Os Defensores | Trailer reúne heróis da Marvel na Netflix

Netflix divulgou o trailer de Os Defensores, nova série da Marvel que funciona como ponto de encontro do universo de super-heróis do serviço de streaming, durante a San Diego Comic-Con 2017. No vídeo estão Charlie Cox como Matt Murdock, Krysten Ritter como Jessica Jones, Mike Colter como Luke Cage e Finn Jones como Danny Rand

marveldefenders_4t

A data de estreia da série é dia 18 de agostoJusticeiro também chega à Netflix esse ano.

Anúncios

SDCC’ 2017: Segunda temporada de Punho de Ferro é confirmada e trará parceria das Filhas do Dragão

daughtersofthedragon_720.jpgO Painel dos Defensores está rolando neste momento na San Diego Comic Con, mas antes de resumí-lo por aqui, vamos adiantar uma das grandes revelações dele. Foi confirmado por Jeph Loeb a segunda temporada de Punho de Ferro. Mas não é só isso, nela será trabalhada a parceria tão marcante nos quadrinhos de Misty Knight e Colleen Wing. É isso mesmo, é um passo para as Filhas do Dragão surgir no UCM.

“Uma amiga da Colleen Wing pode dar as caras nela e pode ser um pouco Misty” falou Loeb fazendo um trocadilho impossível de se traduzir em português.

As duas vão se encontrar pela primeira vez em Defensores que chega a plataforma do Netflix no dia 18 de Agosto e pelo visto o pessoal da Marvel TV quer dar vida muito longa aos heróis urbanos de Nova York. Mas vamos esperar até o final deste painel, já que Loeb ainda prometeu uma surpresinha no fim. [UM616]

The Batman | Site ‘Hollywood Reporter’ diz que Warner quer substituir Ben Affleck

 

batman fto_ft1_40700De acordo com o Hollywood Reporter, Ben Affleck pode não ser mais o Batman da DC nos cinemas. O site afirma que, apesar do ator estar a caminho da San Diego Comic-Con para o painel do estúdio, que acontece no sábado (22), a Warner tem planos para substituir Affleck “educadamente”, colocando a mudança nos futuros filmes da DC.

Não há detalhes sobre quando isso iria acontecer, mas o site aposta que o ator não deve estrelar o filme solo do personagem, que tem Matt Reeves na direção. Anteriormente, Reeves afirmou que não usaria mais o roteiro feito por Affleck e Geoff Johns, pensando a trama do filme solo do zero – saiba mais. Vale lembrar que o ator deixou recentemente o elenco de Triple Frontier, para cuidar de problemas pessoais e da família – leia aquiPor enquanto considere tudo como um rumor.  [Camila Sousa]

‘American Horror Story’: sétima temporada da série recebe o título de ‘Cult’

A série de terror American Horror Story finalmente teve o subtítulo da sua sétima temporada revelado. O canal que exibe a série nos EUA, FX, fez a revelação na noite de quinta-feira, 20, durante a Comic-Con de San Diego, de que a nova temporada é intitulada American Horror Story: Cult.

Junto com o título, foi revelado também um pequeno teaser, em que a logo da série é apresentada em meio a um culto, em referência ao título. A data de estreia, nos EUA, também é anunciada: 5 de setembro.

O que está por vir, porém, ainda continua um mistério. O criador da série, Ryan Murphy, havia dito anteriormente que a temporada estaria conectada aos acontecimentos da eleição presidencial de 2016 nos EUA.

Através do seu Twitter, desde ontem Murphy vem revelando apenas alguns poucos detalhes em conversas com fãs. A nova temporada terá 11 episódios e será ambientada no estado norte-americano do Michigan. Evan Peters retorna como Kai, em sua temporada mais “densa” até o momento. Sarah Paulson também retorna como a personagem Ally, sem mais detalhes.

Frances Conroy e Mare Winningham estão de volta à série, assim como o já anunciado anteriormente Cheyenne Jackson. Billie Lourd, Billy Eichner, Colton Haynes e Lena Dunham são novidades no elenco da série.

Lady Gaga, que esteve nas duas últimas temporadas, não retorna para a sétima.

Um trailer de American Horror Story: Cult é esperado para esta sexta-feira, 21.

[Atualização – 12h20]

O canal FX no Brasil confirmou que a série será exibida no Brasil um dia após os EUA, em 6 de setembro, à 0h30.

Lana Del Rey lança novo álbum com resgate dos anos 60 em meio à era Trump

9fc599530a38b5b310eecad62beab1f2.pngLana Del Rey sorri na capa do seu novo álbum, ‘Lust For Life’. Foto: Polydor/Interscope Records


A cantora norte-americana Lana Del Rey lançou nesta sexta-feira, 21, o seu novo álbum, Lust For Life, o quarto de estúdio da sua carreira. Além de estar disponível para compra, o disco já está também nas plataformas de streaming (e pode ser ouvido aqui).

O trabalho chega com uma mudança de comportamento gigante para a cantora. Conhecida por ter declarado que “queria estar morta” numa entrevista anos atrás, Lana Del Rey – nome artístico de Elizabeth Grant, 32 anos – agora mostra, com o Lust For Life, o seu desejo de viver e espalhar o amor, como já entrega o título do álbum, do primeiro single (Love) e o seu lindo e até então raro sorriso na capa do disco.

Tal atitude não parece ser por acaso. Quem acompanha a carreira de Lana Del Rey sabe do apelo “vintage” da sua imagem, com várias referências às décadas de 1960 e 70. Só que, até agora, suas músicas traziam uma melancolia profunda que pouco refletiam uma parte importante dessa época passada, o Verão do Amor, que acaba de comemorar 50 anos, e o movimento hippie na música.

O movimento de encontro a esse período agora, no Lust For Life, não poderia ser mais explícito. Em uma das músicas, já reveladas anteriormente, Lana Del Rey compara a sua ida ao Coachella deste ano com o icônico festival de música e arte pela paz, Woodstock, em 1969. Coachella – Woodstock in My Mind veio a partir de uma declaração da Coreia do Norte, no fim de semana de realização do Coachella, de que uma guerra termonuclear poderia acontecer “a qualquer momento”.

Em outra canção, Lana canta que “quando o mundo estava em guerra nós continuamos dançando”, em que questiona: “É o fim de uma era? É um fim da América?”. A resposta é que não, “se tivermos esperança, vamos ter um final feliz”. E, por fim, a referência mais escancarada aos anos 60: uma participação de Sean Ono Lennon, filho de John e Yoko, na música Tomorrow Never Came.

A preocupação da cantora, declaradamente, é que os EUA retornem a tempos de guerra e de luta por direitos civis básicos, exatamente como era nos anos 60, em meio à Guerra do Vietnã. Não por acaso, também, o novo álbum canta bastante sobre as mulheres e o sexismo. Tudo, claro, tem a ver com a era Donald Trump. “Quando você tem um líder no todo da pirâmide que casualmente faz graça sobre coisas do tipo, traz defeitos de caráter em pessoas que já são propensas à violência contra a mulher”, declarou Lana, em entrevista ao site NME, sobre o medo de mulheres perderem direitos como o controle de natalidade, por exemplo.

A insatisfação de Lana Del Rey com Donald Trump é tão grande que, em fevereiro, a cantora participou de um grande ritual de magia nos EUA na tentativa de retirar o atual presidente do poder. Ela própria convidou fãs a se juntarem a ela no ritual, numa postagem no Twitter na época.

Apesar de, ao mesmo tempo, voltar à suas origens musicais, principalmente com a influência do hip-hop em suas colaborações com o rapper A$AP Rocky (“cresci no hip-hop”, já cantava Lana em Blue Jeans), o Lust For Life representa uma nova era para Lana Del Rey. O culto aos EUA e à bandeira do seu país será, agora, revisto. “Eu não vou ter a bandeira americana balançando enquanto eu canto Born To Die. Não vai acontecer, prefiro que esteja estática”, revelou ainda em sua entrevista ao NME. “É um período de transição e eu estou consciente disso. Acho que seria inapropriado estar na França com uma bandeira dos EUA. Parece estranho para mim agora – não parecia em 2013.” Pedro Rocha, ESPECIAL PARA O ESTADO

CINEMA | Estreias da Semana: Transformers: O Último Cavaleiro, De Canção em Canção, D.P.A Detetives do Prédio Azul, Tal Mãe, Tal Filha

CapaEstreias20julho.jpgConfira agora os filmes que chegam às telas em 20 de julho

Transformers: O Último Cavaleiro
O gigante Optimus Prime embarcou em uma das missões mais difíceis de sua vida: encontrar, no espaço sideral, os Quintessons, seres que possivelmente são os responsáveis pela criação da raça Transformers. O problema é que, enquanto isso, seus amigos estão precisando de muita ajuda na Terra, já que uma nova ameaça alienígena resolveu destruir toda a humanidade.

Ação, Aventura, Ficção Científica – (Transformers: The Last Knight) EUA, 2017. Direção: Michael Bay. Elenco: Mark Wahlberg, Josh Duhamel, Anthony Hopkins. Duração: 149 min. Classificação: 14 anos.

De Canção em Canção
Em Austin, no Texas, dois casais, os compositores Faye e BV, e o magnata da música e uma garçonete iludida, perseguem o sucesso através de uma paisagem de rock ‘n’ roll, sedução e traição.

Drama Musical – (Song To Song) EUA, 2017. Direção: Terrence Malick. Elenco: Ryan Gosling, Michael Fassbender, Natalie Portman. Duração: 129 min. Classificação: a definir.

D.P.A Detetives do Prédio Azul
Os Detetives do Prédio Azul são confrontados com o maior caso de suas vidas: salvar o próprio edifício da destruição. Pippo, Sol e Bento se infiltram na festa de Dona Leocádia, a terrível síndica que é, literalmente, uma bruxa. Lá eles presenciam um crime “mágico”, que condena o Prédio Azul a uma demolição de emergência.

Infantil – Brasil, 2016. Direção: André Pellenz. Elenco: Letícia Braga, Anderson Lima, Pedro Henrique Motta. Duração: 127 min. Classificação: Livre.

Tal Mãe, Tal Filha
Inseparáveis, Avril e sua mãe Mado não poderiam ser mais diferentes. Avril, 30 anos, casada e organizada, é o oposto de sua mãe, eterna adolescente irresponsável que depende financeiramente da filha após seu divórcio. Quando as duas se vêem grávidas ao mesmo tempo, o embate torna-se inevitável.

Comédia – (Telle mére, telle fille) França, 2017. Direção: Noémie Saglio. Elenco: Juliette Binoche, Camille Cottin, Lambert Wilson. Duração: 94 min. Classificação: 14 anos.

Monsieur & Madame Adelman
Como Sarah e Victor fizeram para suportarem-se por mais de 45 anos? Quem era de verdade essa mulher enigmática que vivia à sombra de seu marido? Amor e ambição, traições e segredos alimentam essa odisséia de um casal fora do comum.

Comédia Romântica – (Monsieur & Madame Adelman) França, 2017. Direção: Nicolas Bedos. Elenco: Nicolas Bedos, Doria Tillier, Denis Podalydès. Duração: 120 min. Classificação: 16 anos.

Whoopi Goldberg se oferece para dirigir terceiro ‘Mudança de Hábito’

50603f906b841fefed1cee6a0435d124A atriz Whoopi Goldberg se ofereceu para dirigir o terceiro filme da série ‘Mudança de Hábito’. A celebridade de 61 anos disse acreditar a produção acabará sendo filmada em breve e que ela gostaria de ficar com o cargo de diretora da obra. Estrela dos filmes lançados em 1992 e 1993, a atriz disse no entanto que não sabe se atuaria em um terceiro longa caso ele venha a ser realizado.

“Acho que vai acontecer o filme, mas não sei se eu voltaria a interpretar a Deloris”, afirmou em entrevista ao site Yahoo Movies, citando a personagem vivida por ela nas produções da década de 90. “E não vejo problema nisso, é hora de outra pessoa ficar com o papel, só espero que alguém faça e quem sabe eu dirija?”, sugeriu.

“Eu iria me divertir muito, por ser um universo que compreendo”, ressaltou a atriz. “Mas será que vão me ligar? Provavelmente não. Eles vão buscar alguma pessoa muito mais nova. Mas acredito que eles deveriam me procurar”, insistiu Goldberg dando um recado aos produtores das duas obras originais.