Capitã Marvel deve arrecadar mais de US$ 100 milhões na estreia nos EUA

Estreia está marcada para março
Mariana Canhisares

Atriz Brie Larson como Capitã Marvel

Projeções apontam que a bilheteria de estreia de Capitã Marvel deve ultrapassar os US$ 100 milhões, de acordo com The Wrap. Assim, o longa não se equipararia a Pantera Negra (US$ 201 milhões), mas superaria o desempenho de Doutor Estranho (US$ 85 milhões) e Guardiões da Galáxia(US$ 94 milhões).

A estimativa se aproxima bastante com a arrecadação de Mulher-Maravilha que, em 2017, ficou em US$ 103 milhões. Ao final do seu período em cartaz, a produção somou US$ 412,5 milhões nos EUA e US$ 821 milhões no mundo todo.

Capitã Marvel tem Brie Larson no papel principal e apresentará ao público a super-heroína Carol Danvers, a ex-Miss Marvel e atual detentora do título de Capitã nas HQs. Anna Boden e Ryan Fleck, conhecidos por Se Enlouquecer, Não Se Apaixone Billions, são os diretores.

Capitã Marvel estreia em 7 de março no Brasil.

Anúncios

CINEMA I Estreias da Semana: Poderia Me Perdoar?, Alita: Anjo de Combate, As Ineses, Minha Fama de Mau, A Mula, Tito e os Pássaros

Alita: Battle Angel. EUA/Canadá/Argentina, 2019. Direção: Robert Rodriguez

Alita: Anjo de Combate
Alita: Battle Angel. EUA/Canadá/Argentina, 2019. Direção: Robert Rodriguez. Com: Rosa Salazar, Christoph Waltz e Mahershala Ali. 121 min. 12 anos.
Adaptação da série de HQs japonesa de Yukito Kishiro, o filme acompanha uma poderosa ciborgue que, após perder a memória e ser encontrada por um cientista, parte em busca de suas origens.

As Ineses
Las Ineses. Argentina, 2016. Direção: Pablo José Meza. Com: Byron Barbieri, Valentina Bassi e Graciela Bonomi. 72 min. 10 anos.
Duas mulheres que são vizinhas têm sua amizade marcada por coincidências: elas têm o mesmo sobrenome, dão à luz no mesmo dia e são levadas para o mesmo hospital. Algum tempo depois, percebem que seus bebês podem ter sido trocados na maternidade e decidem dar o mesmo nome a eles.

Minha Fama de Mau
Brasil, 2019. Direção: Lui Farias. Com: Chay Suede, Gabriel Leone e Malu Rodrigues. 116 min. 12 anos.
Embalado por canções da jovem guarda, o filme mostra a ascensão do cantor e compositor Erasmo Carlos enquanto explora sua relação com outros músicos do período, como Roberto Carlos e Wanderléa.

A Mula
The Mule. EUA, 2018. Direção: Clint Eastwood. Com: Clint Eastwood, Bradley Cooper e Dianne Wiest. 116 min. 16 anos.
Baseado em artigo publicado na revista americana The New York Times Magazine, o longa acompanha um floricultor que, aos 90 anos, decide transportar drogas para um cartel mexicano nos Estados Unidos. Do mesmo diretor de “Os Imperdoáveis” (1992) e “Menina de Ouro” (2004).

A Pedra da Serpente
Brasil, 2018. Direção: Fernando Sanches. Com: Claudia Campolina, Gilda Nomacce e Ricardo Gelli. 75 min. 14 anos.
Após sofrer um aborto espontâneo, uma mulher decide passar um período em Peruíbe. Lá, conhece um homem misterioso, com quem se envolve. Paralelamente, um habitante da cidade litorânea desaparece e as pessoas começam a acreditar que o caso tem relação com seres extraterrestres.

Poderia Me Perdoar?
Can You Ever Forgive Me?. EUA, 2018. Direção: Marielle Heller. Com: Melissa McCarthy, Richard E. Grant e Dolly Wells. 107 min. 16 anos.
Baseado na vida da americana Lee Israel (1939-2014), o longa acompanha a autora de biografias de grandes personalidades em um momento de crise: quando não consegue mais emplacar propostas de livros, começa a falsificar cartas, documentos e anotações de celebridades. Indicado a três Oscars: melhor atriz (McCarthy), ator coadjuvante (Grant) e roteiro adaptado.

Tito e os Pássaros
Brasil, 2018. Direção: Gabriel Bitar, André Catoto e Gustavo Steinberg. 73 min. Livre.
Na animação, um menino tímido precisa encontrar o antídoto para uma epidemia que deixa pessoas doentes após levarem sustos. Vencedor do prêmio do júri de melhor longa infantil no Anima Mundi.

Reese Witherspoon posta foto ao lado de elenco de “Big Little Lies”

Nos comentários, fãs perguntaram sobre a data de estreia da segunda temporada da atração

As atrizes do elenco de Big Little Lies (Foto: Reprodução Instagram)

Reese Witherspoon brindou os fãs de “Big Little Lies” com um fotão digno de suspiros. Na imagem, a atriz aparece ao lado das companheiras de elenco na série, Nicole KidmanLaura DernZoë Kravitz e Shailene Woodley.  “O amor verdadeiro é o que você tem pelas suas irmãs, amigas, seu círculos de mulheres fortes…e aquelas que dizem que você está com comida nos dentes. Feliz”, escreveu a atriz nesta quarta-feira (13).

Nos comentários, os fãs não esconderam a ansiedade e questionaram sobre a data de estreia da segunda temporada do seriado. “Big Little Lies” fez um enorme sucesso e, por isso, ganhou uma continuação. Dessa vez, os episódios serão todos inéditos, já que a historia da primeira foi toda baseada no livro homônimo.

Elenco reforçado: Mery Streep estará na segunda temporada da série (Foto: Reprodução Instagram)

Especula-se que o roteiro deva focar nas historias de origem das personagens Bonnie (Zoë Kravitz) e Celeste (Nicole Kidman). A premiadíssima atriz Meryl Streep entra como reforço no elenco para interpretar Mary Louise, mãe de Perry (Alexander Skarsgård).

David E. Kelley continua responsável pelo roteiro ao lado da autora, Liane Moriarty. Na direção, Andrea Arnold assume no lugar de Jean-Marc Vallée. A previsão é que os novos episódios sejam exibidos a partir de junho, nos Estados Unidos. Será? Estamos ansiosos!

‘Frozen 2’ ganha trailer

Sequência da animação da Disney chega aos cinemas em novembro deste ano.

“Frozen 2”, que estreia em novembro de 2019, ganhou um trailer nesta quarta-feira (13). A

Desta vez, Elsa, Anna, Kristoff e Olaf vão até o lado mais desconhecido da floresta em busca da verdade sobre um antigo mistério de seu reino.

Antes deste segundo longa, foi lançado em 2015 o curta-metragem “Frozen: Febre congelante”, sobre o aniversário de Anna.

Campeão de bilheteria

Lançado em 2013 nos Estados Unidos e no início de 2014 no Brasil, “Frozen” arrecadou US$ 1,2 bilhão no mundo todo. Ela é a animação com maior bilhetaria de todos os tempos.

O resultado coloca o filme em 10º lugar entre os mais bem-sucedidos da história, considerando a bilheteria mundial.

Kristen Bell (“Veronica Mars”) faz a voz do principal personagem de “Frozen”. Idina Menzel (de “Glee” e “Encantada”) dubla a rainha Elsa.

No filme, uma princesa escandinava busca a rainha, sua irmã desaparecida, que tem um descontrolado poder de congelar coisas e pessoas.

A principal música de “Frozen”, “Let it go” (“Livre estou” na versão em português), ganhou o Oscar de canção original. Idina Menzel canta a música, mas Demi Lovato já fez uma versão da canção.

Yesterday | Filme que imagina o mundo sem os Beatles ganha trailer

Longa é dirigido por Danny Boyle

Yesterday, o novo filme de Danny Boyle (Quem quer ser um Milionário), ganhou dois novos trailers. Confira a versão legendada acima.

O longa conta a história de Jack Malik (Himesh Patel), um compositor frustrado que acorda após sofrer um acidente sendo a única pessoa que se lembra dos Beatles, que aparentemente não existem mais. Conhecendo as canções da banda, Jack assume os créditos pelas composições e tem uma ascensão meteórica passando a lotar estádios. Confira o trailer americano abaixo.

Yesterday tem roteiros de Richard Curtis (Quatro Casamentos e um Funeral), e o elenco inclui Ed SheeranLily James e Ana de Armas. O filme ainda não tem data de estreia. [Gabriel Avila]

Figurino de ‘Pantera Negra’ foi inspirado em diferentes comunidades africanas

Peças foram criadas a partir de viagens ao continente, com tecidos de países como Mali, Quênia e Etiópia
Fernanda Ezabella

Figurino de “Pantera Negra” exposto na mostra “Art of Motion Picture Costume Design”, em Los Angeles /Alex J. Berliner/ABImages/Divulgação

LOS ANGELES –A figurinista Ruth E. Carter fez uma pesquisa meticulosa entre tribos africanas para criar as roupas de “Pantera Negra”, trabalho que lhe rendeu sua terceira indicação ao Oscar

Ao lado de influências e tecidos importados das comunidades dogon, do Mali, turkana, do Quênia, ndebele, do Zimbábue e África do Sul, e suri, na Etiópia, Carter também trouxe o que há de mais tecnológico no mercado, produzindo peças em impressoras 3D.

“É o afrofuturismo: pegar a tradição e usá-la de maneira futurística. É usar a imaginação para ir longe e criar algo inovador”, disse Carter a esta repórter na abertura da mostra de figurinos do ano, organizada pelo museu do Fashion Institute of Design & Merchandising, em Los Angeles.

“Pantera Negra”, que também disputa o Oscar em outras seis categorias, incluindo melhor filme, tem sua história centrada no reino escondido de Wakanda, um país fictício e superavançado em algum lugar da África.

Seis figurinos de “Pantera Negra” estão no centro da sala principal do museu, evocando o favoritismo de Carter na corrida pela estatueta. Um deles era a roupa vermelha das guerreiras Dora Milaje, cujos braceletes e colares vieram da tradição dos ndebele, enquanto os detalhes das miçangas, dos turkanas.

Indicada ao Oscar por “Malcolm X”, de 1992, e “Amistad”, de 1997, Carter pôs duas de suas assistentes para viajar pela África, colecionando e fotografando artefatos. “Não queria fazer nada baseado em objetos ‘made in China’”, disse, acrescentando que importou cem mantos de lã do Lesoto, usados no filme para os personagens da tribo da fronteira.

“Fui muito cuidadosa em usar tecidos originais. Não queríamos nada colonial. Fui bem inflexível quanto a isso. Certos tecidos representavam os holandeses e isso levaria o filme para outro lugar”, acrescentou Carter, 58, também figurinista de “Selma”, de 2014, e “Faça a Coisa Certa”, de 1989.

Por medo de cometer erros e “usar coisas coloniais”, a equipe de Carter criou seus próprios tecidos e produziu numa impressora 3D a coroa e o manto da rainha de Wakanda, Ramonda (Angela Bassett), mãe do Pantera Negra.

A única influência externa veio da Ásia: as guerreiras usam botas japonesas jika-tabi (com o dedão separado), e o manto roxo do líder espiritual Zuri (Forest Whitaker) foi inspirado nas dobras e plissados de Issey Miyake. 

“A relação entre África e Ásia é muito antiga, anterior à apropriação cultural. Era uma troca mais natural de ideias. Achei legal pegar algumas coisas emprestadas”, disse.

O mesmo Pantera Negra (Chadwick Boseman) já havia aparecido no filme da Marvel “Capitão América: Guerra Civil”, em 2016, com a roupa usada no início do filme agora indicado ao Oscar, diferente de sua versão mais tecnológica. Esse uniforme feito há dois anos foi reutilizado nas primeiras filmagens da nova produção, até a hora em que o personagem ganha uma roupa nova feita pela irmã.

“Quando vi o design novo, pensei: ‘parece de super-herói, mas não parece que ele pertence a Wakanda’”, contou.

Sua assinatura foi incluir um padrão de pequenos triângulos no tecido, tirados de desenhos de tribos do 
delta do rio Okavango, em Botsuana. “O triângulo é parte da geometria sagrada da África, está por toda parte. De forma geral, simboliza o pai, a mãe e a criança.”

O protótipo do novo uniforme levou seis meses para ficar pronto e custou US$ 450 mil (R$ 1,6 milhão). Outros cinco modelos foram feitos, de US$ 100 mil cada.

Como o uniforme era fino e delicado, os dublês de ação ganharam uma versão mais robusta. “O primeiro é sempre mais caro. É quando testamos materiais e cores. Os músculos precisam ficar bem esculpidos.”

Figurino de “Pantera Negra” exposto na mostra “Art of Motion Picture Costume Design”, em Los Angeles /Alex J. Berliner/ABImages/Divulgação
Figurino de “Pantera Negra” exposto na mostra “Art of Motion Picture Costume Design”, em Los Angeles /Alex J. Berliner/ABImages/Divulgação

Grammy 2019: confira a lista dos principais vencedores

Festa apresentada por Alicia Keys contou com shows de Lady Gaga, Miley Cyrus e Camila Cabello

Lady Gaga, Jada Pinkett Smith, Alicia Keys, Michelle Obama e Jennifer Lopez, durante cerimônia de premiação do Grammy, em Los Angeles – 10/02/2019 (Mike Blake/Reuters)

Aconteceu neste domingo, 10, a 61ª edição do Grammy Awards, que premiou os melhores da indústria musical americana em Los Angeles, Califórnia. A festa, comandada por Alicia Keys, trouxe algumas surpresas – como a presença ilustre de Michelle Obama – e outros momentos já aguardados pelo público, como o tributo a Dolly Parton, a performance de Lady Gaga e o dueto entre Miley Cyrus e Shawn Mendes. Confira os vencedores das principais categorias da noite:

Gravação do ano

This Is America – Childish Gambino (VENCEDOR)
I Like It – Cardi B, com Bad Bunny e J Balvin
The Joke – Brandi Carlile
God’s Plan – Drake
Shallow – Lady Gaga com Bradley Cooper
All The Stars – Kendrick Lamar com SZA
Rockstar – Post Malone com 21 Savage
The Middle – Zedd, com Maren Morris e Grey

Álbum do ano

Golden Hour – Kacey Musgraves (VENCEDOR)
Invasion Of Privacy – Cardi B
By The Way, I Forgive You – Brandi Carlile
Scorpion – Drake
H.E.R. – H.E.R.
Beerbongs & Bentleys – Post Malone
Dirty Computer – Janelle Monáe
Black Panther: The Album, Music From And Inspired By – Vários Artistas

A cantora Kacey Musgraves vence na categoria de ‘Álbum do ano’ por ‘Golden Hour’, durante cerimônia de premiação do Grammy, realizada em Los Angeles – 10/02/2019 (Mike Blake/Reuters)

Canção do ano

This Is America – Childish Gambino (VENCEDOR)
All The Stars – SZA com Kendrick Lamar
Bood’ Up – Ella Mai
God’s Plan – Drake
In My Blood – Shawn Mendes
The Joke – Brandi Carlile
The Middle – Zedd, com Maren Morris e Grey
Shallow – Lady Gaga com Bradley Cooper

Artista Revelação

Dua Lipa (VENCEDORA)
Chloe X Halle
Luke Combs
Greta Van Fleet
H.E.R.
Margo Price
Bebe Rexha
Jorja Smith

Melhor álbum de R&B

H.E.R – H.E.R. (VENCEDOR)
Sex & Cigarettes – Toni Braxton
Good Thing – Leon Bridges
Honestly – Lalah Hathaway
Gumbo Unplugged (Live) – PJ Morton

H.E.R. se apresenta durante cerimônia de premiação do Grammy, em Los Angeles – 10/02/2019 (Mike Blake/Reuters)

Melhor performance de R&B

Best Part – H.E.R. com Daniel Caesar (VENCEDOR)
Long as I Live – Toni Braxton
Summer – The Carters
Y O Y – Lalah Hathaway
First Began – PJ Morton

Melhor performance pop solo

Joanne (Where Do You Think You’re Goin?) – Lady Gaga (VENCEDOR)
Colors – Beck
Havana – Camila Cabello
God Is a Woman – Ariana Grande
Joanne (Where Do You Think You’re Goin?) – Lady Gaga
Better Now – Post Malone

A cantora Lady Gaga se apresenta durante cerimônia de premiação do Grammy, em Los Angeles – 10/02/2019 (Robyn Beck/AFP)

Melhor performance de pop duo ou grupo

Shallow – Lady Gaga com Bradley Cooper (VENCEDOR)
Fall in Line – Christina Aguilera com Demi Lovato
Don’t Go Breaking My Heart – Backstreet Boys
‘S Wonderful – Tony Bennett com Diana Krall
Girls Like You – Maroon 5 com Cardi B
Say Something – Justin Timberlake com Chris Stapleton
The Middle – Zedd, com Maren Morris e Grey

Melhor álbum de pop com vocais

Sweetener – Ariana Grande (VENCEDOR)
Camila – Camila Cabello
Meaning of Life – Kelly Clarkson
Shawn Mendes – Shawn Mendes
Beautiful Trauma – P!nk
Reputation – Taylor Swift

Melhor performance de rock

When Bad Does Good – Chris Cornell (VENCEDOR)
Four Out of Five – Arctic Monkeys
Made An America – THE FEVER 333
Highway Tune – Greta Van Fleet
Uncomfortable – Halestorm

Melhor álbum de rock

From The Fires – Greta Van Fleet (VENCEDOR)
Rainier Fog – Alice In Chains
M A N I A – Fall Out Boy
Prequelle – Ghost
Pacific Daydream – Weezer

Melhor performance de rap

King’s Dead – Kendrick Lamar, com Jay Rock, Future e James Blake (VENCEDOR – EMPATE)
Bubblin – Anderson .Paak (VENCEDOR – EMPATE)
Be Careful – Cardi B
Nice For What – Drake
Sicko Mode – Travis Scott, com Drake, Big Hawk e Swae Lee

Melhor álbum de rap

Invasion of Privacy – Cardi B (VENCEDOR)
Swimming – Mac Miller
Victory Lap – Nipsey Hussle
Daytona – Pusha T
Astro World – Travis Scott

A rapper Cardi B vence na categoria de ‘Melhor álbum de rap´, durante cerimônia de premiação do Grammy, realizada em Los Angeles – 10/02/2019 (Robyn Beck/AFP)
A cantora Diana Ross se apresenta durante cerimônia de premiação do Grammy, em Los Angeles – 10/02/2019 (Mike Blake/Reuters)