Os segredos dos bares ‘escondidos’, com senha para entrar e nada de fotos

Reservas para os estabelecimentos são feitas por links; só no dia marcado, o cliente recebe o código e o endereço do local
Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

Speakeasy
Entrada do Bar Exit, localizado no bairro Jardins, em São Paulo; conceito de bares ‘escondidos’, com senhas e localização secreta, tem se espalhado pela capital  Foto: DANIEL TEIXEIRA/ ESTADAO

Três batidas na porta. Longos segundos até alguém abrir uma espécie de escaninho e perguntar: qual é a senha? Sem ela, nada feito. A voz vai se calar e você não terá acesso aos mistérios e prazeres guardados do outro lado.

Felizmente, a reportagem do Estadão tinha a senha do dia: Der Spanhol (tive medo de uma pronúncia errada colocar tudo a perder). Assim, conseguimos entrar no Exit, um dos bares secretos da cidade. Mesmo dentro da casa, a orientação é ter parcimônia com as fotos e só registrar o balcão. 

Para “encontrá-lo”, o interessado deve fazer uma reserva por meio de um link no Instagram da casa (@exitbarsp). Só no dia marcado, o cliente vai receber o endereço e a senha do bar. O espaço conta com poucos lugares, boa trilha sonora e coquetelaria premiada – com uma carta do bartender Márcio Silva (uma das figuras mais influentes do mercado de bares e restaurantes, de acordo com a publicação Drinks International).

São Paulo vive uma febre desse tipo de estabelecimento. O conceito básico vem de Speakeasy, termo usado para identificar bares e restaurantes que vendiam ou produziam bebidas alcoólicas durante a Lei Seca nos Estados Unidos (1920-1933). Na época, eles estavam conectados com a ideia de ilegalidade. Hoje, claro, esse tipo de bar vende muito mais a “brincadeira”, o “teatro” e, principalmente, a ideia de exclusividade.

Mas descobrir o Exit foi até fácil perto daquilo que o SS, novo empreendimento secreto da cidade, propõe. Desta vez, o convite veio acompanhado por uma série de regras: não divulgar o endereço, sequer o nome (apenas uma abreviação), nem uma pista sobre a fachada e nada de fotos. Sigilo absoluto.

Para chegar ao SS (abreviação do nome que não pode ser divulgado), a reportagem recebeu um WhatsApp horas antes da visita. Sem o convite dos donos, a outra hipótese de visitar o espaço é conhecer um dos 100 afortunados que, neste primeiro momento, receberam um disputado cartão dourado. Este cartão, que hoje está nas mãos de empresários, investidores e celebridades, funciona como um passe para reservas e também oferece a possibilidade de levar 4 acompanhantes por visita. Em um futuro breve, mais 400 cartões devem ser distribuídos entre pessoas escolhidas pela direção do SS.

O empreendimento fica escondido dentro de uma loja, localizada em um bairro conhecido pelos seus restaurantes e a presença de marcas caras. Dentro desta loja, o cliente ganha uma chave para acessar o que existe por trás de uma inocente brincadeira de criança (não posso revelar mais). 

Definitivamente, o SS não é apenas um bar. A fachada esconde a grandiosidade de uma construção com cerca de nove metros de pé-direito. Projetado pelo arquiteto Herbert Holdefer, a casa tem dois níveis e um visual que remete às fantasias apocalípticas ou a um futuro imaginado por um sonhador do século 18. Segundo os proprietários, o investimento foi de R$ 9 milhões.

O espaço tem música ao vivo (jazz e pop adulto) e gastronomia assinada pelo chef Luiz Filipe Souza, do restaurante Evvai. Além disso, a coquetelaria é um marco da casa. O responsável pelos drinques autorais é a estrela peruana Aaron Diaz (dono do bar Carnaval, em Lima, no Peru, considerado um dos melhores do mundo).

Os drinques foram inspirados no movimento surrealista, principalmente nas obras do belga René Magritte. Um coquetel como Forbidden Fruit (gim, suco de maçã, Chartreuse verde, Chartreuse amarelo, suco de limão) vem em um copo que faz referência a O Filho do Homem, uma das obras mais famosas do artista. A equipe de bar é multicultural (brasileiros, chilenos e peruanos). A casa tem uma sala específica para a produção do gelo usado nos coquetéis (atração para os aficionados em coquetelaria que Diaz importou do seu premiado bar em Lima).

Os drinques autorais custam R$ 89 e R$ 99. Ou seja, a expectativa é mesmo atingir o chamado público AAA. Na noite que estive no local, cruzei com o ex-jogador de futebol Adriano Imperador e o ator Caio Castro. Não tenho fotos e nenhum deles foi incomodado por ninguém – já que todos os frequentadores da casa são convidados a tampar a câmera do celular com um adesivo (entregue logo na entrada). Pra quem gosta de postar stories ou fotos no Insta, a experiência é de autocontrole. 

Escondidos

Nem todo bar é secreto. Alguns são apenas muito bem escondidos. Como é o caso do novo O Carrasco Bar. Trata-se de um bar dentro de um bar, um speakeasy improvável por trás de uma cortina no Guilhotina (um dos bares mais respeitados da cidade). Ele só pode ser acessado por reserva (feitas por meio de direct no @ocarrascobar). Ele tem inspiração marroquina e pode abrigar cerca de 30 pessoas. A coquetelaria é assinada pelo bartender Spencer Amereno – que também recebe os clientes. A cozinha está a cargo do chef Cassiano Oliveira. 

Quer mais bares escondidos em restaurantes? Tem o Infini (@infini.bar), escondido nos fundos do restaurante La Casserole, no Largo do Arouche. Outro exemplo é o restaurante Così, que acaba de inaugurar um espaço para coquetelaria autoral dentro de uma tabacaria quase só frequentada por associados, a Caruso Lounge (@carusolounge). 

Para quem gostou da ideia de senhas, uma opção é o Iscondido Bar. Para entrar na casa, você precisa repetir a senha do dia – que pode ser adquirida pelo direct no @iscondido.bar. Já na pegada bar e destilaria (sem a necessidade de senhas), a opção é o São Paulo Urban Distillery. O bar, escondido dentro do bar Drosophyla (@drosophylabar), trabalha com uma marca de gim produzida no próprio local.

Nem tão escondidos assim, mas que você precisa de atenção para achar, são o Fel (@fel.sp), que fica embaixo do edifício Copan; o Bar dos Arcos (@bardosarcos), no subsolo do Teatro Municipal; o Bar do Cofre (@bardocofre), no prédio do Farol Santander; o tradicional Sub Astor (@subastor), no bar Astor da Vila Madalena; o The Punch (@thepunchsp), um bar de coquetelaria oriental em uma galeria no bairro do Paraíso; e o Nu i Cru (@nu.i.cru), dentro da Casa das Caldeiras, na Água Branca. Quem quiser sair da cidade de São Paulo, também pode descer a serra e ir a Santos. Por lá, tem o Hideout, speakeasy que só pode ser acessado via direct no @hideout.speakeasy. 

Inside Karl Lagerfeld’s French Home Filled With Wonderful Objects | Vogue

In this episode of Objects of Affection, Lady Amanda Harlech takes Vogue on a tour through Karl Lagerfeld’s treasures ahead of a landmark Sotheby’s auction. Watch as Amanda shows everything from Karl’s beautiful royal blue upholstered Bruno Paul couch to his replica Adolph Menzel paintings.

Neste episódio de Objetos de Afeto, Lady Amanda Harlech leva a Vogue em um tour pelos tesouros de Karl Lagerfeld antes de um leilão da Sotheby’s. Veja como Amanda mostra de tudo, desde o lindo sofá estofado em azul royal de Karl até suas réplicas de pinturas de Adolph Menzel.

Apple deixa Top 5 em vendas de smartphones na América Latina

Por outro lado, a Maçã retomou a vice-liderança no ranking global

Como faz todos os trimestres, a Counterpoint Research divulgou recentemente o Mobile Market Monitor (sua reunião de dados do mercado global de smartphones) referente ao terceiro trimestre de 2021. E a Apple tem, num geral, boas notícias para comemorar… e outras nem tanto.

Globalmente, a Maçã reconquistou o segundo lugar geral do segmento, com uma fatia de mercado de 14% — apenas a Samsung, líder já há muitos anos, superou a empresa de Cupertino, com 20%. No trimestre anterior, a Apple tinha sido superada pela Xiaomi, e no terceiro trimestre do ano passado, a Maçã tinha conquistado um amargo quarto lugar, ultrapassada também pela Huawei.

Counterpoint Research sobre smartphones, terceiro trimestre de 2021

Falando sobre números específicos, o mercado global de smartphones viu o despacho de cerca de 342 milhões de unidades, uma queda de 6% em relação aos 366 milhões do terceiro trimestre de 2020. A Apple por sua vez, cresceu cerca de 15%, com 48 milhões de iPhones vendidos no período mais recente — fruto, segundo os analistas da Counterpoint, da “demanda persistente” pelos iPhones 12 e do lançamento bem-sucedido dos iPhones 13.

Analisando os mercados por região, a Apple pode respirar aliviada no seu principal território, a América do Norte: por lá, a Maçã segue como líder incontestável, com quase metade do market share capturado para si. Na nossa querida América Latina, por outro lado, a empresa deixou o Top 5: o mercado, como de costume, é dominado pela Samsung (36%); Motorola (23%), Xiaomi (10%), ZTE (5%) e OPPO (4%) puxam o pelotão de frente.

Vejamos, agora, como o cenário há de se desenhar nos próximos trimestres.

VIA PATENTLY APPLE

La vérité sur les looks d’Isabelle Huppert, de 1974 à aujourd’hui | Life In Looks | Vogue France

Pour sa couverture de décembre 2021, Vogue France a fait appel à nulle autre qu’Isabelle Huppert. On ne présente plus l’actrice française qui fait indéniablement partie des grandes légendes du cinéma français. Claude Chabrol, Michael Haneke, François Ozon, Wes Anderson… Elle a tourné avec les plus grands, en France comme à l’international, dans des films devenus des classiques du 7ème art comme 8 Femmes, La Pianiste, La Caméra de Claire. César de la Meilleurs actrice en 1996 pour La Cérémonie, Isabelle Huppert a également été nommée aux Oscars en 2017 pour Elle, réalisé par le Néerlandais Paul Verhoeven. Et tout cela sans évoquer sa prolifique carrière sur les planches de théâtre (on se souvient tous de sa performance éblouissante dans Mary Said What She Said de Robert Wilson au Théâtre de la Ville). A l’occasion de la sortie du nouveau numéro de Vogue France, Isabelle Huppert est donc l’invitée de la vidéo “Life in Looks”, dans laquelle elle revient sur les outfits mode qui ont marqué sa vie, de 1974 à aujourd’hui. D’un simple t-shirt estampillé Mickey pour le film Les Valseuses de Bertrand Blier en 1974 avec Gérard Depardieu, comme de son inoubliable robe noire dans Madame Bovary – personnage qui aurait beaucoup aimé lire Vogue, selon l’actrice -, on découvre les looks de red carpet les plus tendances d’Isabelle Huppert. Une robe d’un rouge intense signée Armani à l’after-party Vanity Fair des Oscars en 2017, un modèle Dior aux Césars la même année, sans oublier son apparition remarquée au photocall du défilé Balenciaga printemps-été 2022 à la Fashion Week de Paris et au dernier MET Gala, pour lequel elle avait confié une nouvelle fois à Demna Gvasalia le soin de lui concocter une robe Balenciaga sur mesure plus que spectaculaire… Retrouvez les grands moments mode d’Isabelle Huppert, et bien plus encore, dès maintenant.

Para sua capa de dezembro de 2021, a Vogue France convocou ninguém menos que Isabelle Huppert. Já não apresentamos a atriz francesa que é indiscutivelmente uma das grandes lendas do cinema francês. Claude Chabrol, Michael Haneke, François Ozon, Wes Anderson… Percorreu com grandes nomes, em França e no estrangeiro, filmes que se tornaram clássicos da 7ª arte como 8 Femmes, La Pianiste, La Camera de Claire. César de Melhor Atriz em 1996 por A Cerimônia, Isabelle Huppert também foi indicada ao Oscar de 2017 por Elle, do holandês Paul Verhoeven. E tudo isso sem falar de sua prolífica carreira no palco (todos nós nos lembramos de sua atuação deslumbrante em Mary Said What She Said, de Robert Wilson, no Théâtre de la Ville). Por ocasião do lançamento do novo número da Vogue França, Isabelle Huppert é, portanto, a convidada do vídeo “Life in Looks”, em que faz uma revisão dos looks de moda que marcaram a sua vida, de 1974 aos dias de hoje. Desde uma simples t-shirt estampada do Mickey para o filme Les Valseuses de Bertrand Blier em 1974 com Gérard Depardieu, até ao seu inesquecível vestido preto em Madame Bovary – personagem que teria gostado de ler Vogue, segundo a atriz -, nós descubra os looks mais modernos de Isabelle Huppert no tapete vermelho. Um vestido vermelho intenso de Armani na after-party do Oscar da Vanity Fair em 2017, uma modelo da Dior no Césars no mesmo ano, sem falar de sua notável aparição no photocall do desfile de moda primavera-verão 2022 da Balenciaga na Fashion Week de Paris e no o último MET Gala, para o qual ela mais uma vez confiou a Demna Gvasalia a tarefa de confeccionar para ela um vestido Balenciaga sob medida mais do que espetacular… Descubra os grandes momentos da moda de Isabelle Huppert, e muito mais, agora.

Talent : Isabelle Huppert
Head of Editorial Content : Eugénie Trochu
Producteur : Mathias Holst
Assistant de production : Amaury Delcambre
Réalisatrice : Nikki Petersen
Chef Opérateur : Etienne Baussan
Assistant caméra : Franck Onouviet
Ingénieur du son : Sébastien Pomier
Cheffe déco : Manon Simonot
Styliste : Jonathan Huguet
Coiffure : Yumiko Hikage
Maquilleuse : Morgane Martini
Manucure : Alexandra Janowskia
Montage: Sofiana Pubill
Etalonnage: Etienne Baussan

-C.A.P.A.C. / SN PRODIS / UNIVERAL PICTURES FRANCE / Ronald Grant Archive / Alamy Stock Photo Les Valseuses réalisé par Bertrand Blier, 1974

-Collection Christophel / Prisma Loulou réalisé par Maurice Pialat, 1980

-©Samuel Goldwyn/courtesy Everett Collection Madame Bovary réalisé par Claude Chabrol, 1991

-© collection Odéon-Théâtre de l’Europe / photos Abisag Tüllmann Orlando, mise en scène par Robert Wilson, 1993

-© collection Odéon-Théâtre de l’Europe / photos Abisag Tüllmann Orlando, mise en scène par Robert Wilson, 1993

-Courtesy Everett Collection La cérémonie réalisé par Claude Chabrol, 1995

-Getty Images 54th Cannes Festival: Steps of “La pianiste” by Michael Haneke In Cannes, 2001

-BIM / Fidelite / Collection ChristopheL via AFP 8 Femmes réalisé par François Ozon, 2002

-Getty Images The 70th Annual Cannes Film Festival, “Claire’s Camera” (Keul-Le-Eo-Ui-Ka-Me-La)” Photocall , 2017

-Getty Images Isabelle Huppert attends the 2017 Vanity Fair Oscar Party hosted by Graydon Carter at Wallis Annenberg Center for the Performing Arts, 2017

-Getty Images Isabelle Huppert receives the Cesar of best actress in ‘Elle’ during the Cesar Film Awards Ceremony at Salle Pleyel in Paris, 2017

-Getty Images Isabelle Huppert, winner of Best Actress in a Motion Picture – Drama for ‘Elle,’ poses in the press room during the 74th Annual Golden Globe Awards at The Beverly Hilton Hotel, 2017

-Getty Images Actor Isabelle Huppert attends the 89th Annual Academy Awards

-Lucie Jansch Mary said what she said, mise en scène par Robert Wilson, création au Théâtre de la Ville-Espace Cardin, 2019

-Courtesy of Balenciaga Défilé Balenciaga SS22

-Met Gala, 2021

Tia Carroll: ‘As mulheres do blues que não aceitaram um não como resposta acabaram sendo ouvidas’

Blueswoman de Richmond, Califórnia, Tia está no Brasil para lançar o álbum ‘You Gotta Have It’ com o guitarrista Igor Prado; show será nesta sexta, no Bourbon Street
Julio Maria, O Estado de S.Paulo

Cantora Tia Carroll

Quanto mais vida, mais voz – e, ao menos no blues, isso não tem a ver com idade. Tia Carroll, nascida em 1958 em Richmond, Califórnia, viveu muito até começar a cantar em uma banda de rock, no início dos anos 80. Sensação instantânea, seu caminho se cruzaria com figuras estupendas do blues dos anos 50 e 60, com as quais cantou em tempos diferentes como apoio: o bluesman Jimmy McCracklin, de The Walk, e a explosiva lady de 1,50 metro, a blueswoman Sugar Pie De Santo. Agora, o tempo de Tia Carroll é anunciado por prêmios o Band Leader of the Year, de 2016; West Coast Best Female Blues Vocalist, de 2017; e Traditional Blues Woman of The Year, de 2018. Ela está em plena forma, e está no Brasil.

Tia se apresenta nesta sexta, 3 de dezembro, na casa Bourbon Street. Vem com um álbum chamado You Gotta Have It, produzido por Jim Pugh, o mesmo produtor de Robert Cray, com blues, rock, soul e balada dos anos 50. “Este álbum revela muitas das minhas histórias de vida”, ela diz. A seu lado, estarão músicos brasileiros como o excelente guitarrista Igor Prado, que no álbum toca a faixa Move On, o também guitarrista Rodolfo Crepaldi, o baixista Rael Lúcio e o baterista Juninho Isidoro. O Bourbon abre seu Jazz Café às 18h e o show começa às 21h. O ingresso sai por R$ 75 e o tel para reservas de mesa é 5095-6100, além do Whatts (somente texto): 97060-0113. A casa pede comprovante de vacinação em dia. 

Ao Estadão, Tia Carroll respondeu a algumas perguntas sobre blues e, claro, mulheres no blues:

Seu álbum You Gotta Have It tem blues, soul, rock, R&B, balada dos anos 50 … Como você construiu esse repertório? Podemos dizer que você viveu cada um desses gêneros?

Eu cresci ouvindo todos esses tipos de música no rádio e no aparelho de som de meus pais, então sim, você pode dizer com confiança que vivi cada um desses gêneros musicais. Este álbum realmente revela muitas das minhas histórias de vida.

Gostaria de saber sobre sua experiência com Jimmy McCracklin. O que você pode dizer que aprendeu com ele?

Foi uma ótima experiência poder trabalhar com Jimmy. Ele me tratou como se eu fosse sua filha, como fez com os outros vocalistas de apoio. Jimmy McCracklin se sentia muito confortável com sua música e acho que essa foi a melhor lição que ele deixou para mim. Estar confortável em seu próprio desempenho é uma experiência maravilhosa para os ouvintes.

E Sugar Pie DeSanto? Como foi sua história com ela? O que ela te ensinou?

Oh meu Deus, Sugar Pie DeSanto é uma criatura pequena com uma tremenda energia e emoção. Assisti-la agarrar o público e segurá-los até que estivesse pronta para deixá-los ir foi absolutamente incrível. Ainda estou aprendendo com ela, a lição ainda não acabou.

Carroll, você diria que o blues é um gênero machista? Por que as mulheres demoram tanto para aparecer?

Oh, as mulheres estiveram lá o tempo todo, mas a promoção das músicas produzidas por elas foi pouca. Os homens, que sempre fizeram a maior parte das agendas e das promoções, colocavam outros homens na frente. Eu sinto que havia diante das mulheres uma mentalidade do “entre quando e onde você couber”, mas algumas mulheres fortes que não aceitariam um não como resposta para sair da frente acabaram sendo ouvidas.

Assim como Sugar Pie DeSanto, quais outras cantoras ainda não foram reconhecidos mundialmente no blues? Você pode nos dizer alguns nomes?

Bem, essa é uma pergunta difícil. Neste ponto, a maioria das vocalistas de blues são reconhecidas em suas próprias áreas, mas, novamente, é necessária uma máquina de mídia para que elas tenham alcance mundial. Hoje também é preciso perseverança por parte das cantoras. Você tem que se manter ocupado com programas, gravações e redes sociais. É um trabalho 24 horas, e quem tem tempo para dormir?

Um olhar sobre o novo escritório da One Southwest Office em Eden Prairie, Minnesota

A empresa de design de interiores Studio BV projetou recentemente um novo interior para o One Southwest Office Building em Eden Prairie, Minnesota.

oswx-minnesota-office-3
Communal space

A renovação do One Southwest Office Building (OSWX) é emblemática de uma mudança radical nas tendências de escritórios durante a pandemia. Este prédio estava 80% vazio antes da reforma. Agora está 90% locado em menos de um ano.

Existem dois fatores principais que estão impulsionando essa mudança. Um grande êxodo do centro de Minneapolis e a realocação de espaços de escritórios de volta aos subúrbios para se alinhar com o local onde as pessoas vivem. O segundo fator é redesenhar o edifício e a marca para refletir um edifício de escritórios contemporâneo, moderno e adaptável que dê suporte ao que os inquilinos procuram em um escritório. As normas e comportamentos de trabalho estão mudando. As empresas estão procurando componentes-chave em um novo escritório, como estacionamento fácil, ótimo acesso a rodovias e amenidades. Este edifício tinha dois dos três componentes principais, mas carecia de amenidades. O prédio estava desatualizado e muito monótono. O espaço do átrio estava subutilizado e tinha plantas e bancos de parque falsos.

“A equipe de design reimaginou o átrio. A estratégia era criar um grande espaço para reuniões, descanso e encontros ”, disse Betsy Vohs, fundadora e CEO do Studio BV. “Novos móveis, tapetes, plantas, iluminação e mídia criam um espaço atraente para passar seu dia de trabalho.” O outro grande turno estava movendo a porta da frente para alinhá-la com o amplo deck de estacionamento. A nova porta da frente tem uma nova praça externa, sistema de porta, entrada e área de boas-vindas e duas escadas grandes.

A única escada conecta os passeios de gato existentes uns aos outros. As placas do piso são em forma de U grande. Havia conexões existentes para passarela de gato sobre o átrio que foram subutilizadas. A equipe de design os redesenhou e criou uma escada que os conectava. A outra grande escada conecta o novo nível de entrada ao espaço do átrio. Esta escada de madeira tem lugares para sentar e reunir e cria uma forte conexão entre o espaço do átrio e a entrada principal. A cafeteria vai completar o espaço e criar uma comodidade para os usuários do edifício e ser a âncora do átrio.

  • Location: Eden Prairie, Minnesota
  • Date completed: 2021
  • Size: 200,000 square feet
  • Design: Studio BV
  • Photos: Corey Gaffer
oswx-minnesota-office-1
Lobby
oswx-minnesota-office-2
Reception
oswx-minnesota-office-4
Communal space
oswx-minnesota-office-5
Communal space
oswx-minnesota-office-7
Communal space
oswx-minnesota-office-8
Communal space
oswx-minnesota-office-9
Meeting room
oswx-minnesota-office-10
Meeting room
oswx-minnesota-office-11
Communal space
oswx-minnesota-office-12
Communal space

Elle Russia December 2021 Covers

Elle Russia December 2021 Covers
Published: December 2021

In this picture: Marjan Jonkman
Credits for this picture: Lilya Simonyan (Fashion Editor/Stylist), Tobias Sagner (Hair Stylist), Mikael Noiselet (Makeup Artist), Elena Serova (Producer)

All people in this work:

Lilya Simonyan – Fashion Editor/Stylist Tobias Sagner – Hair Stylist Mikael Noiselet – Makeup Artist Elena Serova – Producer Cindy Bruna – Model Marjan Jonkman – Model

In this picture: Cindy Bruna
Credits for this picture: Lilya Simonyan (Fashion Editor/Stylist), Tobias Sagner (Hair Stylist), Mikael Noiselet (Makeup Artist), Elena Serova (Producer)
In this picture: Marjan Jonkman
Credits for this picture: Lilya Simonyan (Fashion Editor/Stylist), Tobias Sagner (Hair Stylist), Mikael Noiselet (Makeup Artist), Elena Serova (Producer)
In this picture: Marjan Jonkman
Credits for this picture: Lilya Simonyan (Fashion Editor/Stylist), Tobias Sagner (Hair Stylist), Mikael Noiselet (Makeup Artist), Elena Serova (Producer)
In this picture: Cindy Bruna
Credits for this picture: Lilya Simonyan (Fashion Editor/Stylist), Tobias Sagner (Hair Stylist), Mikael Noiselet (Makeup Artist), Elena Serova (Producer)

The Matrix Resurrections – Déjà Vu

The Matrix Resurrections – Déjà Vu

Kaia Gerber – Marc Jacobs Daisy So Intense Fragrance 2021

Marc Jacobs Daisy So Intense Fragrance 2021
Source: instagram.com
Published: November 2021

In this picture: Kaia Gerber
Credits for this picture: Marc Jacobs (Designer), Alasdair McLellan (Photographer), Katie Grand (Fashion Editor/Stylist), James Pecis (Hair Stylist), Diane Kendal (Makeup Artist), Anita Bitton (Casting Director)

All people in this campaign:

Marc Jacobs – Designer Alasdair McLellan – Photographer Katie Grand – Fashion Editor/Stylist James Pecis – Hair Stylist Diane Kendal – Makeup Artist Anita Bitton – Casting Director Kaia Gerber – Model

In this picture: Kaia Gerber
Credits for this picture: Marc Jacobs (Designer), Alasdair McLellan (Photographer), Katie Grand (Fashion Editor/Stylist), James Pecis (Hair Stylist), Diane Kendal (Makeup Artist), Anita Bitton (Casting Director)
In this picture: Kaia Gerber
Credits for this picture: Marc Jacobs (Designer), Alasdair McLellan (Photographer), Katie Grand (Fashion Editor/Stylist), James Pecis (Hair Stylist), Diane Kendal (Makeup Artist), Anita Bitton (Casting Director)