Revista ‘Rolling Stone’ faz a lista dos ‘500 melhores álbuns’ da história

Júri de celebridades da música como Iggy Pop ou Beyoncé cria uma ‘tapeçaria musical’ que vai gerar muito debate
Por Mark Kennedy

Foto: Reprodução

AP – Rumours, o álbum mais marcante do Fleetwood Mac, é melhor do que To Pimp a Butterfly, de Kendrick LamarTapestry, de Carole King, vem antes ou depois de Thriller, de Michael Jackson?

A revista Rolling Stone traz algumas respostas em um novo livro que com certeza vai gerar muito debate: The 500 Greatest Albums of All Time. É aí que você vai ver que Born to Run, de Bruce Springsteen, fica logo à frente de Ready to Die, de The Notorious B.I.G., nas posições 21 e 22, respectivamente.

“Todos os discos que aqui estão chegaram por diferentes razões”, disse Jon Dolan, editor de resenhas da Rolling Stone que ajudou a criar o livro. “Estamos muito felizes, para ser honesto, com a lista toda.”

Mas se você discorda dos rankings, não culpe o pessoal da Rolling Stone. Culpe BeyoncéTaylor SwiftIggy PopNile RodgersQuestloveBillie EilishHerbie HancockSaweetieCarly Rae JepsenLin-Manuel Miranda e integrantes do Metallica e U2, entre dezenas de outros artistas. Eles estavam no júri.

Os organizadores do livro procuraram cerca de 500 eleitores do mundo da música – artistas, jornalistas, figuras de gravadoras e funcionários da Rolling Stone – e perguntaram quais eram seus 50 melhores álbuns (Stevie Nicks citou 80). Conseguiram cerca de 4 mil álbuns e criaram uma planilha com pontos ponderados.

Tapeçaria musical

A cada página, os artistas fazem uma fascinante tapeçaria musical. Veja, por exemplo, uma seção do Top 100: na 86.ª posição está o álbum de estreia do The Doors, seguido por Bitches Brew, de Miles DavisHunky Dory, de David Bowie, e, na 89.ª, Baduizm’, de Erykah Badu, conectando joias do rock clássico, jazz, rock progressivo e R&B.

“Existe alguém que ame todas as coisas com a mesma intensidade? Provavelmente não. Mas esperamos que haja pessoas que gostem de experimentar para ver o que acham”, contou Dolan. “O objetivo é esse: fazer conexões e conhecer coisas novas.”

Dolan ficou impressionado com alguns artistas consagrados abraçando a música moderna – como John Cale, do Velvet Underground, defendendo FKA Twigs e Nicks deixando Fine Line, de Harry Styles, nas primeiras posições.

“É legal ver essas pessoas valorizando as gerações mais jovens”, admitiu ele. “É legal ver as pessoas votando em coisas que estão fora de seu gênero, que seria o esperado.”

As origens do livro começaram em 2003, quando a revista publicou sua primeira lista de Top 500, colocando Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles, em primeiro lugar. Era uma lista cheia de Beatles, com mais três álbuns chegando ao top 10. “O livro tinha a perspectiva de um fã de rock de 45 anos que tinha a mente aberta, que gostava um pouco de rap, gostava de R&B, mas meio que torcia o nariz para coisas mais recentes”, lembrou ele.

“Nós queríamos romper com essa perspectiva e pensar que a lista poderia realmente ter muitas perspectivas convergindo.” Blue, de Joni Mitchell, disparou na nova lista, indo do 30.º lugar em 2003 para o top 10 agora; e Purple Rain, de Prince, passou do 76.º para o 8.º. Outro grande destaque foi The Miseducation of Lauryn Hill, de Lauryn Hill, que passou do Top 300 em 2003 para o Top 10 agora. “Certos álbuns viram novos clássicos”, ressaltou Dolan. “É uma coisa que vai evoluindo, que está em disputa. E nós queríamos pelo menos sugerir esse movimento ao fazer esse livro novo.”

Outros gêneros

A nova lista é mais inclusiva de outros gêneros além do rock e, por isso, empurrou alguns álbuns icônicos para baixo, como Back in Black, do AC/DC, que passou do número 77 para o 84, agora aninhado entre Dusty in Memphis, de Dusty Springfield, e Plastic Ono Band, de John Lennon.

Os catálogos de alguns artistas também mudaram. Desta vez, Blood on the Tracks, de Bob Dylan, ultrapassou seus Blonde on Blonde e Highway 61 Revisited. E Abbey Road, dos Beatles, se tornou seu álbum mais alto no livro, acima de Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club BandRubber Soul e Revolver. “O calor, a beleza e a doçura de Abbey Road de alguma maneira superaram a inventividade sonora de Revolver, porque as pessoas adoram ouvi-lo.”

Houve algumas reclamações online sobre a lista: de Billy Joel, apenas The Stranger entrou nos 500; não tem nenhum artista não ocidental; The Joshua Tree, do U2, saiu do Top 100; e os fãs de música eletrônica podem lamentar que estejam presentes apenas oito álbuns eletrônicos.

Mas a Rolling Stone diz que a lista é apenas uma foto no filme da história da música. Enquanto os álbuns estavam sendo tabulados desta vez, Folklore, de Taylor Swift, e Rough and Rowdy Ways, de Bob Dylan, foram lançados. E Dolan suspeita que ambos poderiam ter entrado no livro se tivessem saído antes. “Como a lista é muito diversificada e aberta em termos estilísticos, acho que estamos sugerindo que é sempre um trabalho em andamento”, acrescentou ele. “Daqui a 20 anos, a Rolling Stone vai fazer tudo de novo.” TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.