Warner Bros. encomenda roteiro para possível filme da Supergirl

Oren Uziel escreveu o argumento para uma aventura solo da prima do Super-Homem

7.jpg
A Warner Bros. Pictures encomendou um roteiro para um possível filme solo baseado na Supergirl, prima do Super-Homem Foto: DC Comics/Divulgação

A Warner Bros. Pictures encomendou um roteiro para um possível filme solo baseado na Supergirl. Segundo o site Deadline, o roteirista Oren Uziel, que escreveu O Paradoxo Cloverfield e Anjos da Lei 2, fez o argumento para o estúdio, que está analisando se vai dar continuidade ou não ao projeto.

Por enquanto não há informações de produtores, diretores ou atores ligados ao filme, que nos quadrinhos conta a história da adolescente Kara Zor-El, prima do Super-Homem que foi enviada à Terra para protegê-lo, mas se perde no espaço e só chega no planeta décadas depois do já adulto Clark Kent.

Apesar de Supergirl também já ser uma série de televisão que está na quarta temporada, com a atriz norte-americana Melissa Benoist interpretando a heroína, isso não impede a produção do filme, segundo o site. A situação deve ser a mesma que acontece com a série The Flash, em que há uma versão do herói da DC na televisão (interpretada por Grant Gustin) e outra nos filmes (Ezra Miller).

Anúncios

Jovens Titãs | Ravena dança à lá Pulp Fiction em desenho de Gabriel Picolo

Brasileiro divulgou imagem em seu twitter

Sem título
picolo@_gabrielpicolo

Gabriel Picolo, quadrinista brasileiro conhecido por suas fanarts dos Jovens Titãs, divulgou em seu twitter um desenho onde Ravena aparece dançando ao lado de Mutano no melhor estilo da personagem de Uma Thurman em Pulp Fiction.

Suas fanarts de Jovens Titãs impressionaram os fãs com artes que aproximaram os heróis do público. Seus desenhos ficaram tão impressionantes que, além de somar seguidores, chamaram a atenção da DC Comics, que decidiu convidar o brasileiro para trabalhar oficialmente em uma HQ dos heróis ao lado de Kami Garcia. A publicação fará parte do selo DC Ink, que focará no público jovem-adulto.

O artista paulista é uma celebridade virtual, com quase 2 milhões de seguidores em sua página oficial no Instagram, onde apresenta parte de suas obras. Ele também já trabalhou para empresas como Blizzard, Harper Collins, BOOM! Studios e Shockdom.

Ele recentemente foi confirmado na CCXP 2018.

Prêmio Eisner 2018 | Marcelo D’Salete ganha o Oscar dos Quadrinhos

My Favorite Thing is Monsters e Monstress levaram 5 prêmios cada. Confira a lista completa dos ganhadores.

2015-05-11-capa-cumbe-polvo.jpgEisner Awards revelou na noite de sexta-feira, na San Diego Comic-Con, os ganhadores da mais renomada premiação de Histórias Quadrinhos dos Estados Unidos. O brasileiro Marcelo D’Salete levou o prêmio de Melhor Publicação Americana de um Material Estrangeiro com seu Cumbe. Os grandes ganhadores da noite foram My Favorite Thing is Monsters, que vai sair em outubro no Brasil pela Cia. das Letras com o título Minha Coisa Favorita é Monstro, e levou prêmios nas cinco categorias em que concorria, incluindo Melhor Álbum Gráfico Inédito, Melhor Escritor/Desenhista Melhor Design de Publicação; e Monstress, obra de Marjorie Liu e Sana Takeda (lançada no Brasil pela Pixel), que também levou cinco troféus – incluindo Melhor Série, Melhor Roteirista, Melhor desenhista Melhor Capista. [Marcelo Forlani]

Confira todos os vencedores (sublinhados em negrito):

Melhor História Curta

  • “Ethel Byrne,” de Cecil Castelluci e Scott Chantler, em Mine: A Celebration of Liberty and Freedom for All Benefiting Planned Parenthood (ComicMix)
  • “Forgotten Princess,” de Phillip Kennedy Johnson e Antonio Sandoval, em Adventure Time Comics #13 (kaboom!)
  • ”A Life in Comics: The Graphic Adventures of Karen Green,” de Nick Sousanis, em Columbia Magazine (Summer 2017),
  • “Small Mistakes Make Big Problems,” de Sophia Foster-Dimino, em Comics for Choice (Hazel Newlevant)
  • “Trans Plant,” de Megan Rose Gedris, em Enough Space for Everyone Else (Bedside Press)

Melhor história/edição única

  • Barbara, em Nicole Miles (ShortBox)
  • Hellboy: Krampusnacht, em Mike Mignola e Adam Hughes (Dark Horse)
  • Pope Hats #5, em Ethan Rilly (AdHouse Books)
  • The Spotted Stone, em Rick Veitch (Sun Comics)
  • What Is Left, em Rosemary Valero-O’Connell (ShortBox)

Melhor série

  • Black Hammer, de Jeff Lemire, Dean Ormston e David Rubín (Dark Horse)
  • Giant Days, de John Allison, Max Sarin e Liz Fleming (BOOM! Box)
  • Hawkeye, de Kelly Thompson, Leonardo Romero e Mike Walsh (Marvel)
  • Monstress, de Marjorie Liu e Sana Takeda (Image)
  • The Wicked + The Divine, de Kieron Gillen & Jamie McKelvie (Image)

Melhor minissérie

  • Black Panther: World of Wakanda, de Roxane Gay, Ta-Nehisi Coates e Alitha E. Martinez (Marvel)
  • Extremity, de Daniel Warren Johnson (Image/Skybound)
  • The Flintstones, de Mark Russell, Steve Pugh, Rick Leonardi e Scott Hanna (DC)
  • Mister Miracle, de Tom King e Mitch Gerads (DC)
  • X-Men: Grand Design, de Ed Piskor (Marvel)

Melhor série estreante

  • Black Bolt, de Saladin Ahmed e Christian Ward (Marvel)
  • Grass Kings, de Matt Kindt e Tyler Jenkins (BOOM! Studios)
  • Maestros, de Steve Skroce (Image)
  • Redlands, de Jordie Belaire e Vanesa Del Rey (Image)
  • Royal City, de Jeff Lemire (Image)

Melhor Série em andamento 

  • Monstress, de Marjorie Liu e Sana Takeda (Image)
  • Black Hammer, by Jeff Lemire, Dean Ormston, and David Rubín (Dark Horse)
  • Giant Days, by John Allison, Max Sarin, and Liz Fleming (BOOM! Box)
  • Hawkeye, by Kelly Thompson, Leonardo Romero, and Mike Walsh (Marvel)
  • The Wicked + The Divine, by Kieron Gillen & Jamie McKelvie (Image)

Melhor publicação infantil (para crianças de até oito anos)

  • Adele in Sand Land, de Claude Ponti, traduzida por Skeeter Grant e Françoise Mouly (Toon Books)
  • Arthur and the Golden Rope, de Joe Todd-Stanton (Flying Eye/Nobrow)
  • Egg, de Kevin Henkes (Greenwillow Books)
  • Good Night, Planet, de Liniers (Toon Books)
  • Little Tails in the Savannah, de Frederic Brrémaud e Federico Bertolucci, traduzido por Mike Kennedy (Lion Forge/Magnetic)

Melhor publicação infantil (de 9 a 12 anos)

  • Bolivar, de Sean Rubin (Archaia)
  • Home Time (Book One): Under the River, de Campbell Whyte (Top Shelf)
  • Nightlights, de Lorena Alvarez (Nobrow)
  • The Tea Dragon Society, de Katie O’Neill (Oni)
  • Wallace the Brave, de Will Henry (Andrews McMeel)

Melhor publicação juvenil (13 a 17 anos)

  • The Dam Keeper, de Robert Kondo e Dice Tsutsumi (First Second/Tonko House)
  • Jane, de Aline Brosh McKenna e Ramón K. Pérez (Archaia)
  • Louis Undercover, de Fanny Britt e Isabelle Arsenault, traduzido por Christelle Morelli e Susan Ouriou (Groundwood Books/House of Anansi)
  • Monstress, de Marjorie Liu e Sana Takeda (Image)
  • Spinning, de Tillie Walden (First Second)

Melhor publicação de humor

  • Baking with Kafka, de Tom Gauld (Drawn & Quarterly)
  • Batman/Elmer Fudd Special #1, de Tom King, Lee Weeks, e Byron Vaughn (DC)
  • The Flintstones, de Mark Russell, Steve Pugh, Rick Leonardi, e Scott Hanna (DC)
  • Rock Candy Mountain, de Kyle Starks (Image)
  • Wallace the Brave, de Will Henry (Andrews McMeel)

Melhor antologia

  • A Bunch of Jews (and Other Stuff): A Minyen Yidn, de Max B. Perlson, Trina Robbins et al. (Bedside Press)
  • A Castle in England, de Jamie Rhodes et al. (Nobrow)
  • Elements: Fire, A Comic Anthology by Creators of Color, editado por Taneka Stotts (Beyond Press)
  • Now #1, editado por Eric Reynolds (Fantagraphics)
  • The Spirit Anthology, editado por Sean Phillips (Lakes International Comic Art Festival)

Melhor não-ficção

  • Audubon: On the Wings of the World, de Fabien Grolleau e Jerémie Royer, traduzido por Etienne Gilfillan (Nobrow)
  • The Best We Could Do, de Thi Bui (Abrams ComicArts)
  • Calamity Jane: The Calamitous Life of Martha Jane Cannary, 1852–1903, de Christian Perrissin e Matthieu Blanchin, traduzido por Diana Schutz e Brandon Kander (IDW)
  • Lennon: The New York Years, por David Foenkinos, Corbeyran, e Horne, traduzido por Ivanka Hahnenberger (IDW)
  • Spinning, de Tillie Walden (First Second)

Melhor álbum gráfico (inédito)

  • Crawl Space, de Jesse Jacobs (Koyama Press)
  • Eartha, de Cathy Malkasian (Fantagraphics)
  • My Favorite Thing Is Monsters, de Emil Ferris (Fantagraphics)
  • Stages of Rot, de Linnea Sterte (Peow)
  • The Story of Jezebel, de Elijah Brubaker (Uncivilized Books)

Melhor álbum gráfico (republicação)

  • Boundless, de Jillian Tamaki (Drawn & Quarterly)
  • Fantagraphics Studio Edition: Black Hole by Charles Burns, editado por Eric Reynolds (Fantagraphics)
  • Small Favors: The Definitive Girly Porno Collection, de Colleen Coover (Oni/Limerence)
  • Sticks Angelica, Folk Hero, de Michael DeForge (Drawn & Quarterly)
  • Unreal City, de D. J. Bryant (Fantagraphics)

Melhor adaptação de outra mídia

  • Beowulf, adaptado por Santiago García e David Rubín (Image)
  • H. P. Lovecraft’s The Hound and Other Stories, adaptado por Gou Tanabe, traduzido por Zack Davisson (Dark Horse)
  • Herman Melville’s Moby Dick, adaptado por Christophe Chabouté, traduzido por Laure Dupont (Dark Horse)
  • Kindred, de Octavia Butler, adaptado por Damian Duffy e John Jennings (Abrams ComicArts)

Melhor edição americana de material estrangeiro

  • Audubon: On the Wings of the World, de Fabien Grolleau e Jerémie Royer, traduzido por Etienne Gilfillan (Nobrow)
  • Flight of the Raven, de Jean-Pierre Gibrat, traduzido por Diana Schutz and Brandon Kander (EuroComics/IDW)
  • FUN, de Paolo Bacilieri, traduzido por Jamie Richards (SelfMadeHero)
  • Ghost of Gaudi, de El Torres e Jesús Alonso Iglesias, traduzido por Esther Villardón Grande (Lion Forge/Magnetic)
  • The Ladies-in-Waiting, de Santiago García e Javier Olivares, traduzido por Erica Mena (Fantagraphics)
  • Run for It: Stories of Slaves Who Fought for the Freedom, de Marcelo D’Salete, traduzido por Andrea Rosenberg (Fantagraphics)

Melhor edição americana de material estrangeiro (asiático)

  • Furari, de Jiro Taniguchi, traduzido por Kumar Sivasubramanian (Fanfare/Ponent Mon)
  • Golden Kamuy, de Satoru Noda, traduzido por Eiji Yasuda (VIZ Media)
  • My Brother’s Husband, vol. 1, de Gengoroh Tagame, traduzido por Anne Ishii (Pantheon)
  • Otherworld Barbara, vol. 2, de Moto Hagio, traduzido por Matt Thorn (Fantagraphics)
  • Shiver: Junji Ito Selected Stories, de Junji Ito traduzido por Jocelyne Allen (VIZ Media)

Melhor coleção de arquivo (tiras)

  • Celebrating Snoopy, de Charles M. Shulz, editado por Alexis E. Fajardo e Dorothy O’Brien (Andrews McMeel)
  • Crazy Quilt: Scraps and Panels on the Way to Gasoline Alley, de Frank King, editado por Peter Maresca (Sunday Press)
  • Foolish Questions and Other Odd Observations, de Rube Goldberg, editado por Peter Maresca e Paul C. Tumey (Sunday Press Books)
  • Sky Masters of the Space Force: The Complete Dailies, de Jack Kirby, Wally Wood et al., editado por Daniel Herman (Hermes Press)
  • Star Wars: The Classic Newspaper Strips, vol. 1, de Russ Manning et al., editado por Dean Mullaney (LOAC/IDW)

Melhor coleção de arquivo (quadrinhos)

  • Akira 35th Anniversary Edition, de Katsuhiro Otomo, editado por Haruko Hashimoto, Ajani Oloye, e Lauren Scanlan (Kodansha)
  • Behaving MADly, editado por Craig Yoe (Yoe Books/IDW)
  • The Collected Neil the Horse, de Arn Saba/Katherine Collins, editado por Andy Brown (Conundrum)
  • Fantagraphics Studio Edition: Jaime Hernandez, editado por Gary Groth (Fantagraphics)
  • Will Eisner: The Centennial Celebration, 1917-2017, de Paul Gravett, Denis Kitchen, e John Lind (Kitchen Sink/Dark Horse)

Melhor roteirista – empate!

  • Tom King, BatmanBatman Annual #2, Batman/Elmer Fudd Special #1, Mister Miracle (DC)
  • Matt Kindt, Grass Kings (BOOM! Studios); Ether (Dark Horse); Eternity, X-O Manowar (Valiant)
  • Jeff Lemire, Black Hammer (Dark Horse); Descender (Image)
  • Marjorie Liu, Monstress (Image)
  • Mark Russell, The Flintstones (DC)

Melhor roteirista/desenhista

  • Lorena Alvarez, Night Lights (Nobrow)
  • Chabouté, Moby Dick (Dark Horse); Alone, The Park Bench (Gallery 13/Simon & Schuster)
  • Emil Ferris, My Favorite Thing Is Monsters (Fantagraphics)
  • Cathy Malkasian, Eartha (Fantagraphics)
  • Jiro Taniguchi, Furari, Louis Vuitton Travel Guide: Venice (Fanfare/Ponent Mon)

Melhor arte-finalista ou time de arte-finalistas

  • Isabelle Arsenault, Louis Undercover (Groundwood Books/House of Anansi)
  • Mitch Gerads, Mister Miracle (DC)
  • Gary Gianni, Hellboy: Into the Silent Sea (Dark Horse)
  • Ramón K. Perez, Jane (Archaia)
  • David Rubín, Black Hammer #9 & #12, Ether, Sherlock Frankenstein #1–3 (Dark Horse); Beowulf (Image)

Melhor desenhista/artista multimídia (páginas internas)

  • Federico Bertolucci, Love: The Dinosaur, Little Tails (Lion Forge/Magnetic)
  • EFA, Monet: Itinerant of Light (NBM)
  • Jean-Pierre Gibrat, Flight of the Raven (EuroComics/IDW)
  • Cyril Pedrosa, Portugal (NBM)
  • Sana Takeda, Monstress (Image)

Melhor capista

  • Jorge Corona, No. 1 with a Bullet (Image)
  • Nick Derington, Mister Miracle (DC); Doom Patrol (DC Young Animal)
  • Brian Stelfreeze, Black Panther (Marvel)
  • Sana Takeda, Monstress (Image)
  • Julian Totino Tedesco, Hawkeye (Marvel)

Melhor Colorista

  • Emil Ferris, My Favorite Thing Is Monsters (Fantagraphics)
  • Mitch Gerads, Mister Miracle (DC)
  • Ed Piskor, X-Men: Grand Design (Marvel)
  • David Rubín, Ether, Black Hammer, Sherlock Frankenstein (Dark Horse); Beowulf(Image)
  • Dave Stewart, Black Hammer, BPRD: Devil You Know, Hellboy: Into the Silent Sea, Sherlock Frankenstein, Shaolin Cowboy (Dark Horse);
  • Maestros (Image)
  • Rosemary Valero-O’Connell, What Is Left (ShortBox)

Melhor letreirista

  • Isabelle Arsenault, Louis Undercover (Groundwood Books/House of Anansi)
  • Clayton Cowles, Bitch Planet: Triple Feature, Redlands, The Wicked + The Divine(Image); Black Bolt, Spider-Gwen, Astonishing X-Men (Marvel)
  • Star Wars (Marvel)
  • Emil Ferris, My Favorite Thing Is Monsters (Fantagraphics)
  • Stan Sakai, Usagi Yojimbo, Groo: Slay of the Gods (Dark Horse)
  • John Workman, Mother Panic (DC Young Animal); Ragnorak (IDW)

Melhor Quadrinho relacionado a jornalismo

  • Alter Ego, editado por Roy Thomas (TwoMorrows)
  • The Comics Journal, editado por Dan Nadel, Timothy Hodler, e Tucker Stone (Fantagraphics)
  • Hogan’s Alley, editado por Tom Heintjes
  • Jack Kirby Collector, editado por John Morrow (TwoMorrows)
  • PanelXPanel magazine, editado por Hassan Otsmane-Elhaou,

Melhor livro sobre quadrinhos

  • Deconstructing the Incal by Alejandro Jodorowsky and Moebius, de Jean Annestay e Christophe Quillien (Humanoids)
  • How Comics Work, de Dave Gibbons e Tim Pilcher (Wellfleet Press/Quarto Group)
  • How to Read Nancy: The Elements of Comics in Three Easy Panels, de Paul Karasik e Mark Newgarden (Fantagraphics)
  • Line of Beauty: The Art of Wendy Pini, de Richard Pini (Flesk)
  • Monograph, de Chris Ware (Rizzoli)
  • To Laugh That We May Not Weep: The Life and Times of Art Young, de Glenn Bray e Frank M. Young (Fantagraphics)

Melhor trabalho acadêmico

  • The Comics of Charles Schulz: The Good Grief of Modern Life, editado por Jared Gardner e Ian Gordon (University Press of Mississippi)
  • Ethics in the Gutter: Empathy and Historical Fiction in Comics, de Kate Polak (Ohio State University Press)
  • Latinx Superheroes in Mainstream Comics, de Frederick Luis Aldama (University of Arizona Press)
  • Neon Visions: The Comics of Howard Chaykin, de Brannon Costello (LSU Press)
  • Picturing Childhood: Youth in Transnational Comics, editado por Mark Heimermann and Brittany Tullis (University of Texas Press)

Melhor design de publicação

  • Akira 35th Anniversary Edition, design de Phil Balsman, Akira Saito (Veia), NORMA Editorial, e MASH•ROOM (Kodansha)
  • Celebrating Snoopy, design de Spencer Williams e Julie Phillips (Andrews McMeel)
  • Monograph, design de Chris Ware (Rizzoli)
  • My Favorite Thing Is Monsters, design de Jacob Covey (Fantagraphics)
  • Will Eisner: The Centennial Celebration, 1917-2017, design de John Lind (Kitchen Sink/Dark Horse)

Melhor Webcomic

Melhor Quadrinho Digital

  • Bandette, de Paul Tobin e Colleen Coover (Monkeybrain/comiXology)
  • Barrier, de Brian K. Vaughan e Marcos Martin (Panel Syndicate)
  • The Carpet Merchant of Konstaniniyya, de Reimena Yee (reimenayee.com/the-carpet-merchant)
  • Contact High, de James F. Wright e Josh Eckert (gumroad.com/l/YnxSm)
  • Harvey Kurtzman’s Marley’s Ghost, de Harvey Kurtzman, Josh O’Neill, Shannon Wheeler, e Gideo Kendall (comiXology Originals/Kitchen, Lind & Associates)
  • Quince, de Sebastian Kadlecik, Kit Steinkellner, e Emma Steinkellner, traduzido por Valeria Tranier (Fanbase Press/comiXology)

Prêmio Bill Finger para Roteiro em Quadrinhos foi para Joye Murchison Kelly e Dorothy Woolfolk (póstumo), que trabalharam na Era de Ouro.

Prêmio Bob Clampett de Ajuda Humanitária foi para Frederick Joseph, que criou o Desafio Pantera Negra e ajudou a levar crianças do Harlem para o cinema assistir ao filme da Marvel. Em seu discurso de agradecimento, ele disse que este ano vai lançar o Desafio Capitã Marvel, para levar mulheres e meninas das associações com quem ele trabalha aos cinemas. Comics4Kids também ganhou o prêmio, pelo seu trabalho de doação de quadrinhos de segunda-mão para crianças.

Prêmio Espírito da Indústria foi para a Norma Comics, em Barcelona, na Espanha.

Entraram no Hall da Fama dos Quadrinhos: Carol Kalish, Jackie OrmesCharles AddamsKaren BergerDave GibbonsRumiko Takahashi

Cérebro mostra I.A. em Recife futurista; confira detalhes da HQ

A VillaLux lança este mês Cérebro, publicação escrita por Eron Villar com desenhos de Carlos Eduardo Cunha.

cerebro_cover
Modus Operandi

A publicação se passa no Recife em um futuro fictício e apresenta a história do projeto Cérebro, um experimento neurotecnológico desenvolvido por uma Coordenação Especial formada pelas várias polícias internacionais.

O programa recruta agentes e soldados para serem treinados por I.As (inteligências artificiais) no intuito de desenvolver suas capacidades motoras e intelectuais acima da média dos seres humanos, aumentando sua sensibilidade, inteligência, reflexo e perspicácia. Rone e Vitor são os primeiros agentes a irem a campo, após um ano de treinamento intenso e cuidadoso. Sua determinação e destreza despertam muita intriga dentro da própria organização.

Nesta primeira edição, Modus Operandi, veremos essa dupla desvendar um caso de tráfico de drogas, que a princípio, parece ser apenas mais um cartel, mas trata-se do desenvolvimento de uma droga “perfeita”. Reflexão, inteligência e muita ação permeiam as 24 páginas de história. [Fábio de Souza Gomes]

Superman ganha mini-animação para divulgar novas HQs

A DC Comics divulgou o comercial criado para divulgar a fase de Brian Michael Bendis em Superman e Action Comics. Confira:

O primeiro trabalho do autor foi lançado em Action Comics #1000. Depois ele trabalhou na minissérie de seis partes chamada Man of Steel e, agora, começará a escrever a HQ solo do herói e a Action Comics, com o lançamento da nova Superman #1 Action #1001.

Artista curitibano Butcher Billy faz ilustrações sobre a série Black Mirror para a Netflix

Foi uma frustração profissional que fez Billy Mariano abandonar a carreira de designer para se tornar Butcher Billy.

15242580275ada54eba635c_1524258027_3x2_md.jpg
Ilustrações de Butcher Billy sobre episódios da série Black Mirror

Cansado da rotina de agências publicitárias, o curitibano começou a fazer ilustrações em suas horas vagas e a postá-las na internet. Foi pelo Twitter que o roteirista inglês Charlie Brooker, criador da série Black Mirror, descobriu suas obras.

“Tão bom! Vou ter que encomendar impressões disso – como posso fazer isso?”, disse.

Não só as obras foram impressas como outras foram encomendadas para fazer parte do cenário de episódios da série.

“Eu trazia muitos elementos da cultura pop mas não sabia que estava criando uma arte. Descobri quando as pessoas começaram a nomear assim”, diz Billy.

Seu reconhecimento, no entanto, é mais estrangeiro que nacional. O artista já foi convidado a participar de exposições em cidades como Londres, Lisboa, Chicaco e Dubai, mas ainda não recebeu convites para expor no Brasil.

“Minhas referências também são muito internacionais. Gosto de Tim Burton, Tarantino, Andy Warhol, Bokowski, David Bowie…”, conta. Seu próprio nome artístico foi inspirado no seu tataravô, um açougueiro irlandês que tinha o apelido de “The Butcher” por participar de confrontos na Guerra da Independência da Irlanda, em 1919, empunhando cutelos.

“Eu não me inspiro só em desenhistas. Gosto de cruzar vários universos. Fui desenvolvendo esse estilo visual e conceitual de misturar ficção e realidade, clássico e contemporâneo, quadrinhos, games, música. É a isso que me dedico agora”, diz. [Serafina]

Heróis da DC se juntam com heroína porto-riquenha para ajudar na reconstrução de Porto Rico

Revista criada pelo roteirista Edgardo Miranda-Rodríguez espera angariar fundos para instituições da ilha

Sem título.jpg
Uma super heroína porto-riquenha irá se juntar aos heróis da DC para ajudar na reconstrução de Porto Rico Foto: Twitter/@MrEdgardoNYC

Um grupo de artistas e roteiristas de quadrinhos norte-americanos e porto-riquenhos se juntaram para criar a antologia Ricanstruction, organizada pelo roteirista Edgardo Miranda-Rodriguez como forma de angariar fundos para a reconstrução de Porto Rico após os devastadores furacões que passaram pela ilha caribenha em 2017.

Serão mais de cem histórias que terão como personagem principal a La Borinqueña, uma super heroína porto-riquenha criada por Rodríguez e que faz sucesso na internet com a comunidade boricua. Nas tramas, a personagem irá se juntar aos personagens clássicos da DC como Mulher Maravilha, Batman e Super-Homem para ajudar na reconstrução da ilha caribenha.

Sem título.jpgSegundo o jornal The New York Times, a editora cedeu os direitos de uso dos personagens sem custos para Rodriguez como forma de trazer visibilidade ao projeto. Com histórias criadas por veteranos da indústria como Gail Simone, Greg Pak e Reggie Hudlin até pessoas sem envolvimento com quadrinhos, como a atriz Rosario Dawson, Rodriguez pretende mostrar aspectos desconhecidos da cultura porto-riquenha ao público.