Móveis da extinta Editora Bloch vão a leilão com itens de Sergio Rodrigues

Lotes pertencem a colecionador particular e também incluem raridades de Joaquim Tenreiro
Por Eduardo Vanini

Boa parte dos móveis foi desenvolvida com exclusividade para o prédio — Foto: Eduardo Magalhães

No dia 19 de junho de 1971, chegava às bancas a edição de número mil da revista Manchete. Fotos e textos descreviam, a partir da página 75, os meandros da Editora Bloch, o império midiático por trás da publicação e cuja sede, projetada por Oscar Niemeyer, era apresentada como a joia da coroa. Situado na Rua do Russel, na Glória, o enorme edifício abrigava, além das redações, um museu de arte, dois restaurantes, um hall monumental, piscina e um teatro com 500 lugares. Na legenda de uma das imagens, lia-se: “Na decoração interna, não houve preocupação de ostentação e de luxo, mas apenas bom gosto”.

Não era falsa modéstia. Boa parte do mobiliário levava a assinatura de dois dos maiores nomes do design nacional: Sergio Rodrigues e Joaquim Tenreiro. Ainda assim, a imponência do prédio não conseguiu barrar uma dramática falência do grupo, em 2000. Restaram histórias, disputas judiciais — e, agora, 90 lotes de móveis raros, muitos em jacarandá, que vão a leilão no próximo dia 16. “Foram adquiridos por um colecionador particular, na época da falência. Ele é aficionado pelo modernismo brasileiro e comprou tudo o que pôde”, conta Bernardo Carvalho, à frente da Leilão Design, que cuidará das vendas.

Bernardo e Pedro são os responsáveis pela catalogação — Foto:  Eduardo Magalhães
Bernardo e Pedro são os responsáveis pela catalogação — Foto: Eduardo Magalhães

Também ficou a cargo dele e do sócio, Pedro Fonseca, a catalogação das peças. Todas vêm com o selo de propriedade da editora, mas algumas não tinham a assinatura dos designers. A dupla precisou, então, consultar acervos e catálogos para atestar as origens. “O Sergio Rodrigues era muito amigo da família, e a Bloch chegou a ter uma marcenaria em seu interior, cuja supervisão era do próprio designer”, conta. “Muitos móveis foram exclusivamente desenhados para o prédio.”

A poltrona Joaquim Tenreiro estará em um dos 90 lotes disponíveis — Foto: Eduardo Magalhães
A poltrona Joaquim Tenreiro estará em um dos 90 lotes disponíveis — Foto: Eduardo Magalhães

As peças disponíveis vão de banqueta a conjunto de cadeiras, passando por sofás com cinco metros de extensão, e os arremates, estima Bernardo, devem ficar entre R$ 1.200 e R$ 150 mil. A disputa será on-line (leilaodesign.com.br), mas as peças vão ganhar uma mostra presencial em São Paulo, antes das vendas. Afinal, uma vez compradas, certamente passarão a ser vistas exclusivamente por uma parcela ínfima da população.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.