App NightWare para Apple Watch ajuda usuários com estresse pós-traumático

Sabemos que o Apple Watch é um belo aliado do usuário no monitoramento da sua saúde e do seu bem-estar, e que novos recursos a cada ano vão preenchendo ainda mais cada lacuna dessa sua vocação. Na área da saúde mental, entretanto, o reloginho ainda tem muito a evoluir — já ouvimos rumores sobre recursos do tipo chegando ao dispositivo, mas nada se concretizou até o momento.

Por essas e outras, o aplicativo NightWare é significativo. Recentemente aprovado pela FDA (Food and Drug Administration, a “Anvisa dos EUA”) o app é um monitor de sono com vocação muito especial: ajudar a tratar pesadelos em pacientes que sofrem de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT — ou, no inglês, PTSD).

Para tal, o aplicativo usa os sensores do relógio (movimento, frequência cardíaca, sons) para detectar quando o usuário está tendo um pesadelo durante o sono; ao registrar uma ocorrência do tipo, o aplicativo faz o dispositivo vibrar de uma forma que aquele ciclo de sono seja interrompido sem acordar o paciente por completo — cessando, portanto, o pesadelo e permitindo que a pessoa continue a dormir.

O NightWare não é pensado para ser utilizado sozinho: seus criadores desenvolveram o app para que ele seja empregado como parte maior de um tratamento, junto a uma terapia especializada e, se necessário, medicamentos. Até por isso, não é possível simplesmente baixar o aplicativo e começar a usá-lo — é preciso uma prescrição médica para tal.

A aprovação da FDA veio após um teste indicando que a qualidade do sono dos usuários pode melhorar com o aplicativo e que seu uso é de baixo risco. Ou seja, fica a torcida para que a ideia vá em frente e seja disponibilizada em mais países — a saúde mental dos usuários agradece bastante.

Você pode obter mais informações sobre o NightWare no seu site oficial. [MacMagazine]

VIA ENGADGET

iPhone 12 chega ao Brasil no dia 20 por preços a partir de R$ 7 mil

Apple anunciou valores e data de lançamento nesta sexta-feira, 6; segundo empresa, desvalorização do real frente ao dólar pesou para alta no valor dos aparelhos
Por Bruno Capelas – O Estado de S. Paulo

Os preços vão de R$ 7 mil a R$ 14 mil, dependendo da versão escolhida e da quantidade de armazenamento

Quem quiser comprar um iPhone com 5G este ano no Brasil vai ter que colocar a mão no bolso. Nesta sexta-feira, 6, a Apple anunciou os preços e a data de lançamento dos novos iPhones 12 no País. 

Os quatro aparelhos – 12 mini, 12, 12 Pro e 12 Pro Max – poderão ser comprados por aqui a partir do dia 20 de novembro, com preços que vão de R$ 7 mil a R$ 14 mil, dependendo da versão escolhida e da quantidade de armazenamento. Inicialmente, a empresa havia divulgado que apenas dois modelos – 12 mini e 12 Pro Max – chegariam ao mercado nacional no dia 20, mas decidiu incluir as versões “intermediárias” no lançamento local.  

É um salto significativo para o preço dos iPhones – no ano passado, o modelo mais barato da Apple por aqui custava R$ 5 mil (iPhone 11, com 64 GB de armazenamento). A alta é significativa ao longo de toda a linha de produtos: no ano passado, o modelo mais caro do iPhone 11 Pro Max custava R$ 9,6 mil. Neste ano, será de R$ 14 mil. 

Confira a seguir o valor de cada produto: 

iPhone 12 mini

64 GB: R$ 6.999

128 GB: R$ 7.499

256 GB: R$ 8.499

iPhone 12

64 GB: R$ 7.999

128 GB: R$ 8.499

256 GB: R$ 9.499

iPhone 12 Pro

128 GB: R$ 9.999

256 GB: R$ 10.999

512 GB: R$ 12.999

iPhone 12 Pro Max

128 GB: R$ 10.999

256 GB: R$ 11.999

512 GB: R$ 13.999

Segundo a companhia, a desvalorização do real frente ao dólar nos últimos meses contribuiu para a alta. “A Apple define os preços em dólares americanos e depois os ajusta internacionalmente, levando em conta as taxas de câmbio, impostos e outros custos de distribuição que podem variar por produto e país”, declarou a companhia, em nota enviada à imprensa. 

A alta fica ainda mais sensível quando se considera que os novos aparelhos vêm sem carregador em suas caixas – hoje, o item é vendido no Brasil por R$ 200. A medida, anunciada pela Apple em outubro, é bastante polêmica e está sendo observada por entidades de defesa do consumidor, como a Fundação Procon-SP, que busca entender se a prática configura venda casada. 

É necessário, ponderar, porém, as inovações incluídas no aparelho deste ano. Os novos iPhones terão pela primeira vez suporte à tecnologia 5G, que promete mais velocidade. A nova linha também funciona com o novo chip da Apple, o A14 Bionic.

Os modelos Pro trazem telas maiores, além de câmeras mais sofisticadas. Neste ano, o destaque para a linha mais profissional está em um novo sensor, chamado de LiDAR, que permite rastrear como a luz se reflete em ambientes, tendo uma visão 3D do mundo. Funciona para fotos e vídeos, e também para realidade aumentada. 

Galaxy Z Fold 2 chega ao Brasil por R$ 14 mil

O preço alto segue a tendência do lançamento do primeiro smartphone dobrável da Samsung, o Galaxy Fold, que foi anunciado em janeiro no Brasil por R$ 13 mil

O novo celular dobrável da Samsung chegou ao mercado brasileiro. A empresa anunciou nesta segunda-feira, 26, que o Galaxy Z Fold 2 será vendido no País por R$ 14 mil — o aparelho já está disponível na pré-venda e as vendas oficiais começam no dia 13 de novembro. 

O preço alto segue a tendência do lançamento do primeiro smartphone dobrável da Samsung, o Galaxy Fold, que foi anunciado em janeiro no Brasil por R$ 13 mil. O Galaxy Z Fold 2 chegou ao mercado americano em setembro por US$ 2 mil. 

Na pré-venda, quem comprar um Galaxy Z Fold 2 levará o fone de ouvido sem fio Galaxy Buds Live e o relógio Galaxy Watch 3 no pacote.

Assim como seu antecessor, o Galaxy Z Fold 2 funciona como uma espécie de tablet que dobra na horizontal, mas o novo modelo traz melhorias no design e em recursos multitarefas, além de prometer maior resistência. O aparelho também traz a tecnologia 5G. 

O Galaxy Z Fold 2 tem tela de 7,6 polegadas quando aberto e, quando fechado, parece um smartphone comum, com 6,2 polegadas. À primeira vista, essa é a maior mudança: o primeiro Galaxy Fold assumia o tamanho de 4,6 polegadas quando dobrado, dimensões estranhas para quem está acostumado a manusear um smartphone tradicional. Outra diferença visível no design é o espaço para câmera frontal, que no Fold era como uma faixa preta. Agora no Z Fold 2 é um “buraco” na tela. 

A câmera frontal do Z Fold 2 é de 10 MP, enquanto a câmera traseira possui três lentes de 12 MP. É possível também tirar selfies usando as lentes traseiras, por meio de um preview na tela. 

Além de poder ser usado completamente fechado ou aberto, o Z Fold 2 também funciona no meio termo, dobrado entre 75º e 115º. Esse modo flexível pode ser usado para posicionar o celular para fotos e também para assistir um vídeo e deixar parte da tela só para comandos, por exemplo. 

A bateria é de 4.500 mAh, com carregamento rápido. O aparelho está disponível em duas cores, bronze (uma aposta da Samsung também para a linha do Note 20) e preto, com 12 GB de memória RAM e 256 GB de armazenamento. 

Facebook e Ray-Ban se aliam para lançar óculos inteligentes em 2021

Parceria deve resultar em um dispositivo de realidade aumentada e foi anunciada no Facebook Connect, evento dedicado também à a realidade virtual; na ocasião, a rede social mostrou novo dispositivo de realidade virtual, o Oculus Quest 2

O Facebook ainda não revelou detalhes sobre os óculos inteligentes em parceria com a Ray-Ban, mas a empresa já tem protótipos

Facebook anunciou nesta quarta-feira, 16, suas novidades na área de realidade virtual e realidade aumentada durante o evento Facebook Connect. O principal destaque ficou por conta do anúncio de uma parceria com a tradicional marca de óculos Ray-Ban: juntas, as duas empresas devem lançar um par de óculos de realidade aumentada em 2021.

Além disso, a empresa também aproveitou o evento – que neste ano foi apenas virtual – para revelar o Oculus Quest 2, seu novo dispositivo de realidade virtual. O aparelho tem previsão de chegar ao mercado americano em outubro, com preço inicial de US$ 300.

De acordo com o site The Verge, os óculos inteligentes do Facebook e da Ray-Ban devem se parecer com o os Spectacles, do Snapchat, sem nenhum tipo de tela integrada. 

“Depois de passar um tempo com a equipe (da Luxottica, dona da marca Ray-Ban) e visitar sua fábrica, percebi que a empresa era o parceiro certo”, disse Mark Zuckerberg, presidente executivo do Facebook, na conferência desta quarta. “Não posso entrar em detalhes completos do produto ainda, mas eles serão o próximo passo no caminho para os óculos de realidade aumentada”, afirmou o executivo. 

O Oculus Quest 2 chega em outubro nos EUA por US$ 300
O Oculus Quest 2 chega em outubro nos EUA por US$ 300

Lançamento do Oculus Quest 2 aposenta o Rift S

Com a chegada do Oculus Quest 2, o Facebook vai parar de vender o modelo antigo Oculus Rift S. Segundo o Facebook, o novo dispositivo terá tela mais nítida, com resolução 50% maior do que antes. Além disso, o Oculus Quest 2 promete ser duas vezes mais potente em processamento que o seu antecessor — o aparelho é equipado com o Snapdragon XR2, da Qualcomm. O dispositivo é um pouco menor que a primeira versão, e é também US$ 100 mais barato.

O Facebook aposta na junção realidade virtual e aumentada como a próxima grande plataforma de computação – foi algo que Mark Zuckerberg disse em entrevista ao Estadão, em setembro de 2019. A aposta, no entanto, é de longa data: a rede social comprou a empresa de realidade virtual Oculus em 2014. 

TV The Sero da Samsung que gira na vertical chega ao Brasil por R$ 10 mil

A ideia da The Sero é atender a geração millennial, que está conectada com redes sociais e consome bastante conteúdo na vertical

A televisão The Sero, da Samsung, tem 43 polegadas

Samsung lançou no Brasil nesta sexta-feira, 4, a televisão The Sero, que gira na vertical. Anunciada em janeiro na feira de tecnologia Consumer Electronics Show (CES), em Las Vegas, nos Estados Unidos, a TV é rotativa e permite, por exemplo, que você veja um Stories feito por um amigo no Instagram diretamente pela TV, com a tela na vertical. O aparelho custará R$ 10 mil no País. 

Com resolução 4K (Ultra HD) e tamanho de 43 polegadas, a TV vem acoplada em suporte com um motor, responsável por fazer o aparelho girar para a vertical e a diagonal. A televisão conecta-se por Bluetooth com smartphones para o espelhamento da tela e de conteúdos: quando o usuário vira o smartphone, a televisão gira junto. 

Há três formas de acionar o comando para a tela girar: por meio de um botão no controle remoto único, por um aplicativo no smartphone ou então por um atalho presente em alguns celulares específicos da marca.

A ideia da The Sero é atender a geração millennial, que está conectada com redes sociais e consome bastante conteúdo na vertical. “Queremos oferecer produtos que se adequem à rotina de pessoas com perfis diferentes. Nem todo mundo quer uma televisão gigante. A Sero é uma opção compacta para apartamentos pequenos”, disse ao Estadão Guilherme Campos, gerente sênior de produtos de TV da Samsung, durante o anúncio da The Sero na CES em janeiro. 

Galaxy Z Fold 2: novo celular dobrável da Samsung custará US$ 2 mil

Fabricante diz ter reforçado o aparelho, que chama a atenção pelo novo tamanho de tela fechada
Por Giovanna Wolf – O Estado de S. Paulo

Nova geração do Z Fold ganha tela maior quando fechada

Após mais de um ano do lançamento conturbado do celular dobrável Galaxy Fold, a Samsung apresenta a nova versão do aparelho. Anunciado no começo de agosto, o Galaxy Z Fold 2, que chega ao mercado em 18 de setembro por US$ 2 mil, teve seus detalhes revelados durante evento virtual nesta terça-feira, 1. Assim como seu antecessor, o smartphone funciona como uma espécie de tablet que dobra na horizontal, mas traz melhorias no design e em recursos multitarefas, além de prometer maior resistência. 

O Galaxy Z Fold 2 tem tela de 7,6 polegadas quando aberto e, quando fechado, parece um smartphone comum, com 6,2 polegadas. À primeira vista, essa é a maior mudança: o primeiro Galaxy Fold assumia o tamanho de 4,6 polegadas quando dobrado, dimensões estranhas para quem está acostumado a manusear um smartphone tradicional. 

Outra diferença visível no design é o espaço para câmera frontal, que no Fold era como uma faixa preta. Agora no Z Fold 2 é um “buraco” na tela. A câmera frontal do Z Fold 2 é de 10 MP, enquanto a câmera traseira possui três lentes de 12 MP. É possível também tirar selfies usando as lentes traseiras, por meio de um preview na tela. 

Além de poder ser usado completamente fechado ou aberto, o Z Fold 2 também funciona no meio termo, dobrado entre 75º e 115º. A empresa fez uma séries de demonstrações de como esse modo flexível pode ser usado para posicionar o celular para fotos e também para assistir um vídeo e deixar parte da tela só para comandos, por exemplo. 

A bateria é de 4.500 mAh, com carregamento rápido. O aparelho está disponível em duas cores, bronze (uma aposta da Samsung também para a linha do Note 20) e preto, com 12 GB de memória RAM e 256 GB de armazenamento. 

Refinamento

Segundo a Samsung, o Galaxy Z Fold 2 aguenta ser dobrado 200 mil vezes em 5 anos, considerando 100 aberturas por dia. A grande expectativa em relação ao Z Fold 2 é justamente a durabilidade: no ano passado, o Fold teve sua estreia adiada depois que apresentou defeitos em suas telas, durante testes com jornalistas e influenciadores. Depois disso, a Samsung fez mudanças na estrutura do aparelho, reforçando a dobradiça e protegendo a camada plástica da tela. 

No novo celular, a empresa substitui a tela de plástico por um vidro flexível — algo que já tinha sido feito no Galaxy Z Flip, smartphone dobrável que, diferentemente da linha Fold, dobra na vertical, resgatando a ideia dos antigos celulares de flip. A estreia do Galaxy Z Fold 2 responderá se as mudanças deram certo. 

Outra coisa que a Samsung aprendeu com o Fold foi o potencial de aparelhos dobráveis para funções multitarefas, em que usuários podem acessar diferentes aplicativos ao mesmo tempo. A empresa turbinou essas capacidades no Z Fold 2, que incluem adaptações no pacote Office feitas pela própria Microsoft. Com as funções multitarefas, é possível por exemplo, responder a um e-mail olhando para a mensagem original ao lado, e arrastar uma foto direto da galeria de imagens para o corpo do e-mail. 

Xiaomi anuncia TV com tela transparente por US$ 7,2 mil

O modelo Mi TV LUX Transparent Edition tem 55 polegadas e começa a ser vendido na China na próximo dia 16

Sem data para outros países, a TV transparente da Xiaomi começa a ser vendida na China no próximo domingo, 16

Xiaomi está lançando sua TV OLED transparente no mercado. A empresa apresentou a Mi TV LUX Transparent Edition nesta terça-feira, 11, que chega ao mercado chinês na próxima semana por aproximadamente US$ 7,2 mil.

A tela tem 55 polegadas e toda a estrutura de som e vídeo integrada na parte inferior do aparelho. Projetada para ser quase imperceptivel na decoração, funcionando como espécide de “obra de arte”, como a Xiaomi diz, a tela tem formato retangular de corpo ultrafino de 5,7 mm e uma base redonda para minimizar os contrastes nas bordas. Além disso, o aparelho já é integrado com o Google Assistente, assistente de voz do Google.

A Mi TV LUX Transparent Edition também tem suporte de espectro de cores de 93% no do padrão DCI-P3, painel de 10 bits que exibe 1,07 bilhão de combinações de cores e taxa de atualização de 120 Hz.

Ainda não há previsão da data de lançamento em outros países. 

Novos iMacs estão mais caros no Brasil; confira os preços

Hoje, segundo informou o site MacMagazinea Apple lançou novos iMacs. Bem, você já pode imaginar: novas máquinas significam… novos preços. A empresa reajustou — para mais — os valores dos computadores desktops no Brasil.

Confira abaixo os valores:

MáquinaPreço antigoPreço novoVariação
iMac de 21,5″ (entrada)R$11.699R$13.29913,7%
iMac de 21,5″ (intermediário)R$13.799R$15.69913,8%
iMac de 21,5″ (topo-de-linha)R$15.799R$17.69912,0%
iMac de 27″ (entrada)R$19.099R$21.99915,2%
iMac de 27″ (intermediário)R$21.099R$23.99913,7%
iMac de 27″ (topo-de-linha)R$24.099R$26.99912,0%
iMac ProR$52.499R$60.49915,2%

Ou seja, temos aí aumentos médios de 13,6%.

Vale notar que a Apple já havia reajustado os preços dos iMacs em março de 2020. De lá para cá o dólar subiu um pouco, mas nada que justifique esses aumentos superiores a 10%.

As coisas não estão fáceis para quem usa produto Apple no Brasil…

Premium, smartphone Motorola Edge+ chega ao Brasil por R$ 8 mil

Aparelho tem conjunto de câmera com quatro lentes e marca retorno da empresa a segmento de mercado; versão mais ‘simples’, Motorola Edge custará R$ 5,5 mil por aqui e terá teste com 5G
Por Bruno Capelas – O Estado de S. Paulo

O Motorola Edge+: processador de alto padrão e câmera com lente de 108 MP

Nos últimos anos, a Motorola caiu nas graças dos brasileiros por uma razão: fazer smartphones  com bom custo benefício. Nomes como Moto G, Moto X e Moto Z ajudaram a popularizar, por aqui, funções que estavam acessíveis apenas em celulares de alto padrão: como o 4G, no início da década, ou câmeras de lente dupla/tripla. A proposta fez a Motorola ganhar espaço no mercado local e assumir a vice-liderança, ficando atrás da Samsung. Faltavam, porém, aparelhos de alto padrão. Agora não mais: nesta quinta-feira, 2, a empresa lança no País sua nova linha de smartphones premium, a Motorola Edge. 

Por enquanto, a linha terá dois aparelhos: o Edge e o Edge+. Aqui, o Edge+ vai custar R$ 8 mil; já o Edge sairá por R$ 5,5 mil. Ambos trazem baterias parrudas, sistema de som otimizado, conjunto de câmeras com quatro lentes e até mesmo conectividade 5G – algo que ainda está longe de estar disponível no Brasil.

Por aqui, a empresa diz que os aparelhos estão prontos para serem usados com a nova tecnologia de conexão, que só deve ser implementada de forma ampla e comercial no País no ano que vem. Enquanto isso, quem comprar um Motorola Edge e for cliente da Claro poderá testar o 5G, em uma funcionalidade desenvolvida pela Ericsson, que usará as faixas de frequência do 4G para trafegar na velocidade do 5G. A inovação, porém, não deve aproveitar outras vantagens do 5G, como a redução de latência e demandará que o consumidor tenha um chip preparado para isso – algo que, até o momento, a operadora não explicou como vai acontecer. 

Além disso, os aparelhos trazem design arrojado, com tela infinita e curva nas bordas, e processadores de ponta – o Edge+, por exemplo, é equipado com o Snapdragon 865, usado também pela Samsung no Galaxy S20. Outra característica que ajudou a Motorola a ganhar espaço no mercado nos últimos anos – a preferência por não modificar o sistema Android, no que muita gente chama de “Android puro” – também estará presente nos dois novos aparelhos. 

“É importante ter um portfólio com aparelhos em todas as faixas e ouvíamos muito dos consumidores o pedido para ter um celular topo de linha. Trabalhamos com força nesse sentido”, afirmou Thiago Masuchette, gerente de produtos da Motorola no Brasil, em sessão realizada quando o aparelho foi lançado no exterior. Segundo ele, os dois aparelhos terão produção na fábrica da empresa em Jaguariúna, no interior paulista. Nos EUA, o Motorola Edge+ custa US$ 999. Já o Motorola Edge sai por US$ 700 lá fora.  

Motorola Edge+ tem câmera poderosa

Com tela de 6,7 polegadas, o Motorola Edge+ é o irmão mais caro e robusto da dupla de aparelhos premium da Motorola. O smartphone traz processador Snapdragon 865, bem como 12 GB de memória RAM e um conjunto de lentes tripla, com direito a uma lente de 108 MP, combinada a uma grande angular de 16 MP e uma teleobjetiva de 8 MP. A câmera frontal tem 25 MP e o aparelho tem entrada para fones de ouvido, algo raro em celulares premium. 

Já a bateria tem 5.000 mAh (miliAmpére/hora), uma das maiores do mercado – e que a Motorola promete que será capaz de durar por até dois dias. O armazenamento interno é de 256 GB. 

O Motorola Edge tem especificações menos potentes, mas pode trazer custo-benefício interessante, dependendo do preço que chegar ao Brasil
O Motorola Edge tem especificações menos potentes, mas pode trazer custo-benefício interessante, dependendo do preço que chegar ao Brasil

Motorola Edge é menos robusto, mas interessante

Já o Motorola Edge traz especificações um pouco mais simples, mas ainda bem interessantes. O processador é um Snapdragon 765, com 6 GB de memória RAM. Também tem tela de 6,7 polegadas, conectividade 5G e um conjunto de câmera tripla na parte traseira – sendo que a única diferença é uma lente de 64 MP, contra a de 108 MP do Edge+. A câmera frontal também tem 25 MP e há entrada de fone de ouvido. 

Já a bateria é de 4.500 mAh, que a Motorola também promete que é capaz de durar até dois dias. O armazenamento interno é de 128 GB, com opção de expansão com cartão de memória.