Ms. Marvel dribla desconfianças com comédia teen fofa e consistente

Série compreende espírito de seus personagens e traz uma das melhores caracterizações do MCU
NICO GARÓFALO

Marvel Studios/Divulgação

Como qualquer fã de super-heróis poderá confirmar, uma boa adaptação de quadrinhos depende muito mais do que apenas repetir falas, quadros ou visuais icônicos. Homem-Aranha 2, de 2004, por exemplo, tomou muitas liberdades criativas com seu material-base e, ainda assim, segue como um dos filmes mais amados do gênero. O mesmo pode ser dito de O Cavaleiro das Trevas, de 2008, que consagrou Christopher Nolan como um ídolo nerd. Embora sejam muito diferentes dos gibis que os inspiraram, ambos os longas souberam traduzir o espírito das histórias de seus heróis titulares para as telonas e se tornaram adorados até pelos fãs mais puristas dos personagens. Ainda assim, Ms. Marvel chega com certa desconfiança.

A mudança radical nos poderes da heroína e a necessidade de adequá-la ao núcleo cósmico deixou muitos leitores assíduos com a pulga atrás da orelha – afinal, Kamala Khan sempre foi uma heroína urbana e de poderes esquisitos. Felizmente, os dois primeiros episódios da série, que estreia nesta quarta-feira (8) no Disney+, derrubam qualquer dúvida acerca da caracterização da personagem.

Já nos momentos iniciais, Ms. Marvel mostra que, diferente de algumas outras produções, abraçará sem qualquer pudor o absurdo dos gibis de super-herói. Com uma animação de cerca de cinco minutos narrada por Iman Vellani, a série estabelece o tom otimista e colorido que permeia a produção.

Vellani, aliás, demora pouquíssimo tempo para provar que foi a escolha perfeita para viver a Ms. Marvel. A atriz de 19 anos encarna Kamala de forma louvável, transparecendo toda a personalidade agitada e sonhadora da garota sem o menor esforço, superando – e muito – as boas expectativas que as pequenas prévias da série criaram sobre ela. Com um carisma comparável ao Tony Stark de Robert Downey Jr., Vellani não se intimida com seu recém-adquirido protagonismo e encanta com seu retrato da jovem fã de super-heróis.

Além de acertar na escolha da protagonista, Ms. Marvel também encontra o tom perfeito para contar a história da personagem de G. Willow WilsonSana Amanat e companhia. Misturando elementos de Vivendo a Vida AdoidadoFreaks & GeeksScott Pilgrim Contra o Mundo e, surpreendentemente, Todo Mundo Quase Morto, a equipe comandada por Bisha K. Ali cria uma comédia adolescente que se encaixa perfeitamente no mundo de Kamala e seus amigos.

Adotando um formato muito mais episódico do que as outros títulos da Marvel para o Disney+, Ms. Marvel constrói sua própria “bolha” que, mesmo que não ignore o restante do MCU, funciona muito bem mesmo como obra isolada. Encaixando paixonites adolescentes, professores pseudo-descolados e tias fofoqueiras na franquia dos Heróis Mais Poderosos da Terra, a série mostra o potencial imenso ainda inexplorado pela marca.

Outra ótima surpresa na série é a atenção dada aos coadjuvantes. Bruno (Matt Lintz) e Zoe (Laurel Marsden), por exemplo, têm seus bons momentos nos holofotes, assim como os pais de Kamala, vividos por Zenobia Shroff e Mohan Kapur. Mas é Nakia, interpretada por Yasmeen Fletcher que mais brilha entre os integrantes do elenco de apoio. Desenvolvida para além do posto de “melhor amiga da protagonista”, a garota tem uma presença incrível, com seus próprios sonhos e ambições se destacando mesmo em um episódio focado nos recém-descobertos poderes de Kamala.

Queimando a língua dos cínicos

O Marvel Studios assumiu um risco muito grande de descaracterizar a Ms. Marvel ao alterar seus poderes, muito ligados à trajetória de autoaceitação de Kamala. Felizmente, o estúdio encontrou uma maneira de contornar esse problema em potencial, justificando a mudança de forma extremamente condizente com a mensagem dos quadrinhos.

Afastando-se ainda mais do conceito dos Inumanos, Ms. Marvel liga diretamente os poderes de sua heroína-título à sua ancestralidade e, embora as prévias destaquem a natureza “cósmica” dessas habilidades, a série não demora para defini-las como uma individualidade de Kamala. Embora ainda faça mistério em relação às origens verdadeiras desses poderes, fica claro já nesses dois primeiros episódios que a produção soube adaptá-los ao contexto do MCU sem ignorar seu significado maior.

Com um começo promissor, Ms. Marvel é o show de carisma e cores que praticamente desapareceu com a produção de blockbusters a toque de caixa. E, mesmo que não tenha vindo para mudar o status quo do Marvel Studios, a série promete, pelo menos, uma introdução divertidíssima para uma das personagens mais importantes da Casa das Ideias nos últimos 20 anos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.