Jared Leto irá interpretar o estilista Karl Lagerfeld em novo filme

Ator viveu herdeiro da Gucci nas telas

Karl Lagerfeld e Jared Leto – Foto: Reprodução/Instagram

Jared Leto retornará ao mundo da moda em um novo projeto. Após interpretar um herdeiro do grupo Gucci em “Casa Gucci”, o ator irá interpretar o designer de moda e estilista alemão Karl Lagerfeld (1933-2019), que por muitos anos foi diretor criativo da Chanel.

O ator, de 50 anos, comentou sobre o projeto em sua página no Instagram.

“Karl sempre foi uma inspiração para mim. Ele era um verdadeiro polímata, um artista, um inovador, um líder e, o mais importante, um homem gentil. Quando nos reunimos com a equipe de Karl Lagerfeld, imediatamente compartilhamos uma visão criativa de fazer uma ode respeitosa a Karl enquanto ultrapassamos os limites artísticos do que uma cinebiografia pode ser. Sou muito grato a Karo, Pier e Seb por nos permitirem seguir nessa jornada juntos”, disse o astro.

O projeto contará com o apoio de Pier Paolo Righi, Caroline Lebar e Sébastien Jondeau, pessoas próximas de Karl. Não há previsão de lançamento.

Super Mario Bros. | Animação ganha trailer espetacular

Longa baseado na franquia da Nintendo chegará aos cinemas em 30 de março de 2023
GIOVANNA BREVE

Super Mario Bros., animação protagonizada pelo mascote da Nintendo, enfim ganhou um trailer nesta quinta-feira (06) durante a Nintendo Direct. No vídeo, é possível ver Mario (Chris Pratt) em altas aventuras ao lado de personagens icônicos da desenvolvedora japonesa; veja acima:

Pratt dará voz ao Mario, e a animação terá ainda Anya Taylor-Joy como a Princesa Peach, Charlie Day como Luigi, Seth Rogen como Donkey Kong, Jack Black como Bowser e Keegan-Michael Key como Toad. Fred Armisen, Kevin Michael Richardson, Sebastian Maniscalco e Charles Martinet, voz original de Mario, Luigi, Wario e Waluigi, completam o elenco.

O filme do Mario tem produção da Illumination, estúdio responsável por Meu Malvado Favorito e Minions, e sua estreia no Brasil está marcada para 30 de março de 2023.

CINEMA I Estreias: Amsterdam, Morte Morte Morte, Os Suburbanos – O Filme, Mais que Amigos, Friends

Cinemas têm 5 estreias, com destaque para ‘Amsterdam’, com Christian Bale, Margot Robbie e John David Washington

SÃO PAULO – Na Holanda da década de 1930, três amigos testemunham um assassinato, viram suspeitos e vão atrás do verdadeiro culpado. Essa é a premissa de “Amsterdam”, uma das principais estreias que chegam aos cinemas nesta quinta-feira, dia 6.

Dirigido pelo americano David O. Russell, de “Trapaça” e “O Lado Bom da Vida”, o filme tem chamado a atenção pelo elenco com estrelas de Hollywood. O trio protagonista é formado por Christian Bale, que já foi Batman, John David Washington, de “Tenet”, e Margot Robbie, que vai interpretar a Barbie no longa homônimo que tem causado frisson na internet. Também aparecem nomes como Robert de Niro, Michael Shannon, Anya Taylor-JoyRami Malek e até Taylor Swift.

Quem também gera expectativas entre os cinéfilos antes mesmo da estreia de seus filmes é o estúdio A24, que virou um tipo de grife. Nesta semana, emplaca nas telonas “Morte Morte Morte”. Segundo trabalho da atriz holandesa Halina Reijn na direção, o terror com tons de sarcasmo quer fazer uma crítica ao uso exacerbado das redes sociais pela geração Z ao seguir jovens que inventam uma brincadeira que acaba em matança.

No cardápio nacional, “Os Suburbanos” é adaptado aos cinemas após seis temporadas da série, protagonizada por Rodrigo Sant’anna e Babu Santana. Na comédia, um pagodeiro da periferia sonha em ser um cantor famoso e, na busca pelo sucesso, acaba se envolvendo em vários problemas.

Completam a agenda a comédia romântica “Mais que Amigos, Friends”, estrelada por um casal gay, e a animação “As Aventuras de Tadeo e a Tábua de Esmeralda”. Conheça cada estreia a seguir.

Amsterdam
Um médico, uma enfermeira e um advogado são amigos que testemunham um assassinato e se tornam suspeitos do crime. Eles tentam investigar o caso para se proteger. O longa é ambientado na Holanda dos anos 1930 e tem no elenco nomes como Margot Robbie, Christian Bale, John David Washington, Roberto de Niro, Rami Malek, Chris Rock e a cantora Taylor Swift.
Estados Unidos, 2022. Direção: David O. Russell. Com: Margot Robbie, John David Washington e Christian Bale. 16 anos


As Aventuras de Tadeo e a Tábua de Esmeralda
Acidentalmente, o arqueólogo Tadeo desperta um feitiço antigo que coloca em perigo a vida dos amigos. Com a ajuda de seu cachorro e de algumas múmias, ele entra numa aventura para colocar fim na maldição. A animação espanhola é o terceiro longa da franquia iniciada em 2012.
Espanha, 2022. Direção: Enrique Gato. Livre


Mais que Amigos, Friends
A comédia romântica foge do padrão hollywoodiano do gênero e cria uma trama com personagens LGBTQIA+. O par apaixonado é formado por dois homens —um deles é curador de um museu de Nova York, que conhece na balada um advogado machista.
EUA, 2022. Direção: Nicholas Stoller. Com: Billy Eichner, Luke MacFarlane e Monica Raymund. 16 anos


Morte Morte Morte
Um grupo de jovens ricos organiza uma festa em uma mansão remota e se desafia a brincar de um jogo. Nele, uma pessoa é sorteada para ser o assassino, enquanto os outros devem evitar ser pegos. Até que a brincadeira começa a dar errado, e os amigos começam a ser mortos de verdade —a questão, agora, é descobrir quem está fazendo isso.
Estados Unidos, 2022. Direção: Halina Reijn. Com: Amandla Stenberg, Maria Bakalova e Rachel Sennott. 16 anos


Os Suburbanos – O Filme
A adaptação da série homônima comandada por Rodrigo Sant’anna acompanha Jefinho, que sonha em se tornar um cantor de pagode. Ele tenta emplacar um hit para alavancar a carreira ao mesmo tempo em que limpa a piscina do dono de uma gravadora, se envolve com a mulher do patrão e descobre que será pai.
Brasil, 2022. Direção: Luciano Sabino. Com: Rodrigo Sant’anna, Carla Cristina Cardoso e Babu Santana. 14 anos

Emancipation | Filme com Will Smith ganha trailer e datas para dezembro

Antoine Fuqua dirige longa em que Smith interpreta escravizado em fuga
PEDRO HENRIQUE RIBEIRO

O aguardado longa Emancipation, do diretor Antoine Fuqua, ganhou um teaser nesta segunda-feira (3) com Will Smith no papel principal. Confira no vídeo acima.

O longa ainda recebeu duas datas: ele chega aos cinemas em 2 de dezembro e ao Apple TV+ em 9 de dezembro

Baseado em uma história real, Emancipation narra a história de Peter, um escravizado que foge de uma fazenda de algodão do sul dos Estados Unidos para se unir ao exército que lutou contra o fim da escravidão durante a Guerra Civil.

Peter se tornou símbolo da luta abolicionista quando uma foto de suas costas nuas, marcada com cicatrizes deixadas por um chicote, foi publicada pelo Independent, em 1863. O longa mostrará a fuga do homem e como ele sobreviveu aos caçadores que tentavam levá-lo de volta à fazenda escravocrata.

Pantera Negra mulher e Coração de Ferro: o novo trailer de Wakanda Forever

Sequência estreia em 11 de novembro
JULIA SABBAGA

Pantera Negra: Wakanda Para Sempre ganhou um trailer inédito na manhã de hoje, dia 3. A prévia prepara para a chegada de Namor e mostra Wakanda se organizando para a batalha. Entre as cenas, é possível também ver um relance da nova Pantera Negra (que parece ser uma mulher) e ainda momentos de Riri Williams (Dominique Thorne) como Coração de Ferro em sua armadura. Confira acima.

Pantera Negra 2 também ganhou um cartaz que acompanha o trailer, e mostra Shuri (Letitia Wright) em posição de contraste com Namor (Tenoch Huerta), antagonista da sequência.

A sequência para um dos maiores sucessos do MCU vai voltar ao mundo de Wakanda, reencontrando personagens como Shuri (Letitia Wright) e Okoye (Danai Gurira). O longa também deve prestar homenagem a T’Challa, personagem do ator Chadwick Boseman, falecido em 2020.

Além dos atores citados, também retornam ao elenco Angela BassettLupita Nyong’oWinston Duke e Martin Freeman. Entre as novidades, estão Tenoch HuertaMichaela Coel e Dominique Thorne, que será Riri Williams/Coração de Ferro.

Novamente sob a direção de Ryan Coogler, a estreia de Pantera Negra: Wakanda Para Sempre está marcada para 11 de novembro.

Bilheteria EUA: Sorria, Não se Preocupe, Querida, A Mulher Rei, Mais que Amigos, Avatar

Sorria estreia no topo das bilheterias americanas, com US$ 22 mi

Smile , o filme de estreia intensamente assustador do escritor/diretor Parker Finn

O terror Sorria confirmou o apelo do gênero nas bilheterias com um impressionante fim de semana de estreia de US$ 22 milhões, garantindo o primeiro lugar nas bilheterias americanas.

Vale apontar que o longa de Parker Finn custou apenas US$ 17 milhões para ser produzido. A outra grande estreia do fim de semana, a comédia Mais que Amigosficou apenas com a 4ª posição da semana, arrecadando US$ 4,8 milhões.

Enquanto isso, o pódio foi completado pelos “veteranos” Não se Preocupe, Querida (US$ 7,3 milhões no segundo fim de semana) e A Mulher Rei (US$ 7 milhões no terceiro). O relançamento de Avatar apareceu em 5º, adicionando US$ 4,6 milhões ao total do filme.

CINEMA I Estreias: Ennio, o Maestro, Kompromat – O Dossiê Russo, Mi Iubita, Meu Amor, A Queda, Sorria, Duetto, Lima Barreto, ao Terceiro Dia

Cinemas têm 9 estreias nesta semana, como documentário sobre Ennio Morricone e ‘A Queda’
NATHALIA DURVAL

Sorria | Paramount Pictures 

SÃO PAULO – Em uma semana de estreias no cinema dominada por filmes nacionais e franceses, um dos principais destaques vem, na verdade, da Itália. O documentário “Ennio, o Maestro” faz uma homenagem à vida e à obra de Ennio Morricone, um dos mais reconhecidos compositores de trilhas sonoras para o cinema, morto há dois anos, aos 91.

Exibido no Festival de Veneza e elogiado pela crítica, o longa chega às telas paulistanas nesta quinta-feira, dia 29, pelas mãos de Giuseppe Tornatore, diretor italiano do clássico “Cinema Paradiso”, ele mesmo responsável por conduzir uma entrevista com Morricone.

Do lado hollywoodiano, os representantes da semana são o terror “Sorria”, na qual pessoas com um sorriso macabro no rosto saem matando outras pessoas por aí, e o suspense “A Queda”, que deve desafiar quem tem medo de altura ao acompanhar duas mulheres que escalam uma torre abandonada com 600 metros de altura.

A programação de nove lançamentos conta ainda com uma trama que envolve complôs inventados pela Rússia, um título protagonizado por nomes do sertanejo e uma cinebiografia do escritor Lima Barreto. Confira quais são os filmes a seguir.

Duetto
Estrelado por Marieta Severo e Luisa Arraes, é ambientado em São Paulo e na Itália, em 1965. Após a morte do pai em um acidente de carro, Cora, papel de Arraes, viaja com a avó, vivida por Severo, para sua cidade natal, em Apúlia. Lá, a adolescente conhece um cantor italiano famoso.
Brasil, 2022. Direção: Vicente Amorim. Com: Luisa Arraes, Marieta Severo e Giancarlo Giannini. 14 anos


Ennio, o Maestro
Dirigido por Giuseppe Tornatore, de “Cinema Paradiso”, o documentário explora a vida e obra do compositor italiano Ennio Morricone, morto em 2020, que criou cerca de 500 trilhas sonoras para o cinema e TV e ganhou um Oscar honorário pela carreira. A produção narra sua história desde a infância e conta com uma entrevista conduzida pelo diretor, além de depoimentos de nomes como Quentin Tarantino, gravações e imagens inéditas.
Itália, 2021. Direção: Giuseppe Tornatore. 12 anos


Kompromat – O Dossiê Russo
Exibido no festival Varilux, o filme de ação acompanha a fuga de um diplomata francês da Sibéria. Ele é acusado de divulgar pornografia infantil na internet por causa de um complô criado pelo Serviço Federal de Segurança da Rússia. “Kompromat” é o nome de uma tática russa de buscar informações comprometedoras para chantagear alguém.
França, 2022. Direção: Jérôme Salla. Com: Gilles Lellouche, Michael Gor e Joanna Kulig. 14 anos


Lima Barreto, ao Terceiro Dia
Conta a história de Lima Barreto, escritor incontornável da literatura brasileira e autor de “Triste Fim de Policarpo Quaresma”, em duas fases de sua vida: a juventude e os três últimos dias da internação em um manicômio, em papel dos atores Luís Miranda e Sidney Santiago.
Brasil, 2018. Direção: Luiz Antonio Pilar. Com: Sidney Santiago, Luis Miranda e Orã Figueiredo. 14 anos


Mi Iubita, Meu Amor
O longa é dirigido e estrelado por Noémie Merlant, atriz francesa de “Retrato de uma Jovem em Chamas”. Sua personagem vai comemorar a despedida de solteira na Romênia com as amigas. Lá, depois de serem roubadas na estrada, elas conhecem Nino e sua família, descendentes de um povo nômade. Apesar das diferenças culturais, os dois se apaixonam.
França, 2021. Direção: Noémie Merlant. Com: Gimi Covaci, Noémie Merlant e Sanda Codreanu. 14 anos


No Outro Encontro Você
Quatro amigos de infância se reúnem para passar o Ano-Novo no sítio dos irmãos Bia e Marcelo, que foi colocado à venda pelo pai dos dois, após a morte da mãe. Estes são os últimos dias na casa, e o grupo aproveita a reunião para discutir as próprias vidas, o trabalho e relacionamentos.
Brasil, 2022. Direção: André Bushatsky. Com: Julia Ianina, Bruno Autran e Carol Tilkian. 14 anos


A Queda
Depois de o namorado morrer numa tragédia durante uma escalada, Becky decide encarar seu trauma e acompanhar a amiga em uma viagem para escalar o topo de uma torre de TV abandonada com 600 metros de altura. Parte da estrutura, porém, quebra —e elas ficam presas nas alturas, sem sinal de celular e sem pessoas por perto.
Estados Unidos, Reino Unido, 2022. Direção: Scott Mann. Com: Grace Caroline Currey, Virginia Gardner e Jeffrey Dean Morgan. 12 anos


Sistema Bruto
Dedicado ao mundo do sertanejo, o filme tem como protagonista a cantora matogrossense Bruna Viola. Ao lado de uma amiga, ela frequenta bares e festas sertanejas badaladas do interior e faz uma aposta para participar de uma competição de corrida de caminhonetes. Fazem uma ponta na comédia nomes como César Menotti e Fabiano e Chitãozinho.
Brasil, 2022. Direção: Gui Pereira. Com: Bruna Viola, Bruna Altieri e Giulia Nassa. 12 anos


Sorria
Neste terror, pessoas com um sorriso macabro no rosto começam a seguir uma médica, depois que ela testemunha a morte misteriosa de uma de suas pacientes. Ela descobre que outras 19 pessoas morreram de forma parecida e tenta investigar o caso, enquanto tenta sobreviver.
Estados Unidos, 2022. Direção: Parker Finn. Com: Kyle Gallner, Rob Morgan e Caitlin Stasey. 16 anos

Atrizes de ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ falam sobre sequência de filme da Marvel

Em entrevista, elenco feminino comentam filmagens do longa após a morte de Chadwick Boseman, que encarnou o personagem
Por Salamishah Tillet

De pé, da esquerda para a direita: Florence Kasumba, Dominique Thorne, Letitia Wright, Danai Guira. Sentadas, Lupita Nyong’o (esq.) e Mabel Cadena, elenco de 'Pantera Negra: Wakanda Para Sempre'.
De pé, da esquerda para a direita: Florence Kasumba, Dominique Thorne, Letitia Wright, Danai Guira. Sentadas, Lupita Nyong’o (esq.) e Mabel Cadena, elenco de ‘Pantera Negra: Wakanda Para Sempre’. Foto: Simone Niamani Thompson/The New York Times

Quando a Marvel divulgou o trailer de Pantera Negra: Wakanda para Sempre em julho, obteve 172 milhões de visualizações nas primeiras 24 horas – quase o dobro da audiência do teaser original de Pantera Negra em 2017. Ao longo desses anos, muita coisa tinha mudado. O primeiro filme, dirigido por Ryan Coogler, bateu não só recordes de bilheteria, mas também superou expectativas e estereótipos quanto a uma questão: se o público estrangeiro assistiria a filmes com um elenco predominantemente negro. Pantera Negra também se tornou o primeiro filme de super-herói indicado a melhor filme no Oscar.

Ao mesmo tempo, T’Challa, o rei de Wakanda, e seu alter ego, Pantera Negra, ambos brilhantemente interpretados por Chadwick Boseman, tornaram-se os favoritos dos fãs na batalha com Killmonger (Michael B. Jordan). A singularidade da atuação carismática e lúdica de Boseman ajudou a moldar o legado de Pantera Negra, transformando o papel e o ator quase em sinônimos e inspirando milhões de crianças em todo o mundo a se ver em um super-herói negro.

Mesmo assim, pensei que a substituição mais óbvia para o trono de T’Challa não seria Killmonger, mas as Dora Milaje, as guerreiras que protegem lealmente o líder de seu país. Okoye, interpretada pela maravilhosa Danai Gurira, era a principal estrategista militar da nação mais rica do mundo. No teaser de Pantera Negra: Wakanda para Sempre, vemos as Dora Milaje, incluindo Ayo (Florence Kasumba reprisando seu papel) e Aneka (Michaela Coel, juntando-se ao elenco), assumindo um papel ainda mais proeminente e confrontando um novo inimigo, Namor, o Príncipe Submarino, interpretado por Tenoch Huerta. Há também a inclusão de sua prima, a mutante híbrida Namora, com a atriz mexicana Mabel Cadena no papel.

Mas, além de proteger Wakanda, as Dora Milaje também devem proteger o trono sem T’Challa. Depois que Boseman morreu em 2020, na sequência de uma batalha contra o câncer de cólon, Kevin Feige, o presidente da Marvel Studios, anunciou que o personagem não seria reformulado, levantando especulações sobre o destino de Shuri (Letitia Wright), que é irmã e herdeira de T’Challa, além de cientista-chefe de Wakanda. Essa parecia ser a situação até o trailer chegar, e a hashtag #recastTChalla se tornou viral, seguida de uma petição em Change.org com mais de 60 mil assinaturas afirmando: “Se a Marvel Studios remover T’Challa, vai ser contra as expectativas do público (especialmente meninos e homens negros) que se vê nele.”

O que corre o risco de se perder nesse debate são as poderosas mulheres de Wakanda – Okoye e Shuri, claro, mas também Nakia, a espiã interpretada por Lupita Nyong’o, e Ramonda, a rainha (a lendária Angela Bassett). No trailer, você pode ver que elas são guerreiras, enlutadas, curandeiras, mães, líderes, irmãs e defensoras do legado de T’Challa (e, nesse caso, de Boseman). Elas também podem expandir o significado das imagens de super-heróis dos Panteras Negras para além de um homem ou mesmo de um momento no tempo.

Antes do lançamento da sequência em 11 de novembro, com a trama ainda em segredo, conversei com várias mulheres de Wakanda para Sempre, incluindo Bassett, Cadena, Gurira, Kasumba, Nyong’o e Wright. Embora tenham experimentado a feitura do filme de forma diferente uma da outra, juntas encontraram maneiras de superar as lesões espirituais e físicas (Wright sofreu uma fratura crítica no ombro e uma concussão grave).

Angela Bassett (ao centro), Florence Kasumba eDanai Gurira, em cena do filme 'Pantera Negra: Wakanda para Sempre'
Angela Bassett (ao centro), Florence Kasumba eDanai Gurira, em cena do filme ‘Pantera Negra: Wakanda para Sempre’ 

Estes são trechos editados de nossas conversas.

Vocês se surpreenderam com o sucesso de ‘Pantera Negra’ em 2018?
Angela Bassett: Fiquei agradavelmente surpresa com a demonstração de amor pela história, pelos atores, pela interpretação, pelo entretenimento. Mesmo não sendo uma pessoa dos quadrinhos, quando vim para o projeto eu esperava que aqueles que amam o Universo Marvel se apresentassem. Mas, quando o resto da humanidade apareceu aos montes, foi algo alucinante.

Dado o sucesso passado, como vocês se prepararam para essa sequência, tanto em relação aos fãs como à perda de Chadwick Boseman?
Lupita Nyong’o: Houve muita tranquilidade, reflexão, oração e meditação para me fortalecer emocional, mental e espiritualmente. Foi uma experiência única voltar a esse mundo sem nosso líder. Quando há um segundo filme, muita expectativa é criada. Mas acho que a perda de Chadwick meio que mudou tudo. Eu me vi tendo de aceitar radicalmente que seria diferente, e que participar com o máximo de abertura possível era fundamental.

Letitia Wright: O processo de preparação para a volta foi definitivamente espiritual. Eu me lembro de me conectar muito com Danai. Quando chegamos a Atlanta [onde as filmagens foram feitas], fomos dar uma volta no parque e nos sentamos, conversando sobre o que significava começar de novo e o que seria preciso. Uma coisa bonita que descobri foi que eu não estava sozinha. Ao voltar ao mundo de Wakanda, senti que eu tinha uma família que me entendia.

Danai Gurira: Existem maneiras de você, como artista, tentar ter algum controle sobre seus novos projetos. E, para mim, muito disso é o treinamento que fazemos como Dora Milaje. Mas também ficou claro que tínhamos outra jornada a fazer. Eu me lembro de conversar com Ryan, que me ajudou a processar o que parecia diferente dessa vez: era a dor. O luto se misturou ao nosso processo.

Florence Kasumba: Tive de aprender que ainda não estou pronta para falar sobre tudo com todo mundo. Eu não sabia quando seria o momento, mas, quando viesse, eu sabia que havia pessoas com quem eu poderia me abrir; ir para o trabalho era como voltar para casa.

Mabel, você é a mais nova integrante do elenco. Como foi fazer parte dessa ‘comunidade Pantera Negra’?
Mabel Cadena: Foi incrível. Eu não falava a mesma língua no início, e o treinamento de luta também foi muito difícil para mim. Em alguns momentos me senti muito cansada, mas também me inspirei nessas mulheres todo dia. Eu pensava: “Se elas podem, também posso perseverar mais um dia.” E então eu falava com Ryan, que me deu a oportunidade de construir minha personagem como uma mulher mexicana. Assim, fui capaz de confrontar meus medos e, ao mesmo tempo, me senti totalmente segura e grata por essas mulheres.

Foi muito intenso o treinamento para suas cenas de batalha?
Kasumba: Você tem de ser física e mentalmente afiada. Comecei a treinar para esse papel em maio de 2021 porque, mentalmente, é preciso entender que seu corpo precisa funcionar bem durante cerca de um ano. E, como trabalhamos com armas e podemos nos machucar, também tivemos de adquirir confiança suficiente para dar nossos golpes e, ao mesmo tempo, garantir que não machucaríamos nossos colegas. O treinamento do primeiro filme nos ajudou porque há muita memória muscular.

Wright: Minha experiência foi diferente. Houve muitos desafios físicos também, mas ao lado disso me senti muito orgulhosa, diante das adversidades, de poder me recuperar e dar vida e força extras à minha personagem. Acho que Mabel explicou isso muito bem. Ver todo mundo dar 110 por cento inspira você diariamente. Houve momentos de dor, mas dá para você vencer e provar que conseguiu. Espero que isso seja percebido no filme, e que o público saia extasiado e empoderado, porque foi definitivamente assim que nos sentimos ao fazê-lo.

Essa é uma imagem muito poderosa. Você acha que as pessoas são mais receptivas às mulheres negras como super-heroínas?
Bassett: Acho que precisamos esperar para ver. Wakanda para Sempre está prestes a ser o próximo filme que vai realmente mexer com muita gente. Espera-se que todo mundo vá ao cinema e que o filme gere mais de US$ 1 bilhão. E quem os espectadores vão ver além da gente? Mulheres negras. Adoro isso. Hoje em dia, você não precisa esperar que algumas pessoas em alguns escritórios no topo de alguns prédios façam com que isso se concretize. Entende? Nossa voz é tão convincente que deve fazer a diferença.

Cientologia provocou término entre Tom Cruise e Nicole Kidman, afirma ex-oficial Mike Rinder em livro

Mike Rinder revela os bastidores do fim do casamento dos atores; Igreja, em que foi membro, nega

Cientologia provocou término entre Tom Cruise e Nicole Kidman, afirma ex- oficial em livro

A separação de Tom Cruise e Nicole Kidman foi motivada pela religião. A afirmação é do ex-oficial da Cientologia, Mike Rinder, que escreveu o livro A Billion Years: My Escape From a Life in the High Ranks of Scientology. Na obra, ele conta que a atriz era vista como influência negativa pela igreja e que integrantes começaram a ficar preocupados com a gravação do filme De Olhos Bem Fechados, em Londres. Como estava muito ocupado com as filmagens, o astro de Missão Impossível não atendia aos telefonemas do chefe do templo, David Miscavige.

Miscavige, então, providenciou um alto executivo para conversar com o ator. Dessa forma, ele passaria pela negatividade para se tornar “claro” novamente. Ainda segundo Rinder, no livro, ao final do processo, a igreja conseguiu ter um controle maior sobre Cruise, o que gerou brigas entre ele e Nicole.

De acordo com o ex-oficial, a igreja se sentiu tão ameaçada pela influência da atriz que chegou a contratar um investigador a fim de espioná-la e grampear seu telefone. Além disso, ficou feliz quando os dois se separaram em 2001.

A igreja da Cientologia negou as acusações feitas por Rinder, em entrevista ao Page Six: “Mike Rinder é um mentiroso que procura lucrar com sua desonestidade. Ele se sustenta orquestrando o assédio de sua antiga Igreja e seu líder por meio de relatórios policiais falsos, propaganda incendiária e histórias fraudulentas da mídia”.