Poder Black

Símbolo de orgulho da beleza negra, o cabelo afro tem sua história resgatada depois de virar polêmica nas mídias – a atriz Lucy Ramos e a jornalista Luiza Brasil comentam o tema e seu significado
Alice Ferraz, O Estado de S.Paulo

ctv-irm-alice-ferraz-2
Identidade. Muito além de estética. A atriz Lucy Ramos  Foto: Itta

Em sua 21ª edição, o reality show Big Brother Brasil chegou quebrando recordes de audiência e causando furor nas redes sociais. Entre polêmicas, paixões e brigas, um assunto de grande importância social ligado a causas antirracistas ganhou força nesta última semana e foi motivo para uma quebra de protocolo do apresentador Tiago Leifert, que interrompeu o programa para fazer um discurso para os participantes falando sobre o tema. 

Um comentário do cantor sertanejo Rodolffo sobre o cabelo de outro participante, o professor de geografia João Luiz Pedrosa, deu início a essa série de conversas sobre o Black Power e sua importância identitária para pessoas negras. 

O estilo, também conhecido como afro, surgiu, como conhecemos hoje, nos Estados Unidos, no final da década de 1950, início dos 1960, como uma forma de expressar orgulho da beleza negra. Com o tempo, o penteado que exalta as características naturais do cabelo crespo e cacheado se tornou uma mensagem política de força e resistência. 

“Muito além da estética ou de apenas um penteado, o black resgata a nossa ancestralidade. Ele me conecta às minhas raízes e celebra a cultura, a luta e a resistência do nosso povo. Pra mim, tem um significado muito grande. Sempre que coloco meu black pra jogo, tenho em mente que estou mantendo a minha identidade”, comenta a atriz e influenciadora Lucy Ramos, que exibe com orgulho toda a beleza do seu cabelo nas telas da TV, revistas e redes sociais. 

“Durante minha vida, fui entendendo que o meu cabelo dizia muito sobre quem eu era. Ao ter acesso à informação, compreendi que o meu crespo é uma característica minha que muito me orgulha. Não tenho motivos para escondê-lo. Hoje temos uma representatividade maior do que eu tinha na minha época de criança e torço para que desde a infância os pequenos e pequenas já possam nutrir esse sentimento de orgulho pela sua coroa”, complementa. 

Além de sua conta pessoal no Instagram, Lucy também comanda o perfil Segundas Cacheadas, no qual compartilha imagens inspiradoras e dicas de cuidado com o cabelo afro. “Carinhosamente sempre fui apontada como alguém que inspira muitas mulheres no seu processo de transição capilar e aceitação do afro. Pensando nelas, decidi criar um espaço específico para que pudéssemos trocar diretamente cuidados, dicas e experiências sobre o nosso cabelo. E assim nasceu o Segundas Cacheadas, com o propósito de fortalecer cada vez mais a nossa autoestima e também provocar reflexões e debates sobre as nossas vivências”, explica. O perfil é um dos destaques entre as inúmeras fontes de informação que encontramos na internet, em livros, jornais e programas de televisão. 

A pesquisa e a busca de conhecimento são fatores de extrema importância para que situações em que falas ofensivas – feitas com intenção ou não – que machucam pessoas e desvalorizam uma cultura deixem de acontecer. 

Segundo Luiza Brasil, profissional de moda e comunicação com mais de 12 anos de experiência, a autonomia para aprender é primordial. “Quando entrei [no mercado], o cenário era bem diferente. Havia ainda menos pessoas pretas. Eram espaços quase solitários. Essa pauta era trabalhada de um jeito diferente. Então sei do meu lugar articulista com o outro e não me incomodo de ser uma pessoa que produz essa informação”, conta.

“Mas acredito sim que o outro precisa ter a boa vontade de entender que hoje em dia existem materiais de todos os tipos, tamanhos e acessos para usufruir e ter conhecimento. Isso não é mais desculpa. Obras da Djamila, falas da Joice Berth, Carla Akotirene. Enfim, muita gente que fala sobre negritude e questões raciais com maestria. Acredito também que a gente não pode fazer com que o negro seja servil à pauta. Como se o negro só falasse de racismo e questões raciais. Precisamos cada vez mais nos tornar autônomos na nossa busca por conhecimento, nesse caso, raciais. Para que a gente entenda que o lugar do negro hoje em dia, mais do que buscar representatividade por conta do seu tom de pele, é gerar pertencimento em suas vivências. Isso que nos dá humanidade para seguirmos e ocuparmos espaços. Para sermos quem sempre sonhamos ser”, comenta.

“Atualmente, minha relação com meu cabelo é pautada em liberdade. Em fazer e usar do jeito que eu quero. Se eu quiser usar trança, vou usar. Se quiser natural, vou usar. Se eu quiser uma lace [peruca] lisa, vou usar. Porque tem um lugar identitário, de entender que nosso crespo é um cabelo bonito, é lindo. Mas agora acredito muito nesse lugar do poder da nossa escolha.” 

Signe Romer in Elle India August 2016 By Frida Marklund

Paint Job/Organic Beauty
Also in Elle Sweden March

www.elle.in Photography: Frida Marklund Model: Signe Romer Beauty Styling: Emma Unckel Hair: Joe-Yves Make-Up: Linda Öhrström

Febre na pandemia, máscaras faciais viram sinônimo de autocuidado; saiba como escolher

Em gel, creme ou de tecido, têm ação instantânea, mas não substitutem o tratamento de pele
Karina Hollo

Máscaras para a pele têm efeitos variados Foto: Shutterstock


Ela é hit absoluto da quarentena. Pudera: usar máscara facial faz a gente se sentir cuidada e renovada, sem falar que é uma boa oportunidade de dar uma pausa na aflição e correria do dia a dia e dedicar um tempo para si mesma. Em creme ou descartáveis, são ótimas coadjuvantes do skincare, por trazerem ativos em concentração mais alta, prometendo “efeito Cinderela” imediato, iluminador, revitalizante, redutor de oleosidade do rosto ou lifting. “Existem versões indicadas para os dois tipos de queixas, tanto para acne, com ácidos lipossolúveis, como ácido salicílico, quanto para as rugas, com insumos ativos que tratam os aspectos do envelhecimento cutâneo, como o ácido hialurônico”, explica Karina Soeiro, mestre em Ciências Farmacêuticas pela USP e farmacêutica.

No calor, vale investir em ativos que hidratem, refresquem e acalmem a cútis. “Procure por alantoína, que minimiza a irritação e proporciona sensação geladinha durante a aplicação”, sugere a dermatologista Luciana Garbelini, de São Paulo. Há opções de papel e de tecido com propostas diversas. Os ativos podem ser secativos, clareadores ou hidratantes. A diferença é a forma de entrega do produto. Mas, vale ressaltar, não existem milagres. “Não podemos atribuir a elas o poder de resolução de problemas na pele”, observa Karina. Também não significa que os outros cosméticos da rotina diária possam ser eliminados. “Elas não são tratamento”, frisa a dermatologista Ana Paula Fucci, do Rio de Janeiro.

Versões que hidratam profundamente não são indicadas para pessoas de pele oleosa. Já quem tem pele sensível não deve utilizar as secativas. Para recebê-las, o rosto tem que estar limpo e a frequência é relativa. “Algumas são de uso quinzenal; outras, a recomendação é aplicar até duas vezes por semana”, diz Karina.

Com tanta variedade, é importante saber qual escolher. “As de tecido lembram o material dos lenços umedecidos. Atuam melhor quando aplicadas em pele limpa e seca. Isso garante a máxima absorção de seus ativos. E a oclusão gerada pelo tecido permite que os nutrientes penetrem melhor”, explica Luciana. Já a máscara peel off tem consistência em gel e seus efeitos acontecem à medida em que o produto vai secando. Finalmente, as versões em creme, mais convencionais, podem refrescar, hidratar, tonificar, ter ação antioxidante, nutrir e reparar a pele.

Agora é só selecionar a sua preferida.

The Wow Magazine #4 2021 – Jumbo Fan Bingbing By Jumbo Tsui 

The Wow Magazine #4 2021   —   www.wowmag.co.uk

Photography: Jumbo Tsui Model: Fan Bingbing Styling: Evan Feng Hair: Issac Yu Make-Up: Dai GangThe Beauty Issue

The Wow Magazine #4 2021 – Kiko Mizuhara By Toki

The Wow Magazine #4 2021   —   www.wowmag.co.uk

Photography: Toki Model: Kiko Mizuhara Styling: Masako Ogura Executive Producer: Anne Danao  Producer: Toru Hosaka Hair & Make-Up: Rie Shiraishi Manicure: Eichi Matsunaga Set Design: Akihiro Yamaya Art Director: Gen Yoshida The Beauty Issue

Morre Therezinha Morango, ex-miss Brasil, aos 84 anos

Ela foi vítima de uma parada cardíaca depois de uma cirurgia no fêmur

Therezinha Morango Foto: Reprodução

Morreu nesse sábado, aos 84 anos, no Rio de Janeiro, a ex-miss Brasil Therezinha Morango. Ela foi vítima de uma parada cardíaca depois de uma cirurgia no fêmur. Therezinha foi a primeira amazonense a ganhar o concurso, em 1957. No mesmo ano, ela representou o país no no Miss Universo, na Califórnia, terminando em segundo lugar. A coroa ficou com a peruana Gladys Zender.

“O Amazonas perdeu um ícone, que com certeza inspirou várias jovens a sonharem a serem miss, além revelar ao Brasil e ao mundo a beleza da mulher amazonense. Que neste momento tão triste, Deus seja a fortaleza da família e amigos da nossa eterna Miss Brasil, Therezinha Morango”, disse David Almeida,  prefeito de Manaus.

Nascida em São Paulo de Olivença (a 1.235 quilômetros de Manaus), ela se casou com o empresário catarinense Alberto Pittigliani, dois anos após o concurso, com quem teve um casal de filhos, Alberto Júnior e Andrea. Viúva, ela dwixa também uma neta.

Knotless braids: saiba mais sobre as tranças sem nós, mais saudáveis aos fios

Considerada por muitos profissionais como um penteado de “baixa-tensão”, o estilo originou uma liga de seguidores famosos
ELLE TURNER PARA GLAMOUR UK

Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @zendaya)
Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @zendaya)

O cabelo afro é tão complexo quanto bonito. Por isso, penteados protetores dos fios existem há milhares de gerações — eles permitem que os fios sejam trançados com segurança, longe da manipulação diária, quebras e pontas duplas. No entanto, alguns especialistas alertam contra a pressão que certos estilos podem exercer nos folículos e a tensão que podem causar no couro cabeludo. Uma das principais causas da queda de cabelo por tração, por exemplo, é o puxão criado por um estilo apertado ou pesado. 

Alternativas mais delicadas como a Knotless braid (tranças sem nós, na tradução) estão crescendo cada vez mais — no Pinterest, por exemplo, houve um aumento de buscas no assunto em 150%.  Considerada por muitos profissionais como um penteado de “baixa-tensão”, o estilo originou uma liga de seguidores famosos, incluindo Beyoncé, Zendaya, Yara Shahidi e Laura Harrier.

Para saber mais do assunto, conversamos com a cabeleireira Molecia George, que atende celebs como Leigh-Anne Pinnock e Jourdan Dunn. Aos detalhes!

O que são as knotless braids?

As tranças sem nós são exatamente como são chamadas – tranças sem nós. “As tranças box braids tradicionais, por exemplo, têm um nó no início onde o mega hair é adicionada no início”, explica Molecia. “A trança sem nós é uma trança alimentada com fibra gradualmente. Ela se inicia em seu cabelo mas, em seguida, nutrimos o mega hair criando um look sem nós. É uma maneira mais moderna de fazer tranças para clientes que não gostam do look com nó na parte inicial das tranças.”

Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @beyonce)
Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @beyonce)

Quais são os benefícios?

“As tranças sem nós são perfeitas para clientes com couro cabeludo sensível, pois há pouca ou nenhuma tensão,” diz Molecia. Isso pode ajudar a prevenir a alopecia por tração e favorece a retenção de cabelos e couro cabeludo mais saudáveis. Além disso, este estilo permite que você estilize o penteado quase que imediatamente, ao contrário dos estilos tradicionais, que podem demorar um ou dois dias para ficarem soltas. 

Molecia ainda explica que ekas podem durar um bom tempo. “Dependendo da velocidade do crescimento do seu cabelo, elas podem durar por muito tempo – de oito a dez semanas. Isso sem falar na limpea — é um estilo que facilita o acesso ao couro cabeludo“.

E as desvantagens?

“Se o seu cabelo cresce rápido, as tranças sem nós não irão durar muito em você”, diz Molecia. O tempo de fixação também é mais demorado. “Comigo, as box braids tradicionais podem demorar de quatro a cinco horas no máximo, dependendo de quão grande ou pequeno você quer, a largura e também o comprimento. As tranças sem nós irão me levar uma ou duas horas extras, dependendo do tamanho e da duração que você goste”, diz Molecia, “mas o benefício é que elas serão mais gentis com seu cabelo e couro cabeludo enquanto você as usa.

Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @lauraharrier)
Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @lauraharrier)

Como se preparar para as knotless braids?

“Eu sempre digo aos meus clientes para se certificarem de que seus cabelos estão lavados e realizarem um tratamento profundo antes de fazer qualquer tipo de estilo de proteção, especialmente o sem nós,” diz. Também é uma boa ideia fazer uma escova no cabelo antes do penteado, pois isso deixará as tranças mais organizadas e as ajudará a durar mais. “Por último, certifique-se de que o cabelo esteja modelado em camadas ou com as pontas puxadas.”

Quais outros estilos sem nós existem?

“Eu amo tranças Goddess braids,  as twists sem nós e as Crochet locs. São tantas!”. Veja alguns exemplos:

Tranças Goddess braids

Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @lacyredway)
Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @lacyredway)

Tranças sem nó estilo twist de jumbo

Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @leighannepinnock)
Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @leighannepinnock)

Tranças de nós estilo Crochet Locs

Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @momoshair)
Knotless braids: tudo o que você precisa saber (Foto: Reprodução / Instagram @momoshair)

Globo de Ouro 2021: 5 belezas para copiar já!

Os beauty artists Brigitte Calegari e Lucas Vieira ensinam a reproduzir as maquiagens mais bacanas da premiação!
GIULIANNA CAMPOS (@GIULIANNACAMPOS)

Elle Fanning, Lily Collins e Kate Hudson (Foto: Reprodução/ Instagram)

A 78ª edição do Globo de Ouro, realizada no domingo (28), deu o pontapé inicial na temporada de premiações de Hollywood de 2021 e nos fez babar no visual das famosas.

Por causa da pandemia de coronavírus, o grandioso evento reinventou-se sem plateia, e os indicados se dividiram entre hotéis e suas casas. Mesmo longe do público e sem desfilar no tradicional tapete vermelho, as estrelas arrasaram no combo look + beleza.

E para decifrar a anatomia do make delas, convidamos os beauty artists Brigitte Calegari e Lucas Vieira, que ensinaram todos os truques para reproduzirmos já!

Elle Fanning

Elle Fanning (Foto: Reprodução/ Instagram)
Elle Fanning (Foto: Reprodução/ Instagram)


“A Elle optou por uma pele bem fresh, hidratada e sem contorno. Vemos essa tendência cada vez mais forte nos tapetes vermelhos. O blush rosado cremoso deixou o look lindo e supernatural. A grande pegada foi o delineador fininho na pálpebra móvel toda, com cílios postiços naturais e boca esfumada em tom de rosa. Para compor, um cabelo preso em um coque, que deixa o visual chiquérrimo.”  Lucas Vieira

“Uma pele extremamente natural – podemos até ver um pouquinho da olheira dela -, ou seja, a quantidade de produtos para criá-la foi mínima. Os destaques foram os olhos e lábios. O tom do batom pêssego é complementar ao tom azul do vestido. E o delineado preto, em evidência do início até o final, criou um olhar dramático com cílios postiços.” Brigitte Calegari


Lily Collins

Lily Collins (Foto: Reprodução/ Instagram)
Lily Collins (Foto: Reprodução/ Instagram)


“Os olhos coloridos voltaram com tudo, ainda mais em dois tons. Para complementar, bastante máscara de cílios (em cima e embaixo) e pele fresh sem contorno.” Lucas Vieira

“Para uma maquiagem ‘usável’ trabalhar com cores sóbrias é o ideal. No make de Lily, as cores do vestido deram ‘match’ com as dos olhos, ficando, assim, equilibrado. Na pálpebra superior, um tom mais arroxeado/vinho e na raíz dos cílios inferiores, um tom mais esverdeado, bem delineado. Para não ficar ‘too much’, máscara de cílios ao invés de cílios postiços e pele com quase nada de blush.” Brigitte Calegari


Kate Hudson

Kate Hudson (Foto: Reprodução/ Instagram)
Kate Hudson (Foto: Reprodução/ Instagram)


“Na minha opinião, Kate sempre é uma das mais lindas, e não foi diferente com esse make fresh com sombra cintilante para dar um ponto de luz. Nos olhos, tufinhos de cílios postiços no cantor exterior, bochechas e sobrancelhas bem marcadas. Para um visual deslumbrante, cabelo solto, com ondas leves, bem tapete vermelho.” Lucas Vieira

“A beleza de Kate é a clássica make de bonita, que funciona para todo mundo. A pele, olhos, sobrancelhas e lábios estão bem trabalhados e o segredo para evidenciar todos os pontos é: quantidade de produto + escolha das cores. As cores usadas são muito suaves, a sombra bem próxima a raíz dos cílios, sem subir tanto para o côncavo. A pele levemente opaca é importante nas premiações, por causa do uso do flash das câmeras.” Brigitte Calegari


Cyntia Erivo

Cyntia Erivo (Foto: Reprodução/ Instagram)
Cyntia Erivo (Foto: Reprodução/ Instagram)

“Sem dúvida, o olhar lilás mega dramático com cílios postiços de mink, é o ponto alto da maquiagem. A cor roxa/lilás fica linda em todas as cores de pele. Ela também apagou as sobrancelhas para combinar com os cabelos raspados e claros. E a pele natural, trabalhada no skincare, complementou a beleza.” Lucas Vieira

“Ao mesmo tempo em que Cyntia é dramática, o make está super em equilíbrio. As sobrancelhas apagadas, os lábios naturais e o blush suave, deram espaço para os olhos em tons arroxeados e cílios postiços enormes.” Brigitte Calegari


Lana Condor

Lana Condor (Foto: Reprodução/ Instagram)
Lana Condor (Foto: Reprodução/ Instagram)


“A beleza de Lana tem uma pegada bem oriental: sobrancelhas marcadas, pele contornada e blush rosado – novo vício das famosas. O truque da atriz foi aplicar o batom para fora da boca para dar mais volume. O delineado também ajudou a abrir o olhar, assim como os cílios postiços dramáticos no cantor exterior.” Lucas Vieira

“A Lana acentuou ainda mais suas características orientais com esse delineado gatinho em evidência no canto externo e os cílios postiços do meio para o fim dos olhos. As maçãs do rosto levemente rosadas, assim como o batom, deram o match perfeito.” Brigitte Calegari

Aumento das vendas de itens para rituais de beleza em casa

Tendência da pandemia é menos maquiagem e mais cuidados com a pele!

A pandemia e o isolamento social obrigou as pessoas a se adaptarem com as novas rotinas de cuidado, estilo de vida e auto imagem, mesmo em meio ao caos. E itens para rituais de beleza realizados em casa, o famoso “skincare”, se intensificou e foi uma das palavras mais procuradas nas plataformas de pesquisa durante a pandemia. Dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), mostram que as vendas de maquiagem para o rosto caíram 19% no período de janeiro a junho de 2020 em comparação com o mesmo período do ano anterior. Ao mesmo tempo, o consumo de máscaras faciais cresceu em 51,7% no mesmo intervalo.

Para o empresário Pedro Maia, diretor da Feira Minas Pampulha, em Belo Horizonte, a quarentena intensificou as buscas por produtos para rituais domésticos, pois as pessoas ficaram um bom tempo sem ir a salões de beleza e cabeleireiros, e então, tiveram que fazer por conta. “O público femino é o que mais consome este tipo de produto, entre cremes, produtos de cuidados com o corpo e o cabelo”.

Na capital mineira, a Feira opera com stands de diversos segmentos, entre vestuário, calçados, itens de decoração e para casa, além de lojas com produtos para cuidados específicos com a pele e com os cabelos. Maia comenta que existe também uma maior preocupação do público com a sustentabilidade atualmente. “É nítida a preocupação que os consumidores têm com a procedência dos produtos que adquirem e também prezamos muito por isso. Esse também é um legado da pandemia, que alinha os novos hábitos de consumo, com a busca por itens de qualidade e que atenderão as expectativas dos clientes”.

Cuidados com a Covid redobrados durante as compras

Mas ao visitar a Feira Minas para fazer as compras, nada de deixar os cuidados com a Covid-19 para trás. “Disponibilizamos o uso álcool em todo o espaço para garantir a higienização das mãos após entrar e sair dos stands, além de solicitar o uso obrigatório de máscaras. Para evitar aglomerações também estamos limitando o número de visitantes por hora e sugerimos ainda evitar visitas em grupos, garantindo a segurança de todos”, ressaltou Pedro Maia.

Presente em Belo Horizonte desde 2013, a Feira Minas se tornou um pólo popular da moda com produtos e novidades para todos os estilos e acessível a todos os públicos. Na contramão da crise, no final de 2020, a empresa inaugurou sua nova unidade na Pampulha, que já é um sucesso, levando um centro de moda ao pólo turístico da cidade e ainda auxiliando diversos pequenos empreendedores no sonho de construir seu próprio negócio. “Apesar do crescimento das vendas online percebemos uma demanda muito grande de empresários por ter um negócio físico para o atendimento presencial dos seus clientes, inclusive daqueles que já oferecem seus produtos pela internet”, contou o diretor da Feira Minas Pampulha.

Serviço: O funcionamento da Feira Minas Pampulha é de quinta a sábado, de 10h às 21h, na Avenida Portugal, 2.145, no bairro Santa Amélia, em Belo Horizonte.

Fonte: Pedro Henrique Ferreira Maia, administrador e empresário, sócio e fundador da Feira Minas Pampulha, em Belo Horizonte (@feiraminas).