Em nova sede, Bullet lembra que “live marketing” não existe

bullet1.jpg

por Carlos Merigo
Nos últimos anos, é comum ouvir que tal agência é especializada em “live markerting”. Já tem até evento focado nesse rótulo. Mas o que seria isso? Uma nova disciplina? Criaram mais uma área e não avisaram ninguém?

A Bullet, que na última terça-feira apresentou sua nova sede e posicionamento, avisa: Live marketing não existe. Ele tem outro nome, muito mais conhecido de todos nós: marketing promocional.

É lembrando disso que a agência falou do futuro da área de promo, que vai muito além do “guarde seus cupons” e degustação no ponto de venda.

Agora com a assinatura “Think. Share. Sell.”, a Bullet defende que o marketing promocional dos novos tempos abrange cinco pilares: Promo, ATL, Digital, PR e Shopper Marketing. E se antes todos eles eram baseados no awareness, agora devem ter como meta o engajamento contínuo. É esse engajamento que remumera o mercado de promo, e não mídia. Não tem Veja, nem Globo.

Dentro de um novo modelo de atuação, que inclui novas áreas de mídia e inteligência de marcado, a Bullet mostrou brevemente uma nova ferramenta de monitoramento de influenciadores. Eu não vi em funcionamento, mas pelas primeiras imagens parece promissora pelo nível de detalhe e foco em comunicação.

A plataforma acompanha em tempo real o comportamento e conteúdo gerado por influenciadores na internet, com um pensamento de fugir da métrica bruta (e muitas vezes burra) de seguidores e views. Dessa forma, é possível saber quais assuntos e marcas (incluindo o tom do discurso) são mais tratatos por essas pessoas, com relatórios e nuvem de tags gerados a cada hora.

Segundo o VP de Planejamento Estratégico, Aldo Pini, essa é uma maneira de ser mais preciso e relevante no relacionamento com influenciadores, bem como monitorar o impacto que causam para as marcas.

Lembrando que a Bullet tem experiência nessa área, já que no ano passado foram os responsáveis pela primeira FanFest do YouTube no Brasil. Além disso, quando a internet ainda era tudo mato, viralizaram com o case iPod no Palito e GPS na caixa de Omo.

Abaixo, confira fotos – tiradas pela Pandalux – da nova agência no Brooklin, que foi projetada pela Casa Caucaia.

Anúncios

Adidas diz que não encerrará patrocínio de atletas caso eles se revelem LGBT

tom-daley-adidas.jpg

por Rafael Silva
Patrocinar grandes atletas é uma maneira de uma marca ligada a esportes ganhar destaque no meio – e é por isso que muitas marcas o fazem. O atleta ganha e a marca também. A Adidas, a segunda maior marca nesse meio, ganhou alguns pontos na semana passada ao anunciar uma mudança nesse tipo de contrato. A marca adicionou uma cláusula que diz que o patrocínio com atletas não será modificado ou terminado caso eles se revelem gays, lésbicas, bissexuais ou transexuais.

A Adidas já patrocina diversos atletas que são notoriamente não-héteros, como por exemplo o mergulhador britânico Tom Daley (da foto acima) e a boxeadora Nicola Adams. A adição dessa cláusula aconteceu porque em diversos países um funcionário pode ser demitido de uma empresa caso ele revele não ser heterossexual. Com uma cláusula assim, a Adidas mostra que está, como o resto do mundo, evoluindo seu pensamento e apoiando ainda mais a diversidade.

A nova cláusula diz “Adidas reconhece e adere aos princípios da diversidade, pois isso é uma parte central da filosofia do grupo Adidas. Portanto, Adidas garante que este acordo não será nem rescindido ou modificado caso o atleta se revele para o público como um membro da comunidade LGBT”.

Sua principal concorrente, a Nike, também patrocina desde 2013 grandes atletas que são parte da comunidade LGBT. Mas não está claro se os contratos com eles contém uma cláusula assim ou não.