Serviço de streaming da CNN fecha menos de um mês após o lançamento

Warner Bros. Discovery, nova dona do canal de notícias, deixou claro que considerava a CNN+ uma ideia mal concebida
Por Tali Arbel e David Bauder – APP

O serviço foi lançado em 29 de março, pouco antes de os novos donos da CNN, a Warner Bros. Discovery, assumirem a empresa

Serviço de streaming da CNN fecha menos de um mês após o lançamento
Warner Bros. Discovery, nova dona do canal de notícias, deixou claro que considerava a CNN+ uma ideia mal concebida

O serviço foi lançado em 29 de março, pouco antes de os novos donos da CNN, a Warner Bros. Discovery, assumirem a empresa. Os novos controladores deixaram claro, rapidamente, que consideravam a CNN+ uma ideia mal concebida. O serviço, baseado em assinatura, será encerrado no final de abril.

Executivos disseram que parte da programação e funcionários da CNN+ serão absorvidos pela rede de televisão e pelo site, mas que haverá demissões. O chefe da CNN+, Andrew Morse, está deixando a empresa.

Em um memorando para os funcionários na quinta-feira, 21, o novo presidente executivo da CNN, Chris Licht, disse que os consumidores queriam “simplicidade e um serviço completo”, em vez de ofertas independentes.

Os executivos também criticaram a incapacidade do serviço de mostrar as últimas notícias ao vivo, o que foi considerada uma falha crucial. Por conta de contratos com empresas de cabo e satélite, a CNN+ não poderia transmitir a própria programação da CNN.

“É um pouco como a assinatura do New York Times sem o New York Times”, disse J.B. Perrette, chefe dos serviços de streaming do Discovery.

Segundo Perrette, a Discovery aprendeu, ao tentar lançar seu próprio serviço de notícias na Polônia e ao ver as experiências de outros serviços de streaming pagos nos Estados Unidos, como a Fox Nation, que a CNN+ não poderia esperar chegar perto de um milhão de assinantes. Ao contrário da CNN+, que cobrava dos clientes US$ 5,99 por mês, redes de transmissão como ABC, CBS e NBC oferecem serviços gratuitos de transmissão de notícias.

“Esses são os fatos”, disse Perrette. “Aprendemos com a história dolorosa, uma história financeiramente cara.”

Se a empresa vai em uma direção diferente da CNN+, “não podemos deixar passar um segundo a mais do que o necessário”, disse ele.

Sob o comando da AT&T, foram investidos US$ 100 milhões em desenvolvimento e nos gastos com cerca de 500 funcionários designados para construir a CNN+. Perrette disse aos funcionários que eles teriam “prioridade” em cerca de 100 empregos atualmente abertos na CNN. O memorando de Licht dizia que haveria pelo menos seis meses de indenizações para os funcionários que saíssem.

Na reunião, um membro da equipe da CNN perguntou por que a AT&T, a dona anterior da empresa, foi autorizada a desenvolver e iniciar o serviço, apesar da chegada iminente de uma nova administração que claramente tinha suas reservas sobre isso. Mas os executivos disseram que não tinham permissão, até que a aprovação formal da aquisição, semanas atrás, de se envolver em reuniões sobre o serviço.

Os executivos disseram que a responsabilidade pelo rápido fracasso recai diretamente sobre a gestão anterior. “Teríamos preferido ter esta discussão há seis meses, nove meses atrás”, disse Perrette. “Mas não foi possível.”

Licht disse, em seu memorando, que a decisão “incrivelmente difícil” de fechar a CNN+ é a certa para o sucesso a longo prazo da CNN. Isso permitirá que os líderes reorientem os recursos para os principais produtos nos quais o grupo deve focar: “aprimorar ainda mais o jornalismo da CNN e sua reputação como líder global de notícias”.

Na rede de televisão, espera-se que Licht aumente a ênfase da CNN nas notícias, com menos comentários.

Licht reconheceu, na reunião de equipe, que a experiência com a CNN+, pelo menos inicialmente, terá repercussões com o pessoal e aqueles que quiserem trabalhar lá. “Temos de assumir a erosão da confiança e reconstruí-la”, disse.

“Hijack”: Idris Elba estrelará thriller de ação no Apple TV+

A minissérie acompanhará, em tempo real, um voo de sete horas sequestrado por terroristas — e as tentativas de negociação para salvar a vida dos passageiros

Idris Elba

Há coisa de dois anos, falamos por aqui sobre o contrato de prioridade assinado entre o Apple TV+ e a Green Door Pictures, produtora do ator Idris Elba (“Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw”). Pois hoje, o primeiro fruto desta relação foi oficialmente anunciado pela Maçã: o thriller de ação “Hijack”.

A minissérie em sete capítulos será desenvolvida em tempo real e acompanhará um voo de sete horas, indo em direção a Londres, que é sequestrado por terroristas.

Elba viverá Sam Nelson, um competente negociador do mundo dos negócios que precisa usar todas as suas técnicas para salvar as vidas dos passageiros. Enquanto as autoridades em solo buscam respostas e soluções, a estratégia de alto risco adotada por Nelson no avião pode ser a sua ruína.

A produção será dirigida por Jim Field Smith (“Criminal – Reino Unido”) e roteirizada por George Kay (“Lupin”). Os dois, além de Elba, serão também produtores executivos, junto a Jamie Laurenson, Hakan Kousetta e Kris Thykier. A produção será uma parceria da Apple com a 60Forty Films e a Idiotlamp Productions, com associação da Green Door Pictures.

Vale notar que Elba já tinha um outro projeto apalavrado com a Maçã — um filme descrito como um “thriller de espionagem romântico” passado na África, conforme divulgado pela Variety no ano passado. Como o projeto não foi oficialmente anunciado por nenhuma das partes envolvidas, entretanto, não há como saber se ele foi cancelado, adiado ou simplesmente alterado para se transformar em “Hijack”.

Natasha Lyonne’s “Lady Godiva” Hair Transformation | Hairdos | Vogue

Hairstylist Ted Gibson and Natasha Lyonne create a goddess-meets-rock star look in Vogue’s latest Hairdos video.

O cabeleireiro Ted Gibson e Natasha Lyonne criam um visual de deusa encontra estrela do rock no último vídeo de penteados da Vogue.

Russian Doll season 2 streaming now on Netflix.

Director: Alexandra Gavillet

Director Of Photography: Stephen Tringali

Editor: Misa Qu

Producer: Naomi Nishi

Associate Director, Creative Development: Billie JD Porter

Director, Creative Development, Vogue: Anna Page Nadin

Makeup: Fiona Stiles

Stylist: Cristina Ehrlich

Manicure: Elisa Wishan

Camera Operator: Gio Barot

1st AC: Megan Edinger

Gaffer: Anthony Stivale

Set Designer: Gina Canavan

Set Designer Assistant: Charlotte Woolsoncroft

Audio: Gloria Marie

Associate Producer: Courtney Walden

Production Assistant: Phillip Arliss

Production Assistant: Cole Ewing

Senior Director, Production Management: Tina Magnuson

Production Manager: Emma Gil

Production Manager: Kit Fogarty

Associate Talent Manager: Phoebe Feinberg

Post-Production Coordinator: Andrea Farr

Post-Production Supervisor: Marco Glinbizzi

VP, Digital Video Programming and Development,Vogue (English Language): Joe Pickard

Director of Content, Vogue: Rahel Gebreyes

Um olhar dentro do novo escritório de Nova York da Heidrick & Struggles

A empresa de consultoria Heidrick & Struggles contratou a empresa de arquitetura e design de interiores TPG Architecture para projetar seu novo escritório na cidade de Nova York.

Recepção

“O escritório One Vanderbilt quebra a hierarquia de funcionários com seu novo design de endereço livre, onde os funcionários não têm assentos atribuídos e trabalham onde quiserem. Essa mudança oferece aos funcionários mais autonomia em suas configurações de trabalho e estilos de colaboração. Funcionários de todos os rankings trabalham ao lado e com colegas de trabalho para criar um ambiente de empresa harmonioso.

O design da área da frente da casa reflete o forte calibre da clientela que Heidrick atende. O design é complementado por elementos atenciosos de hospitalidade. Existem várias salas de conferência nas proximidades para entrevistas e reuniões de candidatos. Além disso, o local de trabalho inclui um amplo café com duas telas de mídia que podem dar suporte a prefeituras, eventos ou outras reuniões”, diz TPG Architecture.

  • Localização:Nova York, Nova York
  • Data de conclusão:2022
  • Tamanho:16.000 pés quadrados
  • Projeto: Arquitetura TPG
Espaço de breakout
Elevadores
Espaço de breakout
Espaço de breakout
Espaço de breakout
Espaço de breakout
Sala de reuniões
Sala de reuniões
Cozinha / Café
Cozinha / Café

CINEMA I Estreias: Cidade Perdida, Detetives do Prédio Azul 3, Flee, A Noite do Triunfo, Nunca Fomos Tão Modernos

Cinemas têm 5 estreias no feriado, como filme com Sandra Bullock e ‘Flee’, indicado ao Oscar

Sandra Bullock e Channing Tatum em cena do filme ‘Cidade Perdida’ – Divulgação

SÃO PAULO – Não é de hoje que Hollywood brinca com seus próprios clichês para fazer filmes. Mas é nesse caminho que vai “Cidade Perdida”, comédia romântica estrelada por Sandra Bullock e Channing Tatum, em que ela vive uma autora de livros de aventura, enquanto ele é o modelo que empresta seu tanquinho para as capas das aventuras.

Mas o galã acredita que, no fundo, é mais do que um abdômen sarado. Ele e um bilionário, vivido por Daniel Radcliffe —sim, o eterno Harry Potter—, acham que o tesouro dos romances é de fato real. Então a autora é raptada e obrigada a encontrar a tal cidade perdida da ficção. É a chance perfeita para que o modelo mostre que pode ser mesmo um herói.

Já para quem busca um filme mais sério, a pedida é “Flee: Nenhum Lugar Para Chamar de Lar”, indicado a três estatuetas do Oscar. Ele parte de um lugar não tão comum, que é fazer um documentário animado, para contar a história de um jovem afegão forçado a fugir de seu país quando o Talibã toma o poder. Os desenhos dão uma nova perspectiva para uma tragédia tão repetida, exibindo o drama dos refugiados e as experiências de suas travessias.

Dentre as inspirações na vida real, “A Noite do Triunfo” é outro filme nessa toada. Ele conta a história de um ator desempregado que vai ministrar uma oficina de teatro para presidiários que acaba resultando em uma bem-sucedida montagem de “Esperando Godot”, que rende até turnês pela França.

Já entre as estreias nacionais, a semana tem “Detetives do Prédio Azul 3 – Uma Aventura no Fim do Mundo”, novo capítulo com o trio de detetives mirins que tenta salvar um porteiro enfeitiçado, e “Nunca Fomos Tão Modernos”, comédia romântica em que a personagem de Letícia Spiller pede que o melhor amigo do marido comece a provocá-lo para que fique com ciúmes e tente dar mais atenção a ela.

Confira abaixo as estreias da semana.

Cidade Perdida
Sandra Bullock vive uma badalada escritora de livros de aventura que enfrenta um bloqueio criativo. O sucesso, porém, desperta a ganância de um bilionário que acredita que o tesouro perdido da literatura existe de verdade —até que ela é raptada para ajudar a encontrá-lo. Nisso, o galã, vivido por Channing Tatum, também não aceita que tudo é ficção e parte numa missão para mostrar à autora que, além de um belo abdômen, ele também pode ser um herói de verdade.
EUA, 2022. Direção: Aaron Nee e Adam Nee. Com: Sandra Bullock, Channing Tatum e Daniel Radcliffe. 14 anos


Detetives do Prédio Azul 3 – Uma Aventura no Fim do Mundo
O trio de detetives mirins que protagoniza uma série desde 2012 chega ao terceiro longa-metragem com uma trama em que terão de ir à cidade mais ao sul do planeta para libertar o simpático porteiro Severino, que encontrou um medalhão ancestral e ficou possuído por uma entidade maligna.
Brasil, 2021. Direção: Mauro Lima. Com: Anderson Lima, Letícia Braga e Pedro Henriques Motta. Livre


Flee – Nenhum Lugar Para Chamar de Lar
Indicado a três estatuetas do Oscar, o filme dinamarquês traz a proposta pouco comum de fazer um documentário animado. A história acompanha um jovem afegão forçado a fugir de seu país quando o Talibã toma o poder, viajando para uma Rússia recém-convertida ao capitalismo. Sem documentos, ele e família tentam migrar para um país nórdico e, nessa trajetória, passarão por experiências que, na forma de desenho animado, nos ajudam a ver uma situação lancinante de uma nova perspectiva.
Dinamarca, 2021. Direção: Jonas Poher Rasmussen. 14 anos


A Noite do Triunfo
Um ator desempregado é convidado a fazer uma oficina de teatro com presidiários que não têm qualquer proximidade com as artes. Daí que ele propõe nada menos do que uma encenação de “Esperando Godot”, de Samuel Beckett. E, contra todas as expectativas, o trabalho acaba sendo um sucesso, que inclusive leva a trupe para uma turnê pela França. Inspirado em uma história real, o filme foi exibido no Festival de Cannes.
França, 2020. Direção: Emmanuel Courcol. Com: Kad Merad, Marina Hands e Laurent Stocker. 14 anos


Nunca Fomos Tão Modernos
Santiago é um homem azarado, mas que conseguiu uma bela mulher. Mas o casamento não vai muito bem. Daí que ela, interpretada por Letícia Spiller, convence o melhor amigo do marido a despertar os ciúmes dele. Ao longo dessa comédia romântica, como era de se esperar, os planos acabam gerando uma confusão ainda maior.
Brasil, 2022. Direção: Alexandre Moretzsohn e Guga Coelho. Com: Letícia Spiller, Dudu Azevedo e Guga Coelho. 14 anos