Nike desafia preconceitos com belo comercial sobre atletas muçulmanas

A Nike começou 2017 com forte tom político. Após pedir igualdade racial não só apenas dentro do esporte, mas também fora dele, a marca traz uma imagem incomum de mulheres muçulmanas.

Elas perguntam o que as pessoas vão pensar: Que não deveriam estar fazendo isso? Que não é coisa de mulher? Ou… que elas são o próximo grande acontecimento. O comercial é estrelado por atletas profissionais e amadoras, como Amal Mourad, Zahra Lari, Inès Boubakri, Arifa Bseiso e cantora pop Balquees Fathi. Assista acima.

É uma espécie de sequência do filme “Da Da Ding”, de julho de 2016, em que a Nike celebrou atletas indianas que utilizaram o esporte como agente de mudança.

A criação, novamente, é da Wieden + Kennedy. []

Anúncios

Contra o machismo, Nike mostra do que as russas são feitas

por AdNews

O machismo oprime as mulheres em todo o mundo, mas em um país como a Rússia em que a violência doméstica é despenalizada ele oprime mais.

Para exaltar e valorizar as russas, a nova campanha da Nike utiliza a tradicional música clássica tocada em portentosos teatros para mostrar do que as mulheres são feitas.

No filme, uma garota canta para um seleto público a canção infantil “What are our boys and girls made of?”. A apresentação segue normalmente, até a menina mudar a música original e dizer que mulheres não são feitas de sinos e flores, mas de garra, força e determinação.

Nesse momento, atletas de patinação, ginástica olímpica, skate e futebol saem da plateia para encorajar a jovem cantora.

Além do vídeo, a marca criou uma série de atividades esportivas e culturais para as moradoras de Moscou. Confira abaixo o empolgante anúncio de mais de dois minutos com legendas em inglês:

HP entra no clima da série Mr. Robot em novos comerciais

São Paulo – A HP resolveu usar o clima de suspense da famosa série Mr. Robot em seus novos comerciais.

Para divulgar seus produtos seguros “à prova de hackers”, como impressoras e notebooks, a marca chamou o ator Christian Slater, um dos astros do seriado americano Mr. Robot.

A série da USA Network traz justamente um enredo sobre hackers e segurança digital.

Rami Malek é o protagonista Elliot, um hacker contratado por uma grande empresa, mas que leva uma vida dupla e ainda sofre de ansiedade e depressão (entre outras coisas).

Nos vídeos, a HP recria um pouco do primeiro episódio da série e mostra Slater “invadindo” o sistema de impressoras desprotegidas.

Apesar do mistério, há toques de humor e ironia nos vídeos.

A campanha vem em formato de série, “The Wolf”. [Guilherme Dearo]

Confira:

Pela 1ª vez, um pai aparece em um comercial da boneca Barbie

São Paulo – Na nova campanha global da Barbie, da Mattel, pais e filhas na vida real brincam e se divertem, dando espaço para a imaginação.

O comercial traz algo inédito: é a primeira vez que um pai aparece em um comercial da Barbie, brincando com sua filha.

O novo vídeo faz parte da campanha “Você pode ser tudo que quiser” e desenvolve o conceito “Cada minuto desenvolvendo sua imaginação será para um futuro melhor”.

O comercial também reforça a importância do pai nos momentos de lazer e imaginação dos filhos.

Na tela, pais contam como cresceram sempre rodeados de meninos e “brincando de coisas de meninos” – então tiveram de rever conceitos na hora de participar do lazer de suas filhas.

A Mattel também está usando a hashtag #DadsWhoPlayBarbie nas redes sociais, para impulsionar a campanha.

Ela terá uma continuação durante o Super Bowl nos EUA, a grande final da NFL.

A criação é da agência BBDO de San Francisco.

Mudanças
Nos últimos tempos, a marca Barbie tem promovido mudanças inéditas e positivas.
No final de 2015, um menino apareceu, pela primeira vez, em um comercial da boneca.

Em outubro daquele ano, o comercial “Imagine as possibilidades” foi um grande hit das redes sociais, trazendo uma mensagem feminista para as meninas.

No ano passado, foi a vez de quebrar estereótipos de beleza. A marca apresentou novos formatos de corpo, rosto e tons de cabelo e pele.

Skol esbanja diversidade em novo comercial “Viva a Diferença”

A Skol continuou esta semana a sua campanha “Redondo é sair do seu quadrado” com um novo comercial intitulado “Viva a Diferença”, que você pode assistir acima. Dessa vez a empresa focou na cor da pele, destacando a vasta diversidade do povo brasileiro e até quem não tem uma pele de uma só cor.

Lia Bertoni, gerente de marketing de Skol, disse que o objetivo do comercial é “uma provocação e um convite”. Ela quer que as pessoas tenham “um olhar mais aberto da vida, se livrarem de juízos e julgamentos e, principalmente, se permitirem”.

O comercial podia ser mais diverso, claro, saindo um pouco da esfera de cores e indo mais a fundo na diversidade, como um casal gay, ou casal lésbico. Mas talvez isso seja diverso demais para o mercado de cerveja, que ainda tem uma publicidade ainda bastante voltada para o homem. Um passo de cada vez, né mesmo?
A criação é da F/Nazca Saatchi & Saatchi. []

Estudo revela as mulheres que são invisíveis para a publicidade

15401200_10154109343743461_75438787_n-960x598.jpgUm dos pilares da publicidade é apresentar nossos desejos, o aspiracional, e colocá-lo ao nosso alcance através dos produtos oferecidos. É portanto a arte de não representar, mas mostrar tudo o que não somos, o que nos falta, aquilo que nos faria desejáveis, felizes, plenos.

Há algum tempo essa indústria vem sendo questionada sobre o impacto social dessa premissa, ao invisibilizar minorias e contribuir assim para perpetuar um ciclo de opressão e violências. É um processo lento de autocrítica e responsabilização que pode ser visto como a cobrança e pressão do público por sustentabilidade em outras indústrias. Somos responsáveis não apenas pelo que produzimos, mas também pelo subproduto, os resíduos gerados.

Na esteira desse movimento, a 65|10 lançou hoje com o Grupo ABC o report “Mulheres Invisíveis”. Ele revela as mulheres que não são retratadas pela publicidade: Negras, gordas, crespas, lésbicas e transexuais.

O que se vê ainda é o reforço de estereótipos da beleza idealizada em corpos brancos, magros, altos, de cabelos lisos e hipersexualizados. Não é a toa que 65% das mulheres dizem não se identificar com o que vêem nas propagandas e menos de 20% dos comerciais contribui para a equidade de gênero e raça no Brasil.65O relatório mostra que apesar da diversidade ter entrado em pauta, ser tópico de discussão de festivais e conferências, a prática ainda está distante de mudanças significativas.

Para além de diagnosticar o problema, como podemos mudar essa realidade? Para todo problema complexo sempre há uma resposta simples, clara, óbvia e errada. Estamos atravessando o momento de conscientização ainda, quando mostrar o espelho continua sendo importante. Depois de anos de reforço, de normalização, é difícil pro peixe enxergar o aquário. Mas já existe a necessidade de ir além.15417739_10154109345488461_1953144010_o-920x643Quando se propõe uma mudança para o modelo de identificação em detrimento do aspiracional é importante que se embase a aposta com estudos comparativos que mostrem resultados dos pioneiros que investiram nesse caminho. Natura, O Boticário, Avon, e até (quem diria) Skol, mudaram a comunicação para ser mais inclusivo nas últimas campanhas. Qual foi o resultado? A água tá quentinha?

Comunicação é negócio. No final do dia para além de engajamento e imagem de marca precisamos conquistar mercado, vender mais, fechar aquela linha da planilha. Então no fim, a mudança depende menos de publicitários com o coração no lugar e mais de evidências. Quando se provar que atenção e relevância, conexão do público com a nossa mensagem, e diferenciação no meio do barulho incessante é o resultado de verdade, autenticidade e representatividade, as campanhas vão mudar e os relatórios não mostrarão mais um universo gigantesco de consumidores invisíveis. []

Hyundai gravará comercial para o Super Bowl durante o próprio evento

hyu.jpgDepois do sucesso do Super Bowl 50, a Hyundai anunciou alguns planos ousados para a 51ª edição. A empresa vai usar seu espaço de 90 segundos logo após o final do jogo para transmitir um comercial gravado inteiramente durante o próprio Super Bowl.

O comercial deve ser dirigido por Peter Berg, conhecido pelos filmes “Horizonte Profundo” e “O Grande Herói“, com a assistência das produtoras Film 45 e Pony Show Entertainment, enquanto a Innocean Worldwide cuidará da parte de criação e roteirização.

O evento é conhecido como uma das maiores oportunidades de publicidade nos Estados Unidos e no mundo. Pouco se sabe sobre o comercial, mas ele deve abordar, segundo a Hyundai “alguns dos melhores momentos fora do campo do Super Bowl”. Dois teasers devem ser divulgados em breve durante o final de semana do AFC e NFC Championship. Os teasers devem contar com Joe Montana e Mike Singletary.

Esta será a nona vez, dentre os últimos 10 eventos, em que veremos anúncios da empresa. Agora só nos resta esperar e torcer para que tudo corra como o planejado e assistir o resultado final. []