Novo comercial do Bradesco destaca BIA, a “Siri” de seu aplicativo

Desenvolvido pela IBM e o Watson, inteligência artificial recentemente foi disponibilizada para todos os clientes do banco
Por Pedro Strazza

Bradesco possui desde o fim do ano passado a BIA, assistente pessoal que facilita o manuseio do seu aplicativo. Anunciada em 2014 e gerada à partir de uma inteligência artificial desenvolvida pela IBM e o Watson, o acrônimo para “Bradesco Inteligência Artificial” estava até então disponível apenas para os seus clientes Prime, mas foi liberado agora para todas as pessoas que decidirem abrir uma conta no banco.

Para comemorar – e divulgar – a novidade, o banco lançou um novo comercial que dá destaque à BIA, resumindo em poucos segundos as diferentes funções que a assistente desempenha. Tem de tudo, desde responder à cotação do dólar no dia até fazer transferências – confira acima.

Disponível para smartphones com sistema Android ou iOS, a BIA aparece logo quando o usuário abre o app do Bradesco, surgindo como opção no campo de busca da plataforma. Daí em diante, é literalmente falar o que você quer para o celular que ela te leva ao local necessário. a IA também tem sido usada pelo banco nos procedimentos via WhatsApp que ele vem tocando desde abril.

Anúncios

Parceria entre The New York Post e Supreme esgotam tiragem do jornal em tempo recorde

Com cópias esgotadas antes das sete horas, ação marca o lançamento da pré-coleção de Outono/Inverno da marca que virou a queridinha dos jovens
Por Soraia Alves

Sem título.jpgA edição dessa segunda-feira do The New York Post não trouxe nenhuma manchete especial, nem notícias em destaque. A capa totalmente branca trazia somente o símbolo da marca Supreme estampado.

Segundo o CEO e editor Jesse Angelo do jornal, essa é a primeira vez que o Post faz esse tipo de ação. A data foi estrategicamente pensada para anunciar o lançamento da pré-coleção de Outono/Inverno da Supreme, marca que se tornou icônica entre os jovens (e que aparece em quase todos os looks da série de vídeos “Quanto Custa o Outfit”)

A ação não poderia ter um resultado melhor: as cópias do jornal esgotaram nas bancas de Nova York. Segundo o jornal, são impressas 421.068 cópias diárias, mas cópias adicionais foram impressas no dia – embora o número extra não tenha sido informado.

Vale ressaltar que a ideia da ação veio da Supreme, que procurou o Post em abril desse ano a fim de criar um projeto inovador. A ideia é que além de gerar buzz e renda pelas vendas (necessária para o jornal), os jovens que compraram o jornal por conta da capa de hoje tenha lido o conteúdo do material, e voltem a comprá-lo com regularidade.

Além da publicação, a Supreme gravou o processo de impressão do jornal.

New York Post on newsstands now. @nypost

A post shared by Supreme (@supremenewyork) on

“Estamos sempre tentando fazer coisas que serão lembradas”, disse Angelo. “Se a reação que estamos vendo nas bancas for uma indicação, isso não será esquecido.”

Em algumas bancas, as cópias do jornal acabaram antes das sete da manhã.

“Starbucks” da cannabis quebra estereótipos em campanha

É a maior campanha de marketing da varejista americana MedMen até o momento
Por Adnews

cannanbis-2
(MedMen/Reprodução)

A varejista de cannabis MedMen promove a sua maior campanha de marketing até o momento. A ação de 4 milhões de dólares inclui 36 outdoors e anúncios out of home em todo o sul da Califórnia, apresentando a palavra “cannabis” junto a uma fotografia representativa.

A recente superprodução é uma amostra do esforço da marca que ocorre desde o início deste ano, com programas como o “Forget Stoner”, que buscava quebrar os estereótipos dos fumantes de maconha, apresentando usuários como um policial, um ex-jogador da NFL, uma avó e uma professora.

O trabalho é o primeiro a estrear sob o comando do novo CMO da MedMen, David Dancer, que anteriormente atuou como EVP, chefe de marketing da Teleflora, com passagens anteriores na Visa, Charles Schwab e American Express.

A estratégia por trás da campanha é permitir que “os consumidores se imaginem em qualquer uma dessas histórias”, explica Dancer. Também serve para destacar o fato de que a MedMen, que foi chamada de “Starbucks” ou “loja da Apple” da erva, não é aquela loja escondida na esquina de uma rua escura.

“Queremos que fique claro para os nossos clientes atuais e futuros que somos os melhores varejistas de cannabis e estamos localizados nos melhores bairros. Este é apenas mais um passo em nossa missão de reformular as imagens e as conversas em torno da cultura de cannabis” complementou o executivo.

Apps movimentam mais de US$3 bi com publicidade em celular no Brasil

País representa 70% do gasto anual de publicidade em aplicativos na América Latina
Por Reuters

865338932-612x612
 (Tommaso79/Thinkstock)

São Paulo – O mercado de anúncios pagos de aplicativos movimenta mais de 3 bilhões dólares por ano no Brasil, segundo um levantamento feito pela plataforma de mensuração de aplicativos AppsFlyer.

Segundo o levantamento, no mundo, são 142 bilhões de dólares circulando na indústria de dispositivos móveis só com campanhas de aquisição e uso de apps. Na América Latina, são 4,8 bilhões de dólares gastos com publicidade em aplicativos. O Brasil representa cerca de 70 por cento desse valor.

De acordo com a AppsFlyer, em junho de 2016, 18 por cento das instalações de apps no Brasil eram não-orgânicas (oriundas de anúncio ou posts pagos, contra 82 por cento orgânicas.

Em junho passado, 37 por cento das instalações de apps são não-orgânicas e 63 por cento orgânicas, ou seja, viralizaram mesmo sem anúncios pagos.

A conclusão é que quem lança aplicativos está investindo mais em publicidade para as instalações, afirmou Daniel Junowicz, diretor da AppsFlyer na América Latina.

Conheça 7 formas de engajar o público com posts em mídias sociais

Estratégias ajudam a alterar o alcance de fanpages em diversas plataformas
Por Adnews

emoticons
(Rawpixel/Thinkstock)

A interação do público é de grande importância para a detecção da popularidade e da saúde de uma empresa. Porém, para apresentar números sólidos provenientes de uma base ativa de seguidores é necessário que diversas medidas sejam tomadas para que a taxa de vitalidade nas mídias sociais se concretize.

Para facilitar os caminhos e apontar as estratégias mais aceitas nas redes para engajar, separamos sete dicas que podem alterar o alcance de fanpages em diversas plataformas. Confira abaixo:

1- Procure postar coisas atuais e relevantes
No mundo de hoje, em que as informações chegam nos usuários de forma rápida, é importante buscar assuntos diferentes e que o público deseje ler. Feriados, não somente tradicionais como o Natal ou o Ano Novo, são boas pautas e atraem diferentes públicos

2- Tenha sua própria personalidade
As pessoas farão julgamentos a respeito do seu conteúdo baseadas na forma em que são publicados, por isso é importante ser autêntico e ter uma marca registrada. Pense como se sua empresa fosse uma pessoa física e como agiria nas redes sociais.

3- Incorpore as imagens corretas para seus posts
O Buzzsumo, ferramenta de monitoramento de mídias sociais, mostrou que adicionar imagens a um post no Facebook aumenta em 2,3% o engajamento do público. Já os tweets que possuem alguma imagem podem gerar 150% mais interação. Investir nas imagens corretas é uma forma de disseminar seu trabalho pelas redes.

4- Seja transparente
O público mais exigente sabe quando está sendo enganado. Portanto, deixar os valores da marca claros e ser honesto com o público é um grande diferencial.

5- Seja ativo e interaja: responda aos comentários
Hoje em dia, os internautas gostam de sentir que fazem a diferença, e, de fato, fazem. Quando se trata da interação entre empresa e público é muito importante que haja contato, portanto, procurar se comunicar com os clientes faz com que eles queiram voltar.

6- Peça por feedbacks e sugestões
Para buscar melhorias é importante ouvir opiniões e sugestões que saiam da zona de conforto. Solicitar feedbacks e sugestões por meio das redes sociais são formas de agregar diferentes conteúdos e trazer outras pessoas para dentro da empresa.

7- Pleneje conteúdo
Organização sempre será uma das chaves do negócio. Ter uma agenda de planejamento fará com que o conteúdo esteja atualizado e não correrá o risco dele se repetir nas redes.

Boticário faz vídeo com família negra, recebe 17 mil dislikes e é alvo de críticas racistas

Comentários falam sobre falta de representatividade; vídeo tem mais de 6,4 milhões de visitas

cena-do-comercial-divulgado-pela-marca-o-boticario-na-ultima-quinta-feir
Reprodução do comercial para o Dia dos Pais da marca O Boticário – Reprodução

SÃO PAULO –Um comercial narrado por um pai se gabando sobre seu relacionamento com os filhos e como eles “amam as suas brincadeiras”, contraposto por imagens que mostram que ele não é tão engraçado assim. Um pai meio “tio do pavê”, que dança desajeitado com a filha e tira sarro das namoradinhas do filho adolescente.

A voz de criança finaliza a peça publicitária: “às vezes, ser pai é a coisa mais difícil do mundo, mas vale cada tentativa. Dia dos Pais merece presente”.

Comercial fofo. Bonitinho e com uma narrativa comum na época que antecede o Dia dos Pais (12 de agosto). A única diferença para a maioria dos anúncios de perfume é que a família retratada no comercial é negra.

Publicado no último dia 26, o comercial já teve mais de 17 mil “deslikes” e 85 mil curtidas.

O número de reações negativas foi acompanhado por comentários racistas que criticaram a presença só de negros no comercial.

“Pouco criativa e racista. Vamos misturar essa família aí”, diz um comentário.

“O Boticário só fabrica perfume para afros? Acho que estou usando a marca errada”, afirma outro.

“Ué. Nem pra colocar pelo menos a empregada branca em, (sic) faltou diversidade. Racismo inverso existe, isso é a prova”, escreveu um usuário.

“É tanto vitimismo que acham que os deslikes são racismo, quero ver um vídeo nesse YouTube que não tem deslike”, dizia um dos poucos comentários recentes e que criticava os outros comentaristas.

No Twitter, um usuário perguntou se o Boticário também iria fazer uma propaganda só com índios.

Assim como as 85 mil reações positivas, a grande maioria dos comentários enaltece a marca e o vídeo, criado pela agência de publicidade AlmapBBDO.

A marca usou o próprio canal no YouTube e sua conta no Facebook para se posicionar contra os comentários racistas.

“Já faz bastante tempo que trazemos representatividade e diversidade para as nossas campanhas. E temos muito orgulho disso. Mas as reações que o nosso filme gerou só mostram pra nós que temos muito trabalho a fazer. A gente acredita no respeito a todas as pessoas e deseja que, em breve, isso não seja mais motivo de desconforto pra ninguém.”

Também na conta do Instagram, a marca postou um vídeo escrito “Representatividade Importa. Respeite a diversidade”, ilustrado com vários emojis brancos e negros.

Até a madrugada desta terça-feira (31), quatro dias após o lançamento, o vídeo já havia sido visto mais de 6,4 milhões de vezes. A campanha com a modelo Gisele Bündchen, feita há três meses, tem 8,9 milhões.

Em 2015, a marca fez uma comercial para o Dia dos Namorados que mostrava casais homossexuais e foi contestada no Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária), que na época recebeu 30 reclamações que contestavam a moralidade da propaganda. [Heloísa Negrão]

Samsung continua tirando sarro do iPhone X em novos comerciais do Galaxy S9

DjDJfCJXcAEvmrq.jpg
Os anúncios mais recentes da Samsung ridicularizam o entalhe do iPhone X, a falta de multitarefa e o cartão SD

A Samsung está inspirada. Nos últimos dias, foram quatro comerciais do Galaxy S9 fazendo chacota com o iPhone X (o primeiro falando das velocidades de 4G do aparelho, e os seguintes tratando da câmera, da saída para fones de ouvido e do carregador lento) e, agora, mais três filmetes da mesma série, intitulada “Ingenius” (entenderam?), foram postados no canal da sul-coreana no YouTube.

“Notch”

O primeiro dos comerciais, como não poderia deixar de ser, tira sarro do polêmico (porém já amplamente imitado) recorte do iPhone X — trazendo até uma participação especial de um velho conhecido… com a sua família toda.

“Storage”

O segundo filmete compara o Galaxy S9 positivamente ao iPhone X por contar com entrada para cartões microSD, tendo sua memória efetivamente expansível por meio de um acessório barato. Para fazer o upgrade de armazenamento num iPhone, lembra a Samsung no comercial, só comprando um aparelho novo — e US$150 mais caro.

“Multitasking”

O terceiro comercial fala da multitarefa do Galaxy S9, que permite abrir dois apps na tela simultaneamente, como um grande diferencial.

•   ·

Assim como os comerciais anteriores, esses novos não mostram em nenhum momento o produto que está sendo vendido — o que, das duas uma: ou é um atestado de total confiança da Samsung de que todos já estão carecas de ver as imagens do S9 em todas as outras propagandas do aparelho e já têm o seu design gravado na memória, ou então é uma atitude meio desesperada da sul-coreana em bater tantas vezes na mesma tecla. [MacMagazine]

VIA MACRUMORS