WOOD WOOD Spring/Summer 2022 Campaign

WOOD WOOD revelou seu Spring/Summer 2022 collection. O universo gráfico da coleção é inspirado no espaço sideral, apresentando criaturas estranhas e caricaturais. É uma coleção clássica WOOD WOOD, com duas peças duráveis ​​em tecido workwear, malha jacquard all-over e outerwear statement.

GUCCI Unveils New “Gucci Love Parade” Campaign

GUCCI apresenta a campanha “Gucci Love Parade” idealizada por Alessandro Michele. Retratando o mito moderno do cinema através de uma sequência de obsessões e desejos, a campanha se transforma em um conto de personagens estrelados por Beanie Feldstein, Deng Lun, Jared Leto, Jungjae Lee, Liu Wen, Miley Cyrus e Snoop Dogg. Capturadas pelos fotógrafos Mert Alas e Marcus Piggot, as estrelas celebram o ritual do banquete, entregando-se a um simpósio libertador que desliza para o ritual dionisíaco da dança. Diretor Criativo Alessandro Michele, Diretor de Arte Christopher Simmonds ..

Take a look at the campaign below:

What’s Changing About Fashion’s Relationship to the Body? | Vogue

Even as designers embrace a more diverse runway, for models of every shape and size, body acceptance is a long and winding road. Maya Singer speaks to some of them.

Mesmo quando os designers adotam uma passarela mais diversificada, para modelos de todas as formas e tamanhos, a aceitação do corpo é um caminho longo e sinuoso.Maya Singer fala com algumas delas.

Director: Camille Summers-Valli
Fashion Director: Julia Sarr-Jamois
Director Of Photography: Maximilian Pittner
Production Company: Stadium + Somesuch
Executive Producer: Anura Idupuganti
Producer, LA: Erin Karr
Producer, Berlin: Marietta Auras
1st AD LA: David Moore
Talent: Kim Kardashian West
Talent: Paloma Elsesser
Talent: Amber Valletta
Talent: Imaan Hammam
Talent: Mia Kang
Talent: Jeneil Williams
Talent: Ariel Nicholson
Production Designer, LA: Paris Peterson
Production Designer, Berlin: Stefanie Grau
Art Asst, Berlin: Arabella Romen
Hair Stylists: Akki Shirakawa, Sylvia Wheeler, Rabea Röhll
Hair Assistants: Rei Rawauchi, Kayla Casey, Kandie Gallegos
Hair Braider: Starsha Appling
Makeup Artists: Fara Homidi, Jenna Kristina
Makeup Artist Berlin: Paloma Brytscha
Makeup Assistants: Nolan Eakin, Yasuko Shapiro, Shea Hardy
Manicurist: Riley Miranda
1st Fashion Assistant: Rebecca Purshouse
Fashion Assistants: Elliot Soriano, Gemma Valdes-Joffroy
Tailor: Hasmik Kourinian
Stylist, Berlin: Julia Quante
Stylist Assistant Berlin: Timm Süssbrich
1st AC: Sergey Nikitenko
1st AC, Berlin: Rouven Schardt
Camera Intern Berlin: Sophie Klock
2nd AC: Victor Veykhler
Loader: Sergey Lobanov
Gaffer: Mathias Peralta
Gaffer Berlin: Sandra Glaser, Ruben Fleischer
BBE: Hayden Klemes
Key Grip: Luke Poole
BBG: Natalie Giordano
Sound Op: Bobby Vonghom
Entertainment Director, Vogue: Sergio Kletnoy
Global Senior Director, Talent Casting: Helena Suric
Director of Talent + Casting / Vogue: Rosie Vogel
Street Casting Director LA: Lucky Tennyson
Street Casting Director Berlin: Kyra Sophie
Production Assistant: Alizabeath Bean
Production Assistant: Vince Barrucco
Production Assistant: Ethan Roy
CCO: Raijina Boswell
Street Cast, LA: Maya Waterman, Ivorie Jenkins ,Sydney Bell, Michelle Marques
Street Cast, Berlin: Azama Bashir, Ruby, Elinoah, Tina Siradze, Marie Lynn, Renata, Kanya, Titi
Post House: Cabin
Post Producer: Katy Lester
Editor: Matt Schaff
Assistant Editor: Matt Simmons
Thanks: Carla Luffe
Colorist: Nicke Cantarelli
Music: Ellis Laifer
Vocals: Ariana Smith
Sound Design: Raphael Ajuelos
VFX: Monumental
VFX Producer: Chloe Pischedda
VFX Producer: Germain Robin
VFX Artist: Colin Journée
Title + Poster Design: Alyssia Lou
Production Coordinator, Vogue: Kit Fogarty
Production Coordinator, Vogue: Emma Gil
Director, Production Management, Vogue: Jessica Schier
Supervising Producer, Vogue: Jordin Rocchi
Director of Content, Vogue: Rahel Gebreyes
Associate Director, Creative Development, Vogue: Billie JD Porter
Manager, Creative Development, Vogue: Alexandra Gurvitch
Global Production Director, Vogue: Daniel Cingari
VP, Digital Video Programming and Development, Vogue: Joe Pickard
Creative Editorial Director, Vogue: Mark Guiducci
Thanks to Maya Singer for your support, your insight and your approach
all the women who contributed their voices and stories.

Série de O Homem Que Caiu na Terra ganha trailer e data de estreia

Produção do canal norte-americano Showtime será lançada em 24 de abril
PAULO PACHECO

O canal norte-americano Showtime divulgou o trailer de O Homem que Caiu na Terra com a data de lançamento da série: 24 de abril. Assista ao vídeo acima:

No trailer, o alienígena Faraday (Chiwetel Ejiofor) chega à Terra em um ponto de virada na evolução humana e deve enfrentar seu próprio passado para determinar nosso futuro.

A cientista Justin Falls (Naomie Harris) é o humano que ele procura. Ela deverá enfrentar seus demônios internos para salvar os dois mundos.

Disfarçado de homem de negócios, Faraday busca de água para seu agonizante planeta. Uma vez aqui, ele se torna o líder de um poderoso conglomerado internacional e aprende tudo sobre a ganância da humanidade.

Alex Kurtzman, de Fringe e Star Trek Discovery, escreverá o roteiro ao lado de Jenny Lumet (Star Trek Discovery), além de produzir, dirigir, e ser o showrunner ao lado de John Hlavin (Shooter).

O elenco de O Homem Que Caiu Na Terra ainda inclui Jimmi SimpsonRob Delaney, Sonya Cassidy, Joana RibeiroAnnelle OlaleyeKate Mulgrew e Clarke Peters. A série é uma produção executiva de Kurtzman, Lumet, John HlavinSarah TimbermanCarl BeverlyHeather KadinAaron BaiersChiwetel Ejiofor e Rola Bauer e Françoise Guyonnet, do STUDIOCANAL

Idris Elba quer se afastar da atuação para focar na música: “Alguns vão odiar”

Artista se apresentou no Coachella em 2019 e foi o DJ da recepção do casamento de Meghan Markle e príncipe Harry

Idris Elba, de 49 anos, planeja investir em sua carreira musical. O astro de Hollywood revelou à Vanity Fair que pretende “se afastar do trabalho de atuação” para se dedicar totalmente à produção musical nos próximos anos. Elba já explorou alguns empreendimentos musicais, como se apresentar no Coachella em 2019 e atuar como DJ na recepção de casamento de Meghan Markle e do príncipe Harry.

“Alguns podem pensar, ‘Bem, será a morte de sua atuação’. Eu lidei com a luta interna disso ao longo dos anos. Então, agora estou em paz e escolhi. Isso é o que estou fazendo e vou fazer. Alguns vão adorar e outros vão odiar isso. A questão sobre fazer música é que é um processo muito demorado. É muito difícil gravar um filme e depois ir para o estúdio ou fazer uma música. É como tentar construir um suflê enquanto faz uma parede de tijolos”, compara.

O ator britânico disse anteriormente à People que adora música desde os 4 anos de idade, quando ficou “hipnotizado com o toca-discos girando”. “Eu trabalhei minha vida inteira para tocar no Coachella. Eu fiz isso aos 46! Quase desmaiei quando descobri”, disse ele à publicação.

Em 2013, Elba disse ao Evening Standard, do Reino Unido, que queria mudar sua carreira artística para música: “Este ano não vou trabalhar como ator e vou me dedicar à música. É uma coisa de progressão comigo. Eu quero fazer música, mas não quero enfiá-la goela abaixo das pessoas. As pessoas mal estão me conhecendo como ator. Mas eu faço isso de coração, não estou fazendo isso por dinheiro. Eu apenas gosto de fazer isso”.

Diversidade ainda enfrenta resistência nas empresas e não avança para altos cargos

Pesquisas no Brasil e no exterior analisaram ações corporativas

Infografia mostra porcentagem de grupos voltados à inclusão de minorias nas empresas
Infografia em pesquisa da Deloitte sobre diversidade e inclusão – Reprodução

“Mudar para continuar o mesmo” poderia ser um bom resumo do impacto real dos programas de diversidade e inclusão no mundo corporativo até agora, é o que apontam levantamentos recentes feitos com empresas no Brasil e no exterior.

A pesquisa “Diversidade e inclusão nas organizações“, realizada pela Deloitte, analisou respostas de 215 companhias em todas as regiões do país, quanto às ações que estão implementando para refletir a demografia brasileira no seu quadro de funcionários.

Concluído no final de 2021, o documento compilou os avanços descritos nos principais “grupos de afinidade” estruturados pelas companhias: “Mulheres (62%), pessoas com deficiência – PcDs (52%), raças e etnias (52%), lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, queer, intersexuais, assexuais e demais gêneros – LGBTQIA+ (51%), jovem aprendiz (36%) e geracional, para profissionais com mais de 50 anos (25%)”.

De acordo com o estudo, apesar de 81% das empresas consultadas terem algum desses grupos formalizados (sob a forma de comitês ou aliados, por exemplo), as iniciativas continuam a priorizar o preenchimento de vagas. Oportunidades de ascensão e manutenção dos contratados ainda não aparecem como preocupações com a mesma importância.

O resultado evidente é mais do mesmo: ausência de profissionais pertencentes aos chamados grupos minoritários em cargos de liderança.

Menos de 5%

Segundo a pesquisa, 69% das empresas afirmaram haver um foco maior de ações de diversidade e inclusão (D&I) nas etapas de recrutamento e seleção, por exemplo. Mas nas etapas de desenvolvimento do profissional, as ações diminuem sensivelmente: benefícios foram elencados por apenas 30% das companhias; promoção, por 17%; e suporte no momento do desligamento, 8%.

Em 23% das empresas que participaram do levantamento, as mulheres ocupam mais da metade dos cargos de liderança. Mas os demais grupos minorizados em geral ocupam menos de 5% desses postos.

Outras esferas de tomada de decisão apresentam panorama similar: em 56% das empresas que possuem conselhos de administração, não há representantes de grupos raciais e étnicos minoritários, por exemplo.

As empresas apontam como principais desafios para a realização de projetos de D&I “a resistência interna e um ambiente de negócios conservador”. Apenas 37% das companhias responderam estar convencidas de que essas iniciativas estejam contribuindo para uma mudança organizacional, e somente 21% as consideraram uma prioridade.

As organizações participantes do levantamento são dos setores de serviços, bens de consumo, infraestrutura e construção, atividades financeiras, TI e telecomunicações, agronegócios, alimentos e bebidas, saúde e farmacêutica, comércio e veículos e autopeças.

Lá fora: problemas que “minam o otimismo”

Pesquisas realizadas pelo escritório de advocacia norte-americano Baker McKenzie com 900 líderes de organizações nos Estados Unidos, Europa, Oriente Médio e Ásia, e concluídas também no final de 2021, mostram um retrato parecido ao do Brasil: mais do que adotar ações que de fato promovam o avanço de profissionais pertencentes a minorias, o foco ainda reside em aumentar a conscientização sobre diversidade e inclusão, uma prioridade para 55% dos consultados.

O levantamento, desdobrado em dois documentos (12), indica que “problemas persistentes minam o otimismo em diversidade e inclusão”. Aponta que, apesar de programas de D&I estarem crescendo e de a cultura de relatar problemas ser classificada como “principal prioridade” para 78% dos líderes consultados, 34% deles acreditam que essas denúncias estão subnotificadas.

A pesquisa foi realizada com empresas de seis setores: indústria, manufatura e transporte; bens de consumo e varejo; instituições financeiras; saúde e ciências; energia, mineração e infraestrutura; e tecnologias de mídia e telecomunicações.

Entre os entrevistados, “51% (…) identificam o recrutamento de talentos diversos como uma prioridade. No entanto, essas iniciativas por si só não são suficientes para equilibrar a força de trabalho. O fato de 45% das organizações estarem também priorizando a retenção de grupos sub-representados sugere que estão enfrentando uma fuga de talentos. Isso reforça a importância da cultura — ao garantir que o ambiente de trabalho permita que talentos diversos avancem e progridam”, afirma o documento.

“As organizações terão que demonstrar a eficácia de seus esforços com maior rigor”, assinala.

Uma olhada no novo escritório da Space 1 em Moscou

Uma equipe de arquitetos e designers do escritório de arquitetura ABD architects projetou recentemente um novo escritório para o provedor de escritórios Space 1 em Moscou, Rússia.

Reception

“Os arquitetos tiveram a tarefa de preservar a estética do edifício, adaptando-o às funções de um escritório de serviços. Uma característica única do projeto foi um átrio semelhante com telhado de vidro, projetado como um “pátio” entre O átrio tornou-se o centro de atracção de todo o projecto, bem como o local central para reuniões e eventos, para isso, por exemplo, é aqui implementada uma zona de bar, que funciona como café durante o dia, e no as noites podem se transformar em um bar.

No térreo estão as infraestruturas comuns: salas e espaços de reunião, áreas de lazer tranquilas, recepção, cafés e salas de serviço – duchas, sala de massagem. e texturas Esta imagem se manifesta em dicas: no brilho e reflexos de espelhos envelhecidos e latão, nos raios de sol das superfícies de vidro das lâmpadas.A combinação de texturas envelhecidas remete à história do edifício.

A atmosfera do pátio é suportada por uma solução paisagística: relvados com relva seca, vários tipos de arbustos e árvores, bem como um pequeno “rio” no chão. Feito de vidro, reflete o céu e reage às mudanças de luz dentro do átrio Concebido como um detalhe da paisagem, o rio pode se tornar um guia para galerias de arte temporárias-vendas ou desfiles de moda, que acontecem no átrio nos finais de semana.

Móveis estofados no átrio servem como ponto de encontro e cumprem a função de absorção de ruído, que é potencializada por cercas de flores secas, absorvem o som e servem como divisores visuais que proporcionam privacidade.
Todos os materiais para o projeto são fornecidos por fabricantes russos.
O design de interiores usa as texturas de madeira (piso) e tijolo antigo (paredes), que são sombreadas por lâmpadas e divisórias gráficas pretas minimalistas. ”

  • Location: Moscow, Russia
  • Date completed: 2022
  • Size: 129,166 square feet
  • Design: ABD architects
  • Photos: Sergey Volokitin
Entrance
Meeting room
Meeting room
Meeting room
Open-plan workspace
Meeting room
Breakout space

i-D Magazine Spring 2022 Covers: The Out Of Body Issue

i-D Magazine Spring 2022 Covers: The Out Of Body Issue
Source: -d.vice.com
Published: March 2022

Paloma Elsesser – Model

All people in this magazine cover:

Oliver Hadlee Pearch – Photographer Sam Rock – Photographer Steven Klein – Photographer Alastair McKimm – Editor Carlos Nazario – Fashion Director Cyndia Harvey – Hair Stylist Holli Smith – Hair Stylist Rio Sreedharan – Hair Stylist Thomas De Kluyver – Makeup Artist Jack Flanagan – Set Designer Samuel Ellis Scheinman – Casting Director Lena Ott – Hair Colorist Jenny Longworth – Manicurist Lauren Michelle Pires – Manicurist Travis Kiewel – Producer Ericka Hart – Writer Rosalía – Entertainer Cruz Beckham – Model Paloma Elsesser – Model

All brands in this magazine cover:

Balenciaga
Miu Miu

Quem é a Faye de ‘Euphoria’, a ex-estrela pornô Chloe Cherry que estreou na série

Com mais de 170 produções eróticas na carreira, jovem de 24 anos fez paródia adulta de cena da primeira temporada

Foto de uma mulher de saia e top colorido
Atriz Chloe Cherry interpretando a personagem Faye na série ‘Euphoria’ – Reprodução/Instagram – @perfect_angelgirl

Entre as novas personagens que estrearam na segunda temporada da série “Euphoria”, Faye, uma adolescente junkie interpretada por Chloe Cherry​, é uma das que mais tem ganhado fãs.

Com frases desbocadas e um senso de humor marcante, a personagem, uma jovem viciada em heroína, também desperta a curiosidade por sua intérprete. Isso porque Cherry, antes de fazer seu début como atriz em uma série de televisão, já era uma estrela de filmes pornô.

Com vídeos espalhados em plataformas como Pornhub, a garota do estado americano da Pensilvânia foi convidada pelo diretor da série, Sam Levinson, a participar do elenco por meio do Instagram. Muitas pessoas acreditaram que o convite foi feito em decorrência de uma paródia para adultos que Cherry fez de uma das cenas envolvendo Rue e Jules, personagens da série vividas por Zendaya e Hunter Schafer.

Cherry, no entanto, disse recentemente à revista Vulture que o vídeo, que ela publicou em seu OnlyFans cerca de cinco meses após o convite de Levinson, não foi o motivo pelo qual ela foi escalada para fazer a série.

“Eu comecei a assistir de novo aos meus vídeos, percebi que já tinha feito muitas paródias adultas e pensei ‘ah, essa é perfeita para fazer, porque é uma cena bem popular’. É engraçado que as pessoas estejam reagindo a isso tipo ‘ela foi descoberta numa paródia pornô’. E eu digo ‘não, não, não, isso foi algo que fiz apenas para o meu OnlyFans há muito tempo e agora todo mundo está encontrando'”, diz Cherry, sobre o episódio.

Tendo gravado mais de 170 produções eróticas aos 24 anos, Cherry contou ao portal New York Post que era fã da série “Euphoria” antes de entrar no elenco e que não vê diferenças entre atuar em filmes pornográficos e em produções “convencionais”. “Antes mesmo de ser atriz, eu, como espectadora, nunca vi diferença entre filmes pornô e outros filmes.”

Bem à vontade à frente das câmeras, Cherry contou que algumas de suas cenas mais icônicas na série vieram de improviso. “Às vezes, em algumas cenas, Levinson dizia algo como ‘OK, só diga o que você quiser’. Porque ele apenas queria ver se eu dizia algo engraçado.”​