Fendi exibirá móveis de Cristina Celestino no Design Miami 2016

fendi-and-cristina-celestino_the-happy-room-booth-render
Parte do projeto de Cristina Celestino para a Fendi (Foto: Reprodução)

Marcado para acontecer em dezembro deste ano, o Design Miami terá novidades das boas no que depender da Fendi. É que a grife convidou Cristina Celestino para criar peças de mobiliário para a sua sala VIP itinerante, batizada The Happy Room.

“Ela traduziu perfeitamente nossos códigos Fendi para uma coleção verdadeiramente sofisticada e feminina de peças de design que mostram uma personalidade única e um luxo sussurrado. o conceito aparece através da habilidade, uso de materiais e novas técnicas, como a pele sob resina, formas geométricas, jogo cromático, mármore e inlays de vidro. Esses elementos têm muito em comum conosco”, elogiou Pietro Beccari, presidente da grife italiana.

Tendo o tema Art Deco-meets-the-Fifties como base, Cristina desenvolveu móveis que fazem um mix entre o artesanal, o contemporâneo e o luxo. Acima, um preview do que vem por aí!

Anúncios

Visita guiada: casa em Franca tem interiores que se conectam ao jardim

01-casa-em-franca-tem-interiores-que-se-conectam-ao-jardim.jpeg

Os moradores – um casal com duas filhas – queriam uma casa grande, com luz e ventilação naturais em abundância. O escritório MF+ Arquitetosprojetou, então, uma residência em Franca, interior de São Paulo, que se integra à área externa.

Reprodução | Renato Moura | Dezeen
02-casa-em-franca-tem-interiores-que-se-conectam-ao-jardimQuando abertos, painéis que vão do chão ao teto conectam a área social ao jardim. O espaço do lounge e de jantar usado para receber amigos e família pode se abrir em três lados, por exemplo.

Reprodução | Renato Moura | Dezeen
03-casa-em-franca-tem-interiores-que-se-conectam-ao-jardimConstruída com concreto, madeira, pedra e aço corten, a casa tem influência da arquitetura modernista brasileira.

Reprodução | Renato Moura | Dezeen
04-casa-em-franca-tem-interiores-que-se-conectam-ao-jardimA planta tem formato de “L”, cercando o gramado e a piscina, conta também com um jardim murado cheio de plantas tropicais, que ladeia um corredor com paredes de vidro.

Reprodução | Renato Moura | Dezeen
05-casa-em-franca-tem-interiores-que-se-conectam-ao-jardimNo desenho, os arquitetos elevaram algumas partes da casa, para potencializar as vistas para o vale.

Reprodução | Renato Moura | Dezeen
06-casa-em-franca-tem-interiores-que-se-conectam-ao-jardimFonte: Dezeen

Inspiração do dia: cozinha clara e moderna integrada aos ambientes

1-inspiracao-do-dia-cozinha-clara-e-moderna-integrada-aos-ambientesO morador deste apartamento enxuto em São Paulo é um jovem solteiro. Ele queria um projeto despojado e com personalidade. A arquiteta Barbara Dundes conseguiu tirar bom proveito do espaço da cozinha, com 6,34 metros quadrados. Os tons neutros predominam com a madeira clara e a cor cinza. O amarelo, cor vibrante, foi usado nas banquetas para trazer mais alegria e descontração ao ambiente. Uma das paredes foi pintada com tinta lousa com o mesmo objetivo. Sala, cozinha e lavanderia são integradas para um melhor aproveitamento do espaço. Os móveis em linhas simples e retas também ajudam a dar uma sensação de amplitude.Julia Ribeiro

 

Visita guiada: mix de elementos originais e contemporâneos em apê dos anos 70

01-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

Foram os ambientes amplos e a localização no bairro dos Jardins, em São Paulo, que encantou um casal de brasileiros que vive nos Estados Unidos e sonhava em ter uma casa na cidade para as visitas ao Brasil.

Maíra Acayaba
02-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

O desafio para o escritório Tria Arquitetura foi atualizar o apartamento dos anos 70 adaptando-o ao estilo de vida dos novos moradores sem esconder a sua identidade original.

Maíra Acayaba
03-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

As arquitetas Sarah Bonanno e Marina Cardoso de Almeida fizeram pequenas modificações na planta de 165 metros quadrados: criaram um lavabo ao diminuir a despensa e aumentaram o banheiro do casal reduzindo a área de serviço.

Maíra Acayaba
04-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

Os revestimentos cerâmicos foram trocados por novos, trazendo um ar contemporâneo ao projeto – o piso de tacos de madeira foi preservado.

Maíra Acayaba
05-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

Os moradores queriam que a cozinha permanecesse fechada e, se possível, com o acesso disfarçado. Assim, as profissionais criaram um grande painel como hall interno do apartamento.

Maíra Acayaba
06-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

Revestida de madeira ripada, a área conta com quatro portas “invisíveis”: uma para a entrada, uma para a cozinha, uma para o lavabo e a última para o corredor íntimo. Como formavam um pórtico para o hall, as vigas e pilares descobertos durante a obra foram mantidos em seu estado natural.

Maíra Acayaba
07-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

As paredes brancas funcionam como pano de fundo para várias obras de arte, colecionadas durante viagens do casal.

Maíra Acayaba
08-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

O buffet da sala de jantar, de linhas retas, foi desenhado pelas arquitetas e ganhou revestimento com azulejos que remetem ao modernismo brasileiro.

Maíra Acayaba
09-elementos-originais-e-contemporaneos-se-misturam-em-ape-dos-anos-70

Visita guiada: apartamento tem área social contínua e cheia de plantas

apto1

No duplex em Lisboa, os ambientes do andar de baixo são organizados ao longo de uma única parede, com painéis móveis para dar privacidade
Em um bairro dos anos 1930 em Lisboa, o duplex na cobertura do edifício ganhou um espaço social comprido e uma porção de plantas, na reforma assinada pelo Atelier Data.

Reprodução | Richard John Saymour | Dezeen
02a-apartamento-tem-area-social-continua-e-cheia-de-plantasReprodução | Richard John Saymour | Dezeen2b-apartamento-tem-area-social-continua-e-cheia-de-plantasIsso porque os ambientes do andar de baixo são organizados ao longo de uma única parede, com painéis móveis que permitem criar áreas com mais privacidade quando necessário. Na cozinha, por exemplo, eles escondem a bancada e a despensa.
Reprodução | Richard John Saymour | Dezeen

03-apartamento-tem-area-social-continua-e-cheia-de-plantasJá as plantas remetem às vistas de um jardim próximo ao prédio. Na varanda, as cadeiras verdes ficam entre as folhas.
Reprodução | Richard John Saymour | Dezeen
04-apartamento-tem-area-social-continua-e-cheia-de-plantasComo outro objetivo do projeto era separar os ambientes sociais da área íntima, os três quartos e os dois banheiros ficam no andar superior. Para trazer mais luz natural aos dormitórios, o telhado inclinado conta com claraboias retangulares.

Reprodução | Richard John Saymour | Dezeen
05-apartamento-tem-area-social-continua-e-cheia-de-plantasParedes brancas e piso de madeira se espalham pelo interior do apartamento de 180 metros quadrados.
Fonte: Dezeen

Apartamento de 38 m² perde todas as paredes e ganha estilo industrial

sala-sofa-cozinha-bancada-ambientes-integrados-bancos-rack
Living | O rack de madeira pínus foi desenhado pela Tripper Arquitetura e executado pela Marcenaria Marcen Mello. O quarto azul é do artista Gonçalo Ivo e foi garimpado na loja Papel Assinado. Bancos Diesel à venda na Desmobília. Pendente Nud, da La Lampe. Sofá da Tok & Stok (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)

Um economista carioca que trabalha em São Paulo e passa os fins de semana no Rio de Janeiro. Esse é o perfil do morador deste apartamento de apenas 38 m² no bairro paulista Vila Nova Conceição. O projeto sem divisórias, comandado pela equipe do escritório Tripper Arquitetura e Elmira Nogueira + Julia Chagas, ganhou cara de loft. A solução deixou o lar mais amplo e permite ao morador ver a casa toda de qualquer ângulo.

A premissa era criar um lar com estilo industrial chique. Para isso, todas as paredes, exceto a do banheiro, foram eliminadas. Um piso elevado em 20 cm separa o quarto  do living. O tablado ganhou gavetas e alçapões, assim como a base da cama. Dessa maneira, o morador tem diferentes locais de armazenamento sem ocupar o espaço aéreo da casa.

A escolha dos revestimentos seguiu o que os profissionais chamam de “verdade tectônica”. Em outras palavras, isso significa que os materiais brutos da construção foram expostos. “Deixamos as vigas à mostra e usamos concreto para fazer a estrutura dos armários”, conta o arquiteto Marcelo Moura, do escritório Tripper Arquitetura.

O lar recebeu uma marcenaria elaborada especialmente para o apartamento. A escolha dos profissionais foi por compensado laminado de pínus. Com um mix de revestimentos que complementam um ao outro, o loft ganhou transparência e fluidez. Um pedido do morador prontamente atendido pelos profissionais. [Julyana Oliveira]cozinha-revestimento-tijolinhos-armario

Cozinha | O espaço ganhou piso Portobello, modelo Concretissyma. A parede acima da pia foi revestida com pastilha preta 2 x 2, da ColorMix – à venda na Texthura Y Cor. A bancada é de granito preto São Gabriel, da Marmoraria Estilo Único. Os armários em Formica preta e os gabinetes de madeira pínus foram desenhados pela Tripper Arquitetura e executados pelas Marcenaria Marcen Mello (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)
Uma parede pequena de cobogós, modelo Sphere da Elemento – à venda na Texthura Y Cor, separa o quarto do living sem obstruir a vista (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)Uma parede pequena de cobogós, modelo Sphere da Elemento – à venda na Texthura Y Cor, separa o quarto do living sem obstruir a vista (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)
Quarto | O piso em madeira de demolição elevado 20 cm salienta a divisão entre área íntima e living. O armário em pinus maciço foi desenhado pelo escritório Tripper Arquitetura. O concreto veio para combinar com o estilo industrial do loft. Toda a marcenaria do ambiente foi executada pela Marcenaria Marcen Mello (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)Quarto | O piso em madeira de demolição elevado 20 cm salienta a divisão entre área íntima e living. O armário em pínus maciço foi desenhado pelo escritório Tripper Arquitetura. O concreto veio para combinar com o estilo industrial do loft. Toda a marcenaria do ambiente foi executada pela Marcenaria Marcen Mello (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)
A cama de pinus maciço foi desenhada pela Tripper Arquitetura e executada pela Marcenaria Marcen Mello. Ao fundo, uma parede de tijolos da Pasinato, modelo stromboli, completa o mix de revestimentos do ambiente (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)A cama de pínus maciço foi desenhada pela Tripper Arquitetura e executada pela Marcenaria Marcen Mello. Ao fundo, uma parede de tijolos da Pasinato, modelo Stromboli, completa o mix de revestimentos do ambiente (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)
Nos detalhes: cadeira Singapore, da Conceita. Trilhos de iluminação à vendas na loja Andra. Móvel abaixo da TV em laca preta, desenhado pela Tripper Arquitetura e executado pela Marcenaria Marcen Mello (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)Nos detalhes: cadeira Singapore, da Conceita. Trilhos de iluminação à venda na loja Andra. Móvel abaixo da TV em laca preta, desenhado pela Tripper Arquitetura e executado pela Marcenaria Marcen Mello (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)
 Banheiro | Revestimento Palimanan Hitam 10x10cm, à venda na Ekko Revestimentos. Bancada em tecnocimento cinza Platina da NS Brasil. Louças e metais Deca, da Loja Emporium Frei Caneca. Marcenaria desenvolvida pela Tripper Arquitetura e executada pela Marcenaria Marcen Mello (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)Banheiro | Revestimento Palimanan Hitam 10 x 10 cm, à venda na Ekko Revestimentos. Bancada em tecnocimento cinza platina, da NS Brasil. Louças e metais Deca, da Loja Emporium Frei Caneca. Marcenaria desenvolvida pela Tripper Arquitetura e executada pela Marcenaria Marcen Mello (Foto: Julia Ribeiro/Divulgação)

Em cinco meses, imóvel de quatro quartos vira quarto e sala para dar conforto a casal

infochpdpict000061496414
O branco predomina no living, e a paisagem toma o lugar dos quadros – MCA Studio/Divulgação

RIO -O arquiteto Rodrigo Barbosa conseguiu, em cinco meses, mudar o layout de um apartamento de 250 m², transformando em quarto e sala um imóvel que, originalmente, tinha quatro quartos.

— É de um casal cujos filhos já estão casados. Eles decidiram sair da cobertura em que moravam, também feita por mim, para um apartamento na beira da praia. São meus clientes há dez anos, e o mais curioso é que todos os três filhos também são — diz o arquiteto.

Os ambientes sociais são integrados sem ter características de loft, pois o foco é o conforto do casal e a criação de espaços para receber a família. No living, uma parede espelhada reflete a paisagem que engloba a Pedra do Arpoador, as ilhas Cagarras e o Morro Dois Irmãos. As brises com venezianas em laca branca integram e separam os ambientes, como a sala de jantar e o family room.

Praticamente todo o piso é de marmoglass branco, o que torna os ambientes mais amplos e claros, além de serem emoldurados pela vista maravilhosa. Mas a transformação do dormitório principal é o grande destaque no apartamento. Além do escritório para o marido, Rodrigo projetou um grande closet com espelhos nas portas e também dois banheiros, um para cada morador (a realeza também costuma ter banheiros separados, ter privacidade é chique). No banheiro masculino há espaço para uma sauna, com janela blindada e vista para o mar. No banheiro feminino, o pequeno spa tem banheira de hidromassagem e chuveiro com cromoterapia. Outro pedido foi o uso da tecnologia, especialmente a iluminação de led com sensor de presença.

— Toda a marcenaria foi feita por nós, a maioria em freijó lavado, já que o casal é exigente e detalhista. Até mesmo os armários de cozinha. A decoração é clean, e a cor é pontual, está nos objetos e no estofamento. A maioria dos móveis é da Novo Ambiente e do Arquivo Contemporâneo. [Suzete Achê]