Nirvana | Edição de luxo de 30 anos do álbum Nevermind está no Spotify

Disco traz 94 faixas da banda liderada por Kurt Cobain, incluindo 70 inéditas
EDUARDO PEREIRA

#Nevermind30 Anniversary Edition is streaming now on @Spotify: https://nirvana.lnk.to/Nevermind30th/spotify

O disco Nevermind, do Nirvana, finalmente ganhou a sua aguardada versão especial com 94 faixas de áudio e vídeo, sendo 70 delas inéditas. O lançamento veio em comemoração ao aniversário de 30 anos do disco, que começou a ser vendido em 24 de setembro de 1991. A nova versão do álbum já está disponível no Spotify.

Entre os materiais inéditos e exclusivos estão quatro shows completos que documentam a ascensão histórica da banda. O tempo total da versão especial do álbum é de 4h15. As versões do lançamento especial variam entre vinil, Blu-ray, e CD, além da versão digital.

Recentemente, o álbum voltou a chamar a atenção quando o bebê da piscina, Spencer Elden, decidiu processar a banda e os administradores do patrimônio de Kurt Cobain por exploração sexual de menor. Elden aparece na capa do disco nadando em direção a uma nota de dólar.

Elden afirma que a banda prometera que cobriria a genitália do bebê e, ao não fazê-lo, causaram-lhe danos durante toda a vida. Por isso, ele pede que cada um o pague uma indenização de pelo menos US$ 150 mil.

Proenza Schouler x Mercedes Benz 2021

Proenza Schouler x Mercedes Benz 2021
Source: proenzaschouler.com
Published: November 2021

In this picture: Laura Dern
Credits for this picture: Jack McCollough + Lazaro Hernandez (Designer), Harley Weir (Photographer), Charles Levai (Creative Director), Kevin Tekinel (Creative Director), Joe McKenna (Fashion Editor/Stylist), Cyndia Harvey (Hair Stylist)
In this picture: Laura Dern
Credits for this picture: Jack McCollough + Lazaro Hernandez (Designer), Harley Weir (Photographer), Charles Levai (Creative Director), Kevin Tekinel (Creative Director), Joe McKenna (Fashion Editor/Stylist), Cyndia Harvey (Hair Stylist)
In this picture: Ellery Harper
Credits for this picture: Jack McCollough + Lazaro Hernandez (Designer), Harley Weir (Photographer), Charles Levai (Creative Director), Kevin Tekinel (Creative Director), Joe McKenna (Fashion Editor/Stylist), Cyndia Harvey (Hair Stylist)
In this picture: Ellery Harper
Credits for this picture: Jack McCollough + Lazaro Hernandez (Designer), Harley Weir (Photographer), Charles Levai (Creative Director), Kevin Tekinel (Creative Director), Joe McKenna (Fashion Editor/Stylist), Cyndia Harvey (Hair Stylist)
In this picture: Ellery Harper
Credits for this picture: Jack McCollough + Lazaro Hernandez (Designer), Harley Weir (Photographer), Charles Levai (Creative Director), Kevin Tekinel (Creative Director), Joe McKenna (Fashion Editor/Stylist), Cyndia Harvey (Hair Stylist)
In this picture: Ellery Harper
Credits for this picture: Jack McCollough + Lazaro Hernandez (Designer), Harley Weir (Photographer), Charles Levai (Creative Director), Kevin Tekinel (Creative Director), Joe McKenna (Fashion Editor/Stylist), Cyndia Harvey (Hair Stylist)
In this picture: Ellery Harper
Credits for this picture: Jack McCollough + Lazaro Hernandez (Designer), Harley Weir (Photographer), Charles Levai (Creative Director), Kevin Tekinel (Creative Director), Joe McKenna (Fashion Editor/Stylist), Cyndia Harvey (Hair Stylist)
In this picture: Ellery Harper
Credits for this picture: Jack McCollough + Lazaro Hernandez (Designer), Harley Weir (Photographer), Charles Levai (Creative Director), Kevin Tekinel (Creative Director), Joe McKenna (Fashion Editor/Stylist), Cyndia Harvey (Hair Stylist)

Vogue Brasil November 2021 Cover

Vogue Brasil November 2021 Cover
Source: vogue.com.br
Published: November 2021

All people in this magazine cover:

Mariana Maltoni – Photographer
Pedro Sales – Fashion Editor/Stylist
Silvio Giorgio – Hair Stylist
Raynara Negrine – Model

Idosos solteiros encontraram uma nova maneira de ter parceiros: morando separados

Temendo que uma ligação romântica tardia na vida resulte em cuidados em tempo integral, muitos casais estão optando por um compromisso sem dividir um lar
Francine Russo, The New York Times – Life/Style, O Estado de S.Paulo

NYT - Life/Style (não usar em outras publicações).
John Backe, 74, e Jill Spoon, 73, preferem viver em casas separadas mesmo estando num relacionamento. Foto: Elizabeth D. Herman/The New York Times

Cerca de três anos após ficar viúva em 2016, a psicoterapeuta Linda Randall, de Chicago, então com 78 anos, sentiu que sua amizade com um viúvo se tornou romântica. Ela namorou com ele na faixa dos 20 anos, depois de seguir o conselho de sua mãe e ser voluntária em um hospital para que pudesse conhecer um médico. Em 2015, ela se reconectou com ele como amiga. Mas agora, diante do romance com este homem seis anos mais velho, ela refletiu.

“Ele não estava muito bem”, ela disse. “Teve dois ataques cardíacos e tinha dois stents. Pensei muito no que fazer.” Coincidentemente, ele morava do outro lado de sua rua, e eles passavam a maioria das noites em seu apartamento. Depois de namorar por mais de um ano, eles manifestaram amor mútuo. No entanto, quando ele pediu para morar com ela, ela disse que não. “Ele ficou magoado no começo”, ela lembrou, “mas eu disse: ‘Gosto do meu espaço e somos diferentes na forma que vivemos ’”.

Cerca de seis meses atrás, ele fez uma cirurgia e precisava de cuidados para se recuperar, Randall, atendendo seus desejos e usando as economias dele, contratou um cuidador residente para ele. Até que ele estivesse bem o suficiente, o cuidador o levava até a casa dela. Agora ele anda sozinho com seu andador e passa os fins de semana com ela quando seu cuidador está de folga. A intimidade deles continua.

Com uma longevidade maior, a duplicação da taxa de divórcio desde a década de 1990 para pessoas com mais de 50 anos e a evolução das normas sociais, pessoas mais velhas como Randall estão cada vez mais buscando parceiros de várias formas. A coabitação, por exemplo, substitui com mais frequência o novo casamento após o divórcio ou a viuvez, disse Susan L. Brown, socióloga da Bowling Green State University, em Ohio.

Esses idosos estão procurando (e encontrando) amorapoio emocional e um antídoto para a solidão. Mas muitas mulheres idosas, em particular, temem que uma ligação romântica tardia na vida leve rapidamente a ser uma cuidadora em tempo integral. Para evitar esse papel, algumas procuram atender às suas necessidades sociais apenas por meio de relacionamentos com familiares e amigos. Margaret Widuckel, uma enfermeira viúva, 75, de Melbourne, Austrália, disse que às vezes sente falta de um parceiro íntimo, mas teme tornar-se uma cuidadora. “Também vejo minhas amigas com maridos frágeis, incapazes de realizar suas próprias atividades, e todas as suas conversas são sobre o que o médico disse ou não”.

Conforme os pesquisadores estudam aqueles que têm parceiros, no entanto, eles descobrem que um número cada vez maior de pessoas está escolhendo um tipo de relacionamento conhecido como LAT (“living apart together”), que significa “vivendo separados juntos”. São relacionamentos românticos de longo prazo, sem compartilhar (ou com a intenção de compartilhar) um lar.

“Uma grande vantagem do LAT é evitar a potencial responsabilidade de se tornar um cuidador em tempo integral”, disse Ingrid Arnet Connidis, professora emérita de sociologia da Western University em London, Ontário. “As mulheres cuidam de seus filhos, pais e cônjuges e querem evitar entrar nesses papéis tradicionais de gênero.”

NYT - Life/Style (não usar em outras publicações).
Muitos casais maduros têm preferido viver em casas separadas mesmo em um relacionamento longo. Foto: Elizabeth D. Herman/The New York Times

Embora os pesquisadores ainda não tenham investigado profundamente a demografia daqueles em relacionamentos LAT, informalmente ele parece ser mais prevalente entre pessoas de níveis socioeconômicos altos o suficiente para poderem manter casas separadas. Em geral, há evidências de que pessoas mais ricas que são solteiras tardias são mais propensas a terem parceiros novamente.

Jill Spoon, 73, e John Backe, 74, um casal LAT em Nova York durante quase uma década, ilustram a complexidade deste laço emocional. Quando Spoon, uma administradora aposentada, e Backe, um pastor aposentado, se conheceram e se apaixonaram, ambos tinham 64 anos e não pensaram na questão dos cuidados. No entanto, optaram por viver nos seus próprios apartamentos, reunindo-se cerca de quatro vezes por semana. Spoon, em particular, após trabalhar em tempo integral e ter uma vida social ativa, queria manter a sua independência e ao mesmo tempo aproveitar a intimidade dos dois.

Três anos depois, a questão dos cuidados surgiu quando Backe passou por uma grande cirurgia cardíaca e precisou de vários meses convalescendo em casa; ele se mudou para o apartamento dela durante aqueles meses. Spoon disse que coordenou os cuidados com suas duas “filhas incríveis”, apoiadas por uma enfermeira visitante e amigos, enquanto ela continuava trabalhando. Este trabalho em equipe agora é o modelo para quaisquer necessidades futuras de cuidado. Nenhum deles quer que o outro se torne seu cuidador principal. “Eu gostaria que John mantivesse um estilo de vida tão vital quanto possível”, ela disse, e ele disse que deseja o mesmo para ela. Ela não tem filhos, mas contaria com seu plano de saúde de longo prazo para contratar ajuda. Para os cuidados com seu parceiro, ela disse: “Eu gostaria de estar envolvida o suficiente porque me importo e o amo, mas não 24 horas por dia, sete dias por semana. Eu não tenho energia para isso”, o que significa “Eu não poderia fazer mais nada ”.

Randall, agora com 81 anos, acha que é mérito seu o fato de criar um relacionamento que satisfaça suas necessidades sem sobrecarregá-la com as de seu parceiro. “Tenho amigos que dizem que nunca querem conhecer ninguém, a menos que sejam 10 ou 15 anos mais jovens, porque entendem que teriam que morar juntos e se tornar o único cuidador”, ela disse. “Eu não ia fazer isso. Acho que tenho o melhor de dois mundos. Ele é um homem doce e amoroso, e acrescenta muito à minha vida. ” /TRADUÇÃO LÍVIA BUELONI GONÇALVES

Justiça determina fim da tutela de Britney Spears

Após 13 anos e muitas manifestações de fãs, cantora reconquista seus direitos
EFE

Fãs de Britney Spears comemoram o fim de sua tutela
Fãs de Britney Spears comemoram o fim de sua tutela Foto: Mike Blake/Reuters

A juíza Brenda Penny ordenou nesta sexta-feira, 12, o fim da tutela legal de maneira imediata da cantora norte-americana Britney Spears, que soma uma fortuna avaliada em cerca de 60 milhões de dólares, após 13 anos.

A decisão significa mais uma vitória para a artista, que se pronunciou em junho deste ano pela primeira vez contra seu pai, que deixou de ser seu tutor em setembro por ordem da mesma juíza. A custódia da cantora se manteve a cargo de um funcionário do estado da Califórnia e foi apenas hoje que Spears se libertou de qualquer tutela legal.

Após a publicação da decisão, centenas de fãs da cantora de 39 anos, reunidos do lado de fora do edifício da Corte Superior de Los Angeles, reagiram lançando confete rosa para o alto e entoando cânticos a favor de Spears, que havia taxado de “abusiva” sua tutela anteriormente.

Nas redes sociais, a artista pop compartilhou um vídeo de admiradores comemorando o fim da tutela. A cantora agradeceu por ajudarem a libertá-la com o movimento #FreeBritney. “Meu Deus, eu amo tanto meus fãs que é uma loucura !!! Acho que vou chorar o resto do dia !!!! Melhor dia de todos … louvado seja o Senhor”, escreveu. Confira:

Em declarações diante do tribunal em junho, Spears solicitou que a deixassem recuperar sua vida e denunciou que, embora tivesse a intenção de ser mãe, seu tutor, então seu pai, não a deixava ir ao médico para se desfazer do dispositivo intrauterino que havia inserido.

Houve uma reviravolta no caso em setembro, após o jornal The New York Times publicar uma reportagem com declarações de três pessoas que haviam trabalhado para a artista durante sua tutela: um segurança, uma assistente e sua figurinista. Entre os depoimentos mais espinhosos, o segurança afirmou que o pai da cantora mandou instalar microfones na casa de Britney, cujas chamadas e mensagens eram interceptadas, incluindo as comunicações com o próprio advogado e com seus filhos. / Tradução de André Cáceres. Colaborou Júnior Moreira Bordalo. 

Aquisições do Facebook revelam apetite por metaverso

Simultaneamente, empresa é investigada nos Estados Unidos em processo antitruste por compor monopólio nas redes sociais

Mark Zuckerberg aposta no ‘metaverso’ para o futuro do Facebook

Facebook, agora renomeado de Meta (grupo que controla o Instagram, WhatsApp e o Facebook), realizou um total de 21 aquisições de empresas de tecnologia nos últimos três anos, de acordo com o banco de dados do mercado Pitchbook, reporta o site especializado Recode.

As compras são de áreas consideradas estratégicas pela empresa de Mark Zuckerberg: games e realidade virtual, essenciais para estabelecer o metaverso — principal aposta da companhia para o futuro da internet. Só neste ano, foram adquiridas a Within, Unit 2 Games, Bigbox VR e Downpour Interactive, que indicam o investimento que a Meta tem feito na nova categoria de serviço em que pretende ser líder.

O movimento acontece em meio à nova investigação do governo americano em processo antitruste sob a qual o Facebook está submetido. Segundo a Comissão Federal de Comércio americana (FTC, na sigla em inglês), em declaração feita em agosto deste ano, a companhia compõe um monopólio de redes sociais, pedindo que a companhia fosse “quebrada” e vendesse o Instagram (comprado em 2012 por US$ 1 bilhão à época) e o WhatsApp (adquirido em 2014 por US$ 19 bilhões). O processo está em análise nos Estados Unidos.

Processo

Desde o ano passado o governo americano vem se posicionando contra as aquisições feitas pelo Facebook. Documentos obtidos por uma investigação do Congresso dos Estados Unidos, revelados em julho de 2020, mostram que o presidente executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, teve a intenção de comprar o Instagram para se proteger de competição no mercado. Durante uma troca de e-mails com o diretor financeiro da empresa, David Ebersman, em 2012, Zuckerberg chega a dizer que “se eles (o Instagram) crescerem em larga escala, pode ser muito prejudicial para o Facebook”.

“Esses negócios estão começando ainda mas as redes estão estabelecidas e as marcas já são significativas”, disse Zuckerberg na troca de emails, em referência ao Instagram e também a outra rede social, chamada Path. “Já que nosso próprio valor é bastante agressivo e que somos vulneráveis em dispositivos móveis, estou curioso para saber se devemos considerar ir atrás de um ou dois deles. O que você acha?”, questionou Zuckerberg em uma mensagem a Ebersman.

Em resposta, Ebersman pediu para o presidente do Facebook explicar a motivação por trás dessas possíveis aquisições — ele listou quatro possíveis razões consideradas em geral para comprar empresas e pediu a Zuckerberg sua opinião para o caso em questão. Zuckerberg respondeu que tratava-se de uma combinação de evitar competição e melhorar o Facebook. “Há um efeito de rede em torno de produtos sociais e um número finito de diferentes mecanismos sociais para inventar. Quando alguém ganha em uma mecânica específica, é difícil para outros substituir sem fazer algo diferente.” / COM REUTERS

Netflix e General Mills lançam cereais com design inspirado em “Stranger Things”

A 4ª temporada da série estreia em 2022 e vai se passar no ano de 1986
Carolina Firmino

Imagem: Reprodução Netflix

General Mills é uma das 10 maiores empresas de alimentos do mundo e é muito conhecida pelo estilo de suas caixas de cereais. Dessa vez, a marca fez uma verdadeira volta no tempo, em parceria com a Netflix, e mergulhou nos anos 80 para lançar designs totalmente inspirados na série “Stranger Things”.

Nas edições limitadas de de Lucky CharmsCinnamon Toast Crunch e Cheerios, a General Mills recuperou imagens da época e uniu a referências de “Stranger Things”, em combinações até mesmo surrais, com montagens com frases ao contrário, ilustrações de cabeça para baixo (brincando com o mundo invertido) e desenhos dos personagens da série.

Há ainda um pôster de “pessoa desaparecida” que apela por informações sobre o paradeiro de Barb e pede para entrar em contato com o xerife Hopper, textos escritos em russo e uma espécie de anúncio sobre o sorteio de uma maratona de compras no Starcourt Mall, além de jogos que podem ser descobertos com a aberturas das caixas.

Cada uma das caixas custa 19,86 dólares, uma referência ao ano em que se passa a 4ª temporada, e será vendida apenas na loja oficial da Netflix.

WSJ. Magazine November 2021  

Chic Fall Pieces   —   WSJ. Magazine November 2021   —   www.wsj.com

Photography: Jeano Edwards Model: Baba Chogwu & Ajayi Temitope Styling: Chloe Grace Press  Hair: Amidat Giwa Make-Up: Kristine Raplh Andres Manicure: Edyta Betka

SMILE: Baba Chogwu & Ajayi Temitope in WSJ. Magazine November 2021 by Jeano Edwards
SMILE: Baba Chogwu & Ajayi Temitope in WSJ. Magazine November 2021 by Jeano Edwards
SMILE: Baba Chogwu & Ajayi Temitope in WSJ. Magazine November 2021 by Jeano Edwards
SMILE: Baba Chogwu & Ajayi Temitope in WSJ. Magazine November 2021 by Jeano Edwards
SMILE: Baba Chogwu & Ajayi Temitope in WSJ. Magazine November 2021 by Jeano Edwards
SMILE: Baba Chogwu & Ajayi Temitope in WSJ. Magazine November 2021 by Jeano Edwards
SMILE: Baba Chogwu & Ajayi Temitope in WSJ. Magazine November 2021 by Jeano Edwards
SMILE: Baba Chogwu & Ajayi Temitope in WSJ. Magazine November 2021 by Jeano Edwards

Daniela Rettore for Harper’s Bazaar Arabia with Mia Kowalczyk

Photographer: Daniela Rettore. Fashion Stylist: Fabio Pravato. Hair Stylist: Stefano Rolandi. Makeup Artist: Chiara Cima. Retoucher: Katya Kachonouskaya. Video: Antonio Gaviraghi. Model: Mia Kowalczyk at Urban Milan