Deadpool 2 | Kerry Washington faz testes para viver Dominó, diz ‘That Hashtag Show’

Kerry Washington 17.jpgKerry Washington 2017 Golden Globes


Além de Cable, que pode ser vivido por Pierce Brosnan, Deadpool 2 vai apresentar também a mutante Dominó, membro importante da X-Force.

De acordo com o That Hashtag Show, a personagem ganhou uma descrição por parte da produção. Ela teria entre 20 e 30 anos, teria muita habilidade com armas e língua afiada. Segundo o programa, Kerry Washington, de Django Livre, está em testes para o papel, que já foi negado por Gugu Mbatha-Raw e Sienna Miller. Por hora, tudo não passa de rumor.

Deadpool 2 tem a direção de David Leitch, o retorno de Ryan Reynolds no papel principal e Simon Kinberg na produção. A estreia deve acontecer em 2018.

Anúncios

Avatar | Sequência vai se passar oito anos depois do original, revela Sam Worthington

Avatar.jpgEm entrevista ao We Got This Covered (via HH), Sam Worthington deu alguns detalhes sobre as sequências de Avatar:

“Eles filmarão simultaneamente. O plano é ter algum espaço entre os filmes, eu acho, mas essas coisas sempre são ambíguas até começarmos. O plano ainda é de começar as filmagens no verão [entre junho e agosto]. James [Cameron]precisa de tempo para deixar os roteiros perfeitos. Tudo o que ele disser eu faço, porque ele é o cara. Já li todos os roteiros e eles são incríveis. Agora será o Jake oito anos depois, e agora ele tem uma família. Esse filme será diferente de tudo o que você já viu. O mundo é maior do que o primeiro, mas, em sua essência, é um filme sobre família. Jake ainda tem a essência de um garoto vendo aquele mundo pela primeira vez, mas agora ele já viveu lá por algum tempo, então, como é esse mundo agora? O filho explorará isso junto com a dinâmica familiar”.

Avatar 2 foi escrito por Rick Jaffa e Amanda Silver, a dupla de Planeta dos Macacos 2 – O Confronto; o roteiro de Avatar 3 ficou a cargo de Josh Friedman, de Terminator: The Sarah Connor Chronicles; enquanto Avatar 4 é assinado por Shane Salerno, corroteirista de Savages. Os três filmes serão rodados ao mesmo tempo na Nova Zelândia. Zoe SaldanaSam WorthingtonStephen Lang e Sigourney Weaver estarão de volta. [Camila Sousa]

Solange Knowles desabafa sobre discriminação após derrota de Beyoncé para Adele no prêmio principal do Grammy

solange-2017-02-13t035140z_1795204257_hp1ed2d0aq3tg_rtrmadp_3_awards-grammysA cantora Solange Knowles continua inconformada com a derrota de sua irmã, a cantora Beyoncé, para Adele na categoria Álbum do Ano do Grammy 2017. Revoltada com a suposta injustiça, a artista de 30 anos fez uso de alguns dados errados para voltar a criticar os responsáveis pela premiação. “Nos últimos 20 anos apenas dois artistas negros venceram o Álbum do Ano enquanto mais de 200 artistas negros se apresentaram no Grammy”, escreveu Solange na mensagem que foi logo apagada após algumas críticas.

solange_e_beyonce_instagram1.jpgSolange Knowles e Beyoncé (Foto: Instagram)


Fãs e seguidores da cantora logo a lembraram que Lauryn HIll, OutKast, Ray Charles e Herbie Hancock foram alguns dos artistas negros que levaram o troféu na categoria e foram esquecidos por ela. Mesmo tendo saído vencedora da premiação na categoria Melhor Performance R & B, Solange fez críticas ao evento após o término da festa. Ela compartilhou no Twitter o link de um texto do rapper Frank Ocean sugerindo um possível boicote aos próximos Grammys e afirmando que os organizadores do prêmio sofrem de “vícios culturais e problemas nervosos em geral”.

Apesar da derrota de Beyoncé, a cantora ganha apoio crescente dentre pessoas que acreditam que seu álbum ‘Lemonade’ deveria ter saído com o troféu máximo da festa. Mesmo Adele, vencedora da categoria afirmou que o disco de sua colega deveria ter levado a estatueta, chegando ao ponto de oferecer um pedaço de sua conquista quebrada à amiga.

Solange Knowles apoia boicote ao Grammy logo após derrota de Beyoncé para Adele

solange-435.jpgA cantora Solange Knowles demonstrou irritação com a derrota de sua irmã Beyoncé para a cantora Adele na categoria Álbum do Ano no Grammy 2017. Logo em seguida ao término do evento, a artista declarou seu apoio a um suposto boicote à premiação. Vale lembrar que Solange saiu da festa com o troféu de Melhor Performance R&B. A cantora Adele também expôs seu descontentamento de ter levado o prêmio ao invés de Beyoncé.

Solange reproduziu no Twitter o link para uma carta aberta produzida pelo cantor Frank Ocean na qual ele critica os responsáveis pelo evento, sugere um possível boicote às próximas edições e afirma que o Grammy sofre de “vícios culturais e problemas nervosos em geral”. No texto, Ocean afirma que não pretende voltar ao evento caso seus questionamentos não sejam debatidos.

“Isso aí, Frank”, escreveu Solange junto com o link da mensagem. No Twitter Solange recebeu apoio de vários de seus seguidores. “Alguém poderia criar um prêmio musical que reflita a realidade ao invés de supremacia branca?”, questionou um rapaz. Outra pessoa recomendou a Solange: “Por favor, peça à Beyoncé para nunca mais submeter nada ao Grammy, eles não a merecem.

Grammy 2017: desculpa, Adele, mas Beyoncé é quem deveria ter levado os principais prêmios

beyonce-grammy2-1
Beyoncé ganhou dois Grammy e fez a performance mais emblemática  apresentando “Love Drought” e “Sandcastles”Foto: Christopher Polk / Getty Images/AFP


As baladas românticas de Adele superaram o discurso ousado, crítico e político de Beyoncé. Pelo menos na cerimônia do Grammy, que se estendeu até a madrugada desta segunda-feira. A cantora britânica levou os principais prêmios da noite (álbum, canção e gravação do ano, além de álbum pop e performance pop), e tornou-se a única artista a vencer as três categorias mais importantes em um mesmo ano duas vezes — já havia conquistado os mesmos prêmios em 2012.

Nem Adele convenceu-se de que merecia ficar com tantos gramofones (aliás, agora ela contabiliza 15).

— Não posso aceitar este prêmio. Minha vida é Beyoncé, e seu álbum Lemonade para mim foi monumental e um apoio para a alma. (Nele) Conseguimos ver outro lado de você que nem sempre nos deixava observar. Meu álbum do ano era Lemonade —disse a loira, que, ao receber o prêmio de melhor álbum do ano por 25, chegou a quebrar o troféu e oferecer metade à colega, levando a plateia ao riso.

Adele quebrou o gramofone de álbum do ano para dividir troféu com BeyoncéFoto: Kevin Winter / Kevin Winter/AFP


O discurso de Adele foi comovente e levou Beyoncé às lágrimas. De fato, Lemonade é o disco mais ousado da artista de 35 anos, no qual ela descortina as dificuldades e a resistência das mulheres negras americanas, falando sobre temas como a força para superar um pai rígido, problemas com o marido e uma longa história de perseguição. Além da música, foi todo pensado visualmente e tem vídeos incríveis. Foi apontado como melhor álbum do ano por várias publicações especializadas — entre elas a Rolling Stone dos EUA. Mas não foi suficientemente bom para garantir a Beyoncé os Grammy que lhe faltam em sua estante.

A diva pop — que fez sua primeira aparição após anunciar a gravidez de gêmeos em uma performance muito bem produzida de Love Drought e Sandcastles — soma 20 gramofones. É uma das artistas mais vencedoras de Grammy da história, mas ainda não conquistou duas das categorias mais importantes do prêmio, álbum e gravação do ano — coincidentemente, Adele já tem os dois e em dobro. É de se refletir sobre isso, uma vez que, em 2016, Taylor Swift desbancou o favorito Kendrick Lammar e levou o álbum do ano, fato que provocou polêmica e acendeu um debate sobre racismo na premiação.

Ainda que o trabalho de Adele seja incrível, sendo de fato um dos melhores álbuns do ano e com um dos principais hits dos últimos tempos (Hello), Beyoncé merecia sair do Staples Center, em Los Angeles, com mais do que os dois gramofones que recebeu — melhor álbum urbano contemporâneo e melhor videoclipe por Formation. Nesse ponto, teve razão Ryan Tedder, vocalista da banda OneRepublic e colaborador habitual das duas cantoras, que havia antecipado há uma semana: “O eleitor médio do Grammy é um cara branco com mais de 40 anos, alguém mais atraído por Adele do que Beyoncé”. [Vanessa Scalei]

Prêmio para Adele engrossa coro dos descontentes do Grammy

cerimonia-do-59-grammy-grandevencedora-20170213022301.jpgAdele carrega os cinco Grammys que ganhou na noite: álbum do ano, gravação do ano, música do ano, melhor performance solo e melhor álbum vocal popimagem: Mike Blake/Reuters


Principal vencedora do 59° Grammy neste domingo (12), em Los Angeles, Adele não apenas conquistou os três gramofones mais importantes da noite — melhor álbum (com seu terceiro disco “25”), gravação e canção do ano (por “Hello”, que ela cantou logo na abertura da premiação como prenúncio da barbada) – como derrotou, em cada uma dessas categorias, outra gigante do pop, e a grande recordista de indicações desta edição: Beyoncé.

Na ausência do rapper Kanye West para problematizar a escolha da Academia, a própria Adele reservou boa parte do seu discurso emocionado para elogiar sua maior concorrente. “Eu não posso receber esse prêmio”, disse ao microfone. “Seu disco [‘Lemonade’] é tão monumental. Tão bem pensado, tão lindo. Eu amo você. O jeito que você faz eu e meus amigos negros nos sentirmos é empoderador. Sempre vou te amar”.

A disputa entre as cantoras nas três principais categorias não foi meramente musical. Na época em que o Oscar é colocado na parede quanto à ausência de artistas negros entre os indicados, o Grammy se viu diante da mesma encruzilhada, especialmente no ano em que um dos mais aclamados artistas negros da atualidade, Frank Ocean, boicotou o processo de inscrição de seu disco “Blonde” por achar que a premiação não representa “as pessoas que vêm de onde eu venho, e que aguentam o que eu aguento”. Além de West e Ocean, a noite de festa também contou com baixas de Drake e Justin Bieber – que deram as costas à premiação.

Ao mesmo tempo em que contempla um dos maiores fenômenos da música recente, a esmagadora vitória de Adele endossa a teoria de que o Grammy não reconhece artistas negros nas categorias de maior prestígio.Getty ImagesEnquanto “25”, o terceiro disco da britânica, vendeu como água no deserto e alimentou uma música mais tradicional para um público amplo, “Lemonade” fundiu áudio com visual, o hip-hop com country e rock, e amarrou a essência pop a um discurso político e feminista. O disco que figurou nas listas dos melhores do ano foi reconhecido na “maior premiação da música” apenas na categoria de álbum de música urbana – categoria de difícil tradução, mas que serve para abrigar boa parte dos artistas negros.

Sua apresentação no palco do Grammy, no entanto, foi além desse conceito. Beyoncé remontou a santa ceia só com mulheres, e cantou duas baladas do mais recente disco, “Love Drought” e “Sandcastles”. Em referência ao momento de “dor e perda” em que o país atravessa, Beyoncé recebeu o prêmio dizendo que seu disco dá voz a essa dor.mulher-com-veu-islamico-entra-chutando-e-destruindo-muro-durante-apresentacao-de-a-tribe-called-quest-no-grammy-2017-1486964318198_v2_750x421Mulher com véu islâmico entra chutando e destruindo muro durante apresentação de A Tribe Called Quest no Grammy 2017imagem: Kevork Djansezian/Getty Images

“Nós, o povo”

Mas foi justamente a música negra, mais especificamente o rap, o responsável por elevar a mensagem política para outros decibéis. Até então nas entrelinhas, o protesto contra Donald Trump veio ruidoso na apresentação do A Tribe Called Quest, uma das principais referências do hip-hop nos Estados Unidos.

Com 20 anos de história, o grupo subiu ao palco dando um literal pontapé em um muro cenográfico, e chamou o novo presidente de ‘agente laranja’. A letra de “We the People” [Nós, o povo], além da referência às primeiras palavras da constituição norte-americana, denunciou, em seu refrão, o movimento de silenciamento das minorias, ao narrar que os negros, mexicanos, pobres, gays e muçulmanos “devem vazar”.

Em um dos pontos altos da noite, o recém-chegado Chance the Rapper não só não “vazou” como celebrou três merecidos prêmios em uma noite um tanto branca: melhor álbum de rap, performance de rap e revelação do ano.

Com o elogiado segundo disco de produção independente, “Coloring Book”, o rapper que chegou a gravar com Justin Bieber transformou o palco do Grammy em uma verdadeira igreja com a ajuda de um coral na apresentação de “How Great”.

Com apenas 23 anos, ele é uma promessa de um grande artista que pode transpor a barreira que a premiação, em sua 59a. edição, ainda insiste em manter. [UOL]

Conheça os ganhadores das principais categorias do Grammy Awards 2017:

MELHOR ÁLBUM DO ANO
Adele, “25”
Beyoncé, “Lemonade”
Sturgill Simpson, “A Sailor’s Guide to Earth”
Justin Bieber, “Purpose”
Drake, “Views”

GRAVAÇÃO DO ANO
“Hello”, Adele
“Formation”, Beyoncé
“7 Years”, Lukas Graham
“Work”, Rihanna feat. Drake
“Stressed Out”, Twenty One Pilots

MÚSICA DO ANO
“Formation”, Beyoncé
“Hello”, Adele
“I Took a Pill in Ibiza”, Mike Posner”
“Love Yourself”, Justin Bieber
“7 Years”, Lukas Graham

ARTISTA REVELAÇÃO
The Chainsmokers
Chance the Rapper
Anderson Paak
Maren Morris
Kelsea Ballerini

MELHOR VIDEOCLIPE
“Formation”, Beyoncé
“River”, Leon Bridges
“Up & Up”, Coldplay
“Gosh”, Jamie XX
“Upside Down & Inside Out”, OK Go

POP

MELHOR PERFORMANCE SOLO
“Hello”, Adele
“Hold Up”, Beyoncé
“Love Yourself”, Justin Bieber
“Piece By Piece”, Kelly Clarkson
“Dangerous Woman”, Ariana Grande

MELHOR PERFORMANCE DE DUO/GRUPO
“Closer”, The Chainsmokers Featuring Halsey
“7 Years”, Lukas Graham
“Work”, Rihanna Featuring Drake
“Cheap Thrills”, Sia Featuring Sean Paul
“Stressed Out”, Twenty One Pilots

MELHOR ÁLBUM POP VOCAL TRADICIONAL
“Cinema”, Andrea Bocelli
“Fallen Angels”, Bob Dylan
“Stages Live”, Josh Groban
“Summertime: Willie Nelson Sings Gershwin”, Willie Nelson
“Encore: Movie Partners Sing Broadway”, Barbra Streisand

MELHOR ÁLBUM VOCAL POP
“25”, Adele
“Purpose”, Justin Bieber
“Dangerous Woman”, Ariana Grande
“Confident”, Demi Lovato
“This Is Acting”, Sia

DANCE / MÚSICA ELETRÔNICA

MELHOR GRAVAÇÃO DANCE
“Tearing Me Up”, Bob Moses
“Don’t Let Me Down”, The Chainsmokers Featuring Daya
“Never Be Like You”, Flume Featuring Kai
“Rinse & Repeat”, Riton Featuring Kah-Lo
“Drinkee”, Sofi Tukker

MELHOR ÁLBUM DANCE
“Skin”, Flume
“Electronica 1: The Time Machine”, Jean-Michel Jarre
“Epoch”, Tycho
“Barbara Barbara, We Face A Shining Future”, Underworld
“Louie Vega Starring…XXVIII”, Louie Vega

ROCK

MELHOR PERFORMANCE ROCK
“Joe” (Live From Austin City Limits), Alabama Shakes
“Don’t Hurt Yourself”, Beyoncé Feat. Jack White
“Blackstar”, David Bowie
“The Sound Of Silence” (Live On Conan), Disturbed
“Heathens”,  Twenty One Pilots

CANÇÃO ROCK
“Blackstar”, David Bowie
“Burn The Witch”,  Radiohead
“Hardwired”,  Metallica
“Heathens”,  Twenty One Pilots
“My Name Is Human”, Highly Suspect

PERFORMANCE METAL
“Shock Me”, Baroness
“Silvera”,  Gojira
“Rotting In Vain”, Korn
“Dystopia”, Megadeth
“The Price Is Wrong”, Periphery

ÁLBUM DE ROCK
“California”,  Blink-182
“Tell Me I’m Pretty”, Cage The Elephant
“Magma”, Gojira
“Death Of A Bachelor”, Panic! At The Disco
“Weezer”, Weezer

ÁLBUM DE MÚSICA ALTERNATIVA
“‘22, A Million”, Bon Iver
“Blackstar”, David Bowie
“The Hope Six Demolition Project”, PJ Harvey
“Post Pop Depression”, Iggy Pop
“A Moon Shaped Pool”, Radiohead

R&B

PERFORMANCE R&B
“Turnin’ Me Up”, BJ The Chicago Kid
“Permission”,  Ro James
“I Do”,  Musiq Soulchild
“Needed Me”,  Rihanna
“Cranes In The Sky”, Solange

CANÇÃO R&B
“Come See Me”, PartyNextDoor Featuring Drake
“Exchange”, Bryson Tiller
“Kiss It Better”,  Rihanna
“Lake By The Ocean”, Maxwell
“Luv”,  Tory Lanez

ÁLBUM URBANO CONTEMPORÂNEO
“Lemonade”, Beyoncé
“Ology”, Gallant
“We Are King”, KING
“Malibu”, Anderson .Paak
“Anti”, Rihanna

RAP

PERFORMANCE RAP CANTADO
“Freedom”, Beyoncé Featuring Kendrick Lamar
“Hotline Bling”, Drake
“Broccoli”, D.R.A.M. Featuring Lil Yachty
“Ultralight Beam”, Kanye West Featuring Chance The Rapper
“Famous”, Kanye West Featuring Rihanna

PERFORMANCE RAP
“No Problem”, Chance The Rapper Featuring Lil Wayne & 2 Chainz
“Panda”, Desiigner
“Pop Style”, Drake Featuring The Throne (Jay Z, Kanye West)
“Ultralight Beam”, Kanye West Featuring Chance The Rapper
“All The Way Up”, Fat Hoe & Remy Ma Featuring French Montana & Infared
“That Part”, ScHoolboy Q Featuring Kanye West

CANÇÃO RAP
“All The Way Up”, Fat Joe & Remy Ma Featuring French Montana & Infared
“Famous”, Kanye West Featuring Rihanna
“Hotline Bling”, Drake
“No Problem”, Chance The Rapper Featuring Lil Wayne & 2 Chainz
“Ultralight Beam”, Kanye West Featuring Rihanna

ÁLBUM RAP
“Coloring Book”, Chance The Rapper
“And The Anonymous Nobody”, De La Soul
“Major Key”, DJ Khaled
“Views”, Drake
“Blank Face LP”, ScHoolboy Q
“The Life Of Pablo”, Kanye West

LATINO

ÁLBUM LATINO DE POP
“Un Besito Mas”, Jesse & Joy
“Ilusión”, Gaby Moreno
“Similares”, Laura Pausini
“Seguir Latiendo”, Sanalejo
“Buena Vida”, Diego Torres

ÁLBUM LATINO DE ROCK, URBANO E ALTERNATIVO
“ilevitable”, ile
“L.H.O.N. (La Humanidad O Nosotros)”, Illya Kuryaki & The Valderamas
“Buenaventura”, La Santa Cecilia
“Los Rakas”, Los Rakas
“Amor Supremo”, Carla Morrison

WORLD MUSIC

MELHOR ÁLBUM DE WORLD MUSIC
“Destiny”, Celtic Woman
“Walking In The Footsteps Of Our Fathers”, Ladysmith Black Mambazo
“Sing me Home”, Yo-Yo Ma & The Silk Road Ensemble
“Land Of Gold”, Anoushka Shankar
“Dois Amigos, Um Século De Música: Multishow Ao Vivo”,  Caetano Veloso & Gilberto Gil

REGGAE

MELHOR ÁLBUM DE REGGAE
“Sly & Robbie Presents… Reggae For Her”, Devin Di Dakta & J.L
“Rose Petals”, J Boog
“Ziggy Marley”, Ziggy Marley
“Everlasting”, Raging Fyah
“Falling Into Place”, Rebelution
“SOJA: Live In Virginia”, SOJA

OUTROS

MELHOR TRILHA ORIGINAL
“Ponte dos Espiões”
“Os Oito Odiados”
“O Regresso”
“Star Wars: O Despertar da Força”
“Stranger Things”

MELHOR ARTE
“Anti”, Rihanna
“Blackstar”, David Bowie
“Human Performance”, Parquet Courts
“Sunset Motel”, Reckless Kelly
“22, A Million”, Bon Iver

MELHOR MÚSICA EM VÍDEO (PRODUTO AUDIOVISUAL)
“I’ll Sleep When I’m Dead”,  Steve Aoki
“The Beatles: Eight Days A Week The Touring Years”, The Beatles
“Lemonade”, Beyoncé
“The Music Of Strangers”, Yo-Yo Ma & The Silk Road Ensemble
“American Saturday Night: Live From The Grand Ole Opry”, Vários

Beyoncé perdeu o Grammy de álbum do ano por causa do racismo?

bey90Grávida de gêmeos, Beyoncé se apresentou no Grammy Awards (Foto: Getty Images)


Até Adele achou que Beyoncé merecia mais do que ela. “Eu não posso aceitar este prêmio. (…) A artista da minha vida é Beyoncé, e o álbum ‘Lemonade’ é tão monumental (…) e tão bem pensado e tão bonito e tão revelador, que todos nós vimos um lado seu que nem sempre você nos deixa ver, e nós agradecemos por isto. E todos nós, artistas, amamos você. Você é a nossa luz!.”

Estes são apenas alguns trechos, em tradução livre, do discurso apaixonado que a cantora inglesa fez ao receber o Grammy de álbum do ano por “25”. E que levou às lágrimas sua amiga Queen B, que assistia da primeira fila da plateia ao maior prêmio da música americana mais uma vez lhe escapar das mãos.Adele accepts the Grammy for Record of the Year for "Hello" at the 59th Annual Grammy Awards in Los AngelesAdele recebe o Grammy de álbum do ano – LUCY NICHOLSON; REUTERS


Foi pelo menos a segunda vez que Beyoncé foi roubada nos Grammys. Dois anos atrás, seu álbum homônimo também era o favorito na categoria principal. Só que, quando abriram o envelope, o troféu foi para “Morning Phase”, de Beck, um disco sem a repercussão nem as vendas de Beyoncé.

Adele é uma artista formidável. Tem uma das gargantas mais poderosas do planeta, um repertório à prova de bala e uma incrível presença no palco. Além disso, é dona de uma beleza farta, que ajuda milhões de meninas acima do peso ideal a se sentirem mais bonitas.

Seu terceiro álbum, “25”, foi o mais vendido em todo o planeta no ano passado. É um belo trabalho, sem faixas fracas e com um carro-chefe que vai se tornar um clássico: o baladão “Hello”, que neste domingo (12) também levou os Grammys de melhor composição e melhor gravação do ano.

E nem por isto ela merecia ter ganho também melhor álbum. “Lemonade” é um projeto muito mais ambicioso, mais variado musicalmente e mais politicamente carregado. A limonada do título se refere ao que Beyoncé fez com os limões que a vida lhe entregou: das infidelidades do marido, o rapper Jay-Z, à própria condição de negra nos Estados Unidos.

“Lemonade” era a aposta dos especialistas para finalmente dar o Grammy a sua autora. Só que esses especialistas se esqueceram que o Grammy, quando na dúvida, sempre prefere premiar um branco.Beyonce holds the awards she won at the 59th Annual Grammy Awards in Los AngelesBeyoncé levou dois prêmios: Melhor Clipe (‘Formation’) e Melhor Álbum Urban Contemporâneo (‘Lemonade’) – MIKE BLAKE; REUTERS


Apenas dez artistas negros ganharam o Grammy de álbum do ano em toda a história do prêmio. O último foi Herbie Hancock, em 2008, por um disco de covers de Joni Mitchell – uma cantora e compositora branca.

“Lemonade” também era o vencedor perfeito para este início de governo Trump, quando o racismo reaparece camuflado de política de segurança nacional.

Mas os eleitores do Grammy – em sua imensa maioria, executivos brancos da indústria fonográfica – escolheram novamente Adele, que já havia vencido em 2012. Não é surpresa nenhuma: afinal, eles também já premiaram a insignificante Taylor Swift duas vezes com o troféu máximo.

Beyoncé continua sendo a mulher com mais indicações ao Grammy de todos os tempos. Também tem um ano glorioso pela frente, com a chegada de seus filhos gêmeos. E seu processo de canonização em vida segue célere: em sua performance na cerimônia deste domingo, com direito a véu, coroa e barrigão de fora, ela encarnou uma orixá, um avatar de Nossa Senhora, uma deusa da fertilidade.

Amém, Beyoncé. Você nem precisa, mas este Grammy era para ser seu. [Tony Goes]