A obra de Niemeyer sob o olhar de diferentes fotógrafos

Perspectivas bidimensionais para a arte da tridimensionalidade
Por Natália Martucci I Fotos Reprodução

O Palácio da Alvorada, casa oficial dos presidentes da república, clicado por Leonardo Finotti.

As curvas de Niemeyer possibilitam múltiplos olhares para o mesmo edifício. O arquiteto projetava pensando no olhar do observador. E como as lentes de diferentes fotógrafos capturam a beleza das obras desse mestre da arquitetura brasileira? Confira a seguir uma seleção de fotos incríveis das maiores obras de Niemeyer, que neste sábado completaria 111 anos. 

A foto de Tuca Vieira retrata o interior do Pavilhão da Bienal, em São Paulo.
O franco-brasileiro Marcel Gautherot tem uma série de registro de Brasília e seus emblemáticos edifícios durante sua construção, iniciada em 1956.
Aqui, um detalhe do Palácio da Alvorada por Rasilibw.
O edifício Mondadori, em Milão, pelas lentes da artista visual Karina Castro.
Texturas e ângulos inusitados aparecem nas fotografias de Patricia Parinejad dos projetos do arquiteto.
O interior do Auditório Ibirapuera, construído em 2005, por Nelson Kon.
Museu de Arte Moderna de Niteroi, projeto de 1996, fotografado por Cristiano Mascaro.
Anúncios

Artista alemão Martin Dammann descobre centenas de imagens de ‘nazistas crossdressers’

Soldados se vestiam de mulher e faziam performances para colegas de guerra

Soldados nazistas fazem performance de dança usando vestidos Foto: Divulgação
Soldier Studies. Crossdressing in der Wehrmacht, da editora Hatje Cantz

BERLIM — Um artista alemão, colecionador de fotos de guerras, encontrou centenas de imagens que mostram soldados nazistas vestidos de mulher e fazendo performances para seus colegas de trincheira. Segundo o jornal “Daily Mail”, Martin Dammann fazia uma pesquisa sobre a vida dos homens que serviam durante o Terceiro Reich quando se deparou com as fotografias. Elas estão compiladas no livro “Soldier Studies Cross-Dressing in der Wehrmacht”.

O sociólogo Harald Welzer afirmou à publicação que essas manifestações não era incomuns e nem mesmo restritas aos soldados do nazismo.

— Mesmo que pareça paradoxal, essas fotografias de soldados da Wehrmacht usando roupas íntimas femininas, que num primeiro momento soam exóticas, na verdade corroboram a normalidade da situação, principalmente em tempos de guerra — revela ele.

Para o artista responsável pelo livro, as fotos mostram a complexidade do ser humano

Nas fotos, os soldados aparecem utilizando desde vestidos e saias improvisadas com toalhas e lençóis até maquiagem e roupas íntimas. Em algumas, eles posam de maneira desinibida.

A maioria das imagens parecem ter sido tiradas durante festas ou celebrações, comumente promovidas para ajudar os combatentes a suavizar os efeitos da guerra.

De acordo com a “Folha de São Paulo”, a coleção de Dammann também traz fotos semelhantes de soldados britânicos e americanos, mas o pesquisador afirma que os casos eram mais frequentes nas linhas de frente do exército do regime de Adolf Hitler.

— É preciso distinguir entre a ideologia nazista, que era homofóbica, e a lógica de líderes militares, que precisavam do maior número possível de soldados na melhor forma física e mental possível — explicou Dammann à “Folha”.


Artista visual Ilana Bessler dá 5 dicas para fotografar melhor decoração

Ela vai comandar um workshop sobre memória afetiva no Casa Vogue Experience 2018

ilana_bessler_2
Artista visual Ilana Bessler

Em tempos de Pinterest e Instagram, os apreciadores de imagens de interiores e arquitetura arriscam fotografias de ambientes, mudam móveis de lugar, testam diferentes filtros, tudo para tentar alcançar uma imagem perfeita. Pensando nisso, a reportagem da Casa Vogue pediu para a artista plástica e fotógrafa Ilana Bessler dar 5 dicas rápidas para aprimorar o trabalho de quem gosta de fotografar decoração.

Com experiência em editoriais de moda, gastronomia e interiores, a artista é um dos nomes confirmados para o Casa Vogue Experience 2018. Em seu currículo também aparece o seu projeto Habitado, em que registra interior de casas e ações cotidianas de seus moradores, além de promover exposições e vivências, a fim de discutir o espaço doméstico e o urbano. Ela mantém um perfil no Instagram sobre o assunto.

Em seu workshop no Casa Vogue Experience, que será realizado no dia 11 de novembro, às 17 horas, ela convidará os participantes a uma experiencia de imersão na memória afetiva. Ao final, todos farão uma instalação coletiva com os depoimentos e lembranças dos envolvidos. “O objetivo é sensibilizar para a sensação de pertencimento”, disse. “É um convite à memória, à nossa história”.

Confira as dicas de Ilana Bessler para fotografar melhor interiores:

1- Enquadramento:
O que incluir na imagem? A decisão do que fotografar é fundamental e deve ser a primeira ação para construirmos uma boa foto de interiores. É importante posicionar a câmera e escolher o que entra ou não em quadro. Se a foto será horizontal ou vertical. Simetria e centralidade são fortes aliados para uma foto agradável aos olhos, diz Ilana.

2- Perspectiva e linhas retas:
Mantenha sempre as linhas retas! Paredes, colunas, móveis, todos devem estar em 90 graus ou paralelos em relação ao chão. Tanto a altura de câmera como a escolha da lente podem gerar distorções nas imagens, fique atento, alerta a artista.

3- Organização do ambiente:
Em geral temos que tirar objetos de cena para que a foto fique mais harmônica. Podemos também incluir objetos com personalidade como plantas, livros e almofadas. Os espaços entre objetos proporcionam uma sensação de leveza e amplitude, pense em um quebra-cabeça e evite objetos sobreposto. Faça faxina antes do dia de foto! A limpeza do ambiente evitará horas de tratamento no Photoshop. Todos os detalhes são importantes. Preste atenção a sujeiras, aos amassados do tecido, fios aparentes e reflexos.

4- Luz
Uma das principais coisas quando se fala em “foto-grafia” é o uso da luz. Sem ela não é possível registrarmos imagens. Já repararam que as luzes da casa normalmente são mais amareladas que a luz do sol? A dica para uma boa foto de ambiente interno é manter as luzes apagadas e usar e abusar da luz natural. Abrir as janelas e portas para conseguir luminosidade em várias direções da casa. Prefira dias nublados – a luz difusa não interfere no desenho do projeto de arquitetura.

5- Velocidade e diafragma
Coloque a câmera em um tripé ou apoiada. O obturador da câmera precisa ficar aberto por um longo tempo para captar a quantidade necessária de luz para que a foto não fique escura. Tempo maior que nossos movimentos vitais, ou seja, com a câmera na mão normalmente as fotos de ambientes internos ficam tremidas. Cuidado com os ventos que podem balançar os lustres, plantas, etc. Precisamos também pensar no campo focal da imagem. Uma imagem de ambiente requer foco em todos os objetos, diferente de uma foto de detalhe, onde podemos desfocar o que não é tão relevante.

Fabricante de câmeras Nikon encerra as atividades no Brasil

Empresa garante que continuará prestando assistência técnicas para produtos fotográficos com garantia válida, mas que os produtos serão reparados nos EUA

unnamed
Nikon, que já não vendia mais seus produtos no Brasil, não terá mais atuação no País


A fabricante de câmeras e equipamentos fotográficos Nikon anunciou nesta segunda-feira, 17, que encerrou suas atividades no Brasil. A empresa já não vendia mais seus produtos no País desde 31 de dezembro do ano passado, devido a uma reestruturação global da companhia.

Em nota, a Nikon garantiu que produtos fotográficos com garantias válidas continuarão sendo feitas pelo Grupo Nikon. Para isso, as solicitações de reparo e assistência técnica precisarão ser feitos por um formulário online no site brasileiro da marca. Quando necessários, os serviços serão feitos pela empresa nos Estados Unidos.

Já sobre os acessórias e a assistência técnica das linhas de produtos de microscopia serão atendidos pela empresa BioLab Brasil. “Os outros distribuidores para microscópios educacionais e clínicos, Spectrun, Hoven e PMH permanecerão inalterados”, disse a Nikon no comunicado.

No fim do ano passado, a Nikon já tinha anunciado que deixaria de vender seus produtos pelo site. À época, a empresa disse que a decisão fazia parte de uma reestruturação global.

“A Nikon Corporation está otimizando as estruturas de Pesquisa e Desenvolvimento (R&D), Vendas e Fabricação em uma reestruturação em escala global”, disse a empresa, em nota divulgada em seu site.

Claudia Jaguaribe abre exposição no jardim da Casa de Vidro

A fotógrafa cria um diálogo entre a arquitetura suspensa e a natureza selvagem
Por Beta Germano I Fotos: Divulgação

Sem título.jpgA percepção de que o lugar é atravessado pelas cicatrizes do tempo e do uso – é com esta premissa que a fotógrafa Claudia Jaguaribe invade os jardins da Casa de Vidro para criar novas imagens de e para o projeto de Lina Bo Bardi, na exposição De Claudia para Lina, a imagem de um entre-lugar.

Sem título.jpgÉ no espaço transitório entre a caixa cristalina suspensa em pilotis e o terreno dominado pela natureza que a fotógrafa investe sua poética e constrói belíssimas imagens e composições em azul e verde.

Entre o orgânico e a solidez, o dia e a noite, ela se apropria das linhas da arquitetura e   aproveita a abundância selvagem – tudo sob a condição de suspensão que também inspira e, mais ainda, orienta a montagem final da mostra.

Sem título.png1.jpg

Se a intensão da arquitetura de Lina é encontrar “a comunhão entre a natureza e a ordem natural das coisas, opondo aos elementos naturais o menor número de elementos de defesa” – como a arquiteta descreve no texto Residência do Morumbi há 65 anos –  Cláudia Jaguaribe parece ser a fotógrafa perfeita para registra-la.

painel_baixa_res (1)

Serviço:
De Claudia para Lina, a imagem de um entre-lugar.
Data: 15 de setembro a 28 de outubro de 2018
Local: Casa de Vidro
Endereço: Rua General Aumério de Moura, 200 – Vila Morumbi

IMS Paulista celebra o centenário de Irving Penn com exposição

Mostra dedicada ao fotógrafo reúne 230 imagens entre produções de moda, retratos e naturezas-mortas

black_&_white_vogue_cover_jean_patchett_new_yor
A modelo Jean Patchett, uma das tops dos anos 40 e 50, fotografada por Penn para uma capa de ‘Vogue’  Foto: Irving Penn


Passeando entre o glamour da alta-costura e a ausência dele na vida real, o fotógrafo Irving Penn (1917 – 2009) cravou seu nome na moda e na história da fotografia. Um apanhado de 230 dessas imagens estarão expostas a partir da próxima terça, 21, na mostra Irving Penn: Centenário, em cartaz no IMS Paulista.

Ali serão exibidas as séries de retratos de gente, como Stravinsky, Duchamp e Capote, naturezas-mortas, um trabalho realizados com os habitantes  de Cuzco, capital peruana, no fim dos anos 40, além de um apanhado de nus femininos que colocavam em cheque as convenções de beleza vigentes.

As imagens produzidas para a Vogue norte-americana, como um ensaio de 1950 só com roupas de alta costura, são outro ponto alto da exposição, que já passou pelo Met nova-iorquino, pelo Grand Palais em Paris e  pelo C/O, em Berlim. Além das fotos, a mostra conta com 20 periódicos e um estúdio/ instalação, com a cortina originalmente usada por Penn como pano de fundo para muitas das suas imagens.

IRVING PENN: CENTENÁRIO
ONDE: IMS Paulista – av. Paulista, 2.424, Bela Vista, tel.: 11-2842-9120, ims.com.br
QUANDO: De 21 de agosto a 18 de novembro. De terça a domingo, das 10h às 20h (nas quintas, 22h).
QUANTO: Grátis.

Acusado de assédio, Mario Testino fecha escritório de NY e reduz time de assessores em Londres

691310102
O fotógrafo peruano Mario Testino / Reprodução


Acusado de assédio sexual por pelo menos 13 pessoas em janeiro, Mario Testino já está sentindo no bolso os efeitos do escândalo. Um dos maiores astros da moda, o fotógrafo foi obrigado a fechar o escritório de Nova York da agência que fundou há menos de cinco anos, a Mariotestino+. Coincidência ou não, Brigid Walsh – que comandava o negócio – e pelo menos outras três pessoas que davam expediente na unidade da Big Apple deixaram os cargos que ocupavam nas últimas semanas.

Testino ainda mantém um escritório da Mariotestino+ em Londres, mas este também passou por reformulações recentemente: por causa da debandada de clientes, as equipes que cuidavam do pós-venda foram reduzidas. Apesar do choque, ele ainda está trabalhando em projetos pessoais e na implantação de uma nova sede para o museu que inaugurou em Lima, no Peru, em 2012, razão pela qual leiloou metade de sua poderosa coleção de arte no ano passado.

De todas as supostas vítimas do top fotógrafo, o modelo Ryan Locke é o que mais dá o que falar. Nos anos 1990, os dois trabalharam juntos em uma campanha da Gucci, e em entrevista ao “The New York Times” Locke classificou a experiência como “traumática” e chamou Testino de “predador sexual”. Marcas como a Michael Kors e a Stuart Weitzman decidiram cortar relações com o fashionista poderoso, que nega ter cometido qualquer crime e já questionou a credibilidade de seus acusadores.

Assim como tem acontecido em Hollywood, o mundinho também foi chacoalhado nos últimos meses por polêmicas à la #MeToo envolvendo alguns de seus maiores nomes. Uma reportagem do “The Boston Globe” publicada em fevereiro, aliás, causou o maior rebuliço ao trazer à tona relatos de mais de 50 modelos que afirmam terem sido banidos da indústria porque expuseram assédios sofridos por gente como Patrick Demarchelier, David Ballamere, Greg Kadel e Karl Templer. [Anderson Antunes]