PlayStation 5 é confirmado para 2020; veja tudo sobre o novo console

Novo PlayStation deve ter compatibilidade com jogos e acessórios do PS4; expectativa é de que videogame chegue ao mercado no final do ano que vem
Por Ana Luiza de Carvalho – O Estado de S. Paulo

Sucessor do PS4 pode ser lançado no ano que vem

Quase seis anos após o lançamento do PlayStation 4, as expectativas sobre o lançamento de um novo videogame da Sony ficam cada vez mais fortes. Ao longo de 2019, a Sony já deu diversas pistas de que trabalha num sucessor de seu atual console – em entrevista à revista Wired, o “pai do PlayStation 4”, o engenheiro Mark Cerny, confirmou que a empresa terá um novo videogame com suporte à resolução 8K, terá suporte a jogos do PS4 e também usará um disco de estado sólido (SSD, na sigla em inglês) no lugar de um disco rígido, o que pode melhorar o desempenho do videogame. 

Na manhã desta terça, 8, a Sony confirmou oficialmente que o console se chamará PlayStation 5. Em post em seu blog, a empresa confirmou também que ele será lançado no final de 2020  – o preço não foi revelado.

Ainda não é possível saber tudo o que o novo console terá, mas a Sony já deu algumas pistas sobre os recursos da nova máquina. Com o anúncio oficial, a empresa revelou mais duas características do videogame: Haptic Feedback e Adaptive Triggers. 

Confira o que já se sabe até agora sobre o novo Playstation

Adaptive Triggers: Os botões L2 e R2 poderão ser programados pelos desenvolvedores para resistir aos movimentos do jogador. Com isso, ele pode experimentar de forma mais fiel, por exemplo, a resistência da corda ao disparar um arco. 

Haptic Feedback: O jogador vai experimentar mais sensações táteis nos controles, de modo que bater um carro na parede passará uma sensação diferente do que tomar um carrinho num jogo de futebol. 

Suporte para resolução 8K: O console deve ter suporte para uma ultra resolução de imagem, apresentando o dobro de nitidez da tecnologia 4K. O 4K é capaz de exibir com nitidez e riqueza de detalhes imagens em 3840 pixels por 2160 pixels. A expectativa, portanto, é que os jogos lançados para telas de 7680×4320 tenham definição máxima. A nitidez, porém, só é alcançada caso todos os aparelhos e componentes envolvidos estejam no mesmo nível de resolução – e isso inclui as TVs 8K, hoje ainda muito longe do bolso médio dos brasileiros.

SSDo componente substitui o HD, aumentando velocidade de carregamento das animações dos games. Por não possuir partes móveis, o SSD é mais resistente a traumas físicos e transmite as informações com mais velocidade. Outra vantagem é que o SSD mantém o desempenho em ambientes acima de 70°C, mais do que a temperatura suportada pelo HD.

Compatibilidade com jogos e óculos de realidade virtual do PlayStation 4: diferentemente do que aconteceu entre a transição do PS3 para o PS4, o PS5 deve ser compatível com os jogos e dispositivos do seu antecessor. Para o jogador que já tinha produtos voltados ao PS4, portanto, não há previsão de perdas no novo modelo 

Suporte à tecnologia ray tracing: de acordo com Kenichiro Yoshida, diretor-executivo da Sony, a quinta geração PlayStation deve contar com o ray tracing, renderização de gráficos 3D de alta performance que usa recursos de luz e sombra para transmitir maior impressão de profundidade aos jogadores

Desempenho: Processador gráfico Radeon Navi e hardware com processador de oito núcleos com chips Ryzen, ambos produzidos pela AMD: maior velocidade de movimentos nas animações e carregamento mais rápido de fases e itens dos jogos

Anúncios

Agora é possível jogar games de PS4 com ajuda de um smartphone Android

Modo remoto de partidas PS4 Remote Play será liberado para qualquer celular com o sistema do Google nesta semana

PS4 já vendeu 91,6 milhões de unidades em todo o mundo; aparelho agora custa R$ 2,4 mil no País

Quem nunca passou pela situação de ter de pausar uma partida de videogame porque tinha de sair de casa ou viajar? Para os donos do PlayStation 4 e que têm um smartphone Android, ela será parte do passado: isso porque a Sony anunciou nesta semana que vai lançar uma atualização para o PS4 Remote Play, serviço que permite aos jogadores do PS4 realizar partidas em seu celular. 

Anteriormente, o sistema era válido apenas para smartphones da Sony, mas agora estará disponível para todo mundo que tiver um celular com o sistema do Google, em Android 5.0 ou superior. 

Para o sistema funcionar, será preciso atualizar o software do videogame e também baixar o aplicativo PS4 Remote Play na loja oficial de aplicativos do Google. Daí, é só sincronizar os dois aparelhos e sair jogando em qualquer lugar – desde que o celular tenha uma boa conexão à internet, claro. 

Além disso, quem tiver um celular com Android 10, a versão mais recente do sistema para dispositivos móveis do Google, poderá usar também um controle sem fio DualShock 4, via conectividade Bluetooth, para jogar com o aplicativo. 

Serviço de games Apple Arcade chega ao Brasil em 19 de setembro, por R$ 10 ao mês

Plataforma estará disponível em 150 países e terá mais de 100 jogos exclusivos; produtoras como Konami, Capcom e Annapurna Interactive terão jogos exclusivos na plataforma
Por Giovanna Wolf, Bruno Capelas e Bruno Romani – O Estado de S. Paulo

Serviço Arcade custará US$ 4,99

O serviço de games da Apple já tem data de estreia e preço: a partir de 19 de setembro, o Apple Arcade estará disponível em 150 mais de países em uma aba dedicada da App Store, incluindo o Brasil. O anúncio foi feito nesta terça, 10, no evento que a Apple fez em sua sede na Califórnia.

O serviço, uma espécie de Netflix dos games, dá acesso a um grande catálogo de jogos por uma assinatura mensal de R$ 10. A Apple diz que mais de uma centena de jogos estarão disponíveis no lançamento. No evento desta terça, foram apresentados três novos títulos: Shinsekai: Into the Depths da Capcom,  Sayonara Wild Hearts, da AnnaPurna Interactive e Frogger in Toy Town, da Konami. O Arcade foi anunciado em março.

Haverá uma nova aba na App Store, chamada Apple Arcade, dedicada ao serviço de assinatura. Ali, haverá um mostruário dos jogos que serão lançados exclusivamente para a plataforma, de diferentes gêneros e propostas.

Em abril, uma reportagem do jornal Financial Times informou que a Apple vai investir mais de US$ 500 milhões no Arcade. 

O Apple Arcade é um serviço que é bastante semelhante ao Xbox Game Pass, hoje já presente no Xbox, da Microsoft, disponível por uma assinatura mensal de R$ 30. Os jogadores podem baixar e testar quantos jogos quiserem ao mesmo tempo – a diferença é que a maioria dos games presentes no catálogo do serviço não são exclusivos do Xbox. 

Mercado dos jogos eletrônicos tem batalha cada vez mais intensa

Receita dos jogos de computador deve aumentar 4% este ano em relação a 2018, chegando a US$ 35,7 bilhões
Jason M. Bailey, The New York Times

A Epic Games está reinvestindo os bilhões de dólares obtidos com o título Fortnite em uma loja virtual de jogos eletrônicos. Foto: Brian Finke para The New York Times

A empresa Epic Games descobriu um sucesso avassalador com o título Fortnite: Battle Royale. Estima-se que o jogo tenha rendido US$ 4 bilhões desde o seu lançamento, em setembro de 2017. Agora, a Epic está usando esse baú do tesouro para reforçar seu próximo projeto: controlar a maneira de aquisição dos jogos eletrônicos por parte do público.

A receita dos jogos de computador deve aumentar 4% este ano em relação a 2018, chegando a US$ 35,7 bilhões, de acordo com a Newzoo, empresa de pesquisa de mercado. A entrada da Epic nesse mercado, com a Epic Games Store, ocorreu em dezembro. Para fortalecer o serviço, a Epic busca atrair desenvolvedores de jogos com a oferta de acesso exclusivo e preços mais baixos. E há grandes investidores interessados, como a Tencent, gigante chinesa da tecnologia.

Mas o maior desafio enfrentado pela Epic é o predomínio da plataforma Steam, destino mais procurado pelos interessados em adquirir games online, que já dura uma década. A maioria dos desenvolvedores de games que usam o Steam disse que a plataforma respondeu por pelo menos 75% da sua receita de vendas, de acordo com levantamento divulgado este ano.

Essas vendas geram uma receita crucial para a proprietária do Steam, a desenvolvedora de jogos Valve Corporation, que costuma ficar com 30% de toda a receita gerada por um título. “As lojas ficam com uma imensa proporção dos lucros da indústria dos jogos eletrônicos, e o setor está maduro, pronto para um abalo”, disse Tim Sweeney, diretor executivo da Epic. A Valve não respondeu aos pedidos de comentário para a reportagem.

Tornar-se uma plataforma provedora é um sonho para as empresas de jogos eletrônicos, pois oferece estabilidade financeira, disse Serkan Toto, diretor da consultoria Kantan Games. “O objetivo é construir um negócio supostamente estável no longo prazo, com receita recorrente”, disse ele, “em vez de viver sob a constante pressão de lançar títulos de sucesso”. Apesar da crescente concorrência, o Steam conseguiu se manter na liderança por causa de sua poderosa influência.

Mas a Epic tem algumas cartas na manga. A grande reserva de dinheiro e a ênfase na comunidade de jogadores conferem à empresa uma oportunidade de desafiar o predomínio do Steam, disse Joost van Dreunen, diretor administrativo da SuperData Research. Tirar o Steam do primeiro lugar não será fácil. Mudar os hábitos arraigados dos usuários é um desafio. 

Ainda assim, a Epic começou bem. A empresa tem mais acesso ao mercado da China de mais de 300 milhões de jogadores por meio da Tencent. Com o dinheiro que não para de chegar vindo do Fortnite, a Epic pôde pagar aos desenvolvedores para ficar com os direitos exclusivos de distribuição para títulos oferecidos na Epic Games Store. Para atrair os desenvolvedores, a empresa prometeu ficar com apenas 12% da receita proveniente dos títulos, menos da metade daquilo que o Steam cobra.

A Epic disse que em março sua loja já tinha 85 milhões de contas, embora não se saiba com certeza se todas são usadas para a compra de títulos. Em comparação, a Valve disse que o Steam teve 90 milhões de visitantes mensais em 2018. Para os desenvolvedores que assinaram contratos com a Epic, a concorrência beneficia a indústria. “O que seria da Sony sem a Microsoft e a Nintendo?”, questiona Greg Kasavin, diretor de criação da Supergiant Games. / TRADUÇÃO DE AUGUSTO CALIL

Mario Kart para celular chega em 25 de setembro

Mario Kart Tour estará disponível para Android e iOS, inclusive no Brasil

Mario Kart Tour  chega em 25 de setembro

Demorou, mas finalmente você poderá jogar Mario Kart no celular. No Twitter, a Nintendo confirmou que Mario Kart Tour chega em 25 de setembro, e abriu uma plataforma de cadastro para o jogo.  O período de testes do jogo foi feito apenas para Android, mas ele estará disponível para Android e iOS. 

Mario Kart Tour será gratuito para baixar, mas possibilitará microtransações dentro de sua plataforma, modelo mais popular entre jogos de celular atualmente. Ainda não está claro se será possível destravar todas as pistas pagando um valor único, como acontece com as fases de Super Mario Run.

O jogo chega com algums meses de atraso. A Nintendo havia prometido ele para o período entre março e abril. A outra boa notícia é que os brasileiros poderão se cadastrar para jogar, o que não ocorre com Dr. Mario World, que nunca chegou por aqui. A empresa aproveitou o anúncio da data para revelar o trailer do jogo.  

Sony reduz preço do PlayStation 4 no Brasil para R$ 2,4 mil

Corte acontece após governo reduzir o IPI sobre consoles; empresa diz que parou de fabricar o aparelho no País em 2017

PS4 já vendeu 91,6 milhões de unidades em todo o mundo; aparelho agora custa R$ 2,4 mil no País

Sony divulgou nesta segunda-feira, 26, que reduziu o preço do PlayStation 4 no Brasil: a versão mais simples do PlayStation 4 agora custa R$ 2,4 mil, contra R$ 2,6 mil anteriormente. Já o PlayStation 4 Pro, versão “turbinada” do console, que tem suporte à resolução 4K, por exemplo, sai por R$ 2,8 mil – antes, era R$ 3 mil.

Em comunicado, a empresa disse que a mudança nos preços se deve à “redução do Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) para videogames”, feita pelo governo Bolsonaro neste mês. No dia 15 de agosto, o governo federal reduziu o IPI sobre consoles de 50% para 40%; já partes e acessórios de videogame tiveram redução de 40% para 32%. A medida foi vista como um aceno do presidente Jair Bolsonaro à comunidade de jogadores, onde ele tem muitos seguidores. 

Além dos consoles, outros dispositivos da Sony tiveram preços reduzidos: o óculos de realidade virtual PlayStation VR agora é vendido por R$ 2,6 mil (era R$ 2,8 mil). Já o controle DualShock 4 teve uma redução de preço de R$ 10, custando agora R$ 249. Os novos preços, porém, devem demorar um pouco para chegar o varejo, uma vez que só valem para os pedidos faturados a partir desta segunda-feira, 26. 

Atualização: O PlayStation4 não deixou de ser produzido no País como resultado da redução de IPI sobre consoles de videogame. Até segunda, 26, a empresa não havia se manifestado sobre o fim da produção nacional do videogame, o que deixou a impressão de que os assuntos estavam conectados. Não estavam. A Sony informou apenas na manhã desta terça, 27, após a publicação da reportagem, que deixou de fabricar o console no Brasil em 2017. 

Nintendo chega a 36,9 milhões de Switch vendidos, mas lucro cai 10%

Empresa espera melhora em estatísticas com a chegada ao mercado do Switch Lite, modelo mais barato de seu console atual
Por Agências – Reuters

Nintendo apresenta o Switch Lite 

A companhia japonesa Nintendo divulgou nesta terça-feira, 30, que chegou à marca de 36,9 milhões de unidades vendidas do Nintendo Switch, seu atual console. No último trimestre, apenas 2,1 milhões de videogames foram comercializados. Por conta disso, os lucros da empresa caíram cerca de 10% no período entre abril e junho de 2018, para a casa de US$ 252,3 milhões, na comparação com o mesmo período do ano passado. 

No entanto, a empresa manteve a meta de vender 18 milhões de Switch ao longo de seu atual ano fiscal, que vai de abril de 2019 a março de 2020. Uma das razões para o otimismo é o lançamento no mercado do Switch Lite, versão simplificada e apenas portátil do videogame atual – lançado em 2017, o Switch é um misto de console de mesa e portátil. 

O novo console será vendido a US$ 200 nos Estados Unidos, enquanto a versão disponível nas lojas neste momento sai por US$ 300. A empresa pretende contar as duas versões como um produto só nas vendas. Nesta terça-feira, ao divulgar seus resultados financeiros para o 2º trimestre, a companhia não forneceu uma previsão específica de vendas para o novo produto. 

Para os próximos meses, a companhia também terá alguns lançamentos importantes. É o caso de dois novos jogos da franquia Pokémon, para o Switch, e de Mario Kart Tour, jogo para dispositivos móveis feito em parceria com a japonesa DeNA. A missão do game é repetir o sucesso de Pokémon Go e Super Mario Run, lançados ao longo de 2016. Outro fator que pode ajudar a japonesa em breve é sua chegada ao mercado chinês, por meio de uma parceria com a gigante local Tencent.