso público-alvo é um pouco diferente e nós realmente não queremos o influenciador óbvio. Preferimos ter pessoas culturalmente relevantes, que amam nossas roupas,” diz Nguyen. “No futuro, acredito que cada influenciador será capaz de escolher entre receber os produtos digitais e uma quantia em dinheiro ou um item digital e físico a um custo diferente,” diz a cofundadora da DressX, Daria Shapovalova.

Reportagem adicional de Kati Chitrakorn

Originalmente publicado em Vogue Business

Eternos | Novo teaser destaca missão da equipe para proteger humanidade

Longa estreia em novembro
MARIANA CANHISARES

O Marvel Studios revelou um teaser inédito de Eternos, que mostra mais cenas da equipe em ação e sua tentativa de proteger a humanidade. Confira acima.

De acordo com o Heroic Hollywood, o estúdio também revelou uma nova sinopse, que confirma que o filme será ambientado em dois momentos distintos da história:

“A trama acontece em dois períodos. Um deles é no passado, quando eles operavam como um time formidável e uma unidade familiar próxima. O segundo é no presente, quando o grupo se dividiu, feliz por viver entre humanos e se escondendo à vista de todos. A ameaça dos Deviantes, que uma vez ameaçou a existência da humanidade, implica na necessidade dos Eternos de colocarem suas diferenças de lado e se reagrupar”.

Criados em 1976 nos quadrinhos, os Eternos são uma raça de super-humanos geneticamente modificados pelos alienígenas Celestiais durante sua visita à Terra. Porém, ao mesmo tempo que conceberam este grupo, os experimentos genéticos dos Celestiais originaram também os Deviantes, uma espécie de face corrompida das suas primeiras criações.

O elenco do filme conta com Richard MaddenAngelina JolieGemma ChanKit HarringtonKumail NanjianiBarry Keoghan e Brian Tyree Henry. A estreia de Eternos está marcada para 5 de novembro de 2021, no Brasil.