Microsoft demite e Google desacelera crescimento com crise

Empresas de tecnologia tentam absorver impacto da as altas de juros e da inflação no ano de 2022

Microsoft afirmou que os cortes não chegaram a atingir 1% dos funcionários; empresa tem cerca de 180 mil colaboradores

O cenário de crise que afeta startups no mundo inteiro tem deixado seu rastro no caminho das grandes empresas de tecnologia. Nesta terça-feira, 12, Google Microsoft anunciaram planos para desacelerar a operação em 2022: enquanto a gigante das buscas vai pausar contratações, a Microsoft se viu obrigada a demitir parte de seus funcionários nesta semana.

Sundar Pichai, presidente do Google, enviou uma carta aos seus funcionários nesta terça, avisando que a companhia está diminuindo o ritmo de contratações até o final de 2022. A mensagem foi vista pelo site americano The Verge

Na carta, enviada por email aos colaboradores, Pichai ressalta que ainda há posições abertas na empresa e que áreas como engenharia e cargos técnicos serão preenchidos. Outras funções, porém — consideradas menos urgentes — terão vagas congeladas. 

“As perspectivas econômicas globais incertas têm sido uma das principais preocupações. Como todas as empresas, não estamos imunes aos ventos contrários no cenário econômico”, disse Pichai. 

A diminuição de contratações no Google já era esperada, conforme anunciou o site Business Insider também nesta terça-feira. O site teve acesso a informações de que a gigante das buscas já estava de olho em alternativas para controlar o período de crise econômica. 

“Devido ao progresso de contratação alcançado até agora este ano, diminuiremos o ritmo de contratação pelo resto do ano, enquanto ainda apoiamos nossas oportunidades mais importantes. No balanço entre 2022 e 2023, focaremos nossa contratação em engenharia, funções técnicas e outras funções críticas, e garantiremos que os grandes talentos que contratamos estejam alinhados com nossas prioridades de longo prazo”, continuou Pichai na carta aos funcionários. 

O presidente disse ainda que, no futuro, será necessário ter um foco mais nítido e entender as estratégias que podem ajudar a empresa a superar crises — incluindo a pausa de desenvolvimento e redistribuição de recursos, se preciso.

Enquanto o Google toma medidas cautelosas para não entrar nas estatísticas das demissões, outra gigante não conseguiu escapar dos cortes neste ano. Nesta terça-feira, a Microsoft demitiu parte de seu quadro de funcionários, de acordo com a agência de notícias Bloomberg

A empresa não revelou quais foram as áreas afetadas nem a quantidade exata de funcionários que deixaram a companhia. Segundo a Bloomberg, porém, o número não chegou a 1% — a Microsoft tem, hoje, 180 mil funcionários. Para comparação, 1% dos funcionários seriam, aproximadamente, 1,8 mil pessoas. 

“Recentemente eliminamos um pequeno número de posições. Como todas as empresas, avaliamos nossas prioridades de negócios regularmente e fazemos ajustes estruturais de acordo com essas análises. Continuaremos a investir em nossos negócios e a aumentar o número de funcionários, em geral, no próximo ano”, afirmou a Microsoft em nota ao Estadão

Além das duas gigantes, outras empresas de tecnologia já fizeram cortes ou desaceleraram a operação para absorver o impacto da crise. O Twitter, recentemente, demitiu 30% do seu time de aquisição, depois que Parag Agrawal, presidente da empresa, afirmou que estava diminuindo as contratações. A Meta, holding do Facebook, também já anunciou que vai pisar no freio na hora de contratar funcionários neste ano.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.