Can Buyukkalkan for Vogue Turkey with Valerie Scherzinger

Photographer: Can Buyukkalkan. Fashion Stylist: Ece Ogutogullari. Hair Stylist: Huseyin Altun. Makeup Artist: Elcin Mutlu. Model: Valerie Scherzinger.

RONALDO FRAGA | SPFW N52

No vídeo de sua nova coleção, chamada Entre Tramas e Beijos, @fragaronaldo tece conexões entre a história da indústria têxtil, a história do Brasil, e as histórias de todos nós.

A história de resistência e reexistência tecida por Ronaldo Fraga começa pelas redes de algodão dos indígenas antes dos portugueses, passando pela primeira tecelagem de Brusque (SC), criada pelo alemão Karl Renaux, para vestir os colonos europeus e chegando aos dias atuais.

A coleção é feita 100% de bases de jacquard, em fios de algodão, seda, linho e viscose, o estilista resgata desenhos florais criados há 100 anos, e também “a fantasia tão necessária nesses tempos cinzas e áridos.”

LILLY SARTI | SPFW N52

Pensada no inverno e baseada no universo das pinturas rupestres, a @lillysartibrand trouxe em sua nova coleção cores vivas na medida certa e figuras de animais que são bordadas inclusive nas jaquetas de couro e nos casacos de pele sintética.

As calças compridas podem ser vistas com diferentes modelagens nesta estação, já o brilho sendo apresentado nos couros metalizados, nas malhas com efeito craquelado prateado e nos tules pretos com aplicações em dourado. Os looks transparentes trazem por baixo tops no mesmo tecido, facilitando o futuro styling.

Um olhar sobre o escritório da Interproteccion na Cidade do Novo México

A seguradora Interproteccion contratou a firma de arquitetura e design de interiores SPACE para projetar seu novo escritório na Cidade do México, México.

interproteccion-office-10
Breakout space

“Os escritórios não são mais apenas lugares para trabalhar, são espaços para interagir, colaborar, conectar, fortalecer a resiliência e até mesmo brincar. Isso é alcançado por meio de espaços animados e lúdicos que permitem que os colaboradores se desconectem, mas também vivenciem, daí o conceito cunhado por SpAce: The Resilient WorkPLAYce.

O vírus confirmou o fato de sermos seres frágeis e vulneráveis, tanto física quanto emocionalmente, e por isso a importância de proteger a saúde e fortalecer o sistema imunológico e mental tem aumentado. Assim, surge um modelo de trabalho diferente, mais empático, mais flexível e muito mais divertido, com uma adaptação física confortável e acolhedora que oferece iluminação e acústica estratégicas para potenciar momentos agradáveis. A tendência mundial de melhoria da saúde e busca do bem-estar certamente se reflete no espaço.

Em constante evolução de motivação e produtividade, o projeto baseou-se na interligação de espaços de trabalho com o equilíbrio certo para o trabalho individual e coletivo, com alta eficiência nos processos de higienização, que também permite escolher a quantidade de estimulação sensorial e suporte físico para cada momento de trabalho.

Os acabamentos fazem parte integrante do projeto, ao combiná-los de forma complementar, descobrimos tapetes coloridos, vidros, madeira, vinil e móveis que valorizam a ligação entre colaboradores e lideranças. Em geral, as cores neutras predominam em todo o projeto, mas em alguns pontos-chave (paredes, colunas e tapetes) foram utilizados tons claros de acordo com uma paleta de cores que uniformiza a imagem e ajuda a reforçar a identidade da corporação.

A atmosfera e as sensações que emanam deste espaço foram geradas estrategicamente com elementos arquitectónicos que remetem a um local muito diferente de uma tradicional empresa. Com o objetivo de incentivar a socialização em um ambiente descontraído, fresco, natural e totalmente acolhedor, uma grande cafeteria é projetada como o coração da empresa – o ponto nodal que conecta os três níveis da empresa em diferentes ambientes para atingir diferentes níveis de privacidade e colaboração. Na parede de uma cafeteria, modelada com linhas pretas sobre fundo branco, diferentes rostos que o artista gráfico interpreta como “contos para viver hoje, porque amanhã quem sabe” foram moldados com o intuito de ativar a criatividade e inspirar.

A Interprotección queria integrar um elemento icônico em seus escritórios: um slide. Por se tratar de uma organização inovadora, futurista e vanguardista, a visão da empresa é projetada através deste componente diferente e divertido que conecta os dois níveis. É importante alimentar o conceito da importância do jogo e da diversão em um local de trabalho como parte da experiência, assim como é defendido em The Resilient WorkPLAYce. Uma visita à Interprotección, tanto de colaboradores como de visitantes, dificilmente será esquecida. ”

  • Location: Mexico City, Mexico
  • Date completed: January 2020
  • Size: 34,444 square feet
  • Design: SPACE
  • Photos: Aldo Cárdenas Gracia
interproteccion-office-2
Breakout space
interproteccion-office-11
Lounge
interproteccion-office-3
Breakout space
interproteccion-office-5
Corridor
interproteccion-office-6
Café
interproteccion-office-4
Open-plan workspace
interproteccion-office-7
Open-plan workspace
interproteccion-office-9
Open-plan workspace
interproteccion-office-8
Collaborative space
interproteccion-office-12
Breakout space

Lais Ribeiro cruzará passarela no SPFW nesta quarta-feira: “Saudades de desfilar no meu país”

A top, que está entre as modelos mais prestigiadas da atualidade, desfilará com exclusividade para a Torinno

Laís Ribeiro (Foto: Divulgação)
Laís Ribeiro (Foto: Divulgação)

edição N52 do São Paulo Fashion Week, a primeira presencial em dois anos, está entregando tudo que prometeu. Entre as modelos confirmadas para a semana, está a top Lais Ribeiro, que desfilará com exclusividade para a Torinno, nesta quarta-feira (17.11).

Torinno (Foto: Charles Naseh)
Torinno (Foto: Charles Naseh)

Aos 31 anos, a modelo piauiense, que já conquistou os quatro cantos do mundo da moda, retorna ao seu país de origem para cruzar a passarela a bordo das criações de Luis Fiod, diretor criativo da label.

A ocasião marca ainda o primeiro desfile da top depois do periodo de quarentena por conta da pandemia de coronavírus. Em bate-papo exclusivo com a Vogue Brasil, ela refletiu sobre o momento: “Estou um pouco nervosa porque faz muito tempo…. Dois anos quase. Os eventos presenciais lá fora já começaram né, mas o primeiro que fui achei um pouco estranho de tanta gente que tinha, mas foi super bem organizado e todo mundo estava vacinado, testado. E aqui no Brasil é sempre bom voltar, fico feliz que as coisas estão começando a andar em um rumo certo, que as pessoas estão vacinadas. Amo voltar para São Paulo, estava com saudades de fazer Fashion Week, já faz cinco anos que não faço, então é sempre bom voltar, rever meus amigos… sempre tento manter o contato com as pessoas que me marcaram nesse mundo fashion. Fico muito feliz que finalmente está rolando!”.

Por falar em pandemia, Lais ainda revelou à reportagem a primeira coisa que fez assim que a situação do vírus se tornou mais controlada: “Para mim foi ver minha família. Eu realizei esse plano um tempo atrás, graças a deus. Passei um ano longe, sendo que geralmente eu fico de seis em seis meses sem vê-los, e meu avô e avó estão velinhos, então a primeira coisa que eu fiz quando pude foi visitar minha família, ver que todos estão bem, o que me deu um pouco de paz, sabe?”. 

Antes disso, a top aproveitou que estava de mudança para Miami para viajar com o filho e o noivo, o jogador de basquete Joakim Noah. “Fiquei pulando de galho em galho durante a pandemia, porque a gente não estava achando uma casa para comprar e tudo mais, então a gente viajou. Eu, meu filho e meu noivo ficamos sete meses longe, cada um com uma mala, tava tudo guardado no storage… Agora que a gente está em uma casa, meu closet está um evento, reencontrei peças que fazia tempo que não via e é bem legal rever algumas coisas. Mas eu limpei também o closet, tirei uns 15 sacos de roupa para doar”, conta a bela. 

Com uma carreira sólida de mais de 10 anos, Lais coleciona trabalhos com as mais importantes marcas de luxo do mundo. A top brasileira, natural de Miguel Alves, uma cidade rural no interior do Piauí, hoje configura na lista das modelos mais sexys do globo e desponta entre as mais prestigiadas supermodelos da atualidade. Porém, muito mais do que um rosto bonito, Lais prova que, assim como na passarela, é uma mulher de atitude. 

Mãe de Alexandre, diagnosticado com autismo ainda na infância, a top tornou-se importante porta-voz da causa, usando inclusive a moda para falar do assunto: “Ela é uma plataforma importante para dar voz a diversas causas e temas que têm pouca atenção e visibilidade. Ver todo esse movimento de inclusão nos desfiles é um grande passo, precisávamos disso”.

Laís Ribeiro (Foto: Divulgação)
Laís Ribeiro (Foto: Divulgação)

Lais, qual a sensação de retornar às passarelas brasileiras depois de tanto tempo e da pandemia?
A sensação é de frio na barriga e de saudades de desfilar no meu país! É uma mistura de felicidade e de relembrar onde comecei. Reencontrar amigos e pessoas do mercado que não vejo faz tempo é reviver um momento muito importante. Eu me sinto honrada por participar e estar aqui depois de tanto tempo.

Falando em pandemia, como foi esse período para você?
Foi um período de muito aprendizado e autoconhecimento, de parar pra dar mais atenção às coisas que antes, na correria do dia a dia, não conseguíamos dar atenção. Minha conexão com a família, meu noivo e meu filho foram muito importantes.

Para você, qual a importância e o tamanho do SPFW no mundo da moda?
O SPFW foi o primeiro evento importante que eu participei, foi onde pude conhecer mais sobre o que é nossa moda. É um evento extremamente importante, mostra muito da nossa cultura e dos talentos criativos que temos no Brasil.

Desde que descobriu o autismo do seu filho Alexandre você se tornou uma porta-voz do assunto. Acredita que a moda é uma ferramenta para levantar bandeiras e debater pautas sociais?
Com certeza, a moda é uma plataforma importante para dar voz a diversas causas e temas que têm pouca atenção e visibilidade. Ver todo movimento de inclusão nos desfiles é um grande passo, precisávamos dessa mudança. Fico feliz por ver representatividade racial, de corpos, de gêneros…é um movimento nunca visto e que precisa seguir adiante.

O Alexandre já demonstra alguma curiosidade pelo universo fashion ou desejo de seguir os passos da mãe?
Ele entende, mas não é muito o foco dele. O Alexandre está com 13 anos, se interessa por outras coisas. Ele gosta muito de brincar com os amigos.

Lais Ribeiro desfila para a Torinno nesta quarta-feira (17.11), no Pavilhão das Culturas Brasileiras do Parque do Ibirapuera, zona sul de São Paulo.

Dois homens condenados pelo assassinato de Malcolm X serão absolvidos mais de 50 anos depois

Investigação de 22 meses conclui que Muhammad A. Aziz e Khalil Islam foram presos injustamente pela morte do ativista, na década de 1960
O Globo e New York Times

Malcom X reza na Grande Mesquita de Mohammed Ali em Cairo Foto: John Launois / Camera Press / Reprodução

WASHINGTON — Dois homens condenados em 1966 pelo assassinato do ativista Malcom X, um dos maiores expoentes da luta contra o racismo, serão absolvidos, anunciou nesta quarta-feira o gabinete do promotor de Manhattan, Cyrus Vance. A exoneração de Muhammad A. Aziz e Khalil Islam representa um reconhecimento notável dos graves erros cometidos no caso.

— Esses homens não tiveram direito à justiça que mereciam — disse ao New York Times o promotor, cujo gabinete confirmou que haverá uma entrevista coletiva na quinta-feira, após a “anulação das condenações injustificadas” de Aziz e Islam.

Uma investigação de 22 meses, conduzida em conjunto pelo gabinete do procurador do distrito de Manhattan, o Projeto Inocência e o escritório de David Shanies, um advogado de direitos civis, descobriu que promotores e duas das principais agências de segurança do país — o FBI e o Departamento de Polícia de Nova York — ocultaram as principais evidências que provavelmente teriam levado à absolvição dos homens.

Os dois, conhecidos na época como Norman 3X Butler e Thomas 15X Johnson, passaram décadas na prisão pelo assassinato, ocorrido em 21 de fevereiro de 1965, quando três homens abriram fogo dentro de um salão lotado em Manhattan quando Malcolm X começava a discursar.

Os documentos incluem informações que envolviam outros suspeitos e não apontavam para Islam e Aziz. As notas dos promotores ainda indicam que eles não divulgaram a presença de policiais disfarçados no salão no momento do ataque. E os arquivos do Departamento de Polícia revelaram que um repórter do New York Daily News recebeu uma ligação na manhã do crime indicando que Malcolm X seria assassinado.

Os investigadores também entrevistaram uma testemunha viva, conhecida apenas como J.M., que apoiou o álibi de Aziz, sugerindo que ele não participou do crime, mas estava, como disse à época do julgamento, em casa cuidando de um ferimento nas pernas. 

— Isso não foi um mero descuido —  disse a advogada Deborah François. — Foi um produto de má conduta oficial extrema e grosseira.

A acusação contra eles era questionável desde o início e, nas décadas seguintes, historiadores levantaram dúvidas sobre a versão oficial. Uma revisão do caso, que foi realizada após um documentário explosivo sobre o assassinato e uma nova biografia, trouxe de novo o caso à tona. Mas não identificou quem os promotores agora acreditam que realmente matou Malcolm X,. Além disso, aqueles que foram anteriormente implicados, mas nunca presos, estão mortos.

Também não foi descoberta uma conspiração da polícia ou do governo para assassiná-lo. Outras perguntas, sobre como e por que a polícia e o governo federal não conseguiram evitar o assassinato, também ficaram sem resposta.

A investigação enfrentou sérios obstáculos. Muitos dos envolvidos no caso, incluindo testemunhas, investigadores e advogados, bem como outros possíveis suspeitos, morreram há muito tempo. Documentos importantes foram perdidos e as evidências físicas, como armas do crime, não estavam mais disponíveis.

— Isso aponta para a verdade de que a aplicação da lei ao longo da história muitas vezes falhou em cumprir suas responsabilidades — disse Vance, que se desculpou em nome da polícia. — Essas falhas não podem ser corrigidas, mas o que podemos fazer é reconhecer o erro, a gravidade do erro.

Em um momento em que o racismo e a discriminação no sistema de justiça criminal dos EUA são mais uma vez foco de protestos, a exoneração revela uma verdade amarga: duas das pessoas condenadas pelo assassinato de Malcolm X — homens muçulmanos negros detidos às pressas e julgados com provas instáveis — foram eles próprios vítimas da própria discriminação e injustiça que ecoou no país ao longo de décadas.

Louis Vuitton Women’s Spring-Summer 2022 Show in Shanghai

Nicolas Ghesquière will present his Louis Vuitton Women’s Spring-Summer 2022 Collection in Shanghai, featuring exclusive new looks. Watch live on Wednesday November 17th at 7pm (UTC+8) on Youtube or louisvuitton.com

TORINNO | SPFW N52

Inspirada no verão de grandes metrópoles à beira-mar, num misto do calor extravagante de Dubai com o lifestyle cool effortless de Los Angeles, o estilo easy chic da marca mescla detalhes vindos do high fashion com o frescor casual típico da pegada esportiva.

Criada em 2017 pelo stylist e diretor criativo @luisfiod, a @torinno27 estreou no SPFW em 2018 dentro da lista de marcas de moda masculina do evento. E agora lança a sua primeira coleção feminina.

Apple permitirá que usuários consertem seus próprios iPhones

O inferno acabou de congelar com a nova — e, francamente, inesperada — notícia da Apple.

A empresa acaba de anunciar o Self Service Repair, um novo programa desenvolvido para permitir que usuários executem reparos comuns em seus dispositivos, em casa. Por meio do serviço, consumidores com dispositivos danificados receberão ferramentas e componentes genuínos da Apple — os mesmos usados em Apple Stores e Centros de Serviço Autorizados Apple (CSAAs).

A empresa também oferecerá manuais de reparo online (em texto), acessíveis por meio da nova loja online de autoatendimento para reparo. O sistema é semelhante ao que a empresa implementou para provedores de reparos independentes e começará oferecendo suporte para as linhas de iPhones 12 e 13 — no começo, com foco nos reparos mais comuns como consertos de tela, bateria e câmera. Ainda segundo a Maçã, um serviço semelhante para Macs com Apple Silicon será anunciado em breve.

Apple Self Service Repair

A criação de maior acesso às peças genuínas da Apple dá aos nossos clientes ainda mais escolha se um reparo for necessário. Nos últimos três anos, a Apple quase dobrou o número de locais de serviço com acesso a peças, ferramentas e treinamento genuínos da Apple e agora estamos oferecendo uma opção para aqueles que desejam concluir seus próprios reparos.

—Jeff Williams, vice-presidente sênior de operações da Apple.

Quando for lançada nos Estados Unidos, no início de 2022, a loja oferecerá cerca de 200 peças e ferramentas aos consumidores — cujos preços ainda não foram divulgados. A Apple informou, ainda, que planeja expandir a iniciativa para outros países já no ano que vem.

Apple Self Service Repair

Ainda de acordo com a companhia, executar um conserto em domicílio não anula a garantia do dispositivo, embora isso possa acontecer caso você danifique ainda mais o produto no processo de repará-lo — portanto, é preciso seguir os manuais com atenção.

A iniciativa marca uma mudança significativa para a Apple, que historicamente restringiu o acesso a peças e manuais de reparo — bem como aplicativos de diagnóstico e calibração de dispositivos que passaram por consertos. Aliás, ainda precisamos saber como será que a Apple resolverá tais problemas de diagnóstico e calibração de reparos feitos em casa — a empresa não comentou ainda esse assunto.

Justamente por causa de tais restrições, a Apple vinha sendo fortemente pressionada por defensores do Direito ao Reparo (Right to Repair), um movimento que visa justamente fornecer aos consumidores mais liberdade no reparo de dispositivos.

Expansão de acesso a reparo

No mesmo comunicado, a Apple informou que, nos últimos três anos, quase dobrou o número de locais de serviço com acesso a peças genuínas, ferramentas e treinamento, incluindo mais de 2.800 provedores de reparo independentes.

O programa — intitulado Independent Repair Providers — foi inicialmente lançado nos EUA em 2019, e desde então cresceu para mais de 200 países, permitindo que assistências independentes tenham acesso aos mesmos treinamentos, peças e ferramentas quanto outros prestadores de serviços autorizados da Apple. [MacMagazine]