LOEWE lança a nova coleção Ibiza de Paula

Jonathan Anderson define Ibiza como a ilha do escapismo. Diferentes gerações fugiram para cá em busca de liberdade pessoal, o que ajudou a construir a própria identidade da ilha. Todo verão , o Ibiza da LOEWE Paula explora uma dessas camadas.

Confira abaixo a nova coleção:

Maniac // Michael Sembello // POMPLAMOOSE

Been on a Michael Sembello trip ever since covering Maniac. What a weird, ingenious composition!

Terry IlaFla | Milano Bridal Fashion Week 2023 | Full Show

Terry IlaFla | Sì White Carpet by Sposaitalia Collezioni/Milano Bridal Fashion Week 2023 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – Sì White Carpet by Sposaitalia Collezioni – Italia) #TerryIlaFla #Sposaitalia #Milanobridalweek

Tati Gabrielle’s Guide to Statement-Making Makeup | Beauty Secrets | Vogue

Actor and model Tati Gabrielle walks us through her skin-care and makeup routines while reflecting on major skin changes and expressing herself through beauty.

A atriz e modelo Tati Gabrielle nos mostra suas rotinas de cuidados com a pele e maquiagem enquanto reflete sobre as principais mudanças na pele e se expressa através da beleza.

Filmed at Hotel Casa Del Mar

Shop this beauty routine:

Dr Bronner’s Pure Castille Soap – Peppermint: https://goto.target.com/e4507Z

Dr. Dennis Gross Pewter DRx SpectraLite FaceWare Pro: https://fave.co/3xvZtgS

Dr. Dennis Gross Alpha Beta Extra Strength Daily Peel: https://shop-links.co/cg2BXYDjwCe

Lush Tea Tree Water: https://fave.co/3xvcd7a

Cosrx Two in One Poreless Power Liquid: https://shop-links.co/cg2BZzcwGnw

Caudalie Vinoperfect Radiance Dark Spot Serum: https://shop-links.co/cg2BZT2Y7Ho

Cosrx AC Collection Lightweight Soothing Moisturizer: https://shop-links.co/cg2B0ytNQOh

Cosrx Advanced Snail Peptide Eye Cream: https://shop-links.co/cg2B0V37WRd

Tula Protect + Glow Daily Sunscreen Gel Broad Spectrum SPF 30: https://shop-links.co/cg2B4h4hZbz

Tatcha The Kissu Lip Mask: https://bit.ly/3MdbEmR

Tatcha The Liquid Silk Canvas: https://bit.ly/3KM8JRL

Too Faced Born This Way Matte Foundation: https://shop-links.co/cg2B4Mymaa4

Fenty Beauty Bright Fix Eye Brightener: https://bit.ly/3rsI2Kc

Lush Charisma Skin Tint: https://fave.co/37PZeSQ

Glossier Cloud Paint: https://glossier.79ic8e.net/ZdvGWW

One/Size Ultimate Blurring Setting Powder: https://shop-links.co/cg2B505ntdY

Urban Decay All Nighter Long Lasting Makeup Setting Spray: https://shop-links.co/cg2B6ZL8OhW

NARS Blush in Orgasm: https://shop-links.co/cg2B7moWEpM

Anastasia Beverly Hills Brow Freeze: https://shop-links.co/cg2B7JWb3Ph

Glossier Brow Flick: https://glossier.79ic8e.net/za5Kd7

NYX Professional Makeup Epic Wear Liquid Liner: https://shop-links.co/cg2B8j5bhty

Sephora Collection Long Lasting Eyeliner High Precision Brush: https://shop-links.co/cg2B8Hw4xQ9

Glossier Lash Slick: https://glossier.79ic8e.net/2rL6mG

Fenty Beauty Match Stix Shimmer Skinstick in Confetti: https://bit.ly/3xpXJ8K

Glossier Generation G: https://glossier.79ic8e.net/RyNrQy

Texture ID Edge Taming Gel: https://fave.co/3KR8KDS

Tinder cria Modo Festival para unir pessoas em shows e eventos

O aplicativo de relacionamentos Tinder anunciou hoje um novo recurso, o Modo Festival. Ele se insere na aba “Explorar”, que inclui outras funcionalidades que vão além de ir apenas passando fotos de pessoas para os lados para classificá-las entre “gostei” ou “não gostei” (o famoso match).

O novo modo consiste em uma forma de unir pessoas que estão em um mesmo evento musical. Será possível selecionar festivais que vão acontecer, de modo que possa-se conhecer outros que também estarão lá. Também há uma aba geral para aqueles que apenas estão interessados em eventos do tipo, sem o foco local específico.

O Tinder afirma, baseando-se em pesquisa com a participação de solteiros com idade entre 18 e 39 anos, que 75% das pessoas acreditam que conversar com alguém antes de encontrar pessoalmente alivia a pressão do momento. Ainda, 64% afirmam gostar de conhecer pessoas em eventos musicais. Essa é a fundamentação do Modo Festival.

A novidade foi feita em parceria com as empresas de entretenimento Live Nation, AEG Presents e Superstruct Entertainment. Já estão confirmadas as inclusões no modo de festivais em países como Estados UnidosAustráliaHungria, entre outros — e mais deverão ser adicionados em breve. [MacMagazine

Flexitarianos impulsionam crescimento do mercado vegano no país

Por amor aos animais ou consciência ambiental, consumidor quer comida, maquiagem e outros produtos ‘livres de crueldade’
Flávia G. Pinho

Duas vacas de botas tomam drink em bar
Catarina Pignato

SÃO PAULO – Na era dos negócios com propósito, estar alinhado a causas como o respeito aos animais e a preservação do ambiente é meio caminho andado para conquistar o público. No Brasil, buscas pelo termo “vegano” aumentaram 300% entre 2016 e 2021, segundo o Google Trends, ferramenta que analisa o interesse por determinados temas.

Mais do que pregar o consumo exclusivo de alimentos de origem vegetal, o veganismo condena processos produtivos que envolvam animais. É um estilo de vida mais restrito que o do ovolactovegetariano, por exemplo, que costuma consumir ovo, leite e derivados.

Mas quem de fato tem movimentado o setor são os flexitarianos. São pessoas que, embora não sejam veganas nem vegetarianas, estão dispostas a reduzir o consumo de proteína animal.

Levantamento divulgado em 2021 pela Euromonitor aponta que quase 1 em cada 4 consumidores no mundo (23%) tenta limitar a ingestão de carne —em 2019, esse número era 21%. Por aqui, pesquisa feita pelo Ipec no ano passado mostrou que 46% dos brasileiros já deixam de comer carne ao menos uma vez na semana por vontade própria.

Seja por amor aos bichos, pela saúde ou porque se preocupam com as consequências da emissão de gases de efeito estufa pela agropecuária, os flexitarianos também preferem comprar de marcas que se dizem “livres de crueldade”.

É por isso que a Vizzela, de Mogi das Cruzes (SP), se apresenta como fabricante de cosméticos veganos —não usa matéria-prima animal nem faz testes em bichos.

Química especializada em cosmetologia, Aline Waiser, 29, conduzia uma empresa familiar de cosméticos tradicionais e, ao criar a própria marca, em 2019, ela e os sócios não pensaram duas vezes. “Estou no mercado há 12 anos e percebi que mesmo o consumidor que não é vegano busca cada vez mais produtos cruelty free.”

No primeiro trimestre de 2022, a Vizzela cresceu 117% em comparação ao mesmo período de 2021. Os mais de 300 itens do catálogo se dividem em três linhas: maquiagem (70%), esmaltes (20%) e cuidados com a pele (10%) —a máscara para cílios No Panda (R$ 35,90) é o best-seller da marca. De acordo com a empreendedora, os cosméticos veganos têm a mesma performance que os tradicionais.

“Os fornecedores têm cada vez mais opções de insumos veganos. Alguns são mais caros, como a cera sintética, que ainda custa 20% a mais do que a cera de abelha. Mas já consigo fazer produtos baratos, com embalagens sustentáveis fabricadas no Brasil.”

Sócios da Vizzela, marca de cosméticos veganos de Mogi das Cruzes (SP); a empresa produz maquiagem, esmalte e linha de skin care sem qualquer matéria-prima de origem animal, nem testes em bichos
Sócios da Vizzela, marca de cosméticos veganos de Mogi das Cruzes (SP); a empresa produz maquiagem, esmalte e linha de skin care sem qualque Keiny Andrade/Folhapress/Keiny Andrade/Folhapress

Levar as informações mais relevantes ao consumidor, diz Aline, é fundamental no segmento. “Nossa equipe é treinada para informar a origem das matérias-primas e até que tipo de eventos patrocinamos. São clientes que rejeitam a associação da marca a desfiles de moda que incluam roupas de couro, por exemplo.”

Na avaliação de Gaia Prado, representante no Brasil da Peclers Paris, agência de pesquisa de tendências, o crescimento do veganismo tem a ver com a necessidade de reconexão com a natureza e preservação do planeta.

“Não é modismo, essa tendência vai permanecer. Mas pode ser que ela mude de forma e de nome, porque o mercado ainda vai se transformar e as tecnologias vão avançar.” Ela diz ainda que essa mudança de hábitos atinge todas as faixas etárias, mas em especial os mais jovens. “É para o jovem que ficou a conta das más escolhas das gerações passadas.”

Foi pensando nesse público em expansão que o publicitário carioca Celso Fortes, 50, fundou o Açougue Vegano, em 2016, com a colega do curso de gastronomia Michelle Rodriguez, 35.

“Criamos pratos como hambúrguer de shiitake e coxinha de espinafre e decidimos fundar uma empresa de congelados.” A dupla preparou 3.500 porções e foi às redes sociais anunciar a venda. O estoque se esgotou no primeiro dia. “No dia seguinte, o Mercado de Produtores [na Barra da Tijuca] nos ofereceu um espaço. Estamos lá há cinco anos.”

O Açougue Vegano cresceu um bocado. Hoje são oito unidades, em cinco estados, que servem refeições rápidas e vendem congelados. Apenas duas são próprias, as demais são franquias. Há, ainda, quatro unidades em implementação e a fila de pedidos passa de 300.

A comida é produzida em uma fábrica de 400 m² em Jacarepaguá, zona oeste do Rio, que emprega 18 funcionários. “Antes, os salgados eram modelados à mão, um a um. Há dois anos, investimos R$ 300 mil na automação da produção e em uma câmara fria, para ganhar escala”, diz Fortes.

O Brasil já tem até uma plataforma de investimentos em startups do mercado vegano. Fundada pelo dinamarquês Christian Wolthers, 36, residente no Brasil há 12 anos, a Vegan Business nasceu em 2018 e tem colhido bons resultados. Em janeiro deste ano, na primeira rodada de captação, a Chameleon Sun, fabricante de protetores solares veganos, conseguiu captar R$ 505 mil em 24 minutos.

“Temos mais de 2.000 cadastrados, desde pessoas ligadas à causa que querem ver empresas crescerem a investidores atrás de oportunidades.”

Foco em privacidade da Apple já impediu a criação de recursos, revela reportagem do The Information

Uma das maiores bandeiras levantadas pela Apple nos últimos anos é a defesa da privacidade no mundo online, o que levou a empresa a introduzir uma série de recursos que buscam bloquear o rastreio da atividade de seus usuários na internet, como a App Tracking Transparency (ATT) — ou, em bom português, Transparência do Rastreamento de Apps.

Essa postura, é claro, irritou bastante empresas cujo modelo de negócios se baseia na coleta de dados de usuários de seus produtos, como o Google e a Meta. Entretanto, de acordo com uma reportagem do The Information, em muitos casos, essa filosofia tem atrapalhado, também, o desenvolvimento dos próprios serviços da Maçã.

O veículo explica que a rigidez da Apple nesse assunto tem impedido a empresa de “copiar” recursos famosos de produtos e serviços rivais, os quais contam com algoritmos de recomendação cada vez mais precisos.

Um dos maiores exemplos é o Apple TV+ que, ao contrário da Netflix, por exemplo, não coleta qualquer dado de navegação do usuário pelo catálogo do serviço, o que impede que a empresa recomende conteúdos parecidos com que o foi assistido por último.

De acordo com relatos de engenheiros, em 2019 a Apple chegou a trabalhar em um novo recurso que permitiria que o usuário comprasse aplicativos na App Store pela Siri. O projeto, no entanto, foi cancelado após os engenheiros da empresa não conseguirem desenvolver uma solução a qual impedisse que os comandos de voz fossem atrelados ao ID Apple, o que poderia abrir brechas de segurança.

Outro relato nos leva de volta para o ano de 2015, quando a Apple teria trabalhado um novo recurso para o app Fotos que listaria cronologicamente os locais visitados pelo usuário junto às fotos tiradas nessas áreas. O time de privacidade da Maçã, contudo, vetou a ferramenta ao afirmar que ela poderia ser usada por governos autoritários para verificar em que lugares o usuário esteve.

A ausência de recursos no Mapas, por exemplo, também seria uma consequência dessa política, enquanto serviços rivais como o Google Maps utilizam os dados coletados para desenvolver novas ferramentas de navegação.

Por fim, a reportagem menciona que até mesmo engenheiros de privacidade junior possuem o poder de vetar projetos que possam conter possíveis riscos para a privacidade dos usuário.

Um dos casos mais recentes diz respeito ao recurso “Raise to Speak”, do Apple Watch, o qual levantou preocupações por coletar dados do acelerômetro e do microfone. A função permite que usuários ativem a Siri apenas levantando o braço.

De um lado, a posição da Apple certamente deve agradar uma grande parcela de consumidores que se simpatiza com as suas promessas e deseja o máximo possível de privacidade online. De outro, esses mesmos consumidores aparentemente estão abrindo mão de boas facilidades para o seu dia a dia devido a isso. [MacMagazine]

Camila Morgado é advogada que ‘defende bandido’ e peita autoridade em ‘Sentença’

Atriz protagoniza produção do Amazon Prime Video que adapta o gênero do drama de tribunal para a Justiça brasileira
Leonardo Sanchez

Camila Morgado em cena de “Sentença” – Divulgação

Olhar para o mundo do crime e da corrupção pela ótica feminina se tornou uma constante entre as produções brasileiras no streaming. “Bom Dia, Verônica”, da Netflix, “Os Ausentes”, da HBO Max, “Insânia”, do Star+ foram algumas das obras que fizeram isso. Agora, chegou a vez do Amazon Prime Video também entrar na onda, com “Sentença”, que estreia nesta sexta (15).

Aqui, no entanto, a heroína não segura em armas –ela é uma advogada pro bono, de reputação ilibada e que se tornou um dos principais nomes do meio criminal por não perder nenhum caso, nem mesmo quando “defende bandido”, como sua avó diz, salientando o conflito familiar que Heloísa enfrenta.

A personagem é de Camila Morgado, que vive um momento fértil na carreira ao emendar trabalhos no cinema, no streaming e na televisão –ela acaba de estrear na nova fase da novela “Pantanal”, no papel de Irma. E celebra o momento de diversidade no trabalho, com papéis em diferentes meios e gêneros, algo que se tornou possível graças à chegada em peso de streamings no Brasil.

“O mercado ficou muito aquecido, não só para os atores, ainda mais no pós-pandemia e num momento tão difícil que a gente atravessa no nosso país. O brasileiro e a brasileira sabem muito bem as dificuldades que a gente está passando, especialmente na área da cultura”, afirma ela por vídeo, alfinetando o descaso com a cultura sob a gestão Bolsonaro.

“Acabou a cultura do país, eles [o atual governo] conseguiram destruí-la. O estrago é imenso, então com esses investimentos das plataformas, ao menos, o mercado consegue se manter aquecido.”

Para conceber Heloísa, Morgado conta que teve a assessoria de uma advogada criminalista. Também mergulhou em livros para entender o sistema carcerário brasileiro —afinal, é nele em que estão os clientes da personagem. “Presos que Menstruam”, “Encarceramento em Massa” e “Prisioneiras”, este de Drauzio Varellacolunista deste jornal, foram seus parceiros no projeto, que questiona a Justiça e a criminalidade no país.

“Sentença” começa em ritmo acelerado e descontraído, com um celular perseguindo uma dançarina por uma comunidade do Rio, registrando o que parece ser um clipe de funk. Mas o clima é interrompido quando a câmera flagra, ao fundo, uma mulher ateando fogo a um homem. Ela é Dinorá, e se torna a nova cliente da advogada interpretada por Morgado.

O crime choca o país e a opinião pública está contra a ré. Para tentar ajudá-la, Heloísa navega pelas entranhas de uma facção criminosa e, em paralelo, descobre que seu passado familiar também é marcado por uma história de mistério e violência.

Para Morgado, o trunfo de “Sentença” é poder ver uma mulher peitando tantos homens em ambientes hipermasculinizados, sob a direção, a escrita e a produção de outras mulheres, ainda mais numa trama que navega por gêneros pouco receptivos a elas –além do crime, há também o drama de tribunal, o thriller e a ação. “Tem que botar a mulherada para jogo mesmo. Quanto maior a representatividade, mais acolhimento e sororidade a gente vai ter”, diz a atriz.

Diretoras da série, Anahí Berneri e Marina Meliande contam que, além de abordar esse universo por uma ótica feminina, era importante trazer esses gêneros para a realidade brasileira, “adaptar o drama de tribunal para o sistema judiciário do país”.

“A gente está lidando com personagens ficcionais. Não é para a série ser um tratado sobre a Justiça no país, mas a gente mostra como ela é desigual, o que no fim é um espelho da sociedade brasileira como um todo”, diz Meliande.

SENTENÇA

  • Quando Disponível no Amazon Prime Video
  • Elenco Camila Morgado, Lena Roque e Heloisa Jorge
  • Produção Brasil/Uruguai, 2022
  • Criação Paula Knudsen

NEVER TOO SMALL Multigenerational Basement Apartment Athens – 55sqm/592sqft

In Ilioupoli, a quiet, residential district south of Athens in Greece, Point Supreme Architects were tasked with converting a cold basement storage space into a functional studio apartment. Situated on the bottom floor of a multigenerational building, Ilioupoli apartment is intended as a future home for the family’s younger children, keeping the family together for longer while allowing them their own spaces. Previously an entirely open concrete room, the architects divided the space by extending the existing enclosed toilet into a full bathroom, adding an entryway partition screen and planter, as well as curtained sliding glass doors to enclose the bedroom. The home is further divided by colour, with the kitchen featuring a deep maroon laminate, a full size fridge as well as a custom island bench that opens on all four sides for storage. A contrasting bold blue bathroom is visible from the kitchen through a window in the wall between the two rooms that also allows for the flow of light. Division through flexible partitions, colour and materials creates a space that feels larger and more varied than it is, ensuring even basement storage can become a comfortable home.

Em Ilioupoli, um bairro residencial tranquilo ao sul de Atenas, na Grécia, a Point Supreme Architects foi encarregada de converter um espaço de armazenamento de porão frio em um estúdio funcional. Situado no piso inferior de um edifício multigeracional, o apartamento Ilioupoli pretende ser um futuro lar para os filhos mais novos da família, mantendo a família unida por mais tempo, permitindo-lhes seus próprios espaços. Anteriormente uma sala de concreto totalmente aberta, os arquitetos dividiram o espaço estendendo o banheiro fechado existente em um banheiro completo, adicionando uma divisória de entrada e plantador, bem como portas de vidro deslizantes com cortinas para encerrar o quarto. A casa é ainda dividida por cor, com a cozinha apresentando um laminado marrom escuro, uma geladeira grande e um banco de ilha personalizado que se abre nos quatro lados para armazenamento. Um banheiro azul contrastante é visível da cozinha através de uma janela na parede entre os dois quartos que também permite o fluxo de luz. A divisão através de divisórias flexíveis, cores e materiais cria um espaço que parece maior e mais variado do que é, garantindo que até o armazenamento do porão possa se tornar uma casa confortável.

Music: Plant Your Fields by We Dream of Eden

Produced by New Mac Video Agency
Creator: Colin Chee
Director: Nam Tran
Cinematographers: Alina Lefa & Xenofon Vardaros
Producer: Lindsay Barnard
Editor: Jessica Ruasol