Debora Bloch: ‘Não trocaria o que tenho hoje pela minha juventude. Não sofro por bobagem’

Às vésperas de lançar novela e filme, atriz, de 59 anos, fala também sobre aborto, drogas e casamento na maturidade
Por Livia Breves

Debora Bloch – Foto: Bruna Sussekind

Nos próximos dois dias, Debora Bloch aparecerá em papéis totalmente diferentes, no cinema e na TV. Amanhã, estreia “Mar do Sertão”, folhetim das seis em que vive Deodora, casada com o coronel da cidade. “A novela retrata a nossa elite apegada ao poder de uma maneira divertida”, conta. No dia seguinte, entra no circuito “O debate”, longa escrito por Jorge Furtado e Guel Arraes, dirigido por Caio Blat e protagonizado por ela e Paulo Betti. “Um filme que faz a gente pensar no país e de que maneira queremos participar desse momento histórico, às vésperas da eleição que pode mudar os rumos do Brasil”, diz. São mais dois grandes trabalhos a somar na trajetória da atriz de 59 anos, que atua desde os 17.

A segurança que conquistou profissionalmente reflete em tudo. De cara lavada, roupa confortável e sem qualquer afetação, Debora recebe a reportagem de ELA para a entrevista em seu apartamento ensolarado com vista para a Lagoa. A conversa acontece em uma mesa espaçosa, entre a sala de estar e a cozinha aberta, combinação típica de quem gosta de ter a casa cheia. É ali que ela vive com o marido, o produtor português João Nuno Martins. “Adoro receber, mas é o João que tem cozinhado mais”, conta. O novo projeto dos dois é a casa na serra que acabam de comprar. “Estava sentindo falta do mato e também quero ter um lugar para preservar, plantar”, comenta a atriz, que sugeriu que as fotos deste ensaio fossem feitas no Centro de Artes da Maré, em Nova Holanda. “É um dos meus lugares preferidos na cidade”, elogia.

Na entrevista a seguir, Debora fala sobre política, trabalho, casamento aos 55 anos, a chegada aos 60, aborto e legalização das drogas. Confira os melhores trechos.

Qual a importância de “O debate”?
O filme surgiu da urgência de participarmos artisticamente deste momento político. É um período que pode mudar a História do Brasil. Estamos vivendo um ataque à democracia, ao Estado de Direito. Discutimos fake news, grosserias, declarações infundadas. E deixamos de falar de políticas públicas, distribuição de renda, educação e saúde. Como cidadã, eu quis estar nesse filme. E, como artista, achei muito importante contribuir neste momento.

O filme foi feito em tempo recorde, três semanas.
A data de lançamento não poderia ser outra. Aceitei participar de cara, mas foi na emoção. Depois, percebi que era muito pouco tempo para ensaiar e ainda embolaria com o início das gravações da novela. Ao mesmo tempo, vi o quanto era importante deixar a nossa participação nesse momento. E daí em diante foi um tour de force. Tudo em três semanas, motivados pelo espírito de defender o Brasil e a democracia.

Você declara seu voto?
Vou votar no Lula. Mas quero deixar claro que o filme não é partidário. Ele propõe debates para pensar o país.

E na novela, o que a seduziu?
O que me faz topar é sempre o texto. Tem que ser bom, consistente. Adorei a sinopse de “Mar do Sertão”. Faz um retrato da nossa elite apegada ao poder. O elenco é quase todo de atores nordestinos, são vários sotaques, estou adorando. Tem realmente representatividade do Nordeste ali. E é muito divertida, tem bastante humor.

Piadas precisam ser atualizadas para provocarem riso sem machucar. como vê isso?
Acho muito importante. Passamos a ter uma consciência que não tínhamos sobre o machismo e o racismo. Temos que escutar, melhorar e aprender. A branquitude ficou muito tempo com a palavra. Está na hora de calar, ouvir e mudar.

Qual a sua principal bandeira hoje?
De todas, a mais importante é o que estamos fazendo com o planeta. Quando leio Davi Kopenawa (autor de “A queda do céu: palavras de um xamã Yanomami”) e Ailton Krenak (de “Ideias para adiar o fim do mundo”) e acompanho o que estão fazendo com os povos originários, fico aterrorizada. Todos precisam ter consciência de que o ser humano é parte da natureza e depende dela para existir.

Você é mãe de Júlia, de 28 anos, e Hugo, de 24. Como faz para criar filhos conscientes?
Acredito no exemplo. E sempre tentei oferecer o máximo de informação, de cultura. Do mesmo jeito que fui criada: indo ao teatro, cinema, exposição, lendo. E, além disso, estarmos ligados no que acontece para além da nossa vida de privilégios. A Júlia está em São Paulo, é diretora e roteirista. O Hugo se formou em Game Design e acaba de ser contratado por uma empresa em Berlim. Admiro muito os dois.

Eles te atualizam sobre os temas contemporâneos?
Acho que se não tivesse dois filhos eu estaria muito atrasada em comportamento e ideias. Aprendo demais. Eles têm uma liberdade na questão da sexualidade que eu admiro e quase invejo. Assim como questões de gordofobia, classe, preconceitos e consumismo. Trazem diversas pautas, e isso abre a minha cabeça. Estou sempre aberta a mudar.

Debora Bloch estreia em ‘O Debate’ e ‘Mar do Sertão’

Debora Bloch posa no Centro de Artes Nova Holanda, na Maré, zona norte do Rio de Janeiro — Foto: Bruna Sussekind
Às vésperas de lançar novela e filme, ela fala sobre aborto, drogas e casamento na maturidade

Como lidam com temas como drogas?
Tenho um diálogo muito aberto e verdadeiro com eles. Conversamos sobre as diferenças entre as drogas, quais são as mais perigosas e os possíveis prazeres de cada uma delas. Fui criada assim: sempre falamos abertamente sobre tudo, sem preconceitos. Não acho que as drogas deveriam ser tratadas como problema de polícia, mas de saúde pública. É assim nos países em que elas são legalizadas, não existe essa violência.

E aborto?
O aborto deveria ser uma decisão da mulher sobre seu corpo e sua vida. O ideal seria existirem políticas de prevenção da gravidez, educação sexual nas escolas e planejamento familiar. Mas moramos no país em que as mulheres sequer têm acesso a absorvente íntimo gratuitamente. Me impressionou muito o caso da menina de 11 anos que foi estuprada e coagida a não interromper a gravidez por uma juíza que chamou o estuprador de pai. Me deixa perplexa ver que as pessoas se chocam mais com o aborto do que com o estupro de uma criança.

Como lida com a passagem do tempo?
A cobrança com a mulher é muito maior do que com o homem. E eu ainda tenho a questão de ser atriz. O close é implacável, mostra o que não enxergo no espelho. Mas não sou apegada a querer ficar jovem. Isso é garantia de infelicidade. Meu corpo mudou e batalho por ele: faço exercícios, ioga, laser, me cuido. A maturidade traz muitos benefícios. Não trocaria o que tenho hoje pela minha juventude. Sou muito mais tranquila, menos angustiada, não sofro por bobagem. Mas, claro, há um lado difícil: ninguém gosta de rugas e ficou muito mais complicado comprar biquíni.

A libido e a sensualidade mudam com o tempo?
O corpo vai mudando, mas independentemente disso dá para continuar tendo desejo e sendo desejada. Sensualidade existe em qualquer idade, assim como a libido.

Você se apaixonou aos 55 anos.
Foi uma surpresa até para mim. Pensava que não me casaria novamente (ela foi casada com o fotógrafo Edgar Moura, dos 21 aos 28 anos, e com o chef Olivier Anquier, dos 28 aos 43, pai de Júlia e Hugo). Eu estava há 12 anos vivendo solteira e adorando. Tive meus casos, claro, sempre saí bastante, e isso me deixava muito feliz. Nunca tive problema em ir para os lugares sozinha, isso é uma bobagem que só atrapalha a vida das mulheres. Depois de muito tempo casada e de um período entendendo como é ser solteira, percebi que não precisava de homem ao meu lado para me sentir bem. Sem querer falar de vidas passadas, quando me separei e me libertei dessa ideia de que tem que ter alguém, minha vida ficou muito mais divertida. Estar casada por estar casada, não vale. Aprendi isso. Mas, apesar de tudo, quando eu menos esperava, estava apaixonada, e casei.

Qual a maior diferença de casar madura?
Não discutir por besteira. Quando somos jovens, perdemos muito tempo com isso. Um aprendizado importante é saber que a felicidade não pode depender do outro. Já fiz muito isso. Quando mudei, me relacionar ficou muito mais legal.

O casamento é aberto?
Não. Tenho que evoluir nesse ponto (risos).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.