Lady Gaga revela doença mental: ‘Nunca contei a ninguém’

lady-gaga-02-1

Sincera, Lady Gaga surpreendeu o público ao revelar que sofre de uma doença mental, ao participar de um evento para jovens homossexuais em um abrigo nos Estados Unidos. “Eu não tenho o mesmo tipo de problemas que você tem, mas tenho uma doença mental e eu luto com isso todos os dias, então preciso do meu mantra para me manter relaxado. Disse às crianças hoje que sofro de uma doença mental. Eu sofro de PTSD [transtorno de estresse pós-traumático]. Nunca contei a ninguém antes, então aqui estamos nós. Mas a bondade que os médicos me deram – assim como minha família e meus amigos – realmente salvou minha vida”, disse

Lady Gaga não esconde ser uma pessoa que se preocupa com atividades sociais em prol de um mundo melhor. Sempre muito envolvida, a cantora recentemente visitou um abrigo para homossexuais em Nova York, nos Estados Unidos, e revelou um drama pessoal aos jovens do lugar: ela sofre com um transtorno de estresse pós-traumático.

“Eu não tenho o mesmo tipo de problemas que você têm, mas tenho uma doença mental e eu luto com isso todos os dias, então preciso do meu mantra para me manter relaxado. Disse às crianças hoje que sofro de uma doença mental. Eu sofro de PTSD [transtorno de estresse pós-traumático]. Nunca contei a ninguém antes, então aqui estamos nós. Mas a bondade com que médicos me trataram – assim como minha família e meus amigos – realmente salvou minha vida”, disse ao “The Today Show”.

Uma das maiores incentivadoras da campanha “Share Kindness” (“Compartilhe Bondade”, em tradução livre), a diva contou sobre a importância destes projetos em sua vida.

“Bondade para mim é uma ação de amor ou a demonstração de amor para outra pessoa. Acredito também que é a cura para a violência e o ódio em todo o mundo. Gosto de compartilhar bondade de muitas maneiras diferentes. Eu amo dar coisas às pessoas que não têm nada ou menos do que eu. Essas crianças não são apenas desabrigadas ou pessoas necessitadas. Muitos deles são sobreviventes de um trauma; foram rejeitados de alguma forma. O próprio trauma em minha vida me ajudou a compreender o trauma dos outros”, completou. [ Jennifer Vargas]

 

Anúncios

Assista ao primeiro curta dirigido por Chloë Sevigny, “Kitty”

chloe-sevigny

Chloë Sevigny em ação©Reprodução
Chloë Sevigny quer explorar outros campos do cinema. Ela debutou este ano como diretora com seu curta-metragem exibido em Cannes, “Kitty”. Baseado num conto de Paul Bowles, de 1980, o curta aborda questões de transformação, identidade e as consequências de assumir aquilo o que se quer ser. A garota Kitty (Eddie Yvonne) começa a dar sinais de que está se transformando em um gato e, claro, ninguém acredita – o que não impede a sua transformação. O roteiro, também escrito por ela, tem a ver com as diversas vezes que jovens mulheres não são totalmente ouvidas. “Já me senti incompreendida de várias maneiras”, disse ao Refinery29.kitty-chloe-sevigny.jpgCena do filme “Kitty”, de Chloe Sevigny ©Reprodução
Essa é apenas a primeira etapa de sua carreira como diretora. Seu objetivo é dirigir um longa. “A razão pela qual fiz o ‘Kitty’ – e por isso foi tão ambicioso – é para criar um portfólio e mostrar às pessoas a linha que quero seguir, o escopo, a delicadeza, a suavidade”, explica Chloë, que tem como referência os filmes “Dark Crystal” e “Labirinto” – com os quais cresceu assistindo e são seus favoritos justamente pelo universo fantástico.

Modelo e atriz, Chloe atuou em filmes como “Kids” (1994) – com o qual ficou conhecida como “a” it-girl de NY, e “Boys Don’t Cry”, com direito a uma nomeação ao Oscar. Na TV, ganhou um Globo de Ouro por sua atuação na série da HBO, “Big Love”. [FFW]
Assista ao curta aqui.

Revelação sobre cena não consentida de sexo em ‘O último tango em Paris’ revolta Hollywood

tangoMarlon Brando e Maria Schneider em ‘O último tango em Paris’ (Foto: Reprodução)
Astros de Hollywood criticaram nos últimos dias o diretor Bernardo Bertolucci e o ator Marlon Brando, depois de ressurgir na internet uma entrevista em que o cineasta admite ter filmado uma cena não consentida de sexo em “O último tango em Paris”, filme de 1972.

No vídeo de 2013, republicado por uma ONG espanhola em novembro, Bertolucci conta que a atriz Maria Schneider, na época com 19 anos, não sabia o que aconteceria na cena em que Paul, personagem de Brando, usa manteiga como lubrificante na amante Jeannie. A sequência é uma das mais famosas e polêmicas da história do cinema, e intensificou a censura ao longa ao redor do mundo.

“A sequência da manteiga foi uma ideia que tive com Marlon na manhã anterior à filmagem”, lembrou o diretor. “Fui horrível com Maria, porque não lhe disse o que iria acontecer”. Segundo ele, a intenção era que Schneider reagisse “como uma menina, não como um atriz”.

“Para todas as pessoas que amam esse filme, o que vocês estão vendo é uma garota de 19 anos ser estuprada por um homem de 48. O diretor planejou o ataque”, acusou a atriz Jessica Chastain, em uma publicação no Twitter. Evan Rachel Wood republicou o comentário de Chastain, e classificou a situação como “dolorosa e ultrajante”. “Os dois são indivíduos muito doentes para pensar que estava tudo bem.”

Chris Evans também comentou o caso nas redes sociais. “Eu nunca vou olhar para este filme, Bertolucci ou Brando da mesma forma. Isto é além de nojento. Sinto muita raiva.”

“Todas as cópias deste filme devem ser destruídas imediatamente. Ele contém uma violação real e agressão sexual”, pediu a atriz Jenna Fischer. Já Lena Dunham, estrela da série “Girls”, mandou uma mensagem a Schneider, que morreu de câncer em fevereiro de 2011: “Eu sinto muito que a arte tenha se tornado dor ao invés de libertação para você”.

Culpado, mas não arrependido
No vídeo, Bertolucci conta que não voltou a ver a atriz depois das gravações do filme, porque “ela o odiava”. O diretor afirma que se sente culpado pelo episódio, mas que não se arrepende da decisão. “Para fazer filmes, e obter algo, às vezes precisamos ser completamente frios.”

Em uma entrevista de 2007 ao “Daily Mail” citada pela imprensa internacional, Schneider afirma que se sentiu humilhada e “um pouco estuprada” durante as filmagens de “O último tango”. A atriz contou que a cena não estava no roteiro original e que foi informada sobre o conteúdo pouco antes da filmagem, mas disse que não não houve sexo real.

“Marlon me disse: ‘Maria, não se preocupe, é só um filme’. Mas durante a cena, mesmo que o que Marlon estava fazendo não fosse real, eu estava chorando lágrimas de verdade”, lembrou. “Eu estava com tanta raiva. Eu deveria ter ligado para o meu agente ou ter pedido que meu advogado fosse ao set porque você não pode forçar alguém a fazer algo que não está no roteiro, mas na época eu não sabia disso.”

Moana, nova heroína da Disney, representa a importância da mulher na cultura da Polinésia

moana

Outra grande atração de sábado, 3, na CCXP foi o painel da Disney com os diretores de Moana – Um Mar de Aventuras. John Musker e Ron Clements falaram de sua heroína feminista e do risco de transformar o mar em personagem. Musker também comentou os 110 anos de nascimento do lendário Walt Disney nesta segunda-feira, 5. E os 50 anos de sua morte, no próximo dia 15.

Moana está sendo saudada como heroína feminista. O que pensa disso?
Não era nosso objetivo criar uma heroína feminista, mas o público a recebeu assim e o estúdio está feliz com o sucesso do filme. Para nós, Ron e eu, o importante era honrar a cultura da Polinésia, seus mitos e a importância da mulher nessa cultura. Se isso faz de Moana uma feminista, que seja.
E o desafio de fazer animação debaixo d’água?
Era bem maior quando John (Lasseter) fez Procurando Nemo. A técnica se aprimorou muito e existem programas especiais na Disney-Pixar. Nosso maior desafio foi conceitual. Transformar o mar em personagem da saga de navegadores.
Neste mês se comemoram o nascimento e a morte de Walt Disney. O que representa isso?
Tinha 10, 11 anos quando Walt morreu. E chorei. Senti-me órfão, mesmo que tivesse pais maravilhosos. Ele foi muito criticado, mas, como artista, era extraordinário. Nos ensinou a sonhar, a não aceitar limites. Como visionário, fez avançar a animação e o cinema.
Luiz Carlos Merten,
O Estado de S. Paulo

‘Harry Potter e a Criança Amaldiçoada’ deve estrear na Broadway em 2018

Da esq. para dir., os atores que vivem Rose, Hermione, Rony, Lilian (a filha de Harry e Gina), Tiago, Harry, Alvo e Gina em cena da montagem londrina

Após uma estreia concorrida no West End londrino em julho, a produção de “Harry Potter and the Cursed Child” (“Harry Potter e a Criança Amaldiçoada”) negocia levar a peça para a Broadway, anunciaram os produtores do espetáculo.

A peça, baseada no famoso bruxinho da escritora J.K.Rowling, deve fazer temporada no Lyric Theater de Nova York, que passará por uma reforma multi-milionária para receber a elaborada produção, segundo disseram os produtores no site Pottermore.com, de Rowling.

O Lyric Theater é um dos maiores teatros da Broadway, com aproximadamente 1.900 lugares, e abrigou produções complexas, como “Chitty Chitty Bang Bang”, em 2005, e “Spider-Man: Turn Off the Dark”, que ficou em cartaz de 2010 a 2014.

Para “Criança Amaldiçoada”, a casa reduzirá seus assentos para 1.500, com o intuito de “acomodar o visual e ambiente dramáticos” da peça.

O espetáculo está com os ingressos esgotados no Palace Theater de Londres até 2018, mas há uma expectativa de que novas entradas sejam postas à venda em janeiro.

A peça se passa 19 anos após a conclusão da série de jovens bruxos de Rowling, que se encerrou com o livro “Harry Potter e as Relíquias da Morte” (2007).

A montagem foi escrita por Jack Thorne, com um roteiro cocriado por Rowling, e se concentra na vida de um Harry Potter adulto e seus filhos.

O livro com o roteiro de “Criança Amaldiçoada”, lançado para coincidir com a estreia da peça, tornou-se best-seller neste ano, com mais de 3 milhões de cópias vendidas nos Estados Unidos apenas no primeiro mês. [Reuters]

Camila Alves e McConaughey levam 3 filhos a lançamento

ca3.jpg
Matthew McConaughey , Camila Alves e os filhos (Foto: Getty Images)
Matthew McConaughey e Camila Alves fizeram um passeio em família nesse sábado (3). O ator e a modelo levaram os três filhos para a première de ‘Sing: Quem Canta Seus Males Espanta’, realizada em Los Angeles.
Assim como o pai, os pequenos Levi, 8 anos, Livingston, 3, e Vida, 6, compareceram ao tapete vermelho usando terninhos. Já a modelo brasileira apostou em um vestido longo com bolinhas.
camila family.jpg
Os pais apaixonados começaram a namorar em 2006, ficaram noivos cinco anos mais tarde e se casaram em junho de 2012.
A animação ‘Sing’ que conta com a voz de McConaughey tem previsão de estreia para os cinemas brasileiros em 22 de dezembro.

Selena Gomez desbanca Taylor Swift e se torna a mais popular do Instagram

selena tumblr_o1qsnq31Gj1qbt8b8o1_500.png

Selena Gomez superou Taylor Swift como a celebridade mais seguida no Instagram, à medida que as duas artistas pop mais uma vez dominaram a rede social em 2016.

No ranking anual do Instagram divulgado nesta quinta-feira, 1, Selena se tornou a celebridade com maior número de seguidores, com 103 milhões de usuários, enquanto Taylor ficou logo atrás, com 93,9 milhões.

As cantoras Ariana Grande e Beyoncé ficaram em terceiro e quarto lugar, com 89,6 milhões e 88,9 milhões, respectivamente, enquanto Kim Kardashian assumiu o quinto lugar, com 88,2 milhões de seguidores.

As cinco mulheres foram as mais seguidas do Instagram no ano passado, mas em ordem diferente, com Kim Kardashian descendo da segunda para quinta posição.

Selena, de 24 anos, também teve a foto e o vídeo de celebridade com maior número de curtidas no Instagram, além de ter sido a artista com maior número de menções na rede social.

O Instagram, do Facebook, é centrado no compartilhamento de fotos e vídeos e neste ano teve mais de 500 milhões de usuários no mundo todo.

As estatísticas anuais do Instagram são separadas em diversas categorias, como o dia com maior número de fotos em 2016, que foi no Halloween, e o emoji mais usado em publicações, que foi o de coração.