Margot Robbie é Barbie na primeira imagem do filme de Greta Gerwig

Versão live-action da histórica boneca chega às telonas em julho de 2023
EDUARDO PEREIRA

WarnerBros/ Divulgação

Warner Bros. revelou a primeira imagem oficial de Margot Robbie em Barbie, adaptação cinematográfica em live-action da história linha de bonecas da Mattel. Dirigida por Greta Gerwig, a produção foi um dos destaques do painel da Warner Bros. na CinemaCon 2022, onde teve revelada sua data de chegada aos cinemas: 21 de julho de 2023.

A data coloca o filme da boneca em rota de colisão com outra aguardada superprodução: o drama histórico Oppenheimer, de Christopher Nolan. Ainda assim, Barbie contará com um elenco estrelado para intensificar a disputa. Ao lado de Robbie, estarão nomes como Ryan GoslingKate McKinnon, Alexandra Shipp, America FerreraSimu LiuHari Nef e Will Ferrell.

Ainda arredondam o elenco Ncuti GatwaConnor Swindells e Ritu Arya, além de Kingsley Ben-Adir, Rhea PerlmanEmerald FennellSharon RooneyScott Evans, Ana Cruz KayneJamie Demetriou, Michael CeraIssa RaeAmerica FerraraKate McKinnonSimu Liu e Emma Mackey.

Apesar do filme estar chamando bastante atenção dos fãs e reunir um considerável número de estrelas em seu elenco, os detalhes da trama ainda são bem escassos. No entanto, pode-se esperar uma adaptação fora do típico de Gerwig, além de mais liberdade criativa para Margot Robbie no longa, visto que a atriz também está atuando como produtora do projeto.

Batman 2 é oficializado com retornos de Robert Pattinson e Matt Reeves

Sequência para o mais novo filme do Cavaleiro das Trevas foi anunciada na CinemaCon
EDUARDO PEREIRA

Menos de dois meses depois da estreia de Batman nos cinemas, a Warner Bros. confirmou a produção de uma sequência para o filme dirigido por Matt Reeves. A vindoura adaptação dos quadrinhos da DC terá o retorno do cineasta à direção, bem como do astro Robert Pattinson ao capuz do Cavaleiro das Trevas. O anúncio foi feito durante painel do estúdio da CinemaCon 2022 (via Collider).

Embora claramente uma ótima notícia para os fãs, a confirmação da sequência está longe de ser uma surpresa, já que Batman já soma mais de US$750 milhões em arrecadação na bilheteria internacional (em um contexto comercial pós-pandemia da covid-19), sem contar o recorde histórico de exibição que o filme registrou ao entrar para o catálogo do serviço de streaming HBO Max.

Assim, Batman 2 integra a lista de vindouros mergulhos no universo apresentado por Reeves no filme de 2022, que incluem também duas séries originais desenvolvidas para a plataforma de streaming. A primeira será focada no Asilo Arkham e na polícia de Gotham, enquanto a segunda será dedicada ao Pinguim, vivido por Colin Farrell.

Dirigido por Reeves (Planeta dos Macacos), Batman tem no elenco Pattinson como o Homem-Morcego, Paul Dano (Charada), Andy Serkis (Alfred), Zoë Kravitz (Mulher-Gato), Jeffrey Wright (Comissário Gordon) e Farrell (Pinguim).

Batman chegou à HBO Max e às plataformas digitais em 18 de abril, e está disponível em Blu-ray e DVD.

Tesla perdeu US$ 275 bi após Musk iniciar a compra do Twitter 

A queda bilionária de valor da companhia foi responsável por garantir à Tesla o pior desempenho entre os nomes listados no S&P 500
Por Wesley Gonsalves – O Estado de S.Paulo

A decisão de comprar o Twitter está gerando um prejuízo bilionário para Elon Musk. Desde que o empresário demonstrou interesse pela rede social do passarinho azul, em 4 de abril, a Tesla já perdeu US$ 275 bilhões em valor de mercado. Desde o anúncio da compra nesta segunda, 25, o valor da companhia encolheu US$ 126 bilhões, com suas ações caindo 12% na Bolsa de Valores americana. 

Um dos motivos para a queda está a preocupação de investidores da montadora de veículos elétricos quanto à possibilidade de Musk se desfazer de parte das suas ações para honrar com a transação da rede social.  

A queda bilionária de valor da companhia foi responsável por garantir à Tesla o pior desempenho entre os nomes listados no S&P 500, que teve queda de 2,34% nesta terça-feira, 26. O encolhimento no preço da montadora já representa o valor de quase sete operações do Twitter.

Introducing the Roland JUNO-X Synthesizer | Three JUNOs in One (JUNO-60, JUNO-106, and JUNO-X)

Watch David Ahlund introduce the JUNO-X synthesizer’s wide range of sounds and features. This three-in-one synth contains the vintage JUNO-60 and JUNO-106 engines from the legendary JUNO lineup plus the modern JUNO-X sound engine. Combine and layer up to four parts and bring the warm vintage sounds of the ‘80s into the future.

Enhance your performance with three additional Roland classics—XV-5080, RD-Piano, and Vocoder. From the built-in chorus to the forward-thinking I-Arpeggio, JUNO-X combines classic effects with modern musical muscle for an unmatched JUNO experience.

Not only is JUNO-X packed with unrivaled sounds, but it also features a familiar panel with responsive controls and a full-sized keyboard for immersive performance. Plus, you can tweak tones, build scenes, and swap parameters easily using the free JUNO-X Editor for Windows and Mac OS available on Roland Cloud.

Assista David Ahlund apresentar a ampla gama de sons e recursos do sintetizador JUNO-X. Este sintetizador três em um contém os motores vintage JUNO-60 e JUNO-106 da lendária linha JUNO, além do moderno mecanismo de som JUNO-X. Combine e sobreponha até quatro partes e traga os sons vintage quentes dos anos 80 para o futuro.

Melhore sua performance com três clássicos adicionais da Roland—XV-5080, RD-Piano e Vocoder. Do chorus integrado ao I-Arpeggio inovador, o JUNO-X combina efeitos clássicos com músculos musicais modernos para uma experiência JUNO incomparável.

O JUNO-X não é apenas embalado com sons incomparáveis, mas também possui um painel familiar com controles responsivos e um teclado de tamanho completo para desempenho imersivo. Além disso, você pode ajustar tons, criar cenas e trocar parâmetros facilmente usando o JUNO-X Editor gratuito para Windows e Mac OS disponível na Roland Cloud.

0:00 Introduction

1:11 JUNO-X Engine

3:08 JUNO-60 Model

4:14 JUNO-106 Model

5:49 XV-5080 Model

6:21 RD-Piano Model

:640 ZEN-Core Sounds

7:32 Designing Sounds—Synth Bass

8:39 Designing Sounds—Pad 9:33 Designing Sounds—Organ

10:18 Designing Sounds—Lead

11:14 Vocoder

12:10 Scenes

14:25 I-Arpeggio

15:49 Drum Step Sequencing

17:32 Roland Cloud Connect

18:13 Performance

NARS Light Reflecting Foundation 2022

NARS Light Reflecting Foundation 2022
Source: narscosmetics.com
Published: April 2022

In this picture: Chloe Magno
Credits for this picture: Fabien Baron (Photographer), Patti Wilson (Fashion Editor/Stylist), Guido Palau (Hair Stylist), Susie Sobol (Makeup Artist), Ashley Brokaw (Casting Director)

All people in this campaign:

Fabien Baron – Photographer Patti Wilson – Fashion Editor/Stylist Guido Palau – Hair Stylist Susie Sobol – Makeup Artist Ashley Brokaw – Casting Director Chloe Magno – Model Tindi Mar – Model

In this picture: Tindi Mar
Credits for this picture: Fabien Baron (Photographer), Patti Wilson (Fashion Editor/Stylist), Guido Palau (Hair Stylist), Susie Sobol (Makeup Artist), Ashley Brokaw (Casting Director)

Mulheres ucranianas foram estupradas antes de serem mortas, diz ‘The Guardian’

Reportagem do The Guardian afirma que dezenas de moradoras de Bucha, Irpin e Borodianka, na Ucrânia, podem ter sido estupradas antes de morrer

Foto: Rodrigo Abd

Médicos forenses que realizam exames póstumos nos corpos encontrados em valas comuns ao norte de Kiev dizem ter encontrado evidências de que algumas mulheres foram estupradas antes de serem mortas pelas forças russas, segundo reportagem do jornal The Guardian. As evidências foram vistas em dezenas de autópsias de moradoras de BuchaIrpin e Borodianka, cidades que ficaram sob ocupação russa por cerca de 1 mês.

Uma equipe liderada pelo médico forense Vladislav Perovski para realizar autópsias na região examina cerca de 15 corpos por dias, e muitos deles estão mutilados. “Há muitos corpos queimados e corpos fortemente desfigurados que são simplesmente impossíveis de identificar”, disse ele ao Guardian. “O rosto pode ser esmagado em pedaços, você não pode montá-lo novamente, às vezes não há cabeça nenhuma.”

Médicos forenses exumam corpos de civis encontrados em valas na cidade de Bucha, norte de Kiev, no dia 13 de abril. Evidências revelam que mulheres foram estupradas na cidade antes de serem mortas por russos
Médicos forenses exumam corpos de civis encontrados em valas na cidade de Bucha, norte de Kiev, no dia 13 de abril. Evidências revelam que mulheres foram estupradas na cidade antes de serem mortas por russos Foto: Volodmir Petrov / Reuters

Ele acrescentou que os corpos de algumas mulheres que examinaram mostravam sinais de que as vítimas foram mortas por tiros automáticos, com mais de seis buracos de bala encontrados nas costas.

O promotor sênior da região de Kiev, Oleh Tkalenko, disse ao Guardian que detalhes de supostos estupros foram encaminhados ao seu escritório, que investiga circunstâncias como locais e idades das vítimas. “Os casos de estupro são um assunto muito delicado e sensível”, afirmou. “Os médicos forenses têm uma tarefa específica de verificar a genitália das vítimas do sexo feminino e procurar sinais.”

Também há relatos de alguns corpos tão decompostos que dificulta encontrar sinais de estupros e abusos.

Outra evidência dos crimes é o depoimento de dezenas de mulheres à polícia, à mídia e a organizações de direitos humanos sobre as atrocidades que dizem ter sofrido nas mãos de soldados russos. Depois que os russos saíram das cidades, os investigadores ouviram testemunhos de estupros coletivos, assaltos à mão armada e estupros cometidos na frente de crianças.

A comissária de direitos humanos da Ucrânia, Liudmila Denisova, documentou oficialmente os casos de 25 mulheres que foram mantidas em um porão e estupradas sistematicamente em Bucha, uma cidade hoje sinônimo de crimes de guerra russos. As autoridades alertaram que esses casos podem ser a ponta do iceberg e acusaram as tropas russas de usar o estupro como instrumento de guerra.

O presidente da Ucrânia, Volodmir Zelenski, também disse em um comunicado na semana passada que centenas de mulheres foram estupradas por soldados russos. As autoridades ucranianas se recusaram a fornecer números exatos ou detalhes sobre onde os estupros ocorreram ou as idades das vítimas.

A Rússia tem negado repetidamente alvejar civis durante a guerra, mesmo quando as evidências em contrário se acumulam.

Muitas das provas recolhidas pelos procuradores ucranianos serão em breve enviadas ao Tribunal Penal Internacional (TPI), que iniciou uma investigação sobre possíveis crimes de guerra e crimes contra a humanidade na Ucrânia.

GUCCI: GG BLUE

Em um aceno às origens históricas do tecido, a Gucci reintroduziu o canvas GG em uma combinação atemporal de azul e bege para sua coleção Gucci Love Parade.Caracterizada pelo baixo impacto ambiental, a tela sempre ocupou lugar de destaque nas coleções da Gucci e se tornou, ao longo das décadas, uma das marcas registradas da Maison.

O canvas GG azul retorna através de uma campanha exclusiva com o motivo icônico como principal protagonista. Uma seleção de imagens e vídeos capturam um universo inteiramente estofado com o monograma GG. Do chão ao teto, cada elemento do conjunto é adornado com este padrão emblemático. Os itens Gucci combinam com o cenário, com acabamentos em couro azul e uma teia azul-vermelho-azul as únicas características distintivas.

Dê uma olhada abaixo:

Compre Gucci AQUI !

Direção Criativa: AM
Direção de arte: Max Siedentopf
Fotografia e direção: Max Siedentopf
Maquiagem: Fara Homidi
Cabeleireira: Andrea Martinelli

Nicolas Montenegro | Barcelona Bridal Fashion Week 2022 | Full Show

Nicolás Montenegro | Barcelona Bridal Fashion Week 2022 | Full Fashion Show in High Definition. (Widescreen – Exclusive Video/1080p – Barcelona Bridal Fashion Week/Barcelona – Spain) #Nicolasmontenegro #BBFW22

Sue Verran – Fog Horn/Glow
Andrea Rocha – Indigo

Funcionários do Twitter passaram anos tentando tornar a plataforma mais segura. Elon Musk poderia minar tudo isso

POR BILLY PERRIGO  26 DE ABRIL DE 2022 12H41 EDT

Ilustração de Tim O’Brien para TIME

Aqui está uma velha piada entre os funcionários do Twitter de que estar na plataforma é como jogar um grande jogo multiplayer online onde todos os dias há um personagem principal diferente – ou seja, uma pessoa que é criticada, assediada ou empurrada para o centro das atenções. De acordo com a piada, você tem apenas um objetivo no jogo do Twitter: nunca se tornar esse personagem principal.

Um dia em 2018, o personagem principal do Twitter era Vernon Unsworth, um mergulhador britânico que passou dias ajudando no resgate de um grupo de meninos tailandeses presos em uma caverna inundada. Depois que o bilionário Elon Musk ofereceu um submarino minúsculo aos mergulhadores de resgate, Unsworth disse à mídia que a ideia de Musk era apenas um golpe inútil de relações públicas. Musk então foi ao Twitter, onde (em tweets que mais tarde ele apagou) ele acusou infundadamente o homem de ser um “pedófilo”. Os tweets levaram centenas de fãs de Musk a atacar o mergulhador com ataques abusivos e humilhantes. Musk posteriormente se desculpou pelos tweets no tribunal, dizendo que não queria que eles fossem levados literalmente.

A saga foi um exemplo de dogpiling: um fenômeno em que poderosos usuários do Twitter estimulam legiões de seus fãs a assediar outra pessoa. Durante anos, equipes de funcionários do Twitter trabalharam – embora com sucessos limitados – para reduzir o dogpilling e outras formas comuns de abuso.

Em 25 de abril, esses funcionários do Twitter souberam que Musk, arquiteto da saga “pedo guy”, poderia se tornar seu novo chefe – depois que o conselho aceitou uma oferta de US$ 44 bilhões do homem mais rico do mundo.

Em comunicado anunciando que o Twitter havia concordado em deixá-lo comprar a rede social, o CEO da Tesla e da SpaceX falou em termos grandiosos familiares a quem segue seus pronunciamentos sobre colonizar Marte ou construir veículos elétricos: “A liberdade de expressão é a base de uma democracia em funcionamento. , e o Twitter é a praça da cidade digital onde são debatidos assuntos vitais para o futuro da humanidade.”

Mas muitos na linha de frente da luta por espaços democráticos online questionaram se a propriedade de Musk do Twitter prejudicaria, em vez de reforçar, a democracia. Para funcionários que testemunharam o próprio comportamento de Musk na plataforma, as palavras do bilionário sobre liberdade de expressão soaram vazias. Com mais de 85 milhões de seguidores, Musk usou sua conta influente não apenas para direcionar insultos a críticos e compartilhar memes sobre ir ao banheiro, mas também, segundo os reguladores , para fazer “declarações públicas falsas e enganosas” que impulsionaram o preço das ações da Tesla. e prejudicou os investidores.

Alguns funcionários do Twitter acreditam que esse registro é um mau presságio para os esforços anti-assédio da empresa. “Várias vezes, seus seguidores foram os autores de assédio direcionado, e o uso de seu perfil encorajou o dogpiling – que são exatamente os comportamentos que estamos tentando limitar”, disse um funcionário da equipe de saúde da plataforma do Twitter, que trabalha para tornar o site um espaço online mais seguro para os usuários. “Desde que Trump foi banido, Musk se tornou o usuário número um do Twitter”, disse a pessoa. O funcionário, que não estava autorizado a falar publicamente, acrescentou que temia que a aquisição de Musk, no mínimo, reduziria a confiança do usuário nos esforços antiabuso do Twitter e, na pior das hipóteses, poderia resultar na despriorização ou cancelamento do trabalho.

Membros de comunidades marginalizadas – que são desproporcionalmente vítimas de ameaças e abusos online – estão entre as mais protegidas pelo atual sistema de moderação de conteúdo do Twitter. Ativistas dessas comunidades compartilham as preocupações dos funcionários do Twitter de que essas proteções possam ser revertidas. “Se Elon Musk assumisse o controle, o dano que seria causado se espalharia pelos funcionários do Twitter que não conseguiriam implementar as coisas de que precisam para manter a plataforma segura”, Jelani Drew-Davi, gerente de campanha do digital civil. grupo de direitos humanos Kairos, disse à TIME nos dias que antecederam o acordo. Como exemplo do histórico de Musk em assuntos semelhantes, Drew-Davi citou um processo alegando uma cultura de abuso racista desenfreado contra trabalhadores negros em uma fábrica da Tesla na Califórnia.

Desde a explosão do uso de mídia social há mais de uma década, pesquisadores e tecnólogos forjaram uma compreensão das maneiras pelas quais o design de sites de mídia social tem impacto no discurso cívico e, em última análise, nos processos democráticos. Uma de suas principais descobertas: sites que privilegiam a liberdade de expressão acima de tudo tendem a se tornar espaços onde o discurso cívico é abafado pelo assédio, restringindo a participação a poucos privilegiados.

Essa descoberta informou o trabalho recente do Twitter. Embora a empresa remova tweets e bane contas de infratores graves, grande parte de sua abordagem atual se concentra em estimular os usuários a serem mais gentis. Antes da oferta de Musk, uma das prioridades declaradas da plataforma era facilitar “conversas seguras, inclusivas e autênticas”. Também se comprometeu a “minimizar a distribuição e o alcance de informações prejudiciais ou enganosas, especialmente quando sua intenção é interromper um processo cívico ou causar danos offline”. Nos casos em que os tweets são considerados ruins para o discurso cívico, mas não ilegais – como desinformação ou insultos – os tweets podem ser removidos dos algoritmos de recomendação, o que significa que o Twitter não os impulsiona para os feeds de usuários que não seguem seu autor diretamente, em vez de ser totalmente excluído da plataforma.

“De certa forma, os objetivos [de Musk] estão alinhados com os nossos, pois certamente estamos interessados ​​em proteger a democracia”, diz o funcionário do Twitter da equipe de saúde. “Mas a ideia de trazer mais liberdade de expressão para a plataforma expõe sua ingenuidade em relação às porcas e parafusos. Muitas plataformas [foram] fundadas nesse princípio de liberdade de expressão, mas a realidade é que ou elas se tornam uma fossa que as pessoas não querem usar, ou percebem que há realmente a necessidade de algum nível de moderação.”

Analistas de negócios apontam que a moderação de conteúdo também é boa para os lucros. “Sem moderação de conteúdo vigorosa, a plataforma que Musk busca possuir seria inundada por spam, pornografia, desinformação anti-vacinação, conspirações de QAnon e campanhas fraudulentas para minar as eleições presidenciais de meio de mandato e 2024”, disse Paul Barrett, vice-diretor da NYU. Stern Center for Business and Human Rights, em um comunicado. “Esse não é um negócio com o qual a maioria dos usuários de mídia social ou anunciantes gostaria de se associar.”

O acordo de aquisição de Musk não foi uma história simples. Houve várias reviravoltas, pois o financiamento parecia duvidoso e o conselho de administração do Twitter parecia reticente, adotando uma estratégia conhecida como “pílula venenosa” para evitar uma aquisição. Durante todo o tempo, Musk apresentou sua busca como um desafio às elites intransigentes do Vale do Silício. Suas declarações sobre liberdade de expressão muitas vezes se alinham com os pontos de discussão republicanos de que os conservadores estão sendo injustamente censurados por empresas de tecnologia e – em um movimento que pode abrir as portas para o retorno do ex-presidente Donald Trump à plataforma – Musk disse que preferiria “ tempo limite” para usuários que quebram as regras do site, em vez de banimentos permanentes. (O Twitter baniu Trump permanentemente após 6 de janeiro de 2021, por incitação à violência durante sua tentativa de derrubar de forma não democrática os resultados das eleições de 2020.)

O debate sobre transparência no Twitter

Juntamente com compromissos vagos, incluindo adicionar um botão de edição e se livrar de spam na plataforma, o apelo mais substancial de Musk foi para que o Twitter fosse mais transparente sobre sua tomada de decisões. Ele quer que ele “abra o código” de seu algoritmo, para que os usuários possam descobrir quando o Twitter parou de recomendar seus tweets a outros usuários. “Essa ação deve ser tornada aparente”, disse ele em uma conferência TED em 14 de abril, “para que não haja manipulação nos bastidores, seja algorítmica ou manual”.

Mas os funcionários que trabalham nas trincheiras da moderação de conteúdo dizem que, embora a transparência total seja um objetivo nobre, informar os usuários sobre quais tweets específicos estão sendo “rebaixados” na prática daria aos maus atores informações úteis sobre como evitar os limites de spam, desinformação e discurso de ódio. De fato, o Twitter já está entre as redes sociais mais transparentes em termos de compartilhamento de como seu algoritmo funciona, além de pesquisar suas próprias falhas e compartilhar os resultados publicamente.

Essa pesquisa sugere que, na prática, visões mais conservadoras podem ter se beneficiado mais do design do algoritmo do Twitter. Em outubro passado, o Twitter divulgou uma pesquisa mostrando que seu algoritmo estava agindo de forma suspeita: no período que antecedeu as eleições de 2020 nos EUA, fontes de notícias partidárias de direita receberam um impulso maior do algoritmo do Twitter do que fontes de notícias moderadas ou de esquerda. A pesquisa também encontrou um efeito semelhante para políticos em seis dos sete países estudados, incluindo os EUA. Ela mostrou que o algoritmo do Twitter recomendou, a mais usuários, postagens de políticos de partidos de direita tradicionais do que de partidos centristas ou de esquerda.

Seis meses depois, essa equipe continua seu trabalho analisando o viés algorítmico, em meio a sugestões de alguns conservadores de que esse trabalho significa interferir na liberdade de expressão. As primeiras indicações sugerem, de acordo com o Twitter, que o impulso da plataforma de políticos de centro-direita não é uma qualidade intrínseca de seu algoritmo. Em vez disso, os pesquisadores descobriram que a amplificação muda ao longo do tempo de acordo com os tópicos com os quais as pessoas se preocupam e as mudanças na forma como os usuários se comportam. Os dados estão ajudando os pesquisadores a começar a entender o Twitter como um “sistema sociotécnico”, com definições sobre o que constitui níveis normais e anormais de amplificação algorítmica de conteúdo político. Tal entendimento pode um dia permitir que a empresa intervenha quando eventos perigosos do mundo real estiverem acontecendo. Mas fazer isso seria uma intervenção política necessariamente baseada nos valores do Twitter como empresa. Da noite para o dia, esses valores parecem ter mudado de “facilitar uma conversa saudável” para o autoproclamado “absolutismo” de liberdade de expressão de Musk.

No Twitter, onde o discurso é limitado a 280 caracteres por tweet, a discussão sutil de pesquisas complexas e julgamentos de valor não é fácil – e no clima febril, até os próprios funcionários do Twitter correm o risco de se tornar o temido personagem principal do Twitter. Rumman Chowdhury, líder da equipe que realizou a pesquisa de amplificação algorítmica, sugeriu em uma série de tweets que ela se opunha a Musk comprar a empresa, embora ela não tenha dito que isso era por medo de que sua aquisição significasse uma fim de seu trabalho. Em vez disso, seus comentários pareciam fazer referência à capacidade dele de armar multidões do Twitter contra os críticos. “O efeito arrepiante imediato de Musk foi algo que me incomodou significativamente”, escreveu ela. “O Twitter tem uma bela cultura de críticas construtivas hilárias, e eu vi isso em silêncio por causa de seus asseclas atacando funcionários.” Logo, ela silenciou suas notificações no tópico, acrescentando: “os trolls desceram”.